Programação

Modalidade:
Área:
Autores:
Palavra-Chave:


Resultado da busca [Siglas PR0022 a PR0031 ]
 9 Resumo encontrados. Mostrando de 1 a 9


PR0022 - Painel Aspirante
Área: 2 - Terapia endodôntica

Apresentação Remota: 02/09 - Horário: 08h00 - 09h45 - Sala: 2

Efeito de três sistemas de NiTi mecanizados na modelagem e segurança do preparo biomecânico de canais mesiais de molares inferiores
Coelho LAS, Dourado TTH, Titato PCG, Vivan RR, Alcalde MP, Duarte MAH
Dentística, Endodontia e Materiais Odont UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - BAURU
Conflito de interesse: Não há conflito de interesse

O objetivo do presente estudo foi comparar a segurança e capacidade modelagem de três sistemas mecanizados no preparo de canais mesiais de molares inferiores. Quarenta e cinco molares inferiores com canal mesial Vertucci tipo IV, pareados em micro-CT de acordo com as semelhanças anatômicas, foram divididos aleatoriamente em 3 grupos (n=15): Genius ProFlex; ZenFlex; Truanatomy. Durante a instrumentação, 20 mL de NaOCl 2,5% foram utilizados e a irrigação final foi feita com 2 mL de EDTA 17% por 3 minutos e 5mL de soro fisiológico. Os dentes foram novamente escaneados, analisando-se de forma total e por terço o desgaste e porcentagem de alteração de volume de dentina, centralização e transporte do canal radicular. Os dados foram submetidos aos testes ANOVA e Tuckey (p<0,05). Em relação ao desgaste de dentina, os sistemas TruNatomy e Genius ProFlex apresentaram maior desgaste na parede distal no terço cervical do canal mesiovestibular, quando comparado ao ZenFlex (p<0,05). Na análise da porcentagem de alteração de volume de dentina, o Genius ProFlex apresentou menor alteração no canal mesiovestibular quando comparado aos outros sistemas (p<0,05). Na centralização, o ZenFlex apresentou maior capacidade de centralização no canal mesiolingual a nível de 3mm apical comparado aos demais sistemas (p<0,05), enquanto que nenhuma diferença significativa foi observada entre os sistemas em nenhum nível em ambos os canais em relação ao transporte (p>0,05).

Os três sistemas de níquel-titânio proporcionaram um preparo seguro, sendo Genius ProFlex o sistema mais conservador.

(Apoio: CNPq  N° 133268/2020-9)
PR0023 - Painel Aspirante
Área: 8 - Periodontia

Apresentação Remota: 02/09 - Horário: 08h00 - 09h45 - Sala: 2

O uso do óleo de girassol altamente ozonizado não melhora a área cicatricial de feridas palatinas: um ensaio clínico randomizado controlado
Loureiro BB, Juber P, Souza AA, Cezario EM, Romeiro RL, Lima-Junior JC, Fontes KBFC, Zuza EP
FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE- PÓLO NOVA FRIBURGO
Conflito de interesse: Não há conflito de interesse

O ozônio é uma molécula que desempenha um papel importante na odontologia, principalmente na cicatrização de feridas. O objetivo do presente estudo foi avaliar clínica e imunologicamente o efeito do óleo ozonizado na cicatrização de feridas palatinas. Trata-se de um ensaio clínico prospectivo, longitudinal, triplo-cego, randomizado e controlado por placebo. Os grupos foram divididos da seguinte forma: Grupo teste (n=14): após a retirada do enxerto gengival livre (FGG), a ferida palatina foi tratada com óleo de girassol ozonizado com índice de peróxido entre 510 - 625 meq O2/kg; Grupo controle (n=14): após a retirada do FGG, a ferida palatina foi tratada com óleo de girassol não ozonizado (placebo). Os tratamentos foram aplicados três vezes ao dia, durante sete dias. Os resultados mostraram que não houve diferenças significativas nas medidas da área da ferida (mm2) entre os grupos teste e controle nos diferentes períodos avaliados (0, 3, 7 e 14 dias; P>0,05). A análise intragrupo mostrou uma diminuição significativa no tamanho da ferida ao longo dos dias (0, 3, 7 e 14 dias; P<0,05). O fator de crescimento endotelial vascular (VEGF; pg/mL) apresentou redução significativa aos 7 dias (p<0,05) em relação ao dia 3 no grupo teste (p<0,05). Houve diferença estatística para malondialdeído (MDA; pg/mL) no grupo teste entre 3 e 7 dias pós-tratamento (p<0,05) e entre os grupos teste e controle no 7º dia (p<0,05).

