Pa001 

Análise eletromiográfica do músculo orbicular da boca, fascículos superior e inferior em indivíduos surdos

REGALO, S. C. H.*, VITTI, M., SEMPRINI, M., MATTOS, M. G. C., LOPES, R. A., TOSELLO, D. O., CONSTÂNCIO, R. F. J., PEGORARO, M. E.

Morfologia, Estomatologia e Fisiologia - Universidade de São Paulo. E-mail: regalo@netsite.com.br

A fim de elucidar o desempenho da musculatura facial, especificamente da região peribucal, em atividades como a mastigação, a deglutição e a própria fala, a eletromiografia (EMG), na pesquisa clínica de vá­rias especialidades, tem se constituído em um importante instrumento para a investigação das bases fisiopatológicas das alterações que acometem esta musculatura. Este trabalho teve por objetivos analisar por meio de eletromiografia o músculo orbicular da boca, fascículos superior e inferior em pacientes surdos, respiradores bucais e lábios incompetentes; pacientes surdos respiradores nasais e lábios competentes e pacientes clinicamente normais, respiradores nasais e lábios competentes, comparando-se sete condições clínicas: repouso sem e com contato labial, sucção de água, sopro, projeção e compressão labial e emissão do fonema “PA”.

Foi verificado que, no grupo dos surdos, a musculatura apresentou uma hiperatividade na maioria dos movimentos analisados, principalmente para o grupo de respiradores bucais com lábios incompetentes e o músculo orbicular da boca, fascículo inferior, foi o que desenvolveu maior atividade eletromiográfica.

 Pa002

Identificação de uma nova mutação em uma família com osteogênese imperfeita e dentinogênese imperfeita

PALLOS, D.*, HART, T. C., BRUNONI, D.

Odontologia - Universidade de Taubaté. E-mail: dpallos@netpoint.com.br

A osteogênese imperfeita (OI) é o resultado de uma anormalidade do colágeno do tipo I e é caracterizada principalmente por fragilidade óssea. Os autores identificaram uma família brasileira com quatro gerações, apresentando OI, hiperflexibilidade das articulações, dores articulares e dentinogênese imperfeita. Dentes opalescentes e/ou evidências radiográficas de dentinogênese imperfeita foram encontrados em todos os indivíduos afetados. Após a análise de ligação genética positiva para a região cromossômica 17q21, o objetivo deste estudo foi o de identificar a mutação existente no gene candidato colágeno tipo 1. Através da técnica de eletroforese por gel de conformação sensitiva (CSGE) os produtos com variações foram identificados e seqüenciados. O seqüenciamento das variações exônicas identificou uma mutação G/T no éxon 32, nucleotídeo 2209. Esta mutação prevê a substituição Gly599Cys na proteína. A mutação foi identificada em todos os indivíduos considerados afetados e o mesmo não foi verificado nos outros membros da família. Tal mutação não tinha sido previamente descrita.

A associação de hiperextensão articular, dores articulares e DI sem evidências de esclera azul ou alta incidência de fraturas ósseas pode ser uma nova variação clínica da osteogênese imperfeita tipo IV-B.

 Pa003

Estudo da associação entre exposições ambientais e a ocorrência de fendas lábio-palatinas em uma amostra hospitalar

LEITE, I. C. G.*, KOIFMAN, S., PAUMGARTTEN, F. J. R.

Distúrbios Morfofuncionais - Universidade Presidente Antonio Carlos. E-mail: icgleite@bol.com.br

As fendas lábio-palatinas e palatinas isoladas são uma das anomalias craniofaciais mais freqüentes. Desenvolveu-se um estudo caso-controle para identificação de fatores de risco ambientais, reunindo 274 casos de fendas fa­ciais típicas e 548 controles hospitalares pareados por procedência, sexo e idade. A análise logística condicional indicou que a história pregressa de fendas na família materna/paterna foi significativa, bem como outras anomalias congênitas (OR 2,86; IC 95%1,61-5,00) e parentesco entre os pais (OR 3,80; IC 95%1,27-12,18) para FL ± P. Quadros de doença materna foram associados com o total de fendas (OR 2,25; IC 95%1,63-3,10), sobretudo infecções ginecológicas, distúrbios neurológicos e viroses. O tabagismo materno associou-se com FL ± P (OR 1,59; IC 95% 1,04-2,44), com efeito dose-resposta (p = 0,03). Também destacou-se o tabagismo materno passivo (OR 1,48; IC 95%1,09-2,01). O etilismo materno associou-se tanto a [(FL ± P) + FP]. O uso de inseticidas comerciais e uso de pesticidas para controle de vetores em áreas residenciais também se destacou, especialmente para FL ± P, tanto no período prévio (OR 3,67; IC 95% 1,32-13,85) quanto 1º trimestre (OR 4,87; IC 95% 2,07-15,57).

Os resultados indicam o papel de exposições ambientais potencialmente envolvidas com estas malformações, não somente aquelas habitualmente descritas, mas também o uso caseiro de inseticidas, proximidade residencial com fábricas e certos grupos ocupacionais. O monitoramento destas fontes, bem como dos desfechos de gestações a elas submetidas, podem vir a representar uma oportunidade única de identificação de exposições danosas para a mãe e para o concepto, refletindo-se em medidas de intervenção voltadas para sua prevenção. (Apoio financeiro: FIOCRUZ, CNPq.)

 Pa004 

Uso da vitamina C no reimplante dental tardio: estudo microscópico em ratos

PANZARINI, S. R.*, PERRI DE CARVALHO, A. C., POI, W. R., PEDRINI, D., SONODA, C. K.

Cirurgia e Clínica Integrada - Universidade Estadual Paulista. E-mail: panzarin@foa.unesp.br

O objetivo deste trabalho foi avaliar microscopicamente, em reimplantes tardios de dentes de rato, os efeitos do tratamento da superfície radicular com hipoclorito de sódio a 1% seguido da aplicação de fluoreto de sódio a 2% e duas soluções diferentes de vitamina C. Foram utilizados 30 ratos (Rattus norvergicus, albinus, Wistar) que tiveram seus dentes extraídos e deixados na bancada por um período de 6 horas. A seguir papila dental e o órgão do esmalte foram seccionados e polpa removida por via retrógrada. Os canais foram irrigados com hipoclorito de sódio a 1% e os amimais divididos em três grupos: Grupo I - superfície radicular tratada com solução de hipoclorito de sódio a 1% por 10 min, em seguida lavando em soro fisiológico por 10 min e aplicação de fluoreto de sódio fosfato acidulado a 2% por mais 10 minutos, Grupo II e III - mesmo tratamento inicial do Grupo I seguido da aplicação de vitamina C (Apothicário - Farmácia de Manipulação) ou Redoxon 2 g (Roche) por 10 min. Os dentes foram obturados com pasta de hidróxido de cálcio e reimplantados. Todos os animais receberam dose única de 20.000 UI de penicilina G benzatina por via intraperitoneal. Os animais foram sacrificados após 10 e 60 dias. Os resultados mostraram que o grupo do fluoreto (Grupo I) foi o que apresentou maiores áreas de reabsorção por substituição e anquilose e que das formas de vitamina C utilizadas, a efervescente (Grupo III) foi a que apresentou resultados mais favoráveis com ­áreas de anquilose e reabsorção por substituição.

A utilização do fluoreto de sódio fosfato acidulado a 2% promoveu maior quantidade de áreas de anquilose e reabsorção por substituição. Das formas de vitamina C, a efervescente foi a que apresentou resultados mais favoráveis. (Apoio: FUNDUNESP.)

 Pa005

Avaliação histológica de transplantes de cartilagem xenógena preservada em álcool e glicerina, na mandíbula de ratos

VIANA, A. M.*, CHIN, V. K. L., SANTIAGO, J. L.

Cirurgia, Prótese e Traumatologia Maxilo-Faciais - Universidade de São Paulo. E-mail: adriviana@hotmail.com

Os transplantes são freqüentemente utilizados por diversas especialidades médicas e odontológicas. Os métodos de preservação e armazenamento são considerados de grande importância, porém poucos estudos até agora avaliaram o método de conservação da cartilagem xenógena. O presente estudo avaliou comparativamente em experimento animal a resposta tecidual ao transplante de cartilagem xenógena conservada em álcool absoluto e glicerina. Vinte e cinco ratos adultos, fêmeas, de 200 g a 300 g, foram divididos em 5 grupos e submetidos à cirurgia para a observação da viabilidade dos transplantes - cartilagens de coelho Oryctollagus cunicullus l., conservada em álcool absoluto, e porco raça Landrace, conservada em glicerina 98% - posicionados em loja óssea bicortical em ângulo da mandíbula. Os animais foram sacrificados após períodos de 3, 10, 20, 30 e 60 dias. A mandíbula foi removida, descalcificada e preparada em cortes sagitais para análise descritiva por microscopia comum (H. E.) e por luz polarizada. A análise dos resultados mostrou reabsorção dos transplantes com infiltração inflamatória e neoformação óssea ao redor da loja cirúrgica, apresentando a cartilagem xenógena preservada em álcool resposta inflamatória inicial mais intensa.

Concluiu-se que ambos os transplantes xenógenos, conservados em álcool absoluto e glicerina, atuaram como preenchimento das feridas cirúrgicas, orientando a reparação óssea.

 Pa006

Análise histológica e histomorfométrica do processo de reparo em fratura cirúrgica em ângulo mandibular: estudo em cães

SVERZUT, C. E.*, SALATA, L. A., BRENTEGANI, L. G., ROSA, A. L.

Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Faciais e Periodontia - Universidade de São Paulo. E-mail: cesve@forp.usp.br

O objetivo deste estudo foi analisar o padrão de reparação óssea em fratura cirúrgica de ângulo mandibular, em cães, utilizando-se miniplacas. Foram utilizados 8 cães, divididos em dois grupos, de 2 e 6 semanas de pós-operatório. A análise histológica mostrou um padrão de reparação óssea melhor na porção vestibular do que na lingual, tanto em 2 como em 6 semanas de pós-operatório. A análise histomorfométrica mostrou que ocorre um aumento da distância entre os fragmentos da porção mais vestibular para a mais lingual, porém não se encontrou diferença estatisticamente significante na quantidade de tecido ósseo formado nas duas porções.

Conclui-se que as diferenças encontradas entre os traços de fraturas vestibular e lingual deveram-se à maior estabilidade da porção vestibular pela presença das miniplacas.

 Pa007

Fraturas do assoalho orbital

CAVALCANTE, M. A.*, GANDELMANN, I. H., PEREIRA, B., HORTA, F., FONSECA, D. R.,
ULATE, L. D., RODRIGUES, T.

Clínica Odontológica - Universidade Federal do Rio de Janeiro. E-mail: cidac@uol.com.br

O presente estudo tem como objetivo avaliar a eficácia da reconstrução de fraturas do assoalho da órbita através do enxerto de folha de silicone reforçado. A casuística foi obtida no Serviço de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial do Hospital Municipal Souza Aguiar (Rio de Janeiro) e constou de 16 casos de fratura de assoalho orbitário, sendo estas do tipo “blow-out”, ou seja por explosão. Como requisitos para seleção, os pacientes deveriam apresentar as seguintes características: diplopia, perda dos movimentos do globo ocular e conseqüente limitação do campo visual; bem como a visualização através da incidência radiográfica de Waters da “gota pendente”, indicativa inequívoca desta fratura. Os pacientes foram acompanhados por um período de 12 meses, onde observamos que seis deles (37,5%) apresentaram limitação temporária dos movimentos do globo ocular e 10 (62,5%) tiveram resultado satisfatório quanto a esta característica. Em relação à diplopia e limitação do campo visual, 100% dos pacientes obtiveram resultado satisfatório após a reconstrução do assoalho orbitário com folha de silicone reforçado.

Conclui-se, portanto, que a reconstrução do assoalho de órbita, através do enxerto de folha de silicone reforçado é uma técnica eficiente tendo em vista os bons resultados obtidos neste estudo.

 Pa008 

Análise microscópica da reciclagem de bráquetes metálicos com jateamento de óxido de alumínio

VANZIN, G. D.*, HOFFELDER, L. B., BRAGA, C. P., MARCHIORO, E. M.

Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial - Pontifícia Universidade Católica do Rio. E-mail: guivanzin@hotmail.com

A descolagem acidental de bráquetes é fato comum nas clínicas de Ortodontia. Diante desta situação, o procedimento normalmente adotado é a inutilização destes bráquetes descolados e colagem de um novo acessório, ocasionando um aumento no custo do tratamento. Visando minimizar os custos e, desta forma, otimizar o tempo de tratamento, vários autores propuseram a reutilização de bráquetes descolados acidentalmente através da reciclagem. O propósito dos autores no presente estudo foi avaliar in vitro, de forma qualitativa, a eficácia da reciclagem do jateamento de óxido de alumínio na remoção de dois tipos de resina (ativação física e química) remanescentes nas bases dos bráquetes, e verificar a integridade destas bases após o procedimento. Bráquetes metálicos foram colados em dentes artificiais para padronizar a quantidade de compósito das bases. Após aguardar o período da completa polimerização, os bráquetes foram descolados e submetidos ao jateamento com óxido de alumínio com granulação de 50 mm a uma distância padrão de 5 mm. Análises através do microscópio eletrônico de varredura (MEV) foram realizadas antes e após o procedimento.

Com base nos resultados, concluiu-se que o material de colagem não foi totalmente removido das bases dos bráquetes, bem como não houve distorção das mesmas, embora microporosidades tenham sido encontradas nas superfícies. Além disso, não houve diferença na eficácia de remoção entre os dois tipos de resina.

 Pa009

Reabsorção dentária: determinação de sua freqüência em pacientes com endocrinopatias

FRANCISCONE, T. R. G. C.*, CONSOLARO, A.

Estomatologia - Universidade de São Paulo. E-mail: taniagrao@hotmail.com

Algumas reabsorções dentárias, especialmente durante o uso de aparelhos ortodônticos, têm a sua etiopatogenia empiricamente relacionada com alterações sistêmicas, destacando-se as endocrinopatias. Determinou-se o perfil radiográfico dentário de pacientes sem qualquer tratamento ortodôntico e portadores de endocrinopatias com a finalidade de correlacioná-las com a etiopatogenia das reabsorções dentárias, comparando-os com o perfil radiográfico dentário de pacientes não endocrinopatas. Foram constituídos e analisados, clínica e radiograficamente, dez grupos experimentais, sendo nove deles com dez pacientes cada, assim distinguidos: normais, com hipotireoidismo, hipertireoidismo, hiperparatireoidismo, diabete melito tipo 1, diabete melito tipo 2, climatério, síndrome dos ovários micropolicísticos, pacientes submetidos ao uso de contraceptivos por via bucal e um “grupo” com apenas um paciente com hipoparatireoidismo. Os pacientes foram analisados individual e comparativamente quanto às condições sistêmicas e níveis séricos de vários hormônios além de cálcio, fósforo e fosfatases ácida e alcalina, seguindo-se uma metodologia clínica diagnóstica padronizada e própria da Endocrinologia. Em nenhum paciente foram observadas reabsorções dentárias múltiplas. Alguns dentes apresentavam reabsorções dentárias isoladas e relacionadas com lesões periapicais crônicas sendo classificadas como grau 1 ou 2, considerados de diagnóstico questionável e incipiente, respectivamente.

Concluiu-se que as endocrinopatias não influenciam na etiopatogenia das reabsorções dentárias.

 Pa010

Correlações entre medidas da coroa e a espessura do esmalte nas faces proximais de incisivos superiores permanenentes

IWASA, E. A. P.*, VELLINI-FERREIRA, F., COTRIM-FERREIRA, F. A., FERREIRA-TORMIN, A. C.

Odontologia - Universidade Cidade de São Paulo. E-mail: fvellini@unicid.br

Esta pesquisa objetivou: 1) determinar a espessura do esmalte nas faces proximais de incisivos superiores permanentes humanos, à altura do ponto de contato e 2) determinar as correlações existentes entre esta espessura e as distâncias máximas mésio-distais, cérvico-incisais e vestíbulo-linguais. A amostra englobou 40 incisivos superiores permanentes divididos em quatro grupos de 10, separados pelo lado (direito ou esquerdo) e posição (central ou lateral). Com o auxílio de um paquímetro digital mediram-se as distâncias máximas mencionadas anteriormente. Em seguida, os dentes foram incluídos em resina ortoftálica, sendo que as lâminas centrais obtidas por meio de um recortador foram medidas em um perfilômetro.

O valor médio da espessura do esmalte nas faces mesiais dos incisivos superiores foi de 0,857 mm (dp = 0,151), enquanto que para as faces distais foi de 1,008 mm (dp = 0,172). Pela análise de variância (p < 0,05) verificou-se que a espessura do esmalte quanto ao dente (central ou lateral) e quanto ao lado (direito ou esquerdo) não apresentou diferenças significantes, porém a espessura do esmalte nas faces distais, independentemente do dente ou do lado, foi significantemente maior que a das faces mesiais. O coeficiente de correlação de Pearson (p < 0,05) revelou correlações positivas e estatisticamente significantes entre as faces distais dos incisivos laterais superiores esquerdos e suas correspondentes distâncias vestíbulo-linguais (r = 0,011), bem como entre as faces mesiais dos incisivos centrais superiores esquerdos e suas respectivas distâncias mésio-distais (r = 0,010).

 Pa011

Prevalência da maloclusão em índios Maxacalis

CASTRO, A. V.*, SIQUEIRA, V. C. V., OLIVEIRA, R. C.

Odontologia - Pontifícia Universidade Catolica de Minas Gerais. E-mail: ortovictor@hotmail.com

Os autores dessa pesquisa avaliaram as condições oclusais de 80 índios Maxacalis da aldeia de Pradinho, região norte de Minas Gerais, entre 2 a 23 anos de idade, com a finalidade de determinar a prevalência da maloclusão nessa população. Selecionaram um grupo de índios, aleatoriamente, que foram catalogados em fichas elaboradas especialmente para esse estudo e distribuídos em três grupos, grupo 1 composto por 28 jovens entre 2 a 6 anos de idade, grupo 2 composto por 37 jovens entre 7 a 12 anos, e grupo 3 composto por 15 jovens entre 13 a 23 anos, de ambos os sexos.

Após a avaliação dos dados colhidos, observaram que a maloclusão do tipo Classe I de Angle apresentou-se em 80,55% da amostra, seguida pela Classe II em 18,00% e pela Classe III em 1,38%, considerando a amostra total. Encontraram 10,76% de mordida cruzada anterior, 7,38% de mordida cruzada posterior e a mordida aberta anterior em 2,70%. Tanto o trespasse vertical quanto o horizontal encontravam-se dentro dos critérios de normalidade, e os pesquisadores não identificaram nenhum caso de mordida aberta posterior.

 Pa012

A percepção do ortodontista frente à identificação do adolescente com tendência suicida

MARQUES, L. S.*, PAIVA, S. M., PORDEUS, I. A., VALE, M. P. P.

Odontopediatria e Ortodontia - Universidade Federal de Minas Gerais. E-mail: lsmarques21@hotmail.com

Atualmente, o suicídio entre adolescentes tem se revelado um problema psicossocial preocupante e atingido proporções significativas. Considerando que os ortodontistas lidam diariamente com este público, esta pesquisa objetivou avaliar a percepção destes com relação ao paciente adolescente com alterações comportamentais que poderiam se traduzir em uma tendência suicida, buscando informações pertinentes à sua formação e prática clínica. A coleta de dados foi realizada através de um questionário estruturado entregue a todos os 166 ortodontistas regularmente registrados no Conselho Regional de Odontologia de Minas Gerais, residentes em Belo Horizonte. Previamente os ortodontistas se colocaram como voluntários assinando um termo de consentimento livre e esclarecido. O próprio pesquisador entregou e recolheu os questionários que totalizaram uma amostra de 117 (70,5%). Os resultados indicam que 79,5% dos entrevistados consideram o tema relevante, 53% receberam algum tipo de informação curricular sobre Psicologia do Adolescente e apenas 8,5% especificamente sobre suicídio. Alterações comportamentais como apatia e depressão foram observadas por 83,8% dos ortodontistas, 23% destes relataram ter tido pelo menos um paciente que tentou o suicídio, ao passo que 14,5% tinham tido um paciente adolescente que, realmente, suicidou.

Assim, conclui-se que a questão do suicídio na adolescência é de interesse e tem sido observada regularmente pelos ortodontistas; no entanto, informações acadêmicas têm focado apenas aspectos gerais de Psicologia, mas não de reconhecimento e intervenção.

 Pa013

Avaliação do risco de cárie em pacientes usuários de aparelhos ortopédicos funcionais e ortodônticos removíveis

GENEROSO, R.*, CHAVASCO, J. K., CASTILHO, J. K., BARROS NETO, B., ALVES, L. H. T., ARMOND, M.

Clínica do Estágio de Ortodontia - Universidade Vale do Rio Verde de Três Corações. E-mail: generoso@uai.com.br

Os aparelhos ortodônticos removíveis e ortopédicos funcionais, são artifícios terapêuticos muito utilizados na clínica diária, especialmente no que diz respeito ao aspecto social para o atendimento a um maior número de pacientes, principalmente aqueles em fase de crescimento. Contudo, ao serem instalados, passam a estar cobertos por saliva e milhões de microrganismos, tais como os Streptococcus mutans e os Lactobacillus acidophillus que estão relacionados com a formação e progressão do processo carioso. Com o intuito de avaliar os riscos de cárie em 25 pacientes ortodônticos da Clínica do Estágio de Ortodontia e Ortopedia Funcional dos Maxilares da Faculdade de Odontologia da Universidade Vale do Rio Verde de Três Corações - UNINCOR, utilizou-se a medição do pH e o teste de Snyder. Os testes foram feitos a partir da coleta de amostras de saliva em recipientes estéreis em três etapas: antes do início do tratamento, aos sete e aos trinta dias após a instalação dos aparelhos ortopédicos funcionais e ortodônticos móveis. Não foram realizadas orientações prévias de higiene bucal. Os resultados mostraram que não houve variação significativa nos valores do pH, porém no teste de Snyder observou-se uma viragem mais rápida do meio de cultura, demonstrando maior produção de ácido em menor tempo pelas bactérias da saliva, indicando um maior risco de cárie a partir da colocação dos aparelhos.

Concluímos que houve maior produção de ácido em menor tempo pelas bactérias da saliva, indicando então, maior risco de cárie a partir da colocação dos aparelhos ortopédicos e ortodônticos.

 Pa014

Colagem de bráquetes com cimento de ionômero de vidro

BRITTO, D. N. S.*, MITCHELL, C., ALMEIDA, M. A., NAVARRO, C.

Odontologia Preventiva e Social - Universidade do Estado do Rio de Janeiro. E-mail: danibritto@terra.com.br

O objetivo do presente estudo foi avaliar o desempenho do CIV (Fuji ORTHO LC - cimento de ionômero de vidro fotopolimerizável reforçado com resina) na colagem de bráquetes ortodônticos em relação ao compósito (Concise - compósito), buscando o melhor material para o uso clínico. Para isso, foram avaliadas as descolagens de 252 dentes (15 pacientes) por um período de 4 meses, onde os bráquetes foram colados em quadrantes alternados para que ambos materiais fossem testados, nos arcos superior e inferior, de todos os pacientes. As porcentagens das falhas dos dois materiais foram comparadas através do teste qui-quadrado, não apresentando diferença durante o período de observação. Foram avaliadas também as diferenças entre faces lisas e convexas e entre dentes superiores e inferiores que mostrou diferença significativa no grupo do compósito - em relação às arcadas - com melhores resultados para os dentes superiores.

Deve-se considerar que o resultado geral, apesar de não significativo, é clinicamente importante visto que encontrou-se o dobro de descolagens no grupo CIV (12) em relação ao grupo do compósito (6). Por outro lado, deve-se ter em mente as possíveis vantagens do CIV de evitar desmineralizações do esmalte e liberação contínua de flúor, o que o torna atraente tendo-se em vista a manutenção da integridade dentária.

 Pa015

Modificações ocorridas com os tecidos moles labiais em decorrência do tratamento ortodôntico

MITCHELL, C.*, BRITTO, D., MOTTA, A., MUCHA, J. N.

Odontologia Preventiva e Comunitária - Universidade do Estado do Rio de Janeiro. E-mail: cmitchell@uol.com.br

A correção das maloclusões pode modificar a estética facial. Aprimorar os resultados do tratamento é a razão primária para a análise dos tecidos moles, definindo com mais precisão a mecânica ortodôntica e verificando se o tratamento proposto não produzirá modificações faciais adversas. Objetivou-se, com esta pesquisa, avaliar as modificações ocorridas com os tecidos moles labiais em decorrência do tratamento ortodôntico, considerando a mecânica e o movimento dentário. Foram utilizadas 120 radiografias cefalométricas de perfil pré- e pós-tratamento de 60 indivíduos com idade média de 14,32 anos (DP = 2,63), 59,3% do sexo feminino, 30 portadores de maloclusão Classe I e 30 Classe II de Angle, tratados com e sem exodontias. Foram traçados os cefalogramas e utilizou-se a análise de Steiner para avaliar as medidas 1-NA, 1-NB, S-LS, S-LI, “overbite”, “overjet”, as quais foram submetidas a testes estatísticos. Os resultados indicaram que o lábio superior (S-LS) apresentou correlação positiva com a retração de incisivos superiores (1-NA) e inferiores (1-NB) em uma relação de 1:3 e com o “overjet” em uma relação de 1:2,5. O lábio inferior (S-LI) apresentou correlação positiva com a retração de incisivos superiores (1-NA) em uma relação de 1:2 e inferiores (1-NB) em uma relação de 1:4.

Concluiu-se que o contorno labial acompanha as modificações decorrentes do tratamento ortodôntico, apresentando correlação positiva estatisticamente significativa entre as medidas nos grupos de pacientes Classe I e II, não havendo significância estatística quando os dois grupos foram comparados entre si.

 Pa016

Propriedades mecânicas de ligas de níquel-titânio e de aço obtidas a partir de ensaio de tração

GRAVINA, M. A.*, CARDOSO, M. A., QUINTÃO, C. C. A., ELIAS, C. N.

Ortodontia - Universidade do Estado do Rio de Janeiro. E-mail: cquintao@artnet.com.br

A grande quantidade de marcas comerciais de fios ortodônticos disponíveis dificulta o profissional na escolha do material mais adequado e de menor custo para o uso, sendo o estudo das propriedades mecânicas de fios ortodônticos de valia para esse propósito. Realizou-se nesse trabalho um estudo comparativo de propriedades mecânicas, obtidas através de ensaio de tração, de quatro tipos de fios ortodônticos (aço inoxidável convencional, aço multifilamentado, níquel-titânio (NiTi) superelástico e níquel-titânio termoativado), divididos em cinco grupos. Inicialmente, cada grupo de fios foi ensaiado 3 vezes até a ruptura. A partir daí, novas baterias de 3 ensaios para cada grupo de fios foram realizadas, estirando-os, à cargas padronizadas de ativação para comparação mais fidedigna de suas propriedades mecânicas, durante carregamento e descarregamento.