O uso do óleo de girassol altamente ozonizado não melhorou a área cicatricial remanescente do palato, diminuindo o VEGF e aumentando o marcador de estresse oxidativo MDA.

PR0024 - Painel Aspirante
Área: 8 - Periodontia

Apresentação Remota: 02/09 - Horário: 08h00 - 09h45 - Sala: 2

Eficácia de enxaguatório bucal à base de extratos vegetais na gengivite induzida pelo biofilme dental na infância: revisão sistemática
Araujo CCN, Fraga VFF, Antunes LAA, Camargo GACG
Odontologia FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE- PÓLO NOVA FRIBURGO
Conflito de interesse: Não há conflito de interesse

O objetivo desse estudo é avaliar evidência científica do efeito de colutórios à base de produtos naturais no controle de biofilme e inflamação gengival na infância em comparação à clorexidina. Realizou-se revisão sistemática qualitativa, com buscas de dados entre março/abril de 2022, em bases de dados eletrônicos e literatura cinzenta. Seis ensaios clínicos randomizados foram selecionados por atenderem aos critérios de inclusão. Foram excluídos diferentes tipos de publicação, que associaram o diagnóstico da doença periodontal ao tratamento ortodôntico, alterações sistêmicas ou hábitos deletérios Para avaliação do risco de viés dos estudos selecionados, utilizou-se ferramenta da Colaboração Cochrane para estudos randomizados RoB 2 e GRADE, para nível de evidência e força de recomendação. Observou-se que enxaguatórios de produtos naturais à base de Aloe Vera L., Azadirachta indica L., Triphala, Cymbopogon citratus L. apresentaram resultados semelhantes à clorexidina na redução do biofilme dental e inflamação gengival, baseados em índices periodontais. A qualidade da evidência variou de moderada a baixa. Futuros ensaios clínicos deverão ser conduzidos visando melhor compreensão sobre compostos e mecanismos de ação dos produtos naturais.

Conclui-se que, apesar de enxaguatórios bucais à base de extratos vegetais apresentarem- se como caminho promissor coadjuvante no controle mecânico do biofilme dentário em crianças, evidências são provenientes de estudos de moderada a baixa qualidade metodológica. Registro base PROSPERO CRD42022321139

PR0025 - Painel Aspirante
Área: 8 - Periodontia

Apresentação Remota: 02/09 - Horário: 08h00 - 09h45 - Sala: 2

Influência do Diabetes Mellitus tipo 2 e da Periodontite no perfil inflamatório de biópsias de tecido gengival
Martelli MGG, Silva RCL, Nicchio IG, Caldeira FID, Cerri PS, Leite FRM, Orrico SRP, Scarel-Caminaga RM
Departamento de Morfologia UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - ARARAQUARA
Conflito de interesse: Não há conflito de interesse

A presença concomitante de Diabetes Mellitus tipo 2 (DM2) e Periodontite (P) tem sido sendo cada vez mais comum. Tanto o DM2 quanto a P alteram a expressão de mediadores inflamatórios, sendo capazes de interferir no recrutamento de células imunes. Considerando o acompanhamento clínico que foi realizado de pacientes que necessitaram de terapia periodontal cirúrgica, na qual foi possível coletar cerca de 1mm de tecido gengival, nosso objetivo neste estudo foi avaliar se a presença de DM2 tem impacto no infiltrado inflamatório de pacientes com P. Passaram por anamnese, exames físico, bioquímico e periodontal, 150 indivíduos, que foram divididos em 5 grupos (n=30 cada): Controle (C); Periodontite (P), indivíduos com DM2 e sem P (DM2_sem_P); pacientes com P e DM2 compensados (P+DM2Comp); pacientes com P e DM2 descompensados (P+DM2Descomp). No momento da terapia cirúrgica, sob consentimento do paciente, foi coletado cerca de 1mm de tecido gengival, o qual foi posteriormente processado, incluído em parafina, e corado com Hematoxilina e Eosina para análise morfológica e morfométrica. Os resultados revelaram que os pacientes do Grupo C possuíam uma menor taxa de células inflamatórias, enquanto os indivíduos dos grupos Periodontite, e DM2_sem_P, apresentaram maior densidade de volume de células inflamatórias. A área ocupada por colágeno mostrou-se evidentemente reduzida em DM2_sem_P, comparada aos demais grupos.

Conclui-se que a presença de DM2, e não apenas a Periodontite, contribui para o aumento da inflamação tecidual e degradação da matriz extracelular.

(Apoio: FAPESP  N° 2016/03753-8 e 2016/08070-6)
PR0026 - Painel Aspirante
Área: 8 - Periodontia

Apresentação Remota: 02/09 - Horário: 08h00 - 09h45 - Sala: 2

Avaliação biomecânica da influência da Coenzima Q10 sobre as tíbias de ratos expostas ou não à nicotina
Piovezan BR, Matheus HR, Fiorin LG, Vitória OAP, Furquim EMA, Fortunato GL, Ervolino E, Almeida JM
Diagnóstico e Cirurgia UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - ARAÇATUBA
Conflito de interesse: Não há conflito de interesse

O propósito foi avaliar a influência da suplementação oral da Coenzima Q10(Q10) na resistência de tíbias de ratos modificados sistemicamente ou não pela nicotina. Oitenta ratos, foram divididos em 4 grupos (n=20) e 2 períodos, 7 e 28 dias, respectivamente. Nos 30 dias anteriores, os animais receberam duas injeções subcutâneas diárias de 0,5ml na concentração 3mg/kg de hemissulfato de nicotina(NIC) ou solução salina 0.9% (SS) na região dorsal via subcutânea, com 12 horas de intervalo. A partir do dia 30, o protocolo se constituiu na administração, via gavagem gástrica, da dose diária de 1ml de Q10 na contração de 120mg/kg ou glicerina vegetal até as eutanásias aos 58 dias. Os grupos foram:SS, SS-Q10, NIC e NIC-Q10. Os animais do grupo NIC e Q10 continuaram recebendo aplicações subcutâneas e gavagem gástrica, respectivamente, por mais 28 dias até o fim do experimento. As eutanásias foram realizadas aos 7 e 28 dias após início da suplementação. As peças foram processadas sem desmineralização para análise biomecânica. Os dados foram submetidos aos testes adequados(p<0,05). Em análise intergrupos da força máxima(N) e módulo de elasticidade(Mpa) os grupos não apresentaram diferenças significativas, tanto aos 7, quanto aos 28 dias.

Houveram evidências de efeito benéfico na resistência das tíbias dos grupos associados a coenzima Q10.