Conclui-se que, experimentalmente, em termos de propriedades mecânicas supostamente desejáveis a uma movimentação dentária fisiológica, tais quais a resiliência, módulo de elasticidade e magnitude e forma de liberação da energia durante o descarregamento, os fios de NiTi termoativados, ensaiados à 37ºC deveriam ser considerados os de eleição, seguidos pelos fios de NiTi superelásticos, fios de aço multifilamentados e fios de aço convencionais. A superelasticidade foi comprovada, experimentalmente, para os fios de NiTi superelásticos. Quando ensaiados à 37ºC, os fios de níquel-titânio termoativados demonstraram manifestação inicial do efeito memória de forma, sendo importante seu aquecimento para a exaltação dessa propriedade.

 Pa017

Análise por microscopia eletrônica de varredura de 4 métodos de desgaste e polimento do esmalte interproximal

CONFORTO, S. R. U., VELLINI-FERREIRA, F., SOUZA, M. S.*, CHAVES, A. V. O. A.

Odontologia - Universidade Cidade de São Paulo. E-mail: fvellini@unicid.br

Com o objetivo de comparar 4 métodos de desgaste e polimento das superfícies interproximais do esmalte dental humano, foram analisadas ao microcópio eletrônico de varredura (MEV) as faces mesiais de 19 pré-molares inferiores hígidos extraídos por indicações ortodônticas e/ou periodontais. Os dentes foram subdivididos em 5 grupos, de acordo com a técnica empregada para a execução do desgaste do esmalte interproximal: G1 - grupo controle - 3 dentes não submetidos a desgaste; G2 - 3 dentes - desgaste por meio de tiras flexíveis diamantadas; G3 - 3 dentes - desgaste mediante discos de aço flexíveis em baixa rotação; G4 - 5 dentes - desgaste similar ao do G2, seguido por polimento com discos Sof-Lex Pop-On de granulações média, fina e ultrafina, finalizando com pasta de óxido de alumínio e disco de feltro; G5 - 5 dentes - desgaste similar ao G3, seguido de polimento similar ao G4.

A análise visual comparativa do esmalte dental dos 19 dentes, ao microscópio eletrônico de varredura, evidenciou diversos tipos de irregularidades quanto ao formato e à profundidade dos sulcos gerados nas superfícies de esmalte desgastadas. Concluiu-se que no G2 houve a formação de sulcos profundos e irregulares, enquanto que em G3 os sulcos foram ainda mais profundos do que em G2, porém de forma mais paralela e regular. No G4 os sulcos e ranhuras do esmalte foram atenuados quanto à profundidade, ao passo que em G5 observou-se um aspecto mais regular do esmalte dental, com sulcos efetivamente mais rasos que nos grupos precedentes, atingindo um aspecto mais próximo ao esmalte do grupo controle (G1).

 Pa018

Perfil endocrinológico de pacientes ortodônticos com e sem reabsorções dentárias: correlação com a morfologia radicular

MARTINS-ORTIZ, M. F.*, FURQUIM, L. Z., FRANCISCONE, T. R. G. C., FRANCISCONE, P., CONSOLARO, A.

Estomatologia - Universidade de São Paulo. E-mail: martins_ortiz@hotmail.com

A freqüência das reabsorções dentárias foi observada em 3 grupos de 70 pacientes cada. Estes grupos constituíram-se de 70 pacientes sem tratamento ortodôntico, 70 pacientes com tratamento ortodôntico sem reabsorção dentária e 70, com reabsorção dentária. Foram analisadas as características morfológicas dentárias e maxilares, bem como determinado o perfil hormonal, iônico, enzimático e glicêmico de todos os pacientes. Os resultados revelaram que: 1. pacientes com tratamento ortodôntico com e sem reabsorção dentária apresentam o mesmo perfil sistêmico e endocrinológico, tal como os pacientes sem tratamento ortodôntico; 2. no grupo de pacientes submetidos a tratamento ortodôntico com reabsorção dentária, a morfologia radicular triangular foi significantemente mais freqüente do que no grupo de pacientes submetidos a tratamento ortodôntico sem reabsorção dentária e do que no grupo de pacientes sem tratamento ortodôntico; 3. no grupo de pacientes submetidos a tratamento ortodôntico com reabsorção dentária, a morfologia da crista óssea alveolar retangular foi significantemente mais freqüente do que no grupo de pacientes submetidos a tratamento ortodôntico sem reabsorção dentária e do que no grupo de pacientes sem tratamento ortodôntico.

Assim concluiu-se que: 1. as reabsorções dentárias durante o tratamento ortodôntico não são resultantes da ação de fatores sistêmicos, inclusive de endocrinopatias; 2. as reabsorções dentárias durante o tratamento ortodôntico são fortemente influenciadas pela morfologia da raiz dentária e da crista óssea alveolar.

 Pa019

Análise da discrepância de tamanho dentário em pacientes da Clínica de Ortodontia da Faculdade de Odontologia da UERJ

MOTTA, A. T. S.*, RODRIGUES, S., CARDOSO, M. A., CAPELLI JR., J.

Odontologia Preventiva e Comunitária - Universidade do Estado do Rio de Janeiro. E-mail: alenani@rjnet.com.br

O objetivo deste estudo foi avaliar as desarmonias de tamanho dentário em pacientes da Clínica de Ortodontia da UERJ. Foram selecionados 161 pacientes, os quais preenchiam os pré-requisitos estabelecidos. Foi medido o tamanho mésio-distal de todos os dentes permanentes, de primeiro molar esquerdo ao pri­meiro molar direito, em ambas as arcadas. A proporção entre os dentes inferiores e superiores foi calculada de acordo com o método proposto por Bolton. As médias para a razão total e razão anterior foram obtidas para a amostra como um todo. Foram também avaliadas as diferenças entre os sexos e tipos de maloclusão. Os valores obtidos foram comparados com as médias de Bolton. Utilizou-se os testes estatísticos t de Student e ANOVA. As médias encontradas para a razão total e para a razão anterior não demonstraram diferenças significativas entre homens e mulheres. Também não foram observadas diferenças estatisticamente significantes entre as médias obtidas para cada subgrupo de maloclusão, o que sugere que o tipo de maloclusão presente não interfere na proporção entre os dentes inferiores e superiores. A razão total e razão anterior encontradas para os pacientes portadores de maloclusão de Classe III não demonstraram diferença estatisticamente significante quando comparadas com as médias de Bolton.

As médias obtidas para o total de pacientes da amostra, para ambos os sexos e para os pacientes Classe I e Classe II foram significativamente maiores que as de Bolton, o que pode indicar que discrepâncias de tamanho dentário podem ocorrer com maior intensidade na presença de maloclusão.

 Pa020

Estudo epidemiológico das relações verticais interincisais na dentadura decídua, dos 4 aos 6 anos de idade

TAKAMURA, P. M., SCAVONE JR., H., GUIMARÃES, L. C.*, VIEIRA, A. C. G.

Odontologia - Universidade Cidade de São Paulo. E-mail: fvellini@unicid.br

Esta pesquisa objetiva: 1) avaliar as possíveis diferenças entre os gêneros masculino e feminino quanto às prevalências dos diversos tipos de relacionamentos verticais interincisais na dentadura decídua e 2) quantificar, em termos percentuais, estas prevalências. A amostra englobou 130 crianças brasileiras (58 do gênero masculino e 72 do feminino), na fase da dentadura decídua dos 4 aos 6 anos de idade, sem perdas dentárias e/ou cáries extensas, matriculadas em uma escola municipal de educação infantil do bairro do Tatuapé, na cidade de São Paulo. Os métodos utilizados incluíram estudo piloto, reunião preliminar com os pais e exame clínico por inspeção visual direta dos relacionamentos oclusais de interesse, com o auxílio de espátulas de madeira descartáveis, no próprio ambiente escolar. Os relacionamentos verticais entre os incisivos superiores e os inferiores foram classificados em: 1) trespasse vertical normal (2 a 3 mm), 2) oclusão topo-a-topo (trespasse nulo), 3) mordida aberta anterior (trespasse negativo) e 4) sobremordida acentuada (trespasse > 3 mm).

Após a aplicação do teste do qui-quadrado (p < 0,05) verificou-se a ausência de diferenças estatisticamente significantes entre os gêneros masculino e feminino, no que tange à prevalência dos relacionamentos verticais interincisais. Deste modo, os índices de prevalência foram computados conjuntamente para a amostra total, sem distinção quanto ao gênero, conduzindo aos seguintes resultados: 48,46% com trespasse normal, 11,54% com oclusão topo-a-topo, 18,46% com mordida aberta anterior e 21,54% com sobremordida acentuada.

 Pa021

Satisfação do paciente com o tratamento ortodôntico

SOARES, T. M.*, CALHEIROS, A. A., MOTA, A. T. S., ALMEIDA, M. A. O.

Odontologia Preventiva e Comunitária - Universidade do Estado do Rio de Janeiro. E-mail: thais-macedo@bol.com.br

O estudo avaliou o grau de satisfação de 200 pacientes tratados na Clínica de Ortodontia da Faculdade de Odontologia da UERJ. As informações foram obtidas a partir de um questionário direcionado a estes pa­cientes e estudadas através da análise estatística das respostas sob a forma de percentagens. Determinadas respostas foram analisadas também de acordo com a estratificação dos resultados em grupos conforme o tempo decorrido do término do tratamento. Para a pergunta relativa à satisfação geral, o resultado foi ainda estratificado de acordo com a duração do tratamento. O relacionamento com o dentista foi considerado ótimo por 70% dos pacientes, sendo que 88,5% dos pacientes consideraram que o tratamento lhe era satisfatoriamente explicado durante as consultas. A dor foi o incômodo mais apontado, seguido da dificuldade de higienização, dificuldade de falar com o aparelho e o aspecto desagradável do sorriso com o aparelho. Houve uma satisfação de 95,5% com a aparência dental e do o sorriso com o resultado do tratamento. Uma mudança facial positiva com o tratamento foi notada por 82% dos pacientes e 95% consideraram-se satisfeitos com o resultado final.

O resultado do tratamento foi satisfatório para 95% dos pacientes, havendo um alto grau de satisfação no relacionamento entre profissional-paciente. Os pacientes apresentaram uma alta percepção em relação à importância dos dentes para a aparência da face, sendo o tratamento importante para a vida pessoal e profissional. Foram apontados alguns aspectos negativos, como a dor e a dificuldade de higienização com o aparelho.

 Pa022

Efeito da retração dentária sobre o ponto A em pacientes submetidos ao tratamento ortodôntico

AN, T. L.*, CUOGHI, O. A.

Odontologia Infantil e Social - Universidade Estadual Paulista. E-mail: litien@hotmail.com

O presente estudo objetivou avaliar o efeito da retração dentária sobre a remodelação do ponto A nos sentidos vertical e ântero-posterior e correlacionar esta remodelação com o movimento dos incisivos. Utilizou-se 60 telerradiografias em norma lateral, tomadas no início e no final do tratamento ortodôntico corretivo de 30 pacientes de ambos os gêneros, entre 10 e 17 anos, com má-oclusão de Classe II, divisão 1a e de Classe I, com extrações dos primeiros pré-molares superiores. Das telerradiografias, realizou-se o traçado, a localização dos pontos e a mensuração das distâncias lineares, utilizando, como referência, duas linhas partindo do ponto S, uma horizontal (linha H) localizada 7º abaixo do plano SN e uma vertical (linha Sp) perpendicular à linha H. Analisou-se os dados pelo teste de normalidade, haja vista de que todos os dados apresentavam distribuição normal, submeteu-se os mesmos ao teste t emparelhado e ao teste de correlação. Finalmente, selecionou-se aleatoriamente 10 telerradiografias, repetiu-se as mensurações para o cálculo do erro do método segundo Dahlberg. Em média, o ponto A retraiu 0,87 mm e extruiu 2,40 mm. Houve uma correlação significante e positiva entre a retração do ponto A e do ápice radicular (r = 0,68; p < 0,0001) e da borda incisal (r = 0,71; p < 0,0001).

Pode-se concluir que, em média, o ponto A retraiu 0,87 mm e deslocou para baixo 2,40 mm. A retração do ponto A se correlacionou significantemente com a retração dentária no sentido ântero-posterior, tanto em relação ao ápice radicular (r = 0,68) como também em relação à borda incisal (r = 0,71).

 Pa023

Avaliação cefalométrica comparativa entre a maloclusão de Classe III com a oclusão normal

KURAMAE, M.*, MAGNANI, B. B. A., NOÜER, D. F.

Clínica Infantil - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: mayury@bol.com.br

Com o objetivo de aplicar a análise cefalométrica de Tweed-Merrifield no diagnóstico da maloclusão de Classe III, foram selecionadas 60 telerradiografias de cabeça tomadas em norma lateral e 60 modelos de gesso-pedra obtidas a partir de indivíduos leucodermas brasileiros adultos da região de Piracicaba e que nunca haviam se submetido a tratamento ortodôntico. A amostra foi dividida em dois grupos, um denominado de grupo controle e outro de grupo experimental. O grupo controle foi composto por 30 telerradiografias de indivíduos com oclusão normal e divididos igualmente em relação ao sexo, com faixa etária de 18 a 25 anos. O grupo experimental foi composto por 30 telerradiografias obtidas de indivíduos com maloclusão de Classe III segundo Angle, dividido igualmente em relação ao sexo e com faixa etária dos 17 aos 26 anos.

Os resultados mostraram que houve diferenças estatisticamente significantes para as médias FMA, FMIA, IMPA, SNB, ANB, plano oclusal, AO-BO e AFA. Evidenciou também que a análise cefalométrica de Tweed-Merrifield necessita de medidas adicionais no diagnóstico da maloclusão de Classe III.

 Pa024

Avaliação da reabsorção radicular em incisivos submetidos à retração anterior

SIMPLÍCIO, H.*, SANTOS-PINTO, A., MARTINS, L. P., DINELLI, T.

Clínica Infantil - Universidade Estadual Paulista. E-mail: hallissa@bol.com.br

A reabsorção radicular apical é um dos mais comuns e indesejáveis efeitos colaterais do tratamento ortodôntico sendo motivo de estudos com finalidade de seu entendimento e elaboração de medidas preventivas. Objetivou-se com o presente estudo determinar e quantificar radiograficamente a ocorrência de reabsorção radicular nos incisivos após a retração anterior, levando-se em consideração o dente estudado e sua relação com a quantidade de movimentação radicular ou modificação na inclinação do incisivo. Foram avaliados incisivos superiores e inferiores de 22 pacientes entre 12 e 25 anos, de ambos os gêneros, submetidos a tratamento ortodôntico com aparelho fixo e extração de pré-molares. A quantificação da re­absorção radicular foi realizada pela diferença entre as medidas do comprimento radicular em radiografias periapicais nas fases pré- e pós-retração de incisivos. O controle da distorção da imagem radiográfica e da alteração na angulação dos incisivos foi realizada utilizando-se o método descrito por Linge & Linge (1983). Foram utilizadas telerradiografias laterais pré- e pós-retração de incisivos para relacionar a mudança de inclinação dos incisivos e quantidade de movimento vertical, horizontal e total do ápice radicular com a reabsorção radicular.

Com base nos dados obtidos conclui-se que há reabsorção radicular significante na fase de retração de incisivos variando de 1,51 mm a 2,37 mm não relacionada com o movimento ou alteração de inclinação do ápice radicular destes dentes através do osso.

 Pa025

Relacionamento ântero-posterior entre os segundos molares decíduos, dos 4 aos 6 anos de idade

MAGRI, V. C., SCAVONE JR., H., KATAOKA, D. Y.*, REJMAN, R.

Odontologia - Universidade Cidade de São Paulo. E-mail: fvellini@unicid.br

Este estudo epidemiológico transversal propõe-se a: 1) quantificar, em termos percentuais, a prevalência de diversos tipos de relacionamentos ântero-posteriores entre os segundos molares decíduos (plano terminal reto, degrau mesial, degrau distal e relacionamentos assimétricos) e 2) verificar se estas prevalências diferem significantemente entre os gêneros masculino e feminino. Para a realização deste estudo foram avaliadas 130 crianças matriculadas em uma escola municipal de educação infantil no bairro do Tatuapé, na cidade de São Paulo, sendo 58 do gênero masculino e 72 do feminino, sem perdas dentárias e/ou cáries extensas, todas na fase da dentadura decídua no período dos 4 aos 6 anos de idade. Os dados referentes aos relacionamentos oclusais foram coletados mediante o exame clínico por inspeção visual direta nas crianças, no próprio ambiente escolar, com o auxílio de espátulas de madeira descartáveis.

As avaliações estatísticas pelos testes do qui-quadrado e pelo teste de comparação de probabilidades, ao nível de confiança de 95%, não evidenciaram diferenças significantes quanto às prevalências destas relações oclusais entre os gêneros masculino e feminino. Portanto, os resultados foram associados em um só grupo geral, revelando 63,08% para o plano terminal reto e 13,08% tanto para o degrau mesial como para o degrau distal, nas situações com simetria bilateral. Nos casos com assimetrias foram verificados índices de prevalência de 6,15% para a combinação do plano terminal reto com o degrau mesial e de 4,61% para a associação do plano terminal reto com o degrau distal.

 Pa026

Estudo cefalométrico da associação entre os padrões faciais e as más-oclusões

GRUBER, K. C.*, PINZAN, A., VELLINI-FERREIRA, F., FERREIRA-TORMIN, A. C.

Odontologia - Universidade Cidade de São Paulo. E-mail: fvellini@unicid.br

A literatura ortodôntica revela controvérsias quanto à possível associação entre os padrões faciais e as más-oclusões. Deste modo, o propósito desta pesquisa consistiu em analisar se a freqüência dos padrões faciais diferiu entre as más-oclusões de Classe I e de Classe II, 1ª divisão, bem como entre os gêneros masculino e feminino. A amostra englobou 80 telerradiografias cefalométricas em norma lateral referentes a jovens brasileiros leucodermas com média de idade de 12a.4m., sendo 40 com má-oclusão de Classe I e 40 com Classe II, 1ª divisão, divididos igualmente entre os gêneros masculino e feminino. Após a aplicação da análise cefalométrica de Ricketts, os padrões faciais foram classificados em três categorias: braquifa­cial, mesofacial e dolicofacial. Os resultados revelaram uma distribuição equilibrada dos padrões faciais entre os jovens com más-oclusões de Classe I ou de Classe II, 1ª divisão, nos gêneros masculino e feminino. Notou-se apenas uma tendência ao predomínio do padrão mesofacial em todos os grupos analisados. Contudo, o teste do qui-quadrado, ao nível de confiança de 95%, não revelou diferenças estatisticamente significantes quanto à distribuição dos padrões faciais entre as más-oclusões e o gênero dos jovens analisados.

Estes resultados apontam para uma provável independência entre os padrões faciais (braquifacial, mesofacial e dolicofacial) em relação às más-oclusões e os gêneros dos pacientes. (Pesquisa financiada par­cialmente pela Universidade de Santo Amaro - UNISA.)

 Pa027

Prevalência das mordidas cruzadas posteriores na dentadura decídua, dos 4 aos 6 anos de idade

AMAD, M. B. O., SCAVONE JR., H., MENGUE, O. C. C.*, TREVISI, R.

Odontologia - Universidade Cidade de São Paulo. E-mail: fvellini@unicid.br

Com o objetivo de avaliar a prevalência das mordidas cruzadas posteriores, na dentadura decídua, executou-se um levantamento epidemiológico transversal em 130 crianças (72 do gênero feminino e 58 do masculino) na faixa etária dos 4 aos 6 anos de idade, matriculadas em uma escola municipal de educação infantil no bairro do Tatuapé, na cidade de São Paulo. Todas as crianças apresentavam-se na dentadura decídua, sem perdas dentárias ou cáries extensas. A coleta dos dados alicerçou-se no exame clínico visual direto das relações oclusais, no próprio ambiente escolar, com o auxílio de espátulas de madeira descartá­veis. As mordidas cruzadas posteriores foram classificadas em cinco categorias: 1) ausente, 2) bilateral, 3) unilateral sem desvio funcional da mandíbula, 4) unilateral com desvio funcional da mandíbula para a direita e 5) unilateral com desvio funcional da mandíbula para a esquerda.

Após a avaliação dos dados quantitativos mediante o teste do qui-quadrado, ao nível de confiança de 95%, verificou-se a ausência de diferenças estatisticamente significantes entre os gêneros masculino e feminino quanto à prevalência dos diversos tipos de relacionamentos oclusais transversais. Deste modo, os índices de prevalência foram calculados conjuntamente para a amostra total, sem distinção quanto ao gênero, conduzindo aos seguintes resultados, respectivamente a cada uma das cinco categorias descritas acima: 1) 82,31%, 2) 4,61%, 3) 6,16%, 4) 2,31% e 5) 4,61%. Deste modo, as mordidas cruzadas posteriores unilaterais acometeram 13,08% das crianças, enquanto que as bilaterais apenas 4,61%.

 Pa028

Avaliação da posição condilar em pacientes portadores de mordida cruzada posterior funcional

SEKITO, P. S. C.*, COSTA, T. D., CAPELLI JR., J., CARNEIRO, M. S. A.

Ortodontia - Universidade Estadual do Rio de Janeiro. E-mail: sekito.rlk@terra.com.br

O objetivo deste estudo foi avaliar a posição dos côndilos, nos sentidos ântero-posterior e no sentido transversal, em indivíduos com mordida cruzada posterior funcional, e determinar a existência de modificação dessa posição após a correção da maloclusão. Foram avaliados 13 indivíduos com mordida cruzada posterior funcional envolvendo pelo menos dois dentes posteriores, com idade média de 9,3 anos, na fase da dentição mista. Todos foram submetidos a uma tomografia de três cortes laterais e uma de dois cortes frontais de cada ATM no aparelho de raios X Orthophos, antes e após a correção da maloclusão com o aparelho de Porter. As imagens obtidas foram digitalizadas, utilizando o programa Radiocef 2000 versão 3.0D7®, no qual foram marcados os pontos anatômicos utilizados como referência para observar a posição condilar relativa tanto no sentido ântero-posterior como no transverso. Foram utilizados para análise estatística dos dados obtidos os testes de: U de Mann-Whitney e de Wilcoxon.

De acordo com os resultados conclui-se que não foi encontrada nenhuma posição condilar específica para os indivíduos com mordida cruzada posterior funcional, e sim uma grande dispersão dos posicionamentos, tanto no sentido ântero-posterior como no transversal. Não foi obtida uma correlação significativa entre estes posicionamentos e o lado da mordida cruzada em ambos os sentidos. Houve modificação da posição condilar após o tratamento da mordida cruzada posterior funcional, porém sem um padrão específico.

 Pa029

Avaliação ultramicroscópica e da resistência à tração da união de fios de níquel-titânio utilizando soldagem elétrica

MACEDO, A.*, NUNES, M. M., COTRIM FERREIRA, F. A., SCAVONE JR., H.

Ortodontia - Universidade Cidade de São Paulo. E-mail: alexmcd@attglobal.net

O objetivo deste trabalho foi avaliar a resistência à tração da união de fios ortodônticos de níquel-titânio após soldagem elétrica a ponto e descrever, com auxílio da microscopia eletrônica de varredura, a morfologia superficial desta união. Para isto, foram soldados 30 fios ortodônticos de níquel-titânio termoativados, de secção retangular 0,019 x 0,025 polegada (Unitek referência 4297-978), utilizando uma máquina de solda elétrica desenvolvida pela metalúrgica Kernit, regulada especialmente para a soldagem destes fios. A potência utilizada para a soldagem foi de 95, conforme indicação exibida pelo visor digital da máquina. A análise visual e ultramicroscópica da região da soldagem indicou o aparecimento de uma área de metal derretido no ponto de contato entre os segmentos dos fios com conseqüente embricamento dos mesmos. Os testes de resistência à tração da união soldada foram realizados com o auxílio de uma máquina Instron Universal modelo 4442-C6600, demonstrando que a força de ruptura foi de 7,99 kgf, em média, com um desvio padrão de 2,32 kgf.

Concluiu-se que a resistência da união soldada de fios ortodônticos de níquel-titânio termoativados de secção retangular, utilizando soldagem elétrica a ponto em máquina especialmente ajustada, foi suficientemente alta e acima das cargas geralmente aplicadas aos fios ortodônticos durante a maioria das aplicações clínicas.

 Pa030

Análise cefalométrica das correlações entre a profundidade antegonial, o padrão respiratório e os tipos faciais

LOPES, P. M. L., COTRIM-FERREIRA, F. A., RODRIGUES, A.*, CALIXTO, A. C.

Odontologia - Universidade Cidade de São Paulo. E-mail: fvellini@unicid.br

Este estudo propõe-se a analisar a profundidade da curvatura antegonial mandibular humana (PA), correlacionando-a com o padrão respiratório (bucal ou nasal) e com os tipos faciais (braquifacial, dolicofacial ou mesofacial). A amostra foi colhida nos arquivos da Disciplina de Ortodontia da UNICID, englobando 100 telerradiografias cefalométricas em norma lateral referentes a jovens brasileiros leucodermas, dos gêneros masculino e feminino, na faixa etária dos 8 aos 13 anos, sendo 52 respiradores bucais e 48 respiradores nasais. O método cefalométrico abrangeu a análise dos ângulos NS.Gn, NS.GoM, FMA, Ba.Ptm.Gn, referentes aos tipos faciais, juntamente com as medidas lineares AFAI (altura facial ântero-inferior), PA (profundidade antegonial), Nf (largura da orofaringe) e Of (largura da orofaringe). Após a aplicação do teste t de Student, ao nível de confiança de 95%, constatou-se que a profundidade antegonial (PA) e a AFAI apresentaram-se significantemente aumentadas nos respiradores bucais, em relação aos nasais. Além disso, o teste de Fisher revelou forte correlação estatística positiva entre a profundidade antegonial e as medidas cefalométricas referentes à classificação dos tipos faciais, com significância superior a 99% para AFAI, NS.GoM, NS.Gn e FMA, e superior a 95% para o ângulo Ba.Ptm.Gn.

Concluiu-se que os jovens com respiração bucal, quando comparados aos respiradores nasais, geralmente evidenciaram maior profundidade da curvatura antegonial mandibular, além de demonstrarem com maior freqüência padrão de crescimento dolicofacial (vertical).

 Pa031

Avaliação histológica da polpa dental humana após a descolagem de braquetes cerâmicos com laser CO2

MERCADANTE, M. M. N.*, MARTINS, D. R., VILLA, N., MACEDO, A. M.