PR0027 - Painel Aspirante
Área: 2 - Terapia endodôntica

Apresentação Remota: 02/09 - Horário: 08h00 - 09h45 - Sala: 2

Capacidade anestésica da Articaína com método sem agulha (Comfort-in) em pacientes com Pulpite Irreversível: Ensaio Clínico Randomizado
Nogueira APA, Guida S, Rizzi CC, Ferreira MC, Colins DC, Bauer JRO, Carvalho CN
Programa de Pós-Graduação em Odontologia UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO
Conflito de interesse: Não há conflito de interesse

Introdução: A inflamação da polpa dentária ou pulpite pode gerar dores intensas e o alívio dela é possível por meio do emprego da técnica anestésica. Objetivo: Avaliar a capacidade anestésica da articaína com técnica anestésica infiltrativa e uso do Comfort- inTM em dentes diagnosticados com pulpite irreversível sintomática. Metodologia: Foi um ensaio clínico randomizado cego paralelo com 62 pacientes que foram alocados aleatoriamente em dois grupos - Convencional e Comfort-In. A anestesia local foi feita com articaína 4% com 1 /100.000 de epinefrina sendo padronizado um tubete para cada dente. Para o grupo Convencional foi empregada a técnica infiltrativa tradicional. O grupo Comfort-In teve a anestesia aplicada de forma fracionada, a primeira ampola continha 0,1ml de solução e as demais contaram 0,4ml da articaína até que todo tubete fosse aplicado. Foram avaliadas a capacidade anestésica, tempo de latência da articaína e a dor (no momento da aplicação da anestesia, trans e pós-operatória) utilizando escala NRS e foram utilizados os Teste de Friedman, Teste de Wilcoxon e Teste de Mann-Whitney para essa avaliação. Resultados: Não foi observada diferença estatística em relação a complementação anestésica por grupo dental (p = 0,374). Houve diferença estatística em relação a dor imediatamente após anestesia (p <0,001) e durante a comparação entre dois tempos nos grupos de dentes pré-molar superior e molar superior alocados no grupo Convencional e Comfort-In.

O Comfort-inTM possui capacidade anestésica, tempo de latência e de ação similar a anestesia tradicional.

PR0028 - Painel Aspirante
Área: 2 - Terapia endodôntica

Apresentação Remota: 02/09 - Horário: 08h00 - 09h45 - Sala: 2

Resultado do tratamento endodôntico com ampliação foraminal de dentes com periodontite apical assintomática: um estudo retrospectivo
Gobbo LB, Silva TA, Araújo LP, Oliveira DP, Soares AJ, Gomes BPFA, Almeida JFA, Ferraz CCR
Odontologia Restauradora FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA
Conflito de interesse: Não há conflito de interesse

Este estudo retrospectivo visava estimar a taxa de sucesso (TS) do tratamento endodôntico primário em dentes com diagnóstico de necrose pulpar (NP) e periodontite apical assintomática (PAA) quando associado a ampliação foraminal à técnica de instrumentação e o gel de clorexidina a 2% como substância química auxiliar (SQA). Este estudo avaliou 178 pacientes com 206 dentes submetidos a tratamento endodôntico primário realizados por alunos do curso de especialização em endodontia. Os critérios de inclusão foram pacientes que foram submetidos a tratamento durante um período de 1 a 7 anos em dentes com diagnóstico de NP e PAA. O TS foi avaliado clínica e radiograficamente, sendo categorizados considerando critérios "rigorosos" (reparo completo da lesão perirradicular) ou "menos rígidos" (redução do tamanho da lesão perirradicular existente). Os casos de ausência de reparo clínico e/ou radiográfico foram classificados como um fracasso. Dois examinadores calibrados avaliaram independentemente os resultados do tratamento utilizando o software ImageJ.

As TS foram 81,1% e 87,4% ao considerar os critérios "rigorosos" ou "menos rígidos", respectivamente. Dentro das limitações deste estudo, verificou-se que os dentes com diagnóstico de NP e PAA, tratados com a associação do gel de clorexidina a 2% e ampliação foraminal, alcançaram uma TS substancial. O sexo e a idade foram fatores prognósticos que desempenharam um papel significativo no TS. Estudos futuros devem investigar melhor os efeitos da ampliação foraminal e do gel de clorexidina a 2% como SQA.

PR0029 - Painel Aspirante
Área: 2 - Terapia endodôntica

Apresentação Remota: 02/09 - Horário: 08h00 - 09h45 - Sala: 2

Efeito da terapia de fotobiomodulação na prevenção da dor pós-operatória em casos de pulpite irreversível sintomática
Guida S, Ferreira MC, Nogueira APA, Carvalho CN
Odontologia CENTRO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO
Conflito de interesse: Não há conflito de interesse

A dor pós-operatória é uma complicação que ocorre após a intervenção endodôntica, com maiores índices em dentes tratados com emergência prévia. Esse estudo teve como objetivo investigar a intensidade de dor pós-operatória após pulpectomia e o efeito do uso do laser de baixa potência para analgesia em dentes humanos permanentes com pulpite irreversível. O estudo foi um ensaio clínico randomizado com 42 pacientes, alocados em dois grupos de 21 indivíduos, sendo o Grupo Experimental com uso do laser AsGaAl (comprimento de onda 808nm e potência 100Mw) e o Grupo Controle sem laser. Foram aplicadas escalas de dor e um dispositivo para verificar a sensibilidade ao morder. As características demográficas e de medicação foram avaliadas para os grupos, assim como a análise intragrupo múltipla quanto à intensidade de dor espontânea. A intensidade da dor entre os grupos foi comparada considerando cada tempo de avaliação. Houve diferença estatística significativa pela escala numérica entre os grupos após 12 horas (p = 0,042) e 24 horas (p = 0,022) do procedimento, indicando maior ápice de dor. Para a escala visual analógica só houve diferença estatística significativa 24 horas após o atendimento de urgência endodôntica, que apontou um aumento significativo (p = 0,019) da dor espontânea.

A aplicação do laser de baixa potência não foi eficaz ou superior na analgesia de dentes permanentes com pulpite irreversível sintomática, evidenciando que a utilização da terapia de fotobiomodulação não potencializa o efeito analgésico para cessar ou prevenir a dor após a pulpectomia.

PR0030 - Painel Aspirante
Área: 2 - Terapia endodôntica

Apresentação Remota: 02/09 - Horário: 08h00 - 09h45 - Sala: 2

Procedimento endodôntico regenerativo usando Emdogain®: série de casos
Colins DC, Silva KTL, Lima SNL, Silva GR, Nogueira APA, Sousa DMS, Ferreira MC, Carvalho CN
CENTRO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO
Conflito de interesse: Não há conflito de interesse

Emdogain® (EMD) é um derivado da matriz do esmalte, cujo potencial em procedimentos de endodontia regenerativa (REPs) ainda não é totalmente compreendido, embora tenha demonstrado importante papel na odontogênese com potencialização do reparo e regeneração do tecido pulpar. O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito do EMD na indução da formação de raízes em dentes permanentes imaturos com necrose pulpar por meio de análises clínicas e radiográficas. Dentes permanentes imaturos com polpa necrótica (n=3) em pacientes de 8 e 12 anos de idade foram tratados com REP usando EMD. O protocolo foi dividido em duas sessões com intervalo de duas semanas: em ambas foram realizadas irrigação intracanal e secagem, e na segunda sessão foi induzido o sangramento com EMD, com posterior selamento com cimento de agregado trióxido mineral (MTA), colocação de cimento de ionômero vidro restaurador e restauração em resina composta. Os exames de acompanhamento mostraram os dentes sem quaisquer sinais ou sintomas. O exame radiográfico final aos 12 e 24 meses, respectivamente, revelou resolução completa das lesões (quando presentes) e fechamento apical evidente. Um aumento no comprimento da raiz e espessamento das paredes da dentina radicular foi observado em todos os casos.

Além das vantagens já conhecidas dos PERs, conclui-se que são também um tratamento promissor para fechamento apical radicular e que o EMD poderia potencializar este processo, justificando ensaios clínicos randomizados controlados.