Odontologia - Universidade Cidade de São Paulo. E-mail: fvellini@unicid.br

A descolagem de braquetes cerâmicos vem se tornando um problema para os ortodontistas, tendo em vista a maior ocorrência de fraturas dos mesmos e injúrias ao esmalte dental. Diante destes fatos, surgiram novas técnicas de remoção e, dentre elas, as que promovem o amolecimento da resina ortodôntica de colagem ao esmalte dental, mediante o aquecimento por irradiação com laser CO2. Deste modo, o objetivo desta pesquisa consistiu em avaliar, histomorfologicamente, o comportamento da polpa dental humana, em 27 pré-molares humanos extraídos por razões ortodônticas e que foram submetidos à colagem de braquetes cerâmicos (Transcend 6000 - Unitek) com resina fotopolimerizável (Transbond XT - 3M), seguindo-se a descolagem in vivo após a irradiação com laser CO2 (LUXAR LX-20), durante 2 segundos, com potências de 10, 14 e 18 Watts. Após a preparação dos cortes histológicos da polpa, utilizou-se um microscópio óptico para efetuar a análise das diferentes reações pulpares, levando-se em conta os intervalos de 7, 14 e 21 dias entre o momento da irradiação com laser e a realização das exodontias.

As análises ao miscroscópio óptico demonstraram que a polpa dental dos diversos dentes avaliados não sofreu reações inflamatórias ou degenerativas irreversíveis, sob as condições experimentais, nos três níveis de potência. Contudo, foram constatadas nítidas evidências de processos de defesa, com reparação na histomorfologia tecidual a partir do décimo quarto dia após a irradiação com laser CO2, aplicado com o intuito de facilitar a descolagem de braquetes ortodônticos de cerâmica.

 Pa032

Alterações cefalométricas no perfil facial decorrentes do tratamento da mordida aberta anterior

VEDOVELLO, S. A. S.*, NOUER, D. F., MAGNANI, M. B. B. A., VEDOVELLO, M. F.

Odontologia Infantil - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: sasv@terra.com.br

A proposta do trabalho foi avaliar os efeitos do tratamento ortodôntico interceptor com a grade palatina removível e concomitante abandono do hábito sobre o perfil tegumentar e posicionamento labial de 30 indivíduos leucodermas com idade média de 7 anos e 2 meses, portadores de mordida aberta anterior conseqüente do hábito deletério de sucção de chupeta, trespasse vertical negativo de 8 a 13 mm na região ante­rior e relação molar de Classe I de Angle. Os resultados apresentam avaliação de duas grandezas estéticas angulares e três lineares. Em relação às angulares, os resultados obtidos após o tratamento mostraram aumento do ângulo HNB 10,5º para 12,3º e do ângulo Z de 72,0º para 74,0º. A medição das grandezas estéticas lineares relativas ao posicionamento labial partiu de um valor inicial para o lábio superior de 5,4 mm, característico de protrusão, e evoluiu para posicionamento 3,5 mm, considerado ideal do ponto de vista estético. O mesmo ocorreu com o lábio inferior, que de uma posição mais protruída, 6 mm, retruiu-se para 2,5 mm, também considerado mais adequado.

Concluiu-se que as alterações do perfil tegumentar, estudado através dos ângulos HNB e Z, não foram estatisticamente relevantes e apontaram uma tendência a um perfil facial mais convexo, distanciando-se do perfil facial reto, preconizado como normal. O posicionamento do lábio superior e inferior, porém, mostrou alterações estatisticamente significativas: verificou-se aproximação dos valores aferidos pela presente pesquisa em relação aqueles considerados normais segundo os critérios da literatura revisada.

 Pa033

A reabsorção radicular sob a perspectiva do metabolismo ósseo e da bioquímica do movimento dentário

MACIEL, S. M.*, VITRAL, R. W. F.

Morfologia - Universidade Federal de Juiz de Fora. E-mail: murta@icb.ufjf.br

O presente trabalho consta de uma ampla revisão bibliográfica que objetivou colocar a reabsorção radicular como continuação, exacerbada, das alterações que ocorrem no periodonto na movimentação dentária. As reações tissulares, reabsorção e aposição óssea, que ocorrem frente à aplicação de forças ortodônticas, têm um controle hormonal e um outro controle local, dado pelas células do periodonto que, ao reagirem ao estímulo físico, liberam substâncias químicas que funcionarão como mediadores das reações. Em condições especiais a degradação do osso atinge também a raiz dentária, gerando uma reabsorção radicular. Este processo vem sendo exaustivamente estudado, entretanto, ainda não completamente elucidado. Dentro da etiologia de fatores que predispõem ao problema são citados na literatura: genética, fatores metabólicos, força ortodôntica, sexo, alergias, idade e outros. O tratamento das reabsorções radiculares continua em aberto e o prognóstico é ainda, muitas vezes, obscuro.

Como conclusões do trabalho foi notado que: as reabsorções radiculares são decorrentes de reações tissulares semelhantes às que ocorrem durante o movimento dentário e que os hormônios, citocinas, células clásticas, prostaglandinas estão presentes de forma ativa no metabolismo normal do osso e na reabsorção radicular; os fatores que, exacerbam ou predispõem à reabsorção são vários, podendo ser locais, orgânicos, por força física, agentes externos e fatores endógenos. Seu tratamento e a prevenção, embora não seja unânime entre os autores, pode estar relacionado ao uso da calcitonina.

 Pa034

Avaliação da hipermobilidade articular generalizada em pacientes com disfunções da ATM e em indivíduos assintomáticos

COSTA, A. V., LUZ, J. G. C., FIUZA, S. C.*, LOPES, R. G.

Odontologia - Universidade Cidade de São Paulo. E-mail: fvellini@unicid.br

Esta pesquisa avaliou a freqüência da hipermobilidade generalizada em diversas articulações do corpo, em 30 pacientes com sinais e sintomas de disfunções da articulação temporomandibular (grupo experimental), sendo 4 do gênero masculino e 26 do feminino, comparando-os com 30 indivíduos assintomáticos (grupo controle), sendo 15 de cada gênero. Em ambos os grupos, a maioria dos pacientes avaliados encontrava-se na faixa etária dos 21 aos 40 anos. Os métodos de avaliação incluíram: 1) pesquisa da presença de dor muscular ou da ATM, 2) auscultação da ATM e 3) testes específicos de flexão nas articulações dos polegares, dos joelhos, dos cotovelos, dos calcanhares e do tronco, para aferição do grau de mobilidade articular. Com base nestes testes os pacientes foram classificados em 3 categorias: A) mobilidade articular normal, B) hipermobilidade articular suave e C) hipermobilidade articular generalizada. Os resultados revelaram que 60% dos pacientes do grupo experimental apresentaram hipermobilidade articular suave ou generalizada, enquanto que no grupo controle a prevalência foi de apenas 20%, sendo que estas diferenças entre os dois grupos revelaram-se estatisticamente significantes pelo teste do qui-quadrado, ao nível de confiança de 99% (p < 0,01).

Concluiu-se que a hipermobilidade articular generalizada ocorreu com uma freqüência 3 vezes maior nos indivíduos com disfunções da ATM, em relação ao grupo controle assintomático, apontando que este sinal clínico pode ser considerado como um fator predisponente para as disfunções da articulação temporomandibular (ATM).

 Pa035

Avaliação da precisão – repetibilidade e reprodutibilidade – de medidas cefalométricas

ALBUQUERQUE JR., H. R.*, SANTOS-PINTO, A., SANTOS-PINTO, L. A. M.

Clínica Infantil - Universidade Estadual Paulista. E-mail: hralbuquerque@uol.com.br

Foi realizado um estudo para avaliar a precisão no processo de obtenção de medidas cefalométricas esqueléticas e dentárias, sob condição de repetibilidade e reprodutibilidade. Utilizou-se uma amostra de trinta telerradiografias da cabeça em norma lateral de boa qualidade. Sob condição de repetibilidade, cinco operadores, empregando um único método, em dois momentos curtos, obtiveram as medidas cefalométricas. Sob condição de reprodutibilidade, dois operadores, empregando dois métodos diferentes, em três momentos longos, obtiveram as medidas cefalométricas. O modelo estatístico utilizado foi a análise de variância paramétrica (ANOVA) e o coeficiente de precisão, para a verificação de erros sistemáticos e casuais e da precisão de todo o processo.

Os resultados levaram às seguintes conclusões: 1. as condições de repetibilidade e reprodutibilidade foram adequadamente avaliadas pelo desenho experimental; 2. não ocorreu erro sistemático nas duas condições; 3. na condição de repetibilidade, houve erro casual nas medidas SNA, SNB, ANB, SN.GoGN, A-Nperp, /1-NB e IIi-APg e erro não casual nas medidas PoOr.GoMe, PoOr.SGn, Pg-Nperp, Co-A, Co-Gn, 1.NA, /1.NB, AO-BO, 1-NA, IIs-Avert e IIs-APg; 4. sob condição de reprodutibilidade, houve erro casual nas medidas SNA, SNB, ANB, A-Nperp, Co-Gn, /1-NB e IIs-Avert e não casual nas medidas SN.GoGn, PoOr.GoMe, PoOr.SGn, Co-A, 1.NA, /1.NB, AO-BO, 1-NA, IIs-APg e IIi-APg. (Apoio: FAPESP - processo 00/07800-2.)

 Pa036

Quantificação da resina residual aderida ao esmalte após a descolagem de braquetes cerâmicos com o auxílio do laser CO2

HIRAYAMA, J.*, BARROS, C. C., MARTINS, D. R., PICOSSE, L. R.

Odontologia - Universidade Cidade de São Paulo. E-mail: fvellini@unicid.br

Visando avaliar a quantidade remanescente de resina ortodôntica que permanece aderida à superfície do esmalte dental após a descolagem de braquetes cerâmicos com o auxílio do laser CO2, estudaram-se 20 pré-molares superiores humanos íntegros, previamente extraídos por indicações ortodônticas. Sobre a superfície vestibular de cada dente colou-se um braquete cerâmico (Transcend 6000 - Unitek), utilizando-se resina fotopolimerizável Transbond XT - 3M. Para a posterior descolagem dos braquetes, os dentes foram subdivididos em 2 grupos com 10 dentes em cada um: 1) grupo controle: remoção dos braquetes com um alicate ortodôntico (Unitek 444-770) e 2) grupo experimental: remoção dos braquetes após a aplicação de laser CO2 (aparelho LUXAR LX-20), durante 2 segundos e com potência de 14 W, previamente ao tracionamento do braquete com o alicate Unitek 444-770. Em seguida, quantificou-se a resina ortodôntica que permaneceu aderida ao esmalte, utilizando o método proposto por IODETA (1983), que baseia-se no cálculo de áreas de superfícies irregulares mediante o emprego de imagens fotográficas. Os resultados revelaram que, no grupo controle, a média da área de superfície do esmalte dental com resina remanescente aderida foi de 74,18% (dp = 33,86), enquanto que no grupo experimental foi de 44,29% (dp = 45,28).

Concluiu-se que a aplicação do laser de CO2 facilitou a descolagem dos braquetes cerâmicos, conduzindo a uma menor quantidade de resina ortodôntica residual aderida ao esmalte dental, em relação à técnica convencional de descolagem com a utilização apenas de alicate ortodôntico.

 Pa037

Comparação da largura mésio-distal de incisivos e primeiros molares permanentes entre gêmeos monozigóticos

BRAGA, C. P.*, HOFFELDER, L. B., LIMA, E. M., MENEZES, L. M.

Ortodontia e Ortopedia Facial - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. E-mail: crisbraga@terra.com.br

A influência do meio ambiente e da hereditariedade no desenvolvimento humano tem sido amplamente estudada, baseada, muitas vezes, em comparações entre parentes (pais, descendentes e irmãos). Com o intuito de verificar se as dimensões dentárias são influenciadas geneticamente, os autores compararam as larguras mésio-distais de incisivos centrais, incisivos laterais e primeiros molares permanentes superiores e inferiores, entre 15 pares de gêmeos monozigóticos que seriam submetidos à tratamento ortodôntico. Os pares de gêmeos foram aleatoriamente distribuídos em 2 grupos: A e B. Os dentes dos 60 modelos de gesso foram medidos com compasso de pontas secas (Dentaurum®) e paquímetro eletrônico digital de precisão (Starret®). Foi realizado o estudo do erro de método de mensuração e constatou-se que as diferenças entre as médias da primeira e da segunda avaliação não foram significativas (p > 0,05). Os dados obtidos foram submetidos ao teste t de Student para amostras pareadas e análise de correlação de Pearson (r).

Concluiu-se que: (1) não houve diferença significativa nas larguras da maioria dos dentes avaliados (12, 12, 21, 22, 26, 36, 31, 41, 42, 46), indicando forte influência genética; (2) as diferenças encontradas nos dentes 32 e 16 não apresentaram significado clínico relevante.

 Pa038

Avaliação longitudinal da sobressaliência e da sobremordida em indivíduos portadores de Classe II dentária

HOFFELDER, L. B.*, BRAGA, C. P., LIMA, E. M. S.

Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial - Pontifícia Universidade Católica do Rio. E-mail: lucianahoffelder@terra.com.br

Os incisivos superiores trespassam os incisivos inferiores tanto no sentido horizontal (sobressaliência) quanto no sentido vertical (sobremordida), variando de um indivíduo para outro dentro dos padrões de normalidade. Com o intuito de avaliar longitudinalmente as possíveis mudanças nas relações vertical (sobremordida) e horizontal (sobressaliência) dos dentes anteriores durante o crescimento e desenvolvimento crânio-facial de pacientes portadores de maloclusão de Classe II, divisão 1ª de Angle – critério definido aos 12 anos de idade – trinta indivíduos canadenses participantes do Burlington Growth Study foram avaliados, sendo 20 do sexo masculino e 10 do feminino. Os dados são oriundos de modelos de gesso obtidos aos 6, 9, 12, 14 e 16 anos de idade. Após a obtenção dos mesmos, estes dados foram submetidos aos testes estatísticos análise de variância (ANOVA) com medidas repetidas e correlação de Pearson (r).

Com base nos resultados alcançados, foi possível concluir que: (1) Os valores médios da sobressaliência variaram significativamente aos 6 anos quando comparados com os valores encontrados nas idades de 9, 12, 14 e 16 anos. Os valores médios encontrados dos 9 aos 16 anos, quando comparados entre si, não apresentaram diferenças significativas. (2) Os valores médios da sobremordida não apresentaram variações significativas entre as diferentes idades estudadas, portanto os mesmos, em média, mostraram-se estáveis. (3) Não houve correlação entre os dois fatores analisados nas diferentes idades, comprovando que a sobressaliência e a sobremordida desenvolvem-se independentemente.

 Pa039

Correlação dos sintomas da pulpite com mediadores inflamatórios e neuropeptídeos na polpa dental

VARELLA, C. H.*, NOSRAT, C., HOLLAND, G. R.

Endodontia - Universidade do Grande Rio. E-mail: clvarella@aol.com

Objetivos: correlacionar a apresentação dolorosa da pulpite com a presença e a quantidade de células inflamatórias, mediadores e neuropeptídeos na polpa dental. Métodos: após a aprovação do Comitê de Ética e consentimento dos pacientes, informações detalhadas sobre os sintomas dolorosos foram obtidas. A intensidade da dor foi estimada utilizando-se uma escala análoga visual (VAS). Pré-molares intactos e com lesões cariosas foram então coletados (n = 36). As polpas foram removidas do tecido dentário e preparadas para histologia. As lâminas foram coradas com H. E. e posteriormente processadas para imunofluorescência. Análises semiquantitativas foram realizadas utilizando-se uma grade morfométrica. Parte da amostra foi submetida à ELISA. Resultados: CGRP-imunorreativa (-IR) está presente em maiores quantidades do que a SP-IR em dentes inflamados e em controles. Não foram encontradas correlações entre os parâmetros de dor e a incidência de CGRP- ou SP-IR. Os resultados da VAS estão correlacionados com o número de células inflamatórias (p < 0,01). Nos dentes que apresentaram dor espontânea, observou-se uma quantidade maior de PG-IR (p < 0,05) e maior número de células inflamatórias em geral. Os resultados do ELISA demonstraram que CGRP I e II estão presentes em maiores quantidades em dentes inflamados do que em controles. Porém, esta diferença não é significativa estatisticamente (p > 0,05). Os níveis de CGRP I e II não estão correlacionados com os sintomas de dor.

Conclusões: não há correlação entre a experiência de dor da pulpite e o nível de CGRP-IR ou SP-IR.

 Pa040

Comparação termométrica entre preparos cavitários realizados com turbinas de alta rotação e laser de Er:YAG

CAVALCANTI, B. N.*, RODE, S. M.

Odontologia - Universidade Ibirapuera. E-mail: brunocavalcanti@aol.com

Objetivos: comparar as variações de temperatura provocadas por turbinas de alta rotação e pelo laser de Er:YAG (350 mJ/10 Hz). Material e métodos: preparos cavitários classe V foram realizados numa profundidade de 2,0 mm em 30 incisivos inferiores bovinos, que tiveram um termopar posicionado para ler as temperaturas no interior da câmara pulpar. A análise foi feita nos seguintes grupos, de dez dentes cada um: I - alta rotação sem refrigeração a água; II - alta rotação com refrigeração a água; III - laser de Er:YAG com refrigeração a água. Os aumentos de temperatura foram gravados num computador ligados aos termopares e os dados dos grupos I, II e III foram submetidos ao teste de Dunn para comparações múltiplas (p < 0,05). Resultados: os aumentos médios de temperatura foram: 11,64ºC para o grupo I, 0,96ºC para o grupo II, e 2,9ºC para o grupo III. Não houve diferenças estatisticamente significantes entre os grupos II e III, e estes foram diferentes do grupo I.

Os preparos cavitários realizados com as turbinas de alta rotação e com o laser de Er:YAG geraram aumentos de temperatura semelhantes quando sob refrigeração a água.

 Pa041

Avaliação da capacidade seladora de diferentes materiais utilizados no tratamento de perfurações de furca

GONÇALVES, R. S.*, HABITANTE, S. M.

Odontologia - Universidade Estácio de Sá. E-mail: jujugoncalves@openlink.com.br

A proposta do presente experimento foi avaliar in vitro a capacidade de selamento do Agregado Trióxido Mineral, Super-EBA, Sealer 26 e do Sealer 26 associado ao Dermabond (2-octil cianoacrilato) quando utilizados no tratamento de perfurações de furca. Cinqüenta e quatro molares inferiores humanos sofreram tratamento endodôntico convencional e foram divididos em quatro grupos de 12 dentes, compondo os grupos experimentais, e dois grupos de três dentes, compondo os grupos controle positivo e negativo. Perfurações foram realizadas no assoalho da câmara pulpar de todos os espécimes dos grupos experimentais e, em seguida, tratadas com um dos materiais propostos. No grupo controle positivo as perfurações não foram tratadas; e no grupo controle negativo não foram realizadas perfurações. Todos os espécimes foram impermeabilizados e submetidos ao corante Rodamina B por 24 h. Após inclusão em resina de poliéster os dentes sofreram cortes transversais na região do tronco radicular e a penetração do corante foi medida, utilizando-se o programa de leitura Imagelab. A análise estatística dos resultados revelou que os espécimes do grupo 4 (Sealer 26 + Dermabond) apresentaram os menores valores de infiltração, seguidos pelos grupos 2 (Super-EBA), 1 (MTA) e 3 (Sealer 26), respectivamente. Não houve diferença estatística significante entre os grupos 1, 2 e 3.

Todos os materiais testados permitiram infiltração do corante; entretanto, o Dermabond proporcionou os menores índices de infiltração, com diferença estatística significante, quando comparado aos outros grupos experimentais.

 Pa042

Análise in vivo da medida eletrônica e radiografia digital direta na determinação da extensão longitudinal do canal

GIUSTI, E. C.*, LAGE-MARQUES, J. L.

Odontologia - Universidade de Taubaté. E-mail: elietegiusti@uol.com.br

Atualmente na Odontologia estão sendo lançados aparelhos com intuito de promover a extensão longitudinal do canal radicular, de maneira rápida, precisa, confiável e segura. O objetivo do presente estudo foi comparar dois métodos para a obtenção da extensão longitudinal do canal radicular, primeiramente com o método eletrônico através do localizador apical Bingo 1020 comparando-se à posterior confirmação feita através da radiografia digital direta sistema RVG Trophy. Foram selecionados 21 pacientes totalizando 30 dentes unirradiculares, sendo 12 casos de polpa viva e 18 casos de polpa morta. Os resultados mostraram que 96,67% das medidas confirmadas pelo sistema de radiografia digital direta permitiram a visualização do halo radiográfico. Constatou-se ainda que as medidas obtidas pelo sistema de radiografia digital direta quando não coincidentes, estavam muito próximas à medida oferecida pelo localizador necessitando de pequenos ajustes.

Pode-se verificar a confiabilidade do localizador apical Bingo 1020 na determinação do comprimento de trabalho, e ainda demonstrar o quanto o sistema de radiografia digital direta Trophy facilita a obtenção da odontometria. Quando da utilização de um dos métodos gerar dúvidas, pode-se obter auxílio do outro método estudado.

 Pa043

Avaliação in vitro da infiltração marginal de alguns materiais seladores provisórios

OLIVEIRA, E. C. G.*, PÉCORA, J. D., FRAGA, S. C.

Endodontia - Universidade do Sagrado Coração. E-mail: elianegulin@novonet.com.br

Estudou-se in vitro a infiltração marginal de sete materiais seladores provisórios. Oitenta e dois dentes caninos unirradiculares humanos, de estoque da FORP-USP, foram instrumentados. No interior de cada canal radicular foi colocado um cone de papel absorvente com a solução alcoólica de dimetilglioxima a 1% e na câmara pulpar uma bolinha de algodão também impregnada com a solução alcoólica de dimetilglioxima a 1% e os materiais seladores provisórios testados. Os dentes foram imersos em solução de sulfato de níquel a 5% e submetidos à ciclagem térmica durante 72 horas. Os resultados demonstraram que: todos os cimentos provisórios testados permitem infiltração marginal na interface cimento/tecido dental, com exceção da utilização da guta-percha e do Cimpat W® associados ao Super Bonder®; a utilização da guta-percha acrescida de duas camadas de Super Bonder® não apresentou infiltração marginal de modo estatisticamente semelhante ao controle negativo.

Concluiu-se que: os cimentos provisórios testados podem ser ordenados de maneira decrescente de infiltrações de ions níquel para as menores, até nenhum: Cimpat W® e Coltosol®; Coltosol® e 3MF2000®; Cavit W®, Citodur® e Dentalville®; Dentalville®, guta-percha associada ao Super Bonder® e controle negativo.

 Pa044

Avaliação da capacidade de selamento marginal de resinas provisórias fotopolimerizáveis

SZMAJSER, L. K.*, SANTIAGO, M. R. J., PROVENÇANO, F., FIDEL, S. R., FIDEL, R. A. S.

Odontologia - Universidade do Grande Rio. E-mail: alepo@uol.com.br

O selamento coronário eficiente entre as sessões endodônticas é considerado um fator importante para o sucesso do tratamento, visto que este evita possíveis contaminações e a necessidade de retratamento. O propósito deste trabalho foi avaliar a capacidade de selamento marginal de três resinas provisórias fotopolimerizáveis: Clip F (Voco) - Grupo II; Tempit (DFL) - Grupo III; Bioplic (Biodinâmica) - Grupo IV, comparando-as com o cimento de óxido de zinco e eugenol de presa rápida (grupo controle) - Grupo I. Foram selecionados 40 dentes molares superiores humanos extraídos e isentos de lesões cariosas, que se encontravam estocados no Banco de Dentes do Laboratório de Pesquisa da FO-UERJ. Foram realizadas cavidades MO em todos os elementos e selamento duplo usando bolinha de algodão e guta-percha em bastão, proporcionando um espaço de aproximadamente 5 mm do ângulo cavo-superficial da coroa, o qual foi preenchido com o material restaurador. Em seguida, os dentes foram impermeabilizados com Super Bonder a 1 mm do preparo e colocados em corante Rodamina e câmara umidificadora por 72 h. Os mesmos foram lavados em água corrente por 6 h, secos, clivados e avaliados em microscópio óptico com aumento de 21 X por 2 examinadores previamente calibrados.

Após análise estatística pelo teste não-paramétrico (Kruskal-Wallis), o resultado demonstrou haver diferença significativa. O Grupo III (Tempit) obteve os melhores resultados comparado aos demais grupos e o Grupo I (OZE) os piores resultados. Entre os Grupos II (Clip F) e o Grupo IV (Bioplic) não houve diferença estatisticamente significante.

 Pa045

Influência de diferentes tipos de breus e resinas hidrogenadas na adesividade do cimento endodôntico do tipo Grossman

SOUSA-NETO, M. D., SPONCHIADO-JUNIOR, E. C.*, SAQUY, P. C., SILVA-SOUSA, Y. T. C., PÉCORA, J. D.

Faculdade de Odontologia - Universidade de Ribeirão Preto. E-mail: emilo@ig.com.br

No presente estudo analisou-se o efeito da adição de diferentes tipos de breus e resinas hidrogenadas ao pó do cimento do tipo Grossman sobre a adesividade na dentina humana. Corpos-de-prova foram preparados utilizando-se superfícies dentinárias de caninos humanos, obtidas por meio de corte longitudinal, fixadas em blocos de resina acrílica. Sobre as superfícies dentinárias foram depositados os cimentos obtidos com breus tipo X, WG, WW e resinas Stabylite éster 10 e Stabylite em cilindros de alumínio dotados de uma alça lateral onde foi aplicada, após o endurecimento do cimento, a força de tração pela máquina universal de ensaios MEN 2000. Os dados obtidos foram submetidos ao teste estatístico de Kruskal-Wallis, que indicou significância a nível de 1% para os cimentos estudados. Os resultados evidenciaram a seguinte ordem crescente de adesão dos cimentos testados: cimentos com resina Stabylite éster 10, resina Stabylite, breu tipo WW, breu tipo X e breu tipo WG.

Pode-se concluir que o tipo de breu influenciou na adesividade dos cimentos do tipo Grossman.

 Pa046

Análise da capacidade seladora frente à infiltração de Enterococcus faecalis de dois cimentos endodônticos

BARROSO, L. S.*, BRUNO, C. C., HABITANTE, S. M., JORGE, A. O. C.

Associação Brasileira de Odontologia e Universidade de Taubaté - Barra Mansa. E-mail: tytos@terra.com.br

O cimento obturador tem importante papel na realização de selamento eficiente do sistema de canais, permitindo melhor adaptação do material obturador com o tecido dentinário circundante, dificultando o acesso de microrganismos à região apical quando do término do tratamento endodôntico. O objetivo deste estudo foi avaliar a capacidade seladora de dois cimentos endodônticos resinosos (Sealer 26 e AH Plus) frente à infiltração por Enterococcus faecalis. Para tanto, 30 dentes unirradiculares foram selecionados, suas raízes foram cortadas para que se padronizasse seu tamanho em 13 mm e foi procedida a impermeabilização destas até 2 mm aquém da saída foraminal. O PQC foi realizado até a lima nº 50. Dez dentes foram obturados com condensação lateral e cimento Sealer 26 (grupo A). No grupo B, dez dentes com cimento AH Plus. O grupo controle negativo possuiu 5 dentes impermeabilizados totalmente e o grupo controle positivo, 5 raízes obturadas sem cimento. No laboratório, montou-se aparato acorde TORABINEJAD et al. (1990), onde deixou-se as entradas dos canais radiculares obturados imersas em caldo BHI contendo E. faecalis. Os 2 mm finais das raízes, não-impermeabilizados, foram imersos em caldo BHI estéril. Foram feitas observações diárias e o tempo que E. faecalis levou para contaminar o BHI estéril foi medido.

A contaminação do BHI estéril no grupo A levou 19 dias, em média, e no grupo B, 26 dias. Não houve significância estatística entre estes grupos. No controle negativo não houve contaminação da solução estéril e no controle positivo a contaminação ocorreu em 2 dias.

 Pa047

Avaliação da compatibilidade dos diâmetros de espaçadores endodônticos e cones acessórios de guta-percha

TARTAROTTI, E.*, CADORE, J.

Odontologia - Universidade Luterana do Brasil. E-mail: edertar@terra.com.br

Avaliou-se a compatibilidade dos diâmetros de espaçadores endodônticos e cones acessórios de guta-percha. Utilizou-se espaçadores bidigitais A, B, C e o dígito-palmar A30 (Dentsply-Maillefer), 5 unidades de cada, e cones acessórios R7 e R8 da Dentsply-Maillefer, Tanari e Endo Points (15 de cada). Os espaçadores e cones fixados em um escalímetro foram mensurados em D1, D3, D5, D7 e D9, utilizando um paquímetro digital. De todas amostras obteve-se um diâmetro final médio submetidos ao teste t de Student. Os resultados mostraram um maior diâmetro do espaçador A nos 5 pontos mensurados em relação aos cones R7 da Dentsply-Maillefer e Endo Points. Para os demais cones o espaçador A apresentou diâmetros menores (R8 Tanari e Endo Points). Os espaçadores B e C apresentaram diâmetros maiores nos 5 pontos mensurados, em relação a todos os cones testados. O espaçador A30 apresentou diâmetros maiores nos 5 pontos mensurados, em relação aos cones da Dentsply-Maillefer e Endo Points R7 e R8 e, Tanari R7. O espaçador A30 em relação ao Tanari R8, em D9 apresentou um diâmetro maior, porém estatisticamente não significativo.

São compatíveis, os cones de guta-percha que apresentam diâmetros, nos 5 pontos mensurados, inferiores aos diâmetros dos espaçadores. Conclui-se que os cones R7 da Dentsply-Maillefer e Endo Points são compatíveis com todos os espaçadores testados. Os cones de guta-percha R8 da Dentsply-Maillefer e Endo Points e, R7 Tanari são compatíveis com os espaçadores B, C e A30. Os cones de guta-percha R8 Tanari são compatíveis apenas com os espaçadores B e C.

 Pa048

Verificação do teor de cloro e pH do líquido de Dakin preparado por diferentes farmácias de manipulação

PORTES, M. L.*, CORREIA, V. F. P., NASSRI, M. R. G., CARLIK, J.

Odontologia - Universidade de Mogi das Cruzes. E-mail: mluciap@bol.com.br

Largamente utilizado como substância auxiliar do preparo químico-cirúrgico do canal radicular, o hipoclorito de sódio a 0,5% neutralizado por ácido bórico (líquido de Dakin) é um solvente orgânico e germicida líquido, incolor e odor característico de cloro. É bastante instável por sua sensibilidade à luz, temperatura e pH. Face a instabilidade dessa substância, com reflexos na sua eficiência, foram coletadas para análise amostras de líquido de Dakin produzidas por diferentes farmácias de manipulação localizadas na região da cidade de São Paulo, em cujos rótulos constavam o produto especificado, lote, data de fabricação e tempo de validade. Esse material foi submetido à titulação do teor de cloro pelo método de iodometria indireta (Farmacopéia Britânica - 1973) e à leitura de pH por método direto com pHmetro Digimed DM20 no Laboratório de Físico-Química da UnG. O teor de cloro livre foi possível de ser determinado apenas na amostra de uma farmácia de manipulação em razão da presença de contaminantes (conservantes, estabilizantes, resíduos ou impurezas) contidos nas demais amostras. Quanto ao pH, 7 apresentações (87,5%) exibiram valores fora das especificações.

Somente a amostra cuja titulação foi possível realizar, apresentou parâmetros de teor de cloro e pH adequados e em acordo aos padrões especificados.

 Pa049

Troca da pasta de hidróxido de cálcio: efeito da irrigação com EDTA e/ou NaOCl 1% sobre a difusão de íons hidroxila

SCHMITZ, C.*, FELIPPE, M. C. S., FELIPPE, W. T.

Estomatologia - Universidade Federal de Santa Catarina. E-mail: cathsch@zipmail.com.br

Esta pesquisa teve como objetivo comparar o efeito da irrigação realizada durante a troca da pasta de hidróxido de cálcio, empregando hipoclorito de sódio a 1% ou a associação de EDTA e hipoclorito de sódio a 1%. Para isso, foram usados 35 caninos extraídos. Após o preparo mecânico e químico dos canais radiculares, remoção do cemento e selamento apical das raízes, os dentes foram divididos em 4 grupos. Nos dentes dos grupos 1, 2 e 3, os canais foram preenchidos com uma pasta de hidróxido de cálcio. Os dentes do grupo 4 permaneceram vazios (grupo controle). Após o selamento coronário, os dentes foram colocados em frascos plásticos individuais, identificados, contendo 10 ml de água destilada. Trinta dias depois, o pH da água em contato com os dentes foi registrado. Após o registro, os dentes do grupo 1 e 2 tiveram a pasta renovada, sendo que no grupo 1 foi feita uma irrigação final com 5 ml de EDTA por 3 minutos seguido de 5 ml de hipoclorito de sódio a 1%, também por 3 minutos e no grupo 2, apenas 5 ml de hipoclorito de sódio a 1% por 3 minutos. No grupo 3 não foi efetuada a troca da pasta e no grupo 4 os canais permaneceram vazios. Os 35 dentes foram repostos aos seus frascos com novos 10 ml de água destilada, e após 30 dias o pH foi novamente registrado.

A análise dos resultados mostrou que a irrigação com EDTA e/ou hipoclorito de sódio a 1%, durante a troca da pasta, não exerce influência significativa sobre a difusão dos íons hidroxila através da dentina radicular e que as trocas do medicamento perturbam a difusão dos íons.

 Pa050

Técnica para obtenção de sistema de canais radiculares simulados em blocos de resina poliéster

LEÃO, E. C.*, CARNEIRO, A. F. C., SOUZA, R. F.

Prótese e Cirurgia Buco-Maxilo-Faciais - Universidade Federal de Pernambuco. E-mail: edircleao@uol.com.br

A utilização de dentes humanos extraídos em pesquisas científicas e ensino laboratorial nos cursos de graduação e pós-graduação de Odontologia, pelo seu elevado número, ferindo princípios éticos e estimulando um comércio ilegal desses dentes, tem incentivado a busca de soluções alternativas. O objetivo principal da técnica, foi produzir artificialmente em resina poliéster ortoftálica insaturada, o sistema de canais radiculares de dentes de humanos, reproduzindo o canal principal, canal lateral e canal secundário. Confeccionou-se um modelo da raiz de um incisivo central superior em cera, incluiu-se com gesso na mufla e contramufla obtendo-se um molde negativo da raiz. Simulou-se o sistema de canais radiculares através de instrumentos endodônticos, canal principal espaçador de Paiva nº 6, canal lateral e secundário limas especiais tipo K nº 8, e posteriormente verteu-se a resina poliéster. Como produto final obteve-se a simulação de uma raiz com o canal principal, canal lateral e canal secundário em resina incolor, possibilitando a execução de técnicas endodônticas no ensino laboratorial e trabalhos de pesquisas e evitar a utilização de dentes humanos extraídos, de forma indiscriminada.

Como produto final obteve-se a simulação de uma raiz com o canal principal, canal lateral e canal secundário em resina incolor, possibilitando a execução de técnicas endodônticas no ensino laboratorial e trabalhos de pesquisas e evitar a utilização de dentes humanos extraídos, de forma indiscriminada.

 Pa051

Avaliação in vitro da citotoxicidade da solução aquosa de clorexidina à 4%

KALIL, M. V.*, FIDEL, R. A. S., ARAUJO, H. P., BOLLER, M. A. A., SILVA, L. E., MOTTA, A. G.

Odontoclínica - Universidade Federal Fluminense. E-mail: odontok@ig.com.br

O objetivo deste trabalho foi avaliar, através de um teste in vitro, os efeitos citotóxicos da solução aquosa de clorexidina na concentração de 4,0% em cultivo de células Hep-2 (fibroblasto humano). Esta avaliação foi realizada pelo teste de citotoxicidade em monocamadas celulares a uma concentração de 5 x 104  e tempo de exposição de 5 (cinco) minutos. Compararam-se os efeitos citotóxicos da concentração testada com os efeitos da solução aquosa de hipoclorito de sódio 5%, como grupo controle positivo e o meio de Duldecco’s como controle negativo. Os dados foram submetidos ao método da análise de variância (ANOVA), o resultado mostrou que a um nível de significância de 5% há diferenças entre os tratamentos. O valor de p de 1,03 x 10-17 mostra um resultado altamente significativo.

Os resultados obtidos demonstram que a solução aquosa de clorexidina à 4,0% testada se comportou como uma solução severamente citotóxica sendo, a solução de hipoclorito de sódio à 5%, mais citotóxica do que a concentração da solução de clorexidina testada.

 Pa052

Análise in vitro do extravasamento apical em duas técnicas de obturação

PESSOTTI, V. P.*, SZMAJSER, L. K., LETRA, A., VILHENA, F. S., FIDEL, S. R., FIDEL, R. A. S.

Endodontia - Universidade do Estado do Rio de Janeiro. E-mail: vanppess@escelsa.com.br

O sistema de canais radiculares deve ser obturado hermeticamente em todo o seu volume e comprimento, dentro da estrutura dentinária proporcionando um selamento efetivo e biologicamente compatível, com ausência de extravasamento de material obturador. O objetivo do presente trabalho consistiu em comparar o extravasamento apical entre a técnica da compressão hidráulica (T1) e a técnica de Schilder (T2) e ava­liar quantitativamente o resultado final das obturações. Foram utilizados 30 dentes humanos (canais ML e MV de 1º e 2º molares inferiores) que se encontravam estocados no Laboratório de Pesquisa da FO-UERJ, instrumentados pela técnica de movimentos oscilatórios (DE DEUS), sendo divididos em grupos A e B, obturados com Kerr Pulp Canal Sealer de acordo com T1 e T2 respectivamente. O cimento extravasado foi pesado em balança de precisão analítica S.2000 (Bosch). Dois examinadores calibrados observaram radiografias dos dentes obturados e atribuíram notas quantitativas relativas à qualidade das obturações. Os resultados foram comparados estatisticamente.

Verificou-se que as obturações pela T2 (técnica de Schilder) produziram valores maiores na quantidade de material extravasado, sem porém haver diferenças estatisticamente significantes.

 Pa053

Estudo in vitro do efeito da aplicação do laser CO2 sobre a dentina humana na adesividade de diferentes cimentos endodônticos

ARRUDA, M. P.*, SPONCHIADO-JUNIOR, E. C., VANSAN, L. P., SAQUY, P. C.,
SOUSA-NETO, M. D.

Faculdade de Odontologia - Universidade de Ribeirão Preto. E-mail: arrudamp@aol.com

A adesividade do cimento obturador à parede do canal radicular é uma das propriedades que um material obturador deve possuir para possibilitar um selamento o mais hermético possível do canal radicular. O presente estudo teve por objetivo avaliar o efeito da aplicação do laser CO2 sobre a dentina humana na adesividade dos cimentos obturadores: Endofil, N-Rickert, Sealapex e Sealer 26. Foram utilizadas 40 superfícies dentinárias planas de molares humanos, obtidas através do corte transversal destes dentes, e posteriormente fixados pelas raízes em blocos de resina acrílica. Estes dentes foram divididos em 2 grupos, no primeiro grupo utilizamos a irrigação com água destilada e no segundo grupo aplicamos a irradiação laser de CO2 com os seguintes parâmetros: uma potência de 3 W em forma continua circular do centro para a periferia durante 10 segundos. Os cimentos eram depositados em cilindros de alumínio dotado de uma alça lateral onde foi aplicada a força de tração pela máquina universal de ensaios Instron 4444. Os dados obtidos evidenciaram haver diferença estatística ao nível de 1% para os cimentos testados e o uso do laser na superfície dentinárias.

A aplicação do laser CO2 sobre a superfície dentinária não influenciou na adesividade dos cimentos Endofill, N-Rickert e Sealapex, porém aumentou significantemente a adesividade do cimento Sealer 26.

 Pa054

Análise química e estrutural do MTA e do cimento de Portland, isolado e acrescido de substâncias radiopatizantes

TRINDADE, A. C.*, FIGUEIREDO, J. A. P.

Odontologia - Universidade Lutera do Brasil. E-mail: endoale@terra.com.br

O objetivo do presente estudo foi analisar a microestrutura e a composição química do cimento de Portland (Votorantin, Brasil), do cimento de Portland acrescido de diferentes substâncias radiopatizantes e do MTA (Pro Root®, Dentsply Tulsa Dental, EUA). O cimento foi manipulado com água esterilizada e quatro líquidos radiopatizantes: citrato de chumbo, acetato de uranila, tetróxido de ósmio e ácido fosfotún­gstico (PTA). O MTA foi manipulado de acordo com as recomendações do fabricante. Após a manipulação, os cimentos foram inseridos em moldes cilíndricos de polietileno, com 5 mm de comprimento e diâmetro interno de 1,3 mm. Após a presa dos materiais, os moldes foram cortados, liberando os corpos-de-prova, que foram dessecados, por 72 horas, em temperatura ambiente, para então serem submetidos à análise estrutural e química através de microscópio eletrônico de varredura e sonda EDX (Energy Dispersive X-Ray). A superfície dos corpos-de-prova, avaliadas em MEV com aumento de 500 X, mostrou a mesma estrutura microscópica para todos os corpos-de-prova. A análise da composição química, através da sonda EDX, mostrou os mesmos elementos para todas as amostras, exceto que o MTA contém bismuto e o cimento de Portland contém potássio. Tungstênio foi encontrado nas amostras de cimento de Portland manipulado com PTA. Nas demais misturas não foram encontrados traços dos elementos presentes nos radiopatizantes.

Pode-se presumir que a adição destas substâncias radiopatizantes, à exeção do PTA, não altera a estrutura e composição química do cimento de Portland.

 Pa055

Análise do teor de cloro e do pH do líquido de Dakin de diferentes marcas comerciais

SOUZA, N. J. A.*, PORTES, M. L., NASSRI, M. R. G., CARLIK, J.

Odontologia - Universidade de Mogi das Cruzes. E-mail: neivaldo.souza@zipmail.com.br

O líquido de Dakin (hipoclorito de sódio a 0,5% neutralizado por ácido bórico) é uma substância química auxiliar largamente utilizada no transcurso do tratamento endodôntico, tanto na fase do preparo químico-cirúrgico do canal radicular quanto nas irrigações complementares. Sendo uma substância quimicamente instável, seu componente anti-séptico, o ácido hipocloroso, tem seu comportamento físico-químico e ação anti-séptica influenciados por vários fatores tais como temperatura, luz e, principalmente, pH. ­Diante de tais circunstâncias, foram coletados frascos de 10 diferentes marcas comerciais de líquido de Dakin disponíveis na região da cidade de São Paulo. Estas amostras, com dados relativos a data de fabricação, lote, tempo de validade e embalagem anotados, foram submetidas a análise do teor de cloro pelo método de titulometria com tiossulfato de sódio (metodologia: Farmacopéia Americana, 23ª ed., p. 1424 e Farmacopéia Brasileira, 3ª ed., p. 1138) no Centro de Estudos Laboratoriais e Farmacêuticos da UMC. Por outro lado, a leitura do pH por método direto com pHmetro Digimed DM20 foi efetuada no Laboratório de Físico-Química da UnG. Em relação ao pH, apenas 40% das marcas comerciais avaliadas apresentaram valores considerados na faixa de neutralidade. Quanto ao teor de cloro, 40% das marcas comerciais analisadas exibiram concentrações dentro das especificações.

Nenhuma marca atendeu, simultaneamente, os parâmetros de pH e concentração exigidos.

 Pa056

Avaliação dos fatores relacionados ao insucesso endodôntico com perda do elemento dental

ARAÚJO, E. B. S.*, GOMES, B. P. F. A., ZAIA, A. A., SOUZA FILHO, F. J.

Odontologia Restauradora - Universidade Vale do Rio Doce. E-mail: ebsaraujo@uol.com.br

O objetivo deste trabalho foi investigar os fatores relacionados ao insucesso resultando em perda do elemento dental de 58 dentes endodonticamente tratados, os quais foram extraídos por especialistas e alunos da FOP/UNICAMP. Os dentes foram coletados imediatamente após a extração, fixados em solução de formalina a 10% e radiografados em diferentes angulações para avaliação da qualidade da obturação endodôntica e posterior estudo histobacteriológico, da microinfiltração e morfologia do sistema de canais radiculares. Algumas amostras foram acondicionadas em solução de glutaraldeído a 2,5% para estudo em microscopia eletrônica de varredura (MEV) para verificação da presença de bactérias nos túbulos dentinários. Os seguintes dados foram coletados: idade, sexo, dente, fratura, selamento coronário, lesão periapical e endo-pério, reabsorção, entre outros. Através do MEV e do exame histobacteriológico foram observadas reabsorções, espaços entre as paredes dentinárias e o material obturador e microrganismos nos túbulos dentinários. Os resultados indicam uma relação entre ausência de selamento coronário, limite da obturação, lesão endo-periodontal com a presença de microrganismos nos túbulos dentinários e conseqüente ­aumento nos índices de insucesso da terapia endodôntica (p < 0,05 - teste de qui-quadrado de Pearson ou ­Fisher).

Concluiu-se que a preservação de dentes tratados endodonticamente depende de fatores relacionados à técnica endodôntica, procedimentos restauradores, condições periodontais entre outros. (FAPESP - 96/55843; CNPq - 9520277/99-6; CAPES.)

 Pa057

Reabsorção radicular pós-traumatismo dentário: relação com a idade cronológica e idade óssea

MATTAR, R.*, CARDOSO, R. J. A.

Clínica Integrada - Universidade de Uberaba. E-mail: r.mattar@terra.com.br

As reabsorções radiculares decorrentes de traumatismos dentários vêm se constituindo em um problema freqüente em crianças e adolescentes. O objetivo deste estudo foi avaliar a presença e a evolução da reabsorção radicular externa, em pacientes com história de traumatismo dentário, através do acompanhamento clínico e radiográfico, relacionando o momento e o grau da reabsorção com as idades cronológica e óssea desses pacientes. Foram selecionados 28 pacientes acometidos de traumatismo dentário com idades va­riando entre 6 e 17 anos e com indicação de tratamento ortopédico e/ou ortodôntico. O acompanhamento foi realizado por intermédio de radiografias periapicais, em controles mensais regulares, durante um período mínimo de 1,5 anos. Após esse período, as radiografias foram analisadas quanto à presença e grau da reabsorção e classificadas em leve, moderada e acentuada. Definimos nessa análise o estágio mais ativo da reabsorção, e denominamos de “ pico da reabsorção”, que foi relacionado à idade cronológica e óssea dos pacientes.

Os resultados demonstraram que o trauma dentário ocorreu mais freqüentemente nos dentes 11 e 21 e a reabsorção acometeu 96% dos dentes traumatizados, independente do sexo. Encontramos alta correlação entre idade óssea e cronológica. O grau de reabsorção leve apresentou relação significativa com as variáveis analisadas, se instalando com mais freqüência, de 1 a 10 meses após os traumatismos do tipo luxação lateral e concussão, com predominância da reabsorção do tipo inflamatória. A ausência de relação dos parâmetros estudados com o período puberal sugere que, nesta amostragem, os hormônios se­xuais parecem não estar envolvidos neste processo.

 Pa058

Utilização do laser Er:YAG na esterilização dos canais radiculares

AREAS, V.*, PESSOTTI, V. P., GOMES, R. S., PEREIRA, R. S., FIDEL, R. A. S., FIDEL, S. R.

Endodontia - Universidade do Estado do Rio de Janeiro. E-mail: vanessareas@ig.com.br

Irradiações de laser tem sido comumente utilizadas na terapia endodôntica, onde a absorção da energia da luz laser pelo tecido-alvo produz efeito térmico com ação bactericida. O presente trabalho teve por objetivo fazer análise da ação bactericida em profundidade, do laser Er:YAG, em dentina radicular. Foram utilizados 24 dentes humanos extraídos, caninos superiores, que se encontravam estocados no Laboratório de Pesquisa da FO-UERJ, autoclavados e inoculados com suspensão de Enterococcus faecalis, cultura de 24 horas, e que a cada 72 horas eram submetidas a repiques durante 30 dias. Os dentes foram divididos em 4 grupos: Grupo I: controle positivo - 3 dentes que não foram submetidos à radiação ; Grupo II: 7 dentes sofreram irradiação do laser com freqüência de 180 mJ/2 Hz , Grupo III: 7 dentes - 200 mJ/2 Hz e Grupo IV: 7 dentes - 250 mJ/2 Hz, sendo todos por um período de 30 segundos. Os dentes foram preenchidos com soro, aspirados e inoculados em tubos com meio presuntivo para Enterococcus e incubados em microaerofilia num período de 72 h. Após a leitura do turvamento do meio observou-se que em somente duas amostras do grupo IV não houve crescimento bacteriano.

Concluímos portanto, que embora vários trabalhos relatem a redução bacteriana dos canais radiculares obtida com a irradiação do laser Er:YAG, ele teve eficácia de 9,52% na esterilização dos mesmos.

 Pa059

Comparação de dois localizadores apicais: estudo in vivo

PACE, S. R. B.*, NASCIMENTO, A. L., RODRIGUES, A. P., LIMA, R. M. F. A., GIUSTI, E. C., FERNANDES, K. P. S.

Endodontia - Universidade Braz Cubas. E-mail: pace@usp.br

O objetivo deste trabalho foi comparar dois métodos de odontometria eletrônicos, tendo como parâmetro os valores obtidos com a odontometria convencional (técnica de Ingle), no âmbito dos tratamentos endodônticos realizados na clínica da Disciplina de Endodontia da Universidade Braz Cubas. Foram realizadas mensurações em dentes unirradiculares e birradiculares, sendo 40 com o aparelho Endex (Osada) e 40 com o aparelho Bingo 1020 (Forum Technologies). Após a mensuração eletrônica, mantendo-se a lima em posição no interior do canal os dentes foram radiografados. As medidas obtidas comparadas com a mensuração anteriormente realizada pelo método de Ingle. Com o uso do aparelho Endex, houve coincidência entre os resultados obtidos pelos métodos eletrônicos e convencional em 70% dos casos, enquanto que com o aparelho Bingo 1020 essa concordância ocorreu em 92% dos casos. Pelos resultados obtidos pudemos concluir que o aparelho eletrônico Bingo 1020 parece ser um método confiável de determinação do comprimento de trabalho em Endodontia.

O método eletrônico Bingo 1020, mostrou-se ser um método confiável de determinação do comprimento de trabalho em Endodontia.

 Pa060

Controle de infecção em Endodontia e sua aplicabilidade em estabelecimentos de ensino

MAGRO, L. M.*

Medicina Oral - Universidade de Passo Fundo. E-mail: magro@tpo.com.br

A Odontologia, até aproximadamente há duas décadas, manteve-se pouco atuante nos cuidados referentes ao controle de infecção. A não-valorização da biossegurança deu-se tanto na informação como na prática. Este trabalho consiste em uma reflexão sobre a aplicabilidade das normas de controle de infecção, divulgadas nos meios de ensino e atualmente sob forma de leis, nas unidades de ensino odontológico. Para tanto, faz uma revista da literatura pertinente ao assunto, possibilitando averiguar se há consenso entre essas normas e suas aplicações quando associadas a cada procedimento endodôntico. No contexto, são analisados itens como área física disponível para atendimento e processamento de instrumentais, equipamento de proteção individual, planejamento e reprocessamento dos instrumentais necessários, bem como manutenção da cadeia asséptica durante o atendimento ao paciente.

Concluiu-se que é necessário reformular os modelos existentes nas escolas de Odontologia, desde as ­áreas físicas utilizadas até a formação de Comissões de Controle de Infecção, que forneçam conhecimento sobre as normas e mantenham a educação continuada tanto para os alunos como para os professores e funcionários, bem como estejam atentas aos aspectos comportamentais das pessoas envolvidas. Há, ainda, a necessidade da adaptação de currículos para essa nova realidade. Portanto, a simples existência de normas não basta para que haja a segurança durante e após os procedimentos endodônticos.

 Pa061

Resistência a tração de lençóis de borracha de diferentes marcas após embrocação com anti-sépticos distintos

OLIVEIRA, S.*, PORTES, M. L., NASSRI, M. R. G., NUNES, M. R. L., CARLIK, J.

Odontologia - Universidade Mogi das Cruzes. E-mail: fernanvi@ig.com.br

O isolamento absoluto do campo operatório constitui norma válida para toda intervenção endodôntica, em casos tanto de polpa viva quanto polpa mortificada. Assim a eficiência do isolamento absoluto, como procedimento de assepsia, depende da integridade do lençol de borracha utilizado para tal fim. Considerando a elasticidade variável dos lençóis de borracha disponíveis no mercado, buscou-se analisar a resistência a tração desse material após a realização de uma perfuração central e embrocação utilizando-se dois anti-sépticos distintos. Nesse estudo, amostras de lençóis de borracha de 5 marcas comerciais foram distribuídos em três grupos experimentais assim constituídos: GI - sem embrocação; GII - com embrocação com líquido de Dakin; e, GIII - com embrocação com clorexidina. O experimento foi realizado no NPT da UMC, sendo cada espécime distendido em aparelho de tração marca Versa Test com célula de carga de 2.000 kgf a uma velocidade de 200 mm/minuto e registrada a força necessária até o momento da ruptura do lençol. Os dados referentes a resistência foram analisados comparando-se individualmente as diferentes marcas em cada grupo assim como as médias dos três grupos. Segundo o teste de Kruskal-Wallis não houve diferença estatisticamente significante na resistência dos lençóis submetidos ou não à embrocação, bem como em relação aos dois agentes anti-sépticos testados.

A resistência à tração dos lençóis de borracha não é afetada por sua embrocação, muito embora tenham sido constatadas diferenças, em níveis de significância variáveis, entre as das marcas comerciais testadas.

 Pa062

Estudo comparativo do grau de limpeza de canais radiculares entre duas formulações de EDTA e solução fisiológica

VALE, M. S.*, FERREIRA, F. B. A., HOLANDA PINTO, S. A., MELO, E. S.

Clínica Odontológica - Universidade Federal do Ceará. E-mail: monicavale@uol.com.br

O sucesso do tratamento endodôntico está intimamente relacionado à limpeza do sistema de canais radiculares, obtida por técnicas de instrumentação associadas às soluções irrigadoras e quelantes. Dentre estes, destaca-se o EDTA, mais comumente empregado na forma líquida e mais recentemente em gel. Objetivou-se comparar o grau de limpeza propiciada pelo EDTA gel a 24%, EDTA líquido a 17% e solução salina fisiológica a 0,9% em canais radiculares de trinta caninos humanos extraídos. Após instrumentação escalonada e irrigação com 5 ml de hipoclorito de sódio a 1% entre cada instrumento, seguido de irrigação com solução salina fisiológica, os canais radiculares foram secos e subdivididos em três grupos de acordo com a solução irrigadora final empregada: Grupo 1, irrigação com EDTA gel a 24%, Grupo 2, irrigação com EDTA líquido a 17% e Grupo 3 (controle), irrigação com solução salina fisiológica a 0,9%. As raízes foram em seguida clivadas no sentido longitudinal e acondicionadas secas e unitariamente em eppendorfs para avaliação em microscopia eletrônica de varredura. Os terços apicais e médios de 30 hemissecções radiculares foram fotografados com 10 kV, em aumentos de 1.000 vezes. As fotografias foram avaliadas de acordo com escores previamente estabelecidos e os dados obtidos foram submetidos ao teste de Kruskal-Wallis.

Concluiu-se que o terço médio foi significantemente mais limpo do que o terço apical; o EDTA gel propiciou limpeza semelhante ao EDTA líquido e ambos propiciaram maior grau de limpeza, com diferença estatística significante em relação à solução salina fisiológica.

 Pa063

Análise microbiológica dos canais radiculares infectados e sintomáticos

JACINTO, R. C.*, GOMES, B. P. F. A., FERRAZ, C. C. R., TEIXEIRA, F. B., ZAIA, A. A., SOUZA-FILHO, F. J.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: rogeriocastilho@hotmail.com

Dentes sintomáticos são mais freqüentemente associados à predominância de microrganismos anaeró­bios. O objetivo deste trabalho foi analisar a microbiota de canais radiculares infectados e sua possível relação com a sintomatologia dolorosa. Foram examinados microbiologicamente 50 canais radiculares, 25 com sintomatologia dolorosa e 25 assintomáticos, utilizando técnicas anaeróbias estritas. Foram isoladas 196 bactérias cultiváveis, as quais pertenciam a 35 espécies diferentes e 17 diferentes gêneros. Os canais radiculares continham no máximo 9 espécies bacterianas. Sessenta e seis por cento dos isolados eram anae­róbios estritos. Análise estatística foi feita através dos testes c2 de Pearson ou de Fisher, quando apropriados. Possíveis associações foram encontradas entre anaeróbios, principalmente gram-negativos e a presença de dor, história de dor, dor à percussão e dor à palpação (p < 0,05). Associações foram encontradas entre dor (n = 23) e “bactérias produtoras de pigmento negro”, (especialmente Prevotella spp.) e P. micros (ambos p < 0,05), história de dor (n = 35) e F. nucleatum (p < 0,05), dor a percussão (n = 30) e Prevotella spp. e F. nucleatum (ambos p < 0,05), dor a palpação (n = 18) e P. gingivalis, Peptostreptococcus spp. e Fusobacterium spp. (ambos p < 0,05).

Os resultados sugerem que bactérias específicas estão associadas à sintomatologia dolorosa. (Apoio: FAPESP - 00/13689-7; CNPq - 0277/99-6 e CAPES.)

 Pa064

Estudo comparativo da extrusão apical, produzida por duas diferentes técnicas mecânico-rotatórias

DEONIZIO, M. D. A.*, GAVINI, G., PONTAROLO, R.

Odontologia - Pontifícia Universidade Católica do Paraná. E-mail: maridoro@rla01.pucpr.br

O objetivo deste trabalho foi comparar a quantidade de resíduos sólidos extruídos por meio de duas diferentes técnicas de instrumentação mecânico-rotatórias, variação de conicidade (Grupo A) e coroa-ápice (Grupo B), valendo-se de limas de Ni-Ti (Quantec LX). Quinze incisivos inferiores humanos foram utilizados para cada grupo. O material sólido extruído foi coletado por meio do sistema de filtração Millipore com filtros de 0,45 micrômetros de poro, submetidos a secagem em estufa (40ºC por 3 horas) e pesagem em balança analítica de precisão. A instrumentação cérvico-apical produziu em média 0,20 mg de material sólido extruído, enquanto a técnica variação da conicidade apresentou 0,44 mg. Quando os dados foram analisados estatisticamente (teste t de Student), observou-se diferença significante (p < 0,01) entre os dois grupos.

Tanto a técnica coroa-ápice quanto a de variação da conicidade provocaram extrusão de material sólido além do forame apical. A técnica coroa-ápice produziu menos extrusão apical com diferença significante entre ela e a técnica de variação da conicidade.

 Pa065

Efeitos do EDTA-T, EDTA e ácido cítrico sobre a remoção de “smear layer” em três intervalos de tempo

SCELZA, M. F. Z.*, SCELZA, P., PREIRA, M. S., PACIORNIK, S.

Odontoclínica - Universidade Federal Fluminense. E-mail: scelza@gbl.com.br

Buscou-se avaliar os efeitos do EDTA-T, EDTA a 17% e ácido cítrico a 10% na a remoção de “smear layer” sobre a estrutura da dentina radicular depois de realizar-se irrigação final nos intervalos de tempos de 3, 10 e 15 minutos. Utilizaram-se 90 caninos humanos, instrumentados pela técnica escalonada, onde a lima tipo K apical foi #40 e a cervical #60. Na instrumentação 2 ml da NaOCl a 5% foi usado a cada troca de instrumento. Os dentes foram separados em 9 grupos de 10 elementos recebendo 20 ml de irrigação final com as substâncias, nos intervalos de tempo determinado. Em seguida foram clivados e uma de suas metades foi preparada para a avaliação no MEV. Após a captura das imagens dos 3 terços do canal com 350 X de aumento quantificou-se o número de túbulos dentinários abertos através do programa KS 400 (Carl Zeiss Vision). De posse dos valores, procedeu-se à análise estatística Kruskal-Wallis com nível de significância de 5%.

Concluiu-se que para o ácido cítrico, considerando intervalos de tempo, houve uma diferença significante (p < 0,05) entre 3 e 10 min assim como 3 e 15 min, onde para de 3 min, observou-se um maior número de túbulos dentinários abertos. Quanto ao EDTA no intervalo de 3 e 15 min, a diferença foi significante (p < 0,05) favorecendo, também, o tempo de 3 min. Para o EDTA-T, quanto ao número de túbulos dentinários abertos, não houve diferença significante nos 3 intervalos de tempo (p > 0,05). Comparando substância versus intervalo de tempo, houve diferença significante entre o ácido cítrico e EDTA com 10 minutos de irrigação (p < 0,05), onde o EDTA proporcionou maior número de túbulos dentinários abertos. (Apoio financeiro: FAPERJ - processo nº E-26/171.984/2000.)

 Pa066

Estudo epidemiológico dos tratamentos endodônticos realizados na Faculdade de Odontologia de Piracicaba - UNICAMP

QUADROS, I.*, GOMES, B. P. F. A., ZAIA, A. A., SOUZA-FILHO, F. J.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: iadasa@uol.com.br

A proposta deste estudo epidemiológico foi monitorar os tratamentos endodônticos realizados na Faculdade de Odontologia de Piracicaba - UNICAMP entre o período de 1998 a 2000. As informações dos registros foram transferidas para um banco de dados especialmente criado para este estudo. Resultados foram estatisticamente analisados utilizando o teste qui-quadrado. Quanto a arcada dental, os dentes superiores foram mais tratados (p < 0,001), entretanto, de acordo com o tipo de dente, molares inferiores foram os mais envolvidos endodonticamente. O maior número de tratamento foi realizado em pacientes entre 26-49 anos no triênio estudado. Pacientes femininos foram os mais atendidos, sendo 58% em 1998, 71% em 1999, e 67% em 2000. A cárie dental esteve presente em 90,9% do total de casos em 1998, 82,7% em 1999 e 78,8% em 2000. O diagnóstico de pulpite irreversível foi observado em 43,2% dos tratamentos em 1998, 41,5% em 1999 e 32,3% em 2000.

Concluímos que a cárie continua sendo a principal causa das doenças pulpares e que não houve um declínio no número de tratamentos endodônticos realizados no período estudado. (Apoio: FAPESP - 00/13689-7, CNPq - 0277/99-6, CAPES.)

 Pa067

Infiltração marginal em obturações retrógradas realizadas com ProRoot-MTA, MTA-Angelus e Super-EBA

SILVA NETO, U. X.*, BROCHADO, V. H. D., GONÇALVES JÚNIOR, J. F.

Dentística, Endodontia e Materiais Dentários - Universidade de São Paulo. E-mail: ulix@terra.com.br

A obturação retrógrada é uma das modalidades cirúrgicas empregadas para o selamento endodôntico apical. O objetivo desse trabalho foi avaliar a infiltração marginal permitida pelos materiais retrooburadores. Foram utilizados 34 incisivos centrais superiores humanos extraídos, cujos canais foram preparados biomecanicamente e obturados. Após 48 horas, realizou-se a apicectomia removendo-se 3 mm apicais e a confecção da cavidade retrógrada com aproximadamente 2 mm de profundidade por meio de pontas ultra-sônicas. Em seguida, realizou-se a impermeabilização da superfície externa das raízes. As raízes foram divididas aleatoriamente em três grupos de 10, sendo utilizados como materiais retroobturadores o ProRoot-MTA, o MTA-Angelus e o SUPER-EBA. Quatro dentes foram utilizados como grupo controle (positivo e negativo). Após a obturação, as raízes foram imersas em solução aquosa de Rodamina B a 0,2% por 48 horas, e lavadas em água corrente por 12 horas. Removeu-se a camada de impermeabilização e realizou-se o desgaste longitudinal da face mesial radicular com disco de carborundum expondo-se a retroobturação. A medida da infiltração marginal foi feita pela da técnica da planimetria em microscópio óptico. Para o grupo do ProRoot-MTA e MTA-Angelus verificou-se uma média de infiltração de 1,71 mm e 1,65 mm respectivamente. Para o Super-EBA verificou-se uma média de 1,40 mm. Os dados obtidos foram submetidos à análise estatística por meio do teste ANOVA.

Não se verificou diferença estatisticamente significante entre os materiais testados (p < 0,05).

 Pa068

Avaliação da permeabilidade e da morfologia apical após apicectomia, tratamento e retropreparo com lasers Er:YAG e Nd:YAG

OLIVEIRA, R. G.*, BALDOCHI, S. L., GOUW-SOARES, S. C., EDUARDO, C. P.

Odontologia - Universidade Federal de Juiz de Fora. E-mail: igo@artnet.com.br

Um dos maiores problemas das cirurgias paraendodônticas está vinculado à permeabilidade superficial da dentina após a apicectomia e à falta de adaptação marginal adequada entre o material retrobturador e as paredes da cavidade que acabam por permitir a percolação de microrganismos, seus subprodutos e fluidos orgânicos do sistema de canais radiculares à região periapical, comprometendo assim a devida reparação tecidual. Este trabalho tem como proposição avaliar a permeabilidade superficial e marginal da dentina de corte após a apicectomia, tratamento e retropreparo com os lasers de Er:YAG e Nd:YAG e retrobturados com IRM. Além disso, analisar, sob MEV, as alterações morfológicas causadas pela irrradiação desses lasers através de fibras ópticas. Um total de vinte e quatro dentes unirradiculares com os canais tratados endodonticamente foram divididos em 3 grupos experimentais: grupo I (laser de Er:YAG); grupo II (Er:YAG e Nd:YAG); e grupo III (controle). A análise da infiltração do corante azul de metileno através da superfície dentinária de corte e da retrobturação demonstrou que as amostras dos grupos que foram irradiadas apresentaram índices de infiltração menores que as do grupo controle. Esse resultado foi compatível com as alterações morfológicas estruturais evidenciadas em MEV.

Nas condições deste estudo, a irradiação associada, ou seja, a apicectomia com os laser de Er:YAG, tratamento da superfície de corte e a confecção da retrocavidade com o laser de Nd:YAG, demostrou ser uma opção capaz de diminuir a permeabilidade ao corante azul de metileno.

 Pa069

Identificação e suscetibilidade antimicrobiana de enterococos isolados de dentes com insucesso do tratamento endodôntico

PINHEIRO, E. T.*, GOMES, B. P. F. A., FERRAZ, C. C. R., TEIXEIRA, F. B., ZAIA, A. A., SOUZA-FILHO, F. J.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: erickapinheiro@yahoo.com.br

Enterococos não são comumente isolados de canais com polpas necrosadas, entretanto, têm sido associados ao insucesso do tratamento endodôntico. Estudos têm revelado uma crescente resistência antimicrobiana entre espécies de enterococos. O objetivo deste trabalho foi investigar a ocorrência de Enterococcus spp. em 60 dentes tratados endodonticamente associados a lesões periapicais e analisar sua suscetibilidade antimicrobiana. Durante o retratamento endodôntico, após a remoção do material obturador, as amostras dos canais foram coletadas e analisadas microbiologicamente. Enterococcus spp. foram testados quanto à suscetibilidade antimicrobiana através do método do “E-test”, utilizando benzilpenicilina, amoxicilina, amoxicilina/ácido clavulânico, eritromicina e azitromicina. A produção de b-lactamase também foi investigada. Microrganismos estavam presentes em 51 dos 60 dentes. Enterococcus faecalis foi isolado de 27 dos 51 canais com crescimento bacteriano, presentes em cultura pura em 18 casos. A produção de b-lactamase não foi detectada. Todas as cepas testadas foram sensíveis a benzilpenicilina, amoxicilina e amoxicilina + ácido clavulânico. Resistência a eritromicina foi observada em 7,7% dos casos, e a maioria das cepas apresentou suscetibilidade intermediária. Azitromicina não foi eficaz contra Enterococcus faecalis, apresentando resistência em 38,5% dos casos.

Concluímos que há uma elevada prevalência de Enterococcus faecalis em canais de dentes com insucesso endodôntico, e que cepas apresentaram resistência aos antibióticos eritromicina e azitromicina. (Apoio: FAPESP, CNPq.)

 Pa070

Avaliação da biocompatibilidade das soluções de hipoclorito de sódio, clorexidina e uma combinação destas

PASTERNAK, B. J.*, TAVARES, T., PERIN, F. M.

Odontologia - Universidade do Sul de Santa Catarina. E-mail: clismonica@hotmail.com

Neste estudo os autores avaliaram o potencial irritativo das soluções de gluconato de clorexidina a 2%, hipoclorito de sódio a 1% e uma associação destes irrigantes, somente alterando a concentração da clorexidina para 0,2%. Foram inoculados 0,1 ml de cada uma das substâncias testadas e de soro fisiólógico no tecido subcutâneo do dorso de vinte ratos da linhagem Wistar, que receberam também, por via endovenosa, o corante Evan’s blue. Após três horas os animais foram sacrificados e as áreas onde ocorreram as exsudações plasmáticas recortadas. O complexo corante-proteína foi extraído com auxílio de uma solução de formamida P.A. e mantidos em estufa a 45ºC por 72 horas. As soluções resultantes foram filtradas e levadas a um espectrofotômetro digital utilizando-se o comprimento de onda de 620 nm. As médias das medidas da densidade óptica das soluções foram submetidas a uma análise de variância pelo teste de Scheffé.

Os valores da densidade óptica permitiram concluir que a combinação de gluconato de clorexidina a 0,2% com hipoclorito de sódio a 1% foi significativamente menos agressiva quando comparada às soluções usadas individualmente.

 Pa071

Influência de diferentes tipos de soluções irrigadoras e cimentos obturadores no reparo pós-tratamento endodôntico

SALINA, R. M. P. D.*, SOUZA, V., HOLLAND, R.

Endodontia - Universidade de Marília. E-mail: jnesello@terra.com.br

O objetivo do presente estudo foi o de analisar a influência de diferentes soluções irrigadoras e cimentos obturadores no resultado final do tratamento endodôntico. Quarenta canais radiculares de dentes de cães foram preparados biomecanicamente até a lima K nº 40, seguido da perfuração do “platô” cementário apical e sua ampliação até a lima K nº 25. Durante o preparo, metade dos canais foram irrigados com soro fisiológico e a outra metade com soda clorada. Concluído o preparo biomecânico, 10 canais irrigados com cada solução foram obturados com cones de guta-percha e o cimento AH Plus e o restante com o cimento Vidrion-Endo. Decorridos 90 dias de pós-operatório, os animais foram sacrificados e as peças obtidas preparadas para exame histomorfológico. A análise dos resultados permitiu observar que independentemente do cimento obturador utilizado não houve diferença entre os dois tipos de soluções irrigadoras empregadas (p > 0,05) e que o cimento AH Plus proporcionou melhores resultados que o cimento Vidrion-Endo (p = 0,01).

A inter-relação solução irrigadora/cimento obturador permitiu ordenar do melhor para o pior resultado a seguinte seqüência: soda clorada/AH Plus, soro fisiológico/AH Plus, soro fisiológico/Vidrion-Endo e soda clorada/Vidrion-Endo.

 Pa072

Padrão de desgaste de dentina na zona de perigo de raízes mesiais de molares inferiores: preparo manual e rotatório

MANIGLIA, C. A. G.*, PICOLI, F., MANIGLIA, A. B., PARDINI, L. C.

Faculdade de Odontologia de Franca - Universidade de Franca. E-mail: cmaniglia@uol.com.br

Este estudo avaliou o padrão de desgaste de dentina na zona de perigo de raízes mesiais de molares inferiores, após a instrumentação manual e rotatória. Foram utilizados 40 primeiros molares inferiores humanos, submetidos previamente a um exame radiográfico para avaliação de suas curvaturas. Posteriormente, estes foram incluídos em resina acrílica e seccionados na altura do 1/3 médio da raiz (zona de perigo), utilizando para isto, um sistema especialmente desenvolvido para reposicionamento dos cortes, de tal forma que o dente pudesse ser fotografado digitalmente, de forma padronizada, antes e após a realização da instrumentação. Os dentes foram, então, divididos em 2 grupos: Grupo I - instrumentação manual com a técnica escalonada e preparo anti-curvatura; Grupo II - preparo com sistema rotatório ProFile, seguindo a técnica proposta pelo fabricante. Em ambos os grupos utilizou-se a solução de hipoclorito de sódio 1%. Foi estabelecido como padrão de desgaste, a diferença da espessura de dentina anterior e posterior ao preparo, tanto internamente, quanto externamente à curvatura radicular dos canais mésio-vestibulares e mésio-linguais. Para as mensurações da espessura de dentina inicial e final, empregou-se o software Adobe Photo­shop. A análise estatística dos resultados não evidenciou diferença significante quanto ao padrão de desgaste, entre as técnicas manual e rotatória.

Ambas as técnicas de instrumentação, manual e rotatória ProFile, produziram desgaste estatisticamente semelhante ao nível de zona de perigo de raízes mesiais de molares inferiores. (Apoio: FAPESP.)

 Pa073

Suscetibilidade de microrganismos isolados de canais radiculares ao hidróxido de cálcio associado a diversos veículos

VIANNA, M. E.*, GOMES, B. P. F. A., FERRAZ, C. C. R., TEIXEIRA, F. B., ZAIA, A. A., SOUZA-FILHO, F. J.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: morgana@aguianet.com.br

O propósito deste estudo foi verificar a suscetibilidade de microrganismos comumente isolados de canais radiculares utilizando o Ca(OH)2 em combinação com diversos veículos. Os microrganismos testados foram C. albicans, E. faecalis, S. aureus, P. endodontalis, P. gingivalis and P. intermedia. Um ml de cada medicamento foi colocado no interior de poços utilizados para culturas de células, nos quais foram adicionados 2 ml da suspensão microbiana. Após 30 s; 1, 3, 5, 10, 15 e 30 min; 1, 2, 4, 6,  8, 12, 24 e 48 h; 7 dias. Um ml foi transferido para tubos contendo 3 ml de meio de cultura (BHI ou FAB) com solução neutralizadora do Ca(OH)2 (0,5% ácido cítrico); e destes 1 ml foi transferido para outros tubos com 3 ml de meio de cultura adequado. Solução salina foi utilizada como controle. Os tubos foram incubados a 37ºC por 7 dias em condições gasosas adequadas. Alíquotas das suspensões microbianas foram subcultivadas em placas de ágar-sangue. A pureza das colônias foi confirmada pela coloração de Gram, morfologia das colônias e produção de catalase. Os testes foram realizados em triplicata. Os resultados mostraram que P. endodontalis, P. intermedia e P. gingivalis (anaeróbios estritos) foram mais suscetíveis a todas as pastas de Ca(OH)2 testadas. C. albicans foi o microrganismo mais resistente seguido por E. faecalis e S. aureus (anaeróbios facultativos).

Concluímos que todos os microrganismos testados foram suscetíveis às pastas de Ca(OH)2, entretanto os microrganismos facultativos foram mais resistentes que os microrganismos anaeróbios estritos. (Apoio: CAPES, FAPESP - 00/13689-7 e CNPq - 0277/99-6.)

 Pa074

Influência da implantação iônica na resistência à torção de instrumentos rotatórios de níquel-titânio

COSTA, C.*, ALLONSO-FALEIROS, N., SANTOS,

Dentística - Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo. E-mail: crisc@usp.br

O presente estudo buscou verificar o aumento da resistência à torção de instrumentos rotatórios de níquel-titânio após o tratamento de implantação iônica de nitrogênio. Os autores valeram-se de vinte e um instrumentos da marca Quantec series 2000 #40, com 21 mm, que foram divididos em dois grupos. O grupo 1 (G1) constituiu-se de dez instrumentos que foram subdivididos ao ensaio de torção com o auxílio de um troptômetro. O grupo 2 (G2) foi formado de onze instrumentos expostos à câmara de implantação iônica de nitrogênio, que receberam uma dose de nitrogênio de 2,5 ´ 10 íons/cm através de um acelerador de íons com energia de 200 Kev por 6 horas, corrente de 10 microA/cm e temperatura de 130ºC, sendo que a seguir dez foram submetidos ao teste de torção, como no grupo 1 e um instrumento serviu de controle para a determinação da quantidade de íons de nitrogênio implantados por análise de reação nuclear ressonante induzida por partícula. Os resultados mostraram um incremento na resistência à torção de 56% quando comparou-se instrumentos implantados com não implantados.

Concluiu-se assim que o processo de implantação de íons de nitrogênio aumenta a resistência à torção de instrumentos de níquel-titânio.

 Pa075

Propriedade seladora e biológica dos cimentos Sealer 26 e Sealer 26 modificado

SACOMANI, G. R. R.*, HOLLAND, R., SOUZA, V.

Odontologia - Universidade de Marília. E-mail: esacomani@flash.tv.br

A Dentsply produziu em caráter experimental uma versão alterada do Sealer 26, o Sealer 26 Modificado. O objetivo deste trabalho foi analisar as propriedades seladoras e biológicas desses dois cimentos. A propriedade seladora foi avaliada obturando os canais de dentes humanos extraídos pela técnica da condensação lateral utilizando os dois cimentos e mergulhando os espécimes em azul de metileno a 2% em ambiente com vácuo, medindo-se a infiltração ocorrida 24 horas após. As propriedades biológicas foram analisadas em dentes de cães. Estes foram preparados biomecanicamente, fazendo-se sobreinstrumentação até a lima K nº 25, sendo os canais obturados pela técnica da condensação lateral com os dois cimentos em estudo. Após 180 dias os animais foram sacrificados e as peças removidas e preparadas para análise histomorfológica. Quanto à infiltração marginal foi observada infiltração média de 0,70 mm para o Sealer 26 e 0,69 mm para o Sealer 26 Modificado, achados considerados estatisticamente iguais (p = 0,05). Quan­to aos dados histomorfológicos notou-se não haver diferença significante entre os dois materiais (p = 0,05), quando não considerado os casos com detritos apicais.

Concluiu-se que as modificações propostas para o Sealer 26 não proporcionaram melhora em suas propriedades seladoras e biológicas.

 Pa076

Indução experimental de anacorese no periápice de dentes após obturação dos canais – estudo em cães

DEZAN JR., E.*, CONSOLARO, A., HOLLAND, R., GAETTI JARDIM JR., E.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual Paulista. E-mail: dezan@foa.unesp.br

Anacorese é o fenômeno pelo qual microrganismos circulantes, corantes, pigmentos, proteínas estranhas e outros materiais são fixados em áreas circunscritas de inflamação. Objetivando verificar anacorese em região periapical, 104 raízes de dentes de quatro cães foram tratadas endodonticamente com cimento de óxido de zinco e eugenol, metade delas obturadas no limite canal-dentina-cemento e as demais sobreobturadas. Após 120 dias do tratamento endodôntico, bacteremia experimental foi induzida pela inoculação endovenosa de 4 ml de uma suspensão de 5 ´ 106 UFC/ml de Streptococcus pyogenes com diferentes marcadores de resistência a antimicrobianos. O sacrifício dos animais ocorreu 48 horas e 30 dias após a inoculação bacteriana. A análise microbiológica dos tecidos periapicais, evidenciou a presença do microrganismo inoculado 48 horas após a bacteremia, mas não após 30 dias. Cortes microscópicos evidenciaram bactérias, morfologicamente semelhantes às inoculadas, em 46,88% dos casos para o período de 48 horas e outros microrganismos em 28,12% após 30 dias, sendo que algumas sugerem morfologicamente as inoculadas, distribuídas pelo canal cementário, delta apical, periodonto apical e lateral em ambos os períodos. Em dois animais, detectou-se também a presença da Leishmania sp.

O periápice de dentes tratados endodonticamente mostrou-se propício à anacorese, independentemente do nível de obturação. Esses microrganismos podem persistir ou colaborar com a colonização da região por outras espécies mais sensíveis. O modelo experimental mostrou-se adequado para o estudo de anacorese.

 Pa077

Análise comparativa da formação do desvio apical em canais curvos in vitro por diferentes técnicas de instrumentação

CARVALHO, M. G. P.*, COUTINHO, F. S.

Estomatologia - Universidade Federal de Santa Maria. E-mail: gabriela@ccs.ufsm.br

O objetivo do presente estudo foi realizar uma análise da formação do desvio apical em canais curvos e atresiados, comparando as técnicas de instrumentação manual e mecanizada. Para tal utilizou-se 20 blocos de resina epóxi simulando condutos radiculares. Os troquéis foram divididos em quatro grupos experimentais contendo 5 blocos em cada grupo. Foram preparados com 4 técnicas de instrumentação diferentes (manual convencional, manual escalonada, rotatória do fabricante, rotatória combinada). Após se concluir os preparos, as fitas isolantes que cobriam os blocos, foram removidas e as amostras observadas por um endodontista experiente através de anéis de aproximação de magnificação de 6 X acoplados a uma máquina fotográfica presa em uma estativa.

A análise estatística dos resultados permite verificar maior formação do desvio apical para a técnica de preparo manual (limas de aço inoxidável) do que para a técnica escalonada (limas de aço inoxidável) e sistemas de rotação contínua Pow-R (limas Ni-Ti). A técnica escalonada quando comparada com o preparo manual proporcionou maior segurança no preparo, tendo obtido na maioria dos casos uma forma cônica afunilada contínua. Na técnica rotatória do fabricante, o preparo é mais centralizado que na técnica rotatória combinada. Novos estudos deverão ser desenvolvidos com a finalidade de obter um melhor aproveitamento das propriedades de cada lima em particular. (Apoio: PIBIC e CNPq.)

 Pa078

Análise da qualidade da obturação da região de istmo de molares inferiores: comparação entre três técnicas

MANIGLIA-FERREIRA, C.*, DE DEUS, G. A., PIRO, S. A., GURGEL-FILHO, E. D., COUTINHO-FILHO, T.

Faculdade de Odontologia - Universidade de Fortaleza. E-mail: manigliaf@yahoo.com

Objetivou-se quantificar as áreas obturadas com guta-percha e de espaços vazios, na região de istmo de sessenta raízes mesiais de molares inferiores, após utilização de 3 técnicas de obturação: G1: condensação lateral, G2: compressão hidráulica, e G3: técnica da onda de condensação. O cimento obturador foi o de Grossman (Endofill®). Após obturação, os dentes foram incluídos em resina epóxi e seccionados transversalmente, no nível do terço médio, através de um cortador de precisão (Isomet). A observação foi realizada através de uma lupa estereoscópica, obtendo-se fotomicrografias com 25 X de aumento. As imagens foram processadas e analisadas digitalmente (Image Pro 4.1), e desta forma quantificou-se as áreas totais dos canais, obturadas e vazias. Os dados foram tratados estatisticamente (ANOVA). Os resultados revelaram médias percentuais de guta-percha de 70,5%, 81,3%, e 91,2% para os grupos G1, G2 e G3, respectivamente, sendo estas diferenças estatisticamente significantes (p < 0,05). A área média de espaços vazios foi de 6,1%, 4,4% e 2,8% para os grupos G1, G2 e G3, sendo estas diferenças também estatisticamente significantes (p < 0,05).

Concluiu-se que a técnica da onda de condensação promoveu um melhor preenchimento das áreas de istmo, seguido pelas técnicas da compressão hidráulica e condensação lateral.

 Pa079

Estudo radiográfico das reabsorções radiculares externas em cavidades artificiais de dentes humanos

WESTPHALEN, V. P. D.*, WESTPHALEN, F. H., GOMES, R. S., TOLAZZI, A. L.

Odontologia - Pontifícia Universidade Católica do Paraná. E-mail: vdwest@rla01.pucpr.br

O propósito deste estudo foi o de avaliar a observação radiográfica de cavidades de reabsorção radicular externa em dentes contidos em mandíbulas humanas secas. Com este objetivo, selecionou-se quinze incisivos inferiores, unirradiculares e sem vestígios de alterações ósseas periapicais, contidos em sete mandíbulas, os quais foram inicialmente radiografados em três orientações (orto-, mésio- e distorradial). Simulou-se o tecido mole com músculo bovino. Após as radiografias iniciais os dentes foram extraídos com o auxílio de fórceps e confeccionou-se as cavidades de reabsorção com brocas esféricas para alta rotação, números 1, 3 e 4, para simular-se cavidades pequenas, médias e grandes, respectivamente, distribuídas nos terços radiculares cervical, médio e apical e nas faces vestibular, mesial e distal. Em seguida, os dentes foram reposicionados e novamente radiografados nas três orientações radiográficas. As radiografias foram avaliadas por seis examinadores cirurgiões-dentistas, sendo dois endodontistas, dois radiologistas e dois clínicos gerais.

Os resultados da investigação mostraram não haver diferenças estatísticas significantes na observação radiográfica das cavidades, independentemente de seus tamanhos, terços e faces radiculares envolvidos. A modificação da angulação horizontal aumentou a possibilidade da observação das cavidades.

 Pa080

Avaliação in vitro da infiltração bacteriana em canais radiculares obturados com dois diferentes cimentos

SILVA, K. F. T.*, TEIXEIRA, R. E., LANA, M. A., FRÓES, J. A. V.

Odontologia - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. E-mail: karlafern@bol.com.br

O objetivo deste estudo foi avaliar in vitro a infiltração bacteriana em dentes obturados com dois cimentos. Os canais foram instrumentados pela técnica de Oregon, esterilizados em autoclave, obturados na capela de fluxo laminar pela técnica de condensação lateral e divididos em 2 grupos com 39 dentes. No grupo 1, utilizou-se o cimento Endofill e no 2, Sealapex. Dezenove canais de cada grupo receberam inóculo de Enterococcus faecalis na porção coronária, imediatamente após a obturação e, em 20 a amostra bacte­ria­na foi renovada por três dias consecutivos. Os dentes foram suspensos por fio ortodôntico, presos à orifício confeccionado na coroa, em frascos contendo caldo BHI, com o ápice mergulhado neste meio. As amostras foram incubadas a 37ºC. Dentes instrumentados, não obturados e inoculados com bactéria representaram o controle positivo e o negativo foi composto por aqueles instrumentados, obturados e sem inoculação microbiana. Considerou-se infiltração bacteriana até o ápice, quando da turbidez e presença de cocos gram-positivos no caldo BHI. Nas amostras que receberam o inóculo apenas após obturação, o crescimento microbiano foi observado em 2 dentes de cada grupo. Com a inoculação em diferentes intervalos de tempo, a infiltração microbiana ocorreu, após 24 horas, em 1 dente do grupo 1; após 48 horas, em 6 dentes do grupo 1 e em 2 do grupo 2; após 72 horas, em 10 dentes do grupo 1 e em 5 do grupo 2.

Este estudo mostrou que, com o maior tempo de exposição à presença de E. faecalis, a obturação com Sealapex apresenta melhor atividade seladora.

 Pa081

Estudo in vitro e in vivo da infiltração marginal coronária após obturação de canais radiculares e preparo para pino

BARBOSA, H. G.*, HOLLAND, R., SOUZA, V.

Clínica Odontológica - Universidade de Marília. E-mail: henrian@hotmail

O propósito deste trabalho foi analisar in vitro e in vivo a efetividade de um “plug” de cimento temporário na proteção do remanescente obturador de canal após preparo para pino. 100 canais de dentes humanos, estudo in vitro, e 40 canais de dentes de cães, estudo in vivo, foram obturados pela técnica da condensação lateral com um cimento experimental à base de Ca(OH)2 (Sealer 26 Modificado) e um cimento do tipo Grossman (Roth 801). Após o preparo para pino, no estudo in vitro, o remanescente obturador (5 mm) foi protegido ou não com um “plug” (1 mm) dos cimentos temporários Lumicon, Coltosol ou Cavitec e, no estudo in vivo, o remanescente obturador (4 ou 5 mm) foi protegido ou não com um “plug” de Lumicon. Os resultados da infiltração coronária in vitro mensuradas por meio do azul de metileno em mm após 15 dias de submersão dos espécimes em saliva artificial foram: 4,1 Roth, 1,03 Roth + Lumicon, 1,51 Roth + Coltosol, 2,53 Roth + Cavitec, 0,92 Sealer 26, 0,43 Sealer 26 + Lumicon, 1,05 Sealer 26 + Coltosol, 1,79 Sealer 26 + Cavitec. Os resultados da resposta dos tecidos apicais e periapicais dos dentes de cães, após 90 dias de exposição dos canais ao meio bucal e coloração dos cortes histológicos pela hematoxilina-eosina e técnica de Brown & Brenn mostraram maior inflamação dos tecidos apicais nos grupos obturados com o cimento Roth e presença de bactérias em 70% no grupo Roth, 30% Roth + Lumicon, 20% Sealer 26 e 0% Sealer 26 + Lumicon.

Em conclusão, o Sealer 26 Modificado foi mais biocompatível e associado ao Lumicon preveniu a infiltração coronária bacteriana.

 Pa082

Estudo in vitro da influência do cimento endodôntico contendo eugenol, na adesividade de retentores intra-radiculares

ALFREDO, E.*, GARRIDO, A. D. B., SOUZA-FILHO, C. B., FONSECA, T. S., SOUSA-NETO, M. D.

Faculdade de Odontologia - Universidade de Ribeirão Preto. E-mail: ealfredo@bol.com.br

Os cimentos à base de óxido de zinco-eugenol têm sido, há anos, os mais utilizados por endodontistas de diversos países do mundo, entretanto, sabe-se que o eugenol, um dos componentes destes cimentos, tem efeitos prejudiciais sobre os compostos resinosos, com relação às suas propriedades adesivas. Assim, o objetivo deste estudo foi avaliar, in vitro, a influência que o cimento endodôntico contendo eugenol causa na adesividade de retentores intra-radiculares cimentados com compostos resinosos. Foram utilizados 24 corpos-de-prova divididos em 2 grupos: no primeiro deles, os dentes foram obturados endodonticamente com cimento de Grossman e no outro, sem o respectivo cimento. Em metade dos corpos-de-prova de cada grupo, os retentores intra-radiculares (metálicos fundidos) foram cimentados com cimento de fosfato de zinco e na outra metade utilizou-se cimento resinoso (Enforce). A análise estatística evidenciou que houve diferença significante a nível de 1% entre os materiais cimentantes e que não houve diferença quanto ao uso do cimento de Grossman.

Conclui-se que a utilização ou não do cimento endodôntico contendo eugenol não influenciou na adesividade dos retentores intra-radiculares, por outro lado, o emprego do fosfato de zinco resultou em uma força de tração 162% superior à do cimento resinoso.

 Pa083

Avaliação in vitro do efeito bactericida promovido pelo laser Er:YAG na desinfecção do canal radicular

PERIN, F. P.*, ALFREDO, P. C., ESTRELA, C., SOUSA NETO, M. D.

Odontologia - Universidade de Ribeirão Preto. E-mail: fmperin@prevenir.odo.br

Este trabalho consiste avaliar in vitro a ação bactericida do laser Er:YAG em dentes humanos infectados. Trinta incisivos centrais superiores permanentes unirradiculados foram utilizados neste estudo. Após o preparo químico-mecânico dos canais radiculares, todos os dentes foram esterilizados em autoclave e divididos em 3 grupos: 1- dentes controle não tratados; 2- dentes tratados com NaOCl a 1% e 3- dentes irradiados com Er:YAG a uma freqüência de 7 Hz, energia de 100 mJ, com um padrão de repetição de 80 pulsos/canal, durante 11 segundos de exposição. Nos grupos 2 e 3, os canais foram inoculados com uma solução infectada composta por quatro cepas de microrganismos ATCC: Enterococcus faecalis (ATCC 29212), Staphylococcus aureus (ATCC 6538), Bacillus subtilis (ATCC 6633) e Pseudomonas aeruginosa (ATCC 27853), e uma cepa oriunda do Instituto de Ciências Biológicas da USP: Candida albicans (CBS- ICB/USP 562), mantidos por 24 horas a uma temperatura de 37ºC. Todas as suspensões foram ajustadas ao tubo 2 da escala de MacFarland. Os mesmos foram re-instrumentados com limas tipo K até 45 (K-file, Maillefer) e submetidos aos métodos de desinfecção propostos. Cones de papel estéreis foram colocados no interior de todos os canais durante 5 minutos e, imersos em 5 ml de meio BHI. Após foi realizada a semeadura das amostras em ágar BHI e coloração de Gram.

A solução de NaOCl e a irradiação laser Er:YAG, associadas ao preparo mecânico, mostraram-se completamente efetivas contra todos os microrganismos. Para tanto, a fibra óptica foi introduzida até distar 3 mm do comprimento de modelagem.

 Pa084

Análise histológica da capacidade de limpeza de instrumentos endodônticos mecanizados acionados pelo sistema ENDOflash

FARINIUK, L. F.*, CARVALHO-JÚNIOR, J. R., CRUZ-FILHO, A. M., SOUSA-NETO, M. D.

Odontologia - Universidade de Ribeirão Preto. E-mail: fariniuk@uol.com.br

Com o advento das limas de Ni-Ti e sua aplicação na Endodontia ocorreram profundas mudanças nos conceitos do preparo biomecânico do canal radicular. O objetivo deste trabalho é avaliar in vitro, por meio de análise histológica e morfometria a capacidade de limpeza de instrumentos endodônticos mecanizados acionados pelo sistema ENDOflash. Vinte e duas raízes disto-vestibulares de molares superiores humanos, oriundos de estoque laboratorial, foram divididos em quatro grupos. O primeiro grupo foi instrumentado com limas ProFile .04, acionados com o sistema ENDOflash, irrigado com água destilada até que a lima número 35 atingisse o comprimento de trabalho. Os demais grupos seguiram a mesma seqüência variando as limas: ENDOflash, Pow-R .04, com exceção da Nitiflex que foi utilizada manualmente com a cinemática de força balanceada. Após instrumentados os dentes foram descalcificados e seus terços apicais submetidos ao processo histológico, com inclusão em blocos de parafina e cortes seqüenciais de 6 micrômetros, que foram a seguir montados em lâminas de vidro e coradas com hematoxilina-eosina. Os resultados foram aferidos por meio de morfometria e os dados evidenciaram estatisticamente diferença de 1% entre os grupos.

Pode-se concluir que a técnica com limas ProFile .04 foi mais eficiente na limpeza, o Pow- R apresentou valores intermediários, o ENDOflash e Nitiflex apresentaram os menores índices de limpeza dos canais radiculares.

 Pa085

Efeito do laser Er:YAG e do EDTAC sobre a adesividade de diferentes cimentos contendo hidróxido de cálcio, à dentina

PICOLI, F.*, BRUGNERA-JUNIOR, A., PÉCORA, J. D., BARBIN, E. L., SPANÓ, J. C. E.,
SAQUY P. C.

Odontologia Restauradora e Endodontia - Universidade de São Paulo. E-mail: fabiopicoli@connectodonto.com.br

Estudou-se in vitro, o efeito da aplicação do laser Er:YAG e da solução de EDTAC na superfície dentinária, sobre a adesividade de diferentes cimentos endodônticos contendo hidróxido de cálcio. 60 molares superiores humanos de estoque foram selecionados e tiveram suas superfícies oclusais desgastadas, deixando exposta uma plataforma plana de dentina. Posteriormente, estes dentes foram fixados pela raiz em bases de resina acrílica e divididos em três grupos. No grupo 1 (controle), a superfície dentinária não recebeu nenhum tratamento. No grupo 2, aplicou-se uma solução de EDTAC sobre a dentina, por 5 minutos. No grupo 3, a dentina recebeu a aplicação do laser Er:YAG com os seguintes parâmetros: potência 2,25 W; distância focal 11 mm; freqüência de 4 Hz; tempo de aplicação de 1 minuto; energia de 200 mJ; energia total aplicada ao dente, 62 J. Após o tratamento da dentina exposta, os dentes foram divididos em quatro subgrupos, constituídos de cinco dentes cada, para receberem os seguintes cimentos a serem testados: Sealer 26, Apexit, Sealapex e CRCS. A adesão foi mensurada com o auxílio de uma máquina universal de ensaios. Os resultados evidenciaram haver diferença estatisticamente significante (p < 0,01) para os cimentos e tratamentos aplicados à superfície dentinária. Os cimentos endodônticos testados puderam ser agrupados, quanto a sua adesividade à dentina, em ordem decrescente da seguinte forma: Sealer 26, CRCS, Apexit e Sealapex.

O laser Er:YAG só foi significativamente superior ao EDTAC, em propiciar um aumento da adesividade do cimento resinoso Sealer 26 à dentina. (Apoio: FAPESP e CAPES.)

 Pa086

Difusão de íons hidroxila através da dentina e cemento radicular: estudo in vitro

MELO, L. L.*, ANTONIAZZI, J. H., BOMBANA, A. C., DEONIZIO, M. D. A.

Odontologia Restauradora - Universidade Federal do Paraná. E-mail: luckylu@terra.com.br

O presente tarabalho buscou avaliar in vitro a alteração do pH na superfície radicular após a colocação de pasta de hidróxido de cálcio no interior do canal. Para isso, foram empregados 42 dentes pré-molares inferiores humanos, monorradiculares, sendo 21 com rizogênese incompleta (Grupo 1) e os outros 21 com rizogênese completa (Grupo 2). Ambos os grupos foram subdivididos em 3 subgrupos denominados de A, B, e C. Todos os dentes foram abertos e os canais preparados. Nos dentes dos subgrupos A e B de ambos os grupos tiveram seus canais radiculares preenchidos com pasta de hidróxido de cálcio veiculada em água destilada e deionizada. Os dentes dos subgupos C – controle – não receberam medicação. Os dentes dos subgrupos A, a medicação foi renovada nos intervalos de 15 e 30 dias e nos subgrupos B nenhuma troca realizaou-se. Todos os dentes tiveram suas cavidades de acesso, bem como o terço apical selados com adesivo e permaneceram imersos em água destilada e deionizada por 60 dias. O pH da solução foi medido em intervalos previamente determinados (1, 7, 15, 30, 45 e 60 dias).

A análise dos registros permitiu observar que a presença da pasta de hidróxido de cálcio no interior do canal promove de maneira significativa alteração do pH externo radicular, quando comparado ao canais que não receberam medicação. O fator rizogênese (incompleta e completa) não mostrou diferenças de pH.

 Pa087

Avaliação in vitro do aumento de resistência estrutural em dentes fragilizados utilizando reforços intra-radiculares

CARVALHO, C. A. T.*, OLIVEIRA, L. D., VALERA, M. C.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual Paulista. E-mail: claudiotalge@directnet.com.br

A proposta deste trabalho foi avaliar a resistência à fratura de dentes bovinos fragilizados que receberam reforços intra-radiculares com resina composta ou pino de zircônia. Utilizou-se 56 dentes, que tiveram suas coroas seccionadas no terço médio padronizando o tamanho em 30 mm. Os dentes foram divididos em 4 grupos e, exceto o G4 (controle negativo), todos os canais foram preparados biomecanicamente. A porção coronária foi alargada com broca dia­mantada nº 721 até a junção cemento-esmalte e, com broca diamantada nº 716, realizou-se a fragilização das paredes dentinárias do canal a 20 mm de profundidade, deixando ± 2 mm de espessura em cada parede. O G1 recebeu reforço intra-radicular com resina composta (sistema Luminex), o G2 reforço com pino de zircônia, o G3 não recebeu reforço e no G4, os dentes não foram fragilizados. Os espécimes foram embutidos em blocos metálicos e adaptados a um dispositivo com inclinação de 45º, adaptado a uma máquina de ensaio (Instron) que realizou o teste de compressão até a fratura. Os dados obtidos foram submetidos à análise estatística ANOVA, nível de significância 5%, e ao teste de Tukey. Os resultados demonstraram não haver diferença estatística significante entre G1 e G2, entretanto, estes grupos apresentaram resistência significantemente maior que G3. O G4 foi significantemente melhor que os demais grupos.

Concluiu-se que faz-se necessário a utilização de reforços intra-radiculares em dentes com paredes dentinárias finas e frágeis a fim de aumentar sua resistência e minimizar a reincidência de fraturas. (Apoio financeiro: CAPES.)

 Pa088

Existe correlação entre adesividade e infiltração marginal apical?

SOUSA-NETO, M. D.*, PASSARINHO-NETO, J. G., CARVALHO-JÚNIOR, J. R.,
SILVA-SOUSA, Y. T. C., PÉCORA, J. D.

Odontologia - Universidade de Ribeirão Preto. E-mail: sousanet@unaerp.br

Estudou-se in vitro o efeito da aplicação de soluções quelantes e da radiação laser sobre a dentina humana na adesividade e na infiltração apical dos cimentos Endofill, N-Rickert, Sealapex e Sealer 26, procurando observar a existência de correlação matemática entre essas propriedades. Para adesividade utilizaram-se 160 molares superiores, divididos em 4 grupos, um para cada cimento, subdivididos em 8 grupos: G1 - EDTA; G2 - EDTAC; G3 - EDTAT; G4 - EGTA; G5 - CDTA; G6 - laser Er:YAG, G7 - laser Nd:YAG; G8 - água destilada. As coroas foram desgastadas na face oclusal obtendo-se superfícies de dentina planas, onde o cimento era depositado com auxílio de um cilindro de alumínio (10 mm x 6 mm). A força de tração foi aplicada através da máquina Instron 4444. Para infiltração apical utilizaram-se 192 caninos superiores. Utilizou-se a técnica “crow-down”, preparando-se o batente apical com a lima tipo K 50. Os dentes foram divididos da mesma forma que no teste de adesividade; obturados pela técnica da condensação lateral; imersos em tinta nanquim por 98 hs; submetidos à diafanização e analisados pelo microscópio de mensuração. Os resultados evidenciaram diferença estatística (p < 0,01) entre os cimentos e os agentes testados; e o teste de correlação não verificou correlação entre os testes. O cimento Sealer 26 e a solução de EDTAC apresentaram os melhores resultados para ambos os testes.

Concluiu-se pelo modelo matemático proposto, que não é possível afirmar a existência de correlação entre a adesividade de um cimento a dentina com a infiltração marginal apical. (Apoio financeiro: CNPq - 520078/99-3.)

 Pa089

Comportamento biológico de um cimento experimental à base de resina plástica acrescido ou não de hidróxido de cálcio

FAVINHA, S. N. G.*, SOUZA, V., HOLLAND, R., GARUTTI, G.

Odontologia - Universidade de Marília. E-mail: snalin@terra.com.br

O objetivo do presente trabalho foi de analisar a biocompatibilidade de quatro cimentos experimentais à base de resina plástica (óxido de zinco, urotropina e salol), com ou sem o acréscimo de hidróxido de cálcio em diferentes proporções. Para tanto, quarenta canais radiculares de dentes de cães com polpas vitais foram submetidos ao preparo biomecânico, com perfuração e ampliação da barreira cementária apical até a lima Kerr 25, seguindo-se a aplicação de um curativo de corticosteróide-antibiótico. Sete dias após, os canais foram obturados com os cimentos experimentais, sendo um sem hidróxido de cálcio e os demais contendo 10, 20 ou 30% dessa substância. Os resultados foram analisados 180 dias após o tratamento e os dados obtidos foram quantificados através de escores atribuídos aos diversos eventos histomorfológicos presentes, para que pudessem ser submetidos à análise estatística.

Constatou-se que os melhores resultados ocorreram com os dois cimentos que apresentaram as maiores porcentagens de hidróxido de cálcio (20 e 30%), não havendo diferença significante entre eles. Observou-se, também, que os cimentos sem hidróxido de cálcio ou acrescido de 10% dessa substância apresentaram resultados semelhantes.

 Pa090

Avaliação comparativa da eficácia de diferentes técnicas empregadas na limpeza de limas endodônticas

QUEIROZ, M. L. P.*, OLIVEIRA, E. P. M.

Odontologia - Universidade Luterana do Brasil. E-mail: bola.pepo@cpovo.net

A limpeza das limas endodônticas, após sua utilização na fase do preparo do canal radicular, está diretamente relacionada com os processos de desinfecção e esterilização das mesmas. O objetivo deste estudo foi avaliar, in vivo, com auxílio da microscopia eletrônica de varredura, a eficácia de diferentes métodos de limpeza das limas endodônticas após seu uso. No desenvolvimento deste estudo, foram utilizados 14 dentes monorradiculares portadores de lesões periapicais crônicas. Estes dentes foram divididos em 6 grupos de 2 dentes cada. Durante o preparo do canal foram utilizadas limas Flexofile, Maillefer, de aço inox, usadas na seqüência de 15 a 40 que, no desenvolvimento do trabalho, foram introduzidas no “clean-stand”. Cada grupo era composto por 12 instrumentos, onde, imediatamente após o término da sessão, iniciava-se o processo de limpeza das limas. As técnicas empregadas no processo de limpeza foram as seguintes: escovação; escovação + ultra-som com soro fisiológico; ultra-som com soro fisiológico + escovação; detergente enzimático + escovação; escovação + ultra-som com detergente enzimático e ultra-som com detergente enzimático + escovação. A análise estatística realizada foi através de um teste não-paramétrico de Kruskall-Wallis.

Concluímos que as técnicas: escovação + ultra-som com detergente enzimático; ultra-som com detergente enzimático + escovação e ultra-som com soro fisiológico + escovação apresentaram os melhores resultados e que nenhuma das técnicas pesquisadas foi capaz de limpar totalmente os instrumentos.

 Pa091

Selamento apical de diferentes cimentos endodônticos

SILVA, R. S. F.*, TANOMARU, J. M. G., TANOMARU FILHO, M., LEONARDO, M. R.,
SILVA, L. A. B.

Faculdade de Odontologia de Araraquara - Universidade Estadual Paulista. E-mail: bioenecro@hotmail.com

O objetivo deste estudo foi avaliar a capacidade seladora apical de diferentes tipos de cimentos endodônticos empregados na obturação de canais radiculares. Foram utilizados quarenta e oito caninos de humanos. Após abertura coronária, odontometria e padronização do diâmetro do forame apical, o preparo bio­mecânico dos canais radiculares foi realizado de forma padronizada, empregando-se como solução irrigadora solução de hipoclorito de sódio a 1% e ao final solução de EDTA. Realizada a impermeabilização da superfície dentária externa, exceto na região do forame apical, os canais radiculares foram obturados pela técnica de condensação lateral ativa, empregando-se diferentes cimentos endodônticos, de acordo com os grupos esperimentais: grupo I) Sealer 26; II) Sealapex; III) EndoFill e IV) Roeko Seal (Roeko, Germany - cimento à base de polidimetilsiloxano). Em seguida, foram imersos em solução de azul de metileno a 2%, por 48 horas em ambiente com vácuo. Decorrido este período, os dentes foram lavados e submetidos ao método de fratura longitudinal para análise da infiltração apical, realizada em perfilômetro. Os resultados obtidos foram submetidos à análise estatística demonstrando maior infiltração no grupo obturado com EndoFill (p < 0,05) em relação aos demais, os quais foram semelhantes entre si (p > 0,05).

Conclui-se que o Sealer 26, Sealapex e Roeko Seal proporcionam bom selamento marginal, superior ao cimento à base de óxido de zinco e eugenol.

 Pa092

Avaliação das propriedades de estabilidade dimensional e solubilidade e desintegração do cimento Ketac-Endo

CARVALHO-JÚNIOR, J. A.*, CRUZ-FILHO, A. M., MELLO, I., ROBAZZA, C. R. C.,
GUIMARÃES, L. F. L., SOUSA-NETO, M. D.

Faculdade de Odontologia - Universidade de Ribeirão Preto. E-mail: jacyjr@hotmail.com

O objetivo deste trabalho foi avaliar o comportamento do cimento à base de ionômero de vidro Ketac-Endo (K) comparado com os cimentos Endofill (E), N-Rickert (N) e Sealer 26 (S), em relação à estabilidade dimensional e à solubilidade/desintegração, seguindo a Especificação nº 57 da ADA. Para estabilidade dimensional, confeccionaram-se corpos-de-prova com dimensões de 12 mm de altura por 6 mm de diâmetro. Após mensuração de seus comprimentos com um paquímetro digital, esses foram imersos em 30 ml de água destilada. Decorrido trinta dias, o corpo-de-prova foi removido, seco e medido novamente. Com os valores do comprimento inicial e final, determinou-se a variação percentual que ocorre nos corpos-de-prova. Para solubilidade/desintegração, confeccionaram-se corpos-de-prova com 1,5 mm de espessura e 20 mm de diâmetro. Os corpos-de-prova tiveram sua massa pesada e foram imersos em 50 ml de água destilada. Decorrido sete dias, o corpo-de-prova foi removido, seco e pesado novamente. A solubilidade e desintegração foi considerada como a perda de massa de cada amostra, expressas como porcentagem da massa original. Os resultados foram: para estabilidade dimensional: E (+0,14); K (–0,24); N (+0,23); S (+3,26); para solubilidade e desintegração: E (–3,90); K (–9,90); N (–3,00); S (–0,25).

Concluiu-se que, em relação a estabilidade dimensional todos os cimentos encontram-se dentro das normas da ADA; quanto a solubilidade e desintegração os cimentos Endofill e Ketac-Endo apresentaram valores acima do determinado pela ADA. (Apoio financeiro: FAPESP - processo 00/03290-0.)

 Pa093

Difusão de hidróxido de cálcio com diferentes veículos

CHEVITARESE, O.*, CAMÕES, I. C. G., SALLES, M. R.

Odontologia - Universidade Federal do Rio de Janeiro. E-mail: belbel@gbl.com.br

Este trabalho quantifica a difusão de Ca2+ através da dentina, a partir de associações entre Ca(OH)2 e diversos veículos. Foram usados 41 dentes, instrumentados e sem “smear layer”, mantidos, um a um, imersos em frascos com 800 ml de água deionizada ultrapura durante 2.855 horas, de cujas amostras foram feitas medidas das concentrações de Ca2+ em função do tempo, por espectrofotometria de absorção atômica (EAA). As medições foram dividas em duas fases: 1 - Dissolução - condutos mantidos vazios e abertos; 2 - Difusão - espécimes divididos em 10 grupos; 3 - grupos controles: Grupo 1 - da água, Grupo 2 - do selamento, e Grupo 3 - da dissolução conduto aberto; e 7 grupos experimentais, com 5 dentes cada e condutos preenchidos por pasta de Ca(OH)2 associada a um veículo respectivo, a seguir: Grupo 4 - soro fisiológico; Grupo 5 - polietilenoglicol (Calen); Grupo 6 - glicerina e PMCC; Grupo 7 - PMCC; Grupo 8 - glicerina; Grupo 9 - glicerina e TCF; e Grupo 10 - solução anestésica. Durante todo experimento foram realizadas 1.058 medições.

Avaliando os resultados estatisticamente por análise de regressão (WEISBERG, 1985), concluiu-se que a difusão ocorreu de forma diferenciada para cada grupo; os medicamentos inseridos nos condutos radiculares se comportam interagindo com a estrutura dentinária, ou entre si.

 Pa094

Extrusão apical produzida por instrumentos mecânico-rotatórios: K3 e Profile

DEONIZIO, M. D. A., GAVINI, G.*, PONTAROLO, R.

Endodontia - Universidade de São Paulo. E-mail: ggavini@uol.com.br

O respeito aos tecidos periapicais é fundamental ao sucesso da terapia endodôntica. Neste contexto, o presente estudo objetivou comparar a quantidade de resíduos sólidos extruídos, produzida por instrumentos de níquel-titânio, K3 (Grupo A) e Profile (Grupo B), com técnica cérvico-apical preconizada pelos respectivos fabricantes. Dez incisivos inferiores humanos foram utilizados para cada grupo. O material sólido extruído foi coletado por meio do sistema de filtração Millipore com filtros de 0,45 micrômetros de poro, submetidos a secagem em estufa (40ºC por 3 horas) e pesagem em balança analítica de precisão. O grupo Profile produziu em média 0,39 mg de material sólido extruído e o grupo K3 apresentou 0,32 mg e, quando analisados estatisticamente pelo teste t de Student, não se observou diferença significante (p < 0,05).

Os resultados mostraram que, em ambos os grupos, houve extrusão de material sólido além do forame apical e, quando analisados estatisticamente, não houve diferença significante.

 Pa095

Incorporação de flúor no esmalte dental pela aplicação de FFA e sua retenção após desafio cariogênico

PAES LEME, A. F.*, TABCHOURY, C. P. M., DEL BEL CURY, A. A., CURY, J. A.

Ciências Fisiológicas - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: drila@yahoo.com

O efeito da aplicação tópica profissional de flúor (ATF) na prevenção de cárie é reconhecido e ela tem sido indicada para pacientes de alto risco de cárie. Entretanto, não há consenso sobre a retenção do flúor (F) incorporado no esmalte pela ATF em condição de alto desafio cariogênico e uso de dentifrício fluoretado (DF). Assim, 16 voluntários, utilizando dispositivos palatinos contendo 4 blocos de esmalte bovino receberam os tratamentos: 1 - FFA + Dentifrício placebo (FFA + DP); 2 - FFA + DF. A ATF foi feita como pré-tratamento durante 4 min e durante o período experimental suspensão de dentifrício (3:1) e solução de sacarose 20% foram gotejadas sobre os blocos 3 X/dia e 8 X/dia, respectivamente. Após 14 dias determinou-se a concentração de F no esmalte, removendo-se 3 camadas com ataque ácido. Também avaliou-se a concentração de F em blocos que não receberam FFA (controle) e que receberam FFA (grupo FFA), os quais não foram submetidos ao desafio cariogênico. As concentrações (ppm) de F (média ± dp; n = 16) a 10,3 ± 0,3 mm da superfície do esmalte para os grupos controle, FFA, FFA + DP e FFA + DF foram respectivamente: 944,6 ± 581,6a; 10.505,2 ± 2.775,0bc; 8.901,4 ± 3.900,0b; 11.305,0 ± 2.964,2c (p < 0,05). A concentração de F nas demais camadas de esmalte apresentou diferença significativa apenas em relação ao grupo controle.

Conclui-se que a alta concentração de F formada no esmalte pela aplicação de FFA continuou retida após o desafio cariogênico. Entretanto, uma maior concentração foi observada quando do uso de DF, sugerindo que isto pode ser relevante em termos de efeito anticariogênico. (Apoio: FAPESP - 99/12080-0.)

 Pa096

Influência de recursos auxiliares de diagnóstico da cárie dentária, em levantamentos epidemiológicos

ASSAF, A. V.*, MENEGHIM, M. C., ZANIN, L., PEREIRA, A. C., AMBROSANO, G. M. B.

Odontologia Social e Preventiva - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: thalesam@hotmail.com

Este estudo teve por objetivos: 1- verificar qual o melhor recurso auxiliar de diagnóstico (escovação/secagem) para a cárie dentária; 2- analisar qual o grau de subestimação dos exames epidemiológicos em relação ao exame realizado no consultório odontológico; 3- avaliar a possibilidade de diagnóstico das lesões iniciais (LI) em esmalte, em condições epidemiológicas. A amostra foi constituída por 51 escolares de 12 anos de idade, divididos em grupos de prevalência baixa, moderada e alta de cárie. Os indivíduos foram submetidos a quatro exames epidemiológicos e a um no consultório dentário, resultado de diferentes combinações entre o método tátil-visual e os recursos auxiliares diagnósticos. A unidade de medida foi o CPO-S, de acordo com os critérios da OMS (1999). A análise estatística empregada foi a ANOVA, o teste de Dunnett, o teste de Tukey e uma análise descritiva.

Os resultados em relação à variável CPO-S mostraram que: a) o método tátil-visual apresentou melhores resultados na presença da escovação sozinha ou desta associada à secagem; b) todos os exames epidemiológicos propostos não apresentaram diferenças estatisticamente significativas em relação ao exame no consultório, c) a escovação foi de maior relevância do que a secagem (teste t, p < 0,05). Com relação ao diagnóstico das LI: d) a secagem foi de maior relevância do que a escovação (teste t, p < 0,05). Entretanto, o método tátil-visual, mesmo associado aos recursos auxiliares da escovação e secagem, subestimou significativamente o diagnóstico destas lesões, em condições epidemiológicas.

 Pa097

Composição bioquímica da placa dental e relação com desmineralização do esmalte in situ

TENUTA, L. M. A.*, LIMA, J. E. O., TABCHOURY, C. P. M., CURY, J. A.

Ciências Fisiológicas - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: litenuta@hotmail.com

A cariogenicidade da placa dental deve refletir sua composição bioquímica. Assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar a relação entre a desmineralização do esmalte e a concentração de cálcio (Ca), flúor (F) e polissacarídeos insolúveis (PI) na placa dental formada in situ em condição de alto desafio cariogênico. Treze voluntários utilizaram, durante períodos de 4, 7 e 10 dias, um dispositivo intrabucal palatino contendo 4 blocos de esmalte bovino de dureza pré-determinada. Os voluntários utilizaram um dentifrício não fluoretado e 10 X/dia gotejaram solução de sacarose 20% sobre os blocos de esmalte. As concentrações de Ca, F e PI na placa formada sobre os blocos foram determinadas após cada período e a microdureza do esmalte foi novamente determinada. A porcentagem de perda de dureza superficial (%PDS) para os períodos de 4, 7 e 10 dias, foi de 13,8%, 19,3% e 48,3%, respectivamente. A diferença entre os períodos de 4 e 7 dias não foi significante (p > 0,05). A concentração de Ca e PI na placa foi, respectivamente, para os grupos de 4, 7 e 10 dias: Ca) 2,14, 1,61 e 1,77 mg/mg; PI) 131,8, 142,1 e 148,8 mg/mg, sem diferença entre os 3 períodos (p > 0,05). A concentração de F não alcançou o limite de sensibilidade do método de análise. Uma correlação estatisticamente significante foi encontrada entre a concentração de Ca e a %PDS (r = –0,39, p < 0,05) e a concentração de PI e a %PDS (r = 0,44, p < 0,01).

Os resultados sugerem que menores concentrações de Ca e maiores concentrações de PI na placa estão relacionadas à maior desmineralização do esmalte in situ. (Apoio: FAPESP - 98/16471-0.)

 Pa098

Comparação de diferentes materiais utilizados como selantes oclusais após avaliações clínicas de 6 e 12 meses

PARDI, V.*, PEREIRA, A. C., ZANIN, L., MIALHE, F. L., ASSAF, A. V., MENEGHIM, M. C., AMBROSANO, G. M. B.

Odontologia Social - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: vpardi@uol.com.br

Objetivo: verificar a retenção e efetividade na prevenção da cárie dentária de três materiais utilizados como selantes de fissuras: ionômero de vidro modificado por resina (VitremerTM - A), resina composta de alto escoamento (RevolutionTM - B) e resina modificada por poliácido (Dyract® Flow - C). Métodos: foram selados 117 primeiros molares permanentes com o material A, 119 com o material B e 120 com o material C, em crianças com idade entre 7-8 anos. Foi anotado no “baseline”, além do ceo, o índice de placa (IHO-S) e dados sócio-econômicos. Para se verificar diferenças na exatidão do exame de retenção dos selantes foram realizadas moldagens dos dentes selados após a avaliação de 1 ano. Os exames clínicos foram realizados após 6 e 12 meses. Resultados: não foi observada diferença estatisticamente significante em relação à retenção entre os materiais após 6 e 12 meses (Kruskal-Wallis, p > 0,05). Utilizou-se o teste Wilcoxon pareado para se verificar a diferença na retenção para cada material, entre 6 e 12 meses, observando-se diferença estatisticamente significante (p < 0,01). Não houve diferença estatisticamente significante em relação à retenção entre o exame clínico e o realizado através do modelo (Wilcoxon pareado, p > 0,05). Foram observados sete dentes com mancha branca ativa de cárie, e o teste exato de Fisher mostrou não haver diferença estatisticamente significante entre os grupos.

Conclusão: os resultados sugerem que os materiais tiveram uma retenção total satisfatória, após 1 ano, e foram efetivos na prevenção da cárie.

 Pa099

Comparação dos métodos visual, FOTI, FOTI/visual combinado, DIAGNOdent e ECM na detecção de cárie oclusal in vitro

CORTES, D. F.*, ELWOOD, R. P., EKSTRAND, K.

Instituto de Odontologia - Universidade Gama Filho. E-mail: denise.cortes@uol.com.br

O objetivo deste estudo foi a validação in vitro do desempenho de cinco métodos (visual; transluminção por fibra óptica (FOTI); FOTI/visual combinado; laser DIAGNOdent (KaVo); e “electrical caries meter” (ECM - Lode)) para detecção e avaliação da profundidade de lesões de cárie oclusais. Os exames foram realizados em 152 fossas oclusais de molares e cortes histológicos de 350 mm foram avaliados em es­tereomicroscópio. O coeficiente de correlação dos métodos com a validação histológica variou de 0,42 (DIAGNOdent) a 0,66 (FOTI/visual). As áreas sob a curva ROC para lesões em esmalte variaram de 0,82 (ECM) a 0,88 (FOTI/visual) e de 0,81 (DIAGNOdent) a 0,91 (FOTI/visual) para cárie em dentina. As áreas sob a curva ROC para lesões em dentina nos exames FOTI/visual combinado e FOTI apresentaram-se similares (p > 0,05). A área sob a curva ROC para o método FOTI/visual combinado mostrou-se estatisticamente superior à dos exames visual (p < 0,001), DIAGNOdent (p < 0,05) e ECM (p < 0,05). O FOTI mostrou-se particularmente útil na detecção de lesões dentinárias. A exclusão das fissuras pigmentadas e de manchas pigmentadas da amostra melhorou o desempenho dos cinco métodos de detecção de cárie.

Pode-se concluir que o exame combinado FOTI/visual mostrou-se superior à inspeção visual, DIAGNO­dent e ECM na determinação da profundidade de lesões de cáries oclusais. Para diminuição de resultados falso-positivos, os métodos ECM e DIAGNOdent devem utilizar diferentes pontos de corte para detecção de lesões dentinárias quando fissuras pigmentadas e lesões de mancha pigmentadas estiverem presentes.

 Pa100

Efeito da radiação gama sobre o esmalte dental humano

RODRIGUES, L. K. A.*, UCHÔA, M. N. S., CURY, J. A.

Odontologia Infantil - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: lidianykarla@yahoo.com

Tendo em vista a importância da esterilização de dentes para uso em pesquisa, avaliou-se o efeito da dose de 25 kgy de radiação gama no esmalte dental humano. O estudo consistiu de 2 fases. Na 1ª fase do estudo, 30 metades dentais foram irradiadas, as outras 30 foram reservadas como controle. Após a irradiação, os grupos irradiado e controle tiveram sua microdureza de superfície mensurada. Na 2ª fase, o efeito da radiação foi determinado em blocos de esmalte planificados ou não, após serem submetidos in vitro à ciclagens de des-remineralização. A partir dos valores de microdureza em corte longitudinal do esmalte, foi calculada a área de perda de volume de mineral para cada grupo. Os dados das fases I e II foram analisados respectivamente pelos testes t de Student e por ANOVA e teste de Tukey (a = 5%). As mé­dias de dureza de superfície dos grupos controle e irradiado foram respectivamente, 338,4 ± 20,1a e 340,8 ± 21,7a. As perdas minerais nos grupos: não planificado controle; não planificado irradiado; planificado controle e planificado irradiado foram 547,9 ± 135,9a; 425,0 ± 171,9a; 909,5 ± 405,5b e 1106,5 ± 343,3b respectivamente.

Os resultados mostraram que a dose de 25 kGy de radiação gama não alterou nem a microdureza de superfície do esmalte como sua resistência ao desenvolvimento de cárie in vitro.

 Pa101

Performance in vivo e in vitro dos métodos visual e laser na detecção de lesões de cárie em molares decíduos

ROCHA, R. O.*, ARDENGHI, T. M., OLIVEIRA, L. B., CIAMPONI, A. L., RODRIGUES, C. R. M. D.

Ortodontia e Odontopediatria - Universidade de São Paulo. E-mail: rarocha@usp.br

O objetivo deste estudo foi comparar a performance in vivo e in vitro dos métodos visual e laser (DIAGNOdent, KaVo) na detecção de lesões de cárie em superfícies oclusais de molares decíduos. Foram avaliados 50 sítios de 30 molares decíduos de 29 indivíduos com idades entre 10 e 11 anos. Os critérios de inclusão dos dentes na amostra foram: suspeita de lesão de cárie na superfície oclusal e extração indicada ou esfoliação prevista para, no máximo, 45 dias após os exames in vivo. Após profilaxia, os sítios foram avaliados in vivo independentemente por dois examinadores previamente calibrados. Os métodos visual e laser foram conduzidos em condições padronizadas. Os exames foram repetidos in vitro (após extração ou esfoliação dos dentes), seguindo os mesmos critérios dos exames in vivo. O critério de validação utilizado foi a avaliação microscópica dos sítios (lupa estereoscópica, 40 X), após seccionamento dos dentes. Os resultados obtidos para os exames in vivo e in vitro para o método visual foram: sensibilidade 0,82 e 0,86; especificidade 0,85 e 0,83 e acurácia 0,84 e 0,85, respectivamente. Para o método laser os resultados foram: sensibilidade 0,60 e 0,65; especificidade 0,90 e 0,81 e acurácia 0,73 e 0,72, respectivamente.

Com base nos resultados, pode-se concluir que existem diferenças numéricas nos valores de sensibilidade, especificidade e acurácia entre os exames in vivo e in vitro para os métodos avaliados, porém sem diferenças estatísticas significativas (p > 0,01).

 Pa102

Variáveis clínicas, microbiológicas e salivares indicadoras de cáries em crianças portadoras de paralisia cerebral

SANTOS, M. T. B. R.*, MARIA, A. C. F., NOGUEIRA, M. L. G., SIMINONATO, M. R. L.

Odontologia - Universidade Cruzeiro do Sul. E-mail: mtbrs@hotmail.com

O objetivo deste estudo foi estabelecer a etiopatogenia da cárie dental expressa pelo índice CPOS me­dian­te variáveis clínicas, microbiológicas e salivares. Foram estudadas 62 crianças portadoras de paralisia cerebral e 67 crianças normais, com idades entre 6 e 16 anos. Foram coletados os dados referentes às variáveis clínicas do índice CPOS, placa bacteriana de Podshadley & Haley; microbiológicas: níveis salivares de Streptococcus mutans (Köhler & Bratthal) e Lactobacillus spp. em cultura de ágar Rogosa; salivares: velocidade do fluxo salivar em ml/min, pH salivar e capacidade tampão salivar segundo Ericsson & ­Bratthal (1989). Os resultados foram comparados aos do grupo controle pelo método estatístico Mann-Whitney. Análise discriminante linear foi aplicada às variáveis que demonstraram diferença significante no extremo da distribuição dos valores de CPOS, inicialmente para cada grupo separadamente. Finalmente, ambos grupos foram comparados mediante aplicação da mesma função. Os resultados mostraram que a variável velocidade do fluxo salivar foi o principal fator discriminante entre ambos grupos, sendo significantemente menor no grupo estudo. A participação percentual das variáveis na função discriminante demonstrou que o grupo estudo apresentou fluxo salivar 2,5 vezes menor no fator protetor salivar, 1,4 vez maior no fator placa bacteriana e uma vez menor para o fator pH salivar.

Concluiu-se que tanto a redução do fluxo salivar como a sialorréia estão relacionados a alterações nas funções neurovegetativas. (Projeto de pesquisa financiado pela FAPESP - processo 96/1244-0.)

 Pa103

Comparação entre os métodos clínico, FOTI e radiográfico para o diagnóstico de lesões cariosas proximais: estudo in vivo

MIALHE, F. L., PEREIRA, A. C.*, PARDI, V., MENEGHIM, M. C.

Odontologia Social - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: apereira@fop.unicamp.br

O objetivo deste estudo foi avaliar in vivo o desempenho dos métodos clínico, FOTI e radiográfico para o diagnóstico de lesões cariosas não cavitadas e cavitadas em superfícies proximais de dentes posteriores, utilizando a separação interdental e o exame visual direto, como forma de se determinar o estado das superfícies. Dois examinadores calibrados, um para o exame clínico e radiográfico e outro para o FOTI examinaram independentemente as superfícies proximais dos dentes posteriores de 50 estudantes na faixa etária de 14 anos. Lesões cariosas foram identificadas em 241 superfícies pelos métodos supracitados, sendo então agendadas para a separação interdental a fim de se comparar os resultados obtidos pelos métodos de diagnóstico com o estado das superfícies proximais. A concordância intra-examinador apresentou valores de k > 0,75, para todos os exames. Os valores de sensibilidade para lesões não-cavitadas (D1 + D3) e cavitadas (D3), utilizando os exames clínico, FOTI e radiográfico foram 0,32 e 0,35; 0,28 e 0,04; 0,54 e 0,39, respectivamente. Os valores de especificidade para lesões não-cavitadas e cavitadas utilizando os exames clínico, FOTI e radiográfico foram 0,84 e 0,98; 0,87 e 0,99; 0,63 e 0,96, respectivamente.

Devido aos baixos valores de sensibilidade e predição negativa, o exame visual direto, após a separação interdental, pode ser considerado, atualmente, um interessante recurso auxiliar aos métodos tradicionais para se avaliar o estado das superfícies das lesões cariosas proximais.

 Pa104

Diagnóstico de cárie oclusal em dentes permanentes: estudo in vitro

REGO, M. A.*, ZANARDO, A.

Odontologia - Universidade do Vale do Paraíba. E-mail: marcosrego@uol.com.br

Mudanças na morfologia e na progressão da cárie oclusal, assim como a inexistência de um método para diagnosticar precisamente a doença (sensibilidade) e a higidez do dente (especificidade), representam um grande desafio no diagnóstico atual da cárie. O objetivo do presente trabalho foi analisar in vitro a sensibilidade e especificidade de métodos de diagnóstico de cárie oclusal. Foram utilizados 32 dentes humanos, após aprovação pelo Comitê de Ética da Instituição, os quais foram montados em 8 hemi-arcadas, contendo 4 dentes cada (2 molares e 2 pré-molares). O diagnóstico de cárie oclusal foi realizado (2 examinadores treinados) utilizando-se inspeção visual, radiografia interproximal, digital (RDD), transiluminação por fibra óptica (FOTI) e laser diodo (DIAGNOdent®). A seguir os dentes foram cortados no sentido vestíbulo-lingual (500 mm) e examinados em microscópio estereoscópico (padrão-ouro). Observou-se cárie em 84% desses dentes. Os dados foram analisados estatisticamente utilizando-se teste qui-quadrado. O método que apresentou maior sensibilidade foi o RDD com diferença significativa para a radiografia interproximal, porém sem diferença para os demais métodos. A associação da inspeção visual e radiografia interproximal e a FOTI apresentaram maior especificidade para desmineralização em esmalte.

Considerando-se sensibilidade e especificidade, os métodos testados apresentaram-se em ordem decrescente: inspeção visual (0,59), inspeção visual associada a radiografia convencional (0,48), FOTI (0,36), RDD (0,35), radiografia convencional (0,33) e o laser diodo (0,32).

 Pa105

Avaliação de primeiros molares recém-erupcionados em crianças de uma escola municipal do Rio de Janeiro

BRETAS, R.*, DEPOLO, A. O., VOLSCHAN, B. C. G.

Odontologia Clínica - Universidade Estácio de Sá. E-mail: r.bretas@uol.com.br

Foram observadas 69 crianças (55% do sexo feminino e 45% do sexo masculino), na faixa etária dos 6 aos 8 anos de idade, na Escola Municipal Pereira Passos, na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. O objetivo foi verificar a prevalência de lesão cariosa na face oclusal dos primeiros molares recém-erupcionados associados a experiência anterior de cárie, ao estágio de erupção, a presença de biofilme e a atividade atual da doença cárie. O exame foi realizado na própria escola por uma única examinadora calibrada. As crianças foram submetidas à instrução de higiene bucal com ênfase na técnica transversal de escovação para promover a limpeza adequada das áreas de sulcos e fissuras dos primeiros molares permanentes em erupção. Foi utilizado o programa Epi Info 6.04 (OMS) para a análise estatística e os testes empregados foram Kruskal-Wallis e Fisher. Das 69 crianças examinadas, 41 delas (59,42%) possuíam os primeiros molares permanentes livres de lesão de cárie. Em 50% dos dentes com atividade de cárie observou-se a presença de biofilme espesso.

Não houve associação entre experiência anterior de cárie e atividade atual da doença, porém o estágio de erupção influenciou a presença de biofilme, isto é, dentes parcialmente erupcionados apresentaram maior quantidade de biofilme espesso. A região inferior apresentou maior acometimento de lesão cariosa (60,78%).

 Pa106

Avaliação de diferentes métodos de diagnóstico para lesões de cárie oclusal

ZANIN, L.*, MENEGHIM, M. C., ASSAF, A. V., PARDI, V., MIALHE, F., PEREIRA, A. C., AMBROSANO, G. M. B.

Odontologia Social - Faculdade de Odontologia de Piracicaba. E-mail: penattizanin@hotmail.com

O objetivo desse estudo foi avaliar o: laser fluorescente (sistema DIAGNOdent), radiografia digital interproximal (sistema CDR), radiografia interproximal convencional e o exame clínico visual, para o diagnóstico de lesões na superfície oclusal. Foram selecionados 153 primeiros molares permanentes com microcavidades em crianças de 6 a 8 anos. Os resultados mostraram que 96 dentes pela inspeção visual apresentaram microcavidades, destas 57,3%, estavam em esmalte e 42,7% estavam em dentina. Em 57 dentes, as microcavidades estavam associada à presença de mancha branca, 91,2% destas estavam em dentina e apenas 8,8% em esmalte. A sensibilidade dos métodos para lesões em esmalte foi 0,99 para aparelho laser, 0,77 para o exame radiográfico convencional e 0,75 para o exame radiográfico digital. Os valores de predição positiva encontrados respectivamente para estes métodos foram 0,97; 1,00 e 0,77. A sensibilidade dos métodos para lesões em dentina foi 0,99 para aparelho laser; 1,00 para o exame radiográfico convencional e 0,95 para o exame radiográfico digital. Os valores de predição positiva encontrados foram 0,80; 0,92 e 0,94 respectivamente.

Conclui-se que lesões de microcavidade associada à uma lesão de mancha branca pode ser considerada um bom critério de diagnóstico de lesões em dentina. Os métodos radiográficos foram menos precisos no diagnóstico de lesões em esmalte sendo mais precisos no diagnóstico de lesões em dentina. O laser fluorescente foi um bom método de diagnóstico de lesões iniciais, devendo ser considerada a alta porcentagem de decisões falso-positivas do aparelho.

 Pa107

Efeito da concentração de metilparabeno na reatividade do flúor com o esmalte dental

TABCHOURY, C. P. M.*, PIEROBON, C. N., ARTHUR, R. A., GIANCRISTÓFARO, M., CURY, J. A.

Ciências Fisiológicas - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: cinthia@fop.unicamp.br

PIEROBON et al(2000) sugeriram que substâncias presentes em produtos odontológicos, como o conservante metilparabeno, podem interferir no efeito do flúor (F). Assim, o presente trabalho teve como objetivo avaliar o efeito da concentração de metilparabeno, presente em uma solução de NaF 0,05%, na reatividade do F com o esmalte dental bovino com lesão cariosa artificial. Sessenta blocos cariados foram aleatoriamente divididos nos seguintes grupos de tratamento: soluções contendo apenas NaF 0,05% (G1) e metilparabeno nas concentrações de 1,63 mM (G2), 3,25 mM (G3), 6,5 mM (G4) e 13 mM (G5). F no esmalte foi determinado removendo-se 2 camadas de esmalte com HCl 0,5 M seguido de análise com eletrodo específico. Foi feita análise de variância e regressão polinomial. Os resultados (média ± dp) da concentração de F presente no esmalte (mg/g) na 1ª camada dos blocos cariados foram: G1 - 2.189,7 ± 680,4; G2 - 2.622,7 ± 881,8; G3 - 1.844,6 ± 478,2; G4 - 2.577,8 ± 951,6; G5 - 2.912,5 ± 476,6. Observou-se uma relação dose-efeito estatisticamente significativa (p = 0,0261) entre concentração de F no esmalte na 1ª camada e a concentração de metilparabeno. Os resultados na 2ª camada dos blocos cariados foram: G1 - 1.985,9 ± 1.150; G2 - 1.896,1 ± 817; G3 - 1.403,7 ± 524,4; G4 - 1.893,5 ± 877,1; G5 - 2.045,1 ± 600, não houve relação entre concentração de F no esmalte na 2ª camada e concentração de metilparabeno (p = 0,5436).

Os resultados sugerem uma relação dose-efeito entre a concentração de metilparabeno e a reatividade do flúor com o esmalte dental com lesão cariosa artificial. (Apoio: FAPESP - 98/11657-9.)

 Pa108

Fluorose dentária em escolares de Itapecerica da Serra - SP – áreas com e sem fluoração na água de abastecimento público

KOGA, L. Y.*, ADDE, C. A., SALES, L. P., PEREZ, F. E. G.

Estomatologia - Universidade de São Paulo. E-mail: yukoga@ig.com.br

O objetivo deste estudo foi verificar a prevalência de fluorose dentária nos incisivos superiores permanentes de escolares residentes em região com e sem fluoração na água de abastecimento, no município de Itapecerica da Serra, utilizando-se o índice TF (Thylstrup & Fejerskov). Foram examinadas um total de 239 crianças de 8 a 12 anos, de ambos os sexos, residentes desde o nascimento em cada área estudada, sendo 128 da região com concentração média de 0,7 ppm de flúor e 111 da área com teores baixos de flúor (0,1 ppm). A prevalência de fluorose dentária encontrada na região com flúor foi de 28,9%, sendo 22,7% TF1, 3,9% TF2 e 2,3% TF3. Na área sem fluoração a prevalência obtida foi de 7,2% sendo classificada em sua totalidade como TF1. Submetendo os dados ao teste do qui-quadrado verificou-se que a diferença na distribuição percentual dos índices TF nas duas áreas foi estatisticamente significante. Aplicando o risco relativo entre as duas regiões, observou-se que o risco de desenvolver fluorose na região com flúor é 4 vezes maior em relação a outra área estudada.

A partir dos resultados obtidos, conclui-se que o uso inadequado de compostos de flúor em adição ao flúor presente na água pode estar levando a um consumo de flúor acima do preconizado, sendo de fundamental importância a supervisão e a orientação da utilização destes para minimizar o risco de ocorrência de fluorose.

 Pa109

Índice de placa e gengival como indicadores de lesão inicial de cáries em superfícies lisas

SWERTS, M. S. O.*, SILVEIRA DA SILVA, R. A., HARARI, S. G.

Clínica Odontológica - Universidade Federal do Rio de Janeiro e Universidade de Alfenas. E-mail: mswerts@alfenas.psi.br

A cárie dentária deve ser diagnosticada em suas condições subclínicas, visando a paralisação ou a reversibilidade do processo cariogênico. A relação causa/efeito_ biofilme dental e doença cárie é notória, entretanto acredita-se que o sangramento gengival é um forte indicativo de lesão inicial de cárie. Neste contexto, objetivou-se verificar a possível relação entre índice gengival como indicador de lesão inicial de cárie em superfícies lisas pelo método de diagnóstico com fluorescência a laser. A pesquisa, aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa - UNIFENAS/MG, foi realizada em 15 pacientes, com idade de 18 a 25 anos, ambos o sexo. Em cada paciente observou-se 8 dentes (incisivos centrais e primeiros molares), sendo 6 sítios de cada dente, totalizando 48 sítios por cavidade oral. O exame clínico foi dividido em duas etapas: anterior e posterior a profilaxia dental. No primeiro exame observou-se o índice de placa e o índice gengival (LÖE & SILNESS, 1963). Na segunda etapa efetuou o exame com a fluorescência a laser (DIAGNOdent 2095 - KaVo). Os sítios com fina película de placa apresentaram com lesão (44,9%) ou sem lesão (38,6%) de cárie (Kruskal-Wallis, p > 0,001).Os sítios cariados estabeleceram coeficiente de correlação de Pearson (r = 0,15) com os sítios de sangramento, sendo que 52,3% dos sítios com lesão apresentaram pequena vermelhidão na margem gengival e sangramento após sondagem, contra 32,2% aos sítios sem lesão (Kruskal-Wallis, p £ 0,01).

O sangramento gengival é um forte indicativo de lesão inicial de cárie, o que leva o clínico geral a implantar medidas preventivas.

 Pa110

Avaliação da microdureza do esmalte e da dentina coronária

ROMITO, G. A.*, CIRANO, F., TODESCAN, J. H.

Estomatologia - Universidade de São Paulo. E-mail: garomito@uol.com.br

A proposta deste trabalho foi avaliar a microdureza Vickers do esmalte e da dentina coronária de 30 caninos provenientes do banco de dentes da Disciplina de Periodontia da FOUSP. A porção incisal da coroa foi descartada através de um corte transversal situado 5 mm coronariamente à junção esmalte-cemento localizada na face vestibular, obtendo-se assim o espécime coronário, onde foram realizadas medições em 3 regiões de cada tecido dentário. Após análise estatística (teste de análise de variância, p £ 0,05), os valores médios de microdureza do esmalte na região (E1) de 0,05 a 0,1 mm da superfície externa foi de 395,92 VHN, na região (E2) de 0,3 a 0,5 mm da superfície externa foi de 339,41 VHN e na região (E3) de 0,05 a 0,1 mm do limite amelodentinário para as faces livres foi de 255,02 VHN e para as faces proximais foi de 269,72 VHN. Os valores médios de microdureza na dentina coronária foram obtidos em 3 regiões: (DC1) de 0,05 a 0,1 mm do limite amelodentinário - 38,68 VHN; (DC2) de 0,3 a 0,5 mm do limite amelodentinário - 56,42 VHN e (DC3) de 0,8 a 1,0 mm do limite amelodentinário - 36,49 VHN.

Concluímos que a microdureza do esmalte diminui da superfície externa em direção ao limite amelodentinário, sendo que E1 foi estatisticamente maior que E2, além disso, o valor de microdureza de DC2 foi estatisticamente maior que o de DC1 e este maior que o de DC3.

 Pa111

Prevalência da erosão dental em crianças de escolas básicas municipais da cidade de Itajaí (SC - Brasil)

SILVEIRA, E. G.*, FARIAS, M. M. A. G., TAMES, D. R.

Odontologia - Universidade do Vale do Itajaí. E-mail: egs@brturbo.com

O objetivo deste estudo foi avaliar a prevalência e severidade da erosão dental em crianças de 3 a 5 anos de idade matriculadas no período integral e 1/2 período em escolas básicas municipais da cidade de Itajaí - SC e correlacionar a dieta oferecida nas escolas com a presença de lesões de erosão. A amostra consistiu de 444 crianças. Os exames foram realizados por dois examinadores, com as crianças em decúbito dorsal, estando as superfícies dentárias iluminadas e secas. As lesões encontradas foram classificadas em grau suave (envolvendo apenas o esmalte), moderado (envolvendo esmalte e dentina) e severo (envolvendo esmalte e dentina próxima à polpa). Os resultados demonstraram uma prevalência de 63,70% (n = 283) de erosão em algum grau abrangendo todas as faixas etárias (3, 4, e 5 anos), sendo que o grau suave foi sempre o predominante. No período integral e 1/2 período a prevalência foi de 60% (n = 192) e 73,4% (n = 91), respectivamente. Nas faixas etárias de 3 e 4 anos nenhuma criança apresentou lesões de erosão em grau severo, que só foi encontrado na faixa etária dos 5 anos. Na análise da dieta oferecida pelas escolas foi possível constatar a presença de alguns alimentos que poderiam ter associação com a erosão dental, como por exemplo frutas frescas (laranja e maçã) e sucos industrializados concentrados ou polpa (manga, laranja, acerola, abacaxi, uva e maracujá).

Assim, conclui-se que a erosão é uma patologia com prevalência significativa nesta população, sendo o grau suave o mais prevalente e que estes achados podem estar associados com a dieta destas crianças.

 Pa112

Avaliação do teor de cloro ativo das soluções à base de hipoclorito de sódio disponíveis em Recife - PE

AGUIAR, C. M.*, FERRAZ, G. M. F. A., ALMINO, M. G.

Prótese e Cirurgia Buco-Facial - Universidade Federal de Pernambuco. E-mail: cmaguiar@hotmail.com

O uso de soluções cloradas tem sido bastante intensificado por apresentarem eficácia sobre um amplo espectro de microorganismos. As soluções à base de hipoclorito de sódio apresentam grande importância, pois a partir delas são facilmente elaboradas soluções em diversas concentrações de cloro residual livre, dependendo da finalidade a que se destinam. Todavia, apresentam, o inconveniente de instabilidade frente a fatores extrínsecos e intrínsecos como luz, temperatura elevada, presença de material orgânico e pH. Dentre as substâncias irrigadoras, o hipoclorito de sódio é largamente empregado, principalmente na desinfecção do sistema de canais radiculares em que polpa dentária encontra-se necrosada. Esta solução é largamente utilizada, também, como agente de limpeza e de desinfecção de instrumentos e equipamentos médicos e odontológicos. A presente pesquisa objetivou verificar, por meio da titulometria, o teor de cloro ativo das soluções à base de hipoclorito de sódio, disponíveis no mercado de Recife - Pernambuco, possibilitando segurança na sua utilização como agente desinfetante do sistema de canais radiculares. Os resultados demonstraram que todas as soluções avaliadas apresentaram teor de cloro ativo de acordo com as especificações contidas nas embalagens.

Concluiu-se que estas soluções podem ser utilizadas com segurança.

 Pa113

Conhecimento dos docentes do Departamento de Estomatologia - UFSC em relação ao seu estado de imunização

GUIMARÃES, A. R. D.*, RAMOS-JORGE, M. L., BOSCO, V. L., SOUZA, R. V.

Saúde - Universidade Federal de Santa Catarina. E-mail: ardg@brturbo.com

O objetivo deste estudo foi avaliar o conhecimento dos docentes do Departamento de Estomatologia da FO-UFSC, em relação ao seu estado de imunização contra doenças imunopreviníveis contempladas no calendário básico de vacinação do Ministério da Saúde. Trinta e oito professores preencheram um questionário que abordava o grau de conhecimento dos participantes quanto ao controle de doenças passíveis de serem adquiridas durante o exercício profissional. Os participantes se colocaram como voluntários a partir da assinatura do termo de consentimento, sendo esta pesquisa aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da UFSC. Utilizando-se o programa Epi Info 6, foi realizado o teste estatístico do qui-quadrado. Embora todos os participantes já tenham sido vacinados contra alguma doença, 89,5% imunizaram-se contra hepatite B; dos participantes que não foram vacinados contra esta doença, 100% tinham mais de 10 anos de formado. Nenhuma relação estatisticamente significante foi verificada entre a especialidade e o fato do participante ser imunizado contra qualquer doença. Dos entrevistados, 86,8% relataram saber que as vacinas prescrevem, entretanto, 84,2% nunca fizeram quaisquer exames laborato­riais para se certificarem do seu estado de imunização contra as doenças.

Conclui-se que, embora os docentes tenham o conhecimento sobre imunoprevenção, não demonstraram preocupação com a prevenção das doenças infecto-contagiosas ocupacionais, exceto em relação à hepatite B.

 Pa114

Limpeza de limas endodônticas pós-uso e pré-esterilização: avaliação da limpeza executada pelos formandos da UEFS

REISS ARAUJO, C.*, SILVA, M. L. P.

Saúde - Universidade Estadual de Feira de Santana. E-mail: reiss@infonet.com.br

A Endodontia tem passado por transformações necessárias para acompanhar a evolução das técnicas de instrumentação. Em vista disso, muitas conquistas são evidentes como instrumentos fabricados com ligas e formas mais adequadas, técnicas mais simples e eficientes, tudo em busca de qualidade, tempo e melhores resultados. O tratamento dos condutos radiculares obedece a fases como: limpeza, modelagem e obturação, porém o preparo químico-mecânico é tido como o mais importante na limpeza, desinfecção e modelagem adequada do canal e favorece obturações herméticas. A remoção do conteúdo séptico, ou outro material do endodonto necessita de instrumentos específicos, técnicas adequadas e substâncias irrigadoras eficazes, permitindo assim o vedamento apical desejado e uma obturação hermética. Neste estudo foi avaliada a eficácia de dois métodos para limpeza de limas endodônticas: limpeza manual e limpeza com cuba ultra-sônica. Foram usadas 66 limas em dentes pré-molares de pacientes da UEFS divididos em três grupos: grupo 1: limpeza manual; grupo 2: limpeza com ultra-som. As limas usadas pelo grupo 3 não foram limpas. A avaliação das imagens observadas através da lupa estereoscópica, indicou que o uso do ultra-som deixou a lima mais limpa do que quando se usou técnica manual isoladamente, embora a limpeza por meio apenas de ultra-sonagem não foi totalmente eficiente.

Com base nestes dados, conclui-se que é indicado o uso do ultra-som seguido da limpeza com a escovação, sabão líquido, água e secagem adequada.

 Pa115

Atividade antimicrobiana da Curcuma zedoaria (Christm.) Roscoe: determinação da concentração mínima inibitória

NICOLETTI, M. A.*, BUGNO, A., ORSINE, E. M. A., ZENEBON, O., SIQUEIRA, E. L.,
KATO, E. T. M.

Farmácia e Bioquímica/Farmácia - Universidade Paulista e Universidade de São Paulo. E-mail: maria-nicoletti@uol.com.br

A Curcuma zedoaria é uma planta muito cultivada e consumida na Ásia e, atualmente, cultivada no estado de São Paulo. Encontra-se comercialmente disponível em várias formas farmacêuticas para uso interno, sendo administrada por via oral em razão de suas propriedades medicinais como eupéptica, carminativa e colagoga. O objetivo do trabalho é a avaliação do potencial antimicrobiano do extrato fluido desta planta, vislumbrando-se a possibilidade de sua introdução em formas farmacêuticas de uso tópico. Sua atividade antimicrobiana foi avaliada frente aos microrganismos Aspergillus niger, Candida albicans, Tricophyton mentagrophytes, Escherichia coli, Pseudomonas aeruginosa, Staphylococcus aureus e Salmonella choleraesuis. A planta utilizada está depositada no Instituto de Botânica (SP) sob número 338.498. O extrato fluido foi obtido através de percolação fracionada utilizando álcool a 70 graus. As cepas dos microrganismos pertencem à Seção de Coleção de Culturas do Instituto Adolfo Lutz (SP). Para a determinação da concentração mínima inibitória foram utilizados os meios de cultura ágar caseína de soja e ágar Saboraud dextrose e as suspensões de microrganismos foram padronizadas. A partir do extrato fluido (1.000 mg/ml) foram preparadas soluções contendo 500 mg/ml, 200 mg/ml e 100 mg/ml. Foi, pararelamente, avaliada a influência do líquido extrator empregado na elaboração do extrato fluido. Os resultados (CMI) obtidos foram: A. niger, C. albicans e T. mentagro­phytes = 20 mg/ml; E. coli, P. aeruginosa e S. choleraesuis = 100 mg/ml e S. aureus = 20 mg/ml.

O extrato fluido apresentou melhor efetividade como antifúngico, constituindo-se uma possível alternativa terapêutica de uso tópico.

 Pa116

Influência de concentrações subinibitórias de antimicrobianos sobre isolados de Fusobacterium nucleatum

LANDUCCI, L. F.*, GAETTI-JARDIM JR., E.

Biopatologia e Diagnóstico - Universidade Estadual Paulista. E-mail: landucci.unesp@zipmail.com.br

O sucesso do tratamento endodôntico de canais radiculares com polpa necrótica está diretamente rela­cionado à diminuição ou eliminação do conteúdo séptico desses locais. O objetivo deste trabalho foi verificar a susceptibilidade in vitro de F. nucleatum isolados de dentes com polpa necrótica à clorexidina, amoxicilina e metronidazol e avaliar os efeitos de concentrações subinibitórias dessas drogas sobre a atividade hemolítica, hidrobicidade, atividade proteolítica, atividade de DNase, capacidade hemaglutinante e susceptibilidade ao soro dos isolados. Foram testados 21 isolados de F. nucleatum obtidos de dentes com polpa necrótica e identificados de acordo com suas características fenotípicas. As concentrações inibitórias mínimas das drogas para os isolados foram obtidas pelo método de macrodiluição em caldo. Todos os isolados mostraram-se sensíveis à amoxicilina, clorexidina e metronidazol. A maioria dos isolados não mostrou atividade de caseinase, foi capaz de hemolisar eritrócitos, produziu DNase, foi hidrofílica, susceptível ao soro, hemaglutinou e nenhum isolado produziu gelatinase. Embora o metronidazol e a amoxicilina não tivessem afetado significativamente os fatores de virulência estudados, a clorexidina reduziu a atividade hemolítica (p = 7,785) e a degradação de caseína (p = 4,385) pelos isolados testados. Os dados foram submetidos à análise estatística pelo teste qui-quadrado (p < 0,05).

Conclui-se que concentrações subinibitórias de diferentes drogas podem alterar importantes fatores de virulência de F. nucleatum afetando, com isso, a virulência microbiana in vivo.

 Pa117

Bacteriologia das periodontites apicais crônicas

LUISI, S. B.*, FACHIN, E. V. F., BARCELLOS, S. H., BARTH, A. L., FACHINELLI, G. P.

Clínico - Pontifícia Universidade Católica do Rio. E-mail: sbluisi@bol.com.br

O conhecimento mais aprofundado sobre a microbiologia endodôntica é um recurso fundamental para entender o papel das bactérias na origem e desenvolvimento das periodontites apicais crônicas, bem como oferecer subsídios para a instituição de uma terapêutica adequada. Trata-se de trabalho in vivo com o propósito de investigar a composição bacteriana das periodontites apicais crônicas, identificando os microrganismos encontrados nos canais radiculares de 20 dentes necróticos com lesão periapical. Após o isolamento absoluto do dente em questão e o acesso à cavidade pulpar, uma lima Hedstroen nº 15 era introduzida no canal para a liberação de raspas de dentina. Em seguida, água destilada era introduzida e aspirada do canal radicular. O material aspirado era semeado imediatamente nos meios ágar-sangue, Mac Conkey e azida sódica para a identificação de aeróbios e nos meios ágar-sangue brucella, FEAS (ágar-sangue fenil etanol) e tioglicolato para a identificação de anaeróbios. A atmosfera de anaerobiose era obtida através de um processo físico-químico em jarra de anaerobiose, imediatamente após a semeadura. A incubação e posterior identificação dos microrganismos era realizada na Unidade de Microbiologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. O Streptococcus sp grupo viridans foi o microrganismo mais comumente isolado.

Nesse estudo foi possível identificar algumas bactérias potencialmente patogênicas em periodontites apicais crônicas, tais como Streptococcus sp grupo viridans, Eubacterium sp, Enterococcus sp, Peptostreptococcus sp, Propionibacterium sp e Bacteroides sp.

 Pa118

Presença de Staphylococcus spp. na cavidade bucal e na bolsa periodontal de indivíduos com periodontite crônica

LOBERTO, J. C. S.*, SANTOS, S. S. F., MARTINS, C. A. P.

Odontologia - Universidade de Taubaté. E-mail: jussara.loberto@uol.com.br

Staphylococcus não são usualmente encontrados na cavidade bucal. Indivíduos que apresentam doença periodontal representam possíveis reservatórios dessas bactérias. O uso sistêmico de antibióticos no tratamento de doença periodontal ou outras infecções pode predispor o aumento do número de Staphylococcus spp. na boca e resultar em superinfecção. O objetivo do presente trabalho foi verificar a presença de Sta­phylococcus spp. na cavidade bucal e bolsa periodontal de pacientes com periodontite crônica e analisar a resistência aos antibióticos das cepas isoladas. Participaram do estudo 88 pacientes, com no mínimo 25 anos de idade, com periodontite crônica e pelo menos dois sítios com profundidade de sondagem maior ou igual a 5 mm. Após anamnese e exame clínico foram feitas coletas de material da bolsa periodontal com cones de papel e da cavidade bucal por meio de bochechos. Após isolamento e identificação das cepas, verificou-se a susceptibilidade aos antibióticos (ATB Staph, BioMérieux) e os resultados foram analisados pelo teste qui-quadrado com nível de significância p < 0,05. Do total de pacientes 37,5% apresentaram Staphylococcus spp. na bolsa periodontal, 61,36% na cavidade bucal e 27,27% nos 2 sítios. A maioria das cepas de Staphylococcus isoladas mostrou resistência a vários antibióticos testados.

O conhecimento da presença de bactérias oportunistas na bolsa periodontal pode ser imprescindível para manutenção da saúde bucal e na prevenção de doenças sistêmicas. A utilização de antibióticos, como adjunto à terapia periodontal, deve ser vista com cautela.

 Pa119

Incidência de Prevotella intermedia e Porphyromonas gingivalis em pacientes submetidos a implantes dentais

PFAU, E. A.*, AVILA-CAMPOS, M. J.

Microbiologia - Universidade de São Paulo. E-mail: pfau@usp.br

Os implantes dentais vem sendo muito utilizado como forma de reabilitação bucal. Entretanto, o acúmulo de placa bacteriana na superfície dos implantes pode iniciar a periimplantite. Espécies de Prevotella e Porphyromonas são implicadas neste processo infeccioso. Neste estudo as espécies de Prevotella intermedia e Porphyromonas gingivalis foram isoladas e identificadas em três tempos clínicos. Também, foi determinada a susceptibilidade a drogas antimicrobianas e a metais pesados dessas espécies. As amostras foram coletadas com cones de papel esterilizados, plaqueadas em ágar-sangue e incubadas em anaerobiose, à 37ºC, por 10 dias. Colônias pigmentadas de negro foram identificadas por testes bioquímicos e kit Rapid API 32-A. Pela cultura as espécies foram observadas em 5% das amostras do sulco periimplantar (4 cepas de P. intermedia) e 13% das amostras coletadas do sulco gengival (19 cepas de P. intermedia e 7 de P. gingivalis). A PCR detectou esses organismos em 12% das amostras do sulco periimplantar e em 30% do sulco gengival. As cepas de P. gingivalis foram isoladas só do sulco gengival sadio. A maioria das P. intermedia (65%) foi resistente à azitromicina e todas as P. gingivalis foram sensíveis a essa droga. Alguns metais testados inibiram o crescimento das cepas.

A avaliação periódica da susceptibilidade a agentes antimicrobianos e a utilização de técnicas de detecção molecular tornam-se necessários e podem ser de extrema valia no diagnóstico precoce dos processos infecciosos, podendo representar uma nova era na Implantodontia.

 Pa120

Suscetibilidade in vitro de cepas de Staphylococcus spp. aos antibióticos

MARTINS, C. A. P.*, KOGA-ITO, C. Y., SANTOS, S. S. F., KOMIYAMA, E. Y., JORGE, A. O. C.

Biociências e Diagnóstico Bucal - Universidade Estadual Paulista. E-mail: clelia@fosjc.unesp.br

Staphylococcus spp. não são usualmente encontrados na cavidade bucal mas podem estar presentes em pequeno número fazendo parte da microbiota transitória. O uso de antibióticos, principalmente na terapia periodontal podem predispor o aumento do número de Staphylococcus spp. na boca, pois estes adquirem facilmente resistência aos antibióticos, podendo resultar em superinfecção. Foram estudados 46 indiví­duos com idades entre 25 e 55 anos, que não apresentavam doença periodontal, doença sistêmica e não fizeram uso de antibióticos durante seis meses que precederam a coleta. Enxagües bucais foram semeados em ágar Baird-Parker e os microrganismos isolados foram identificados utilizando-se o sistema API Staph (Bio-Merieux, França). A concentração inibitória mínima (CIM) dos antibióticos (clindamicina, eritromicina, tetraciclina, amoxacilina, ciprofloxacina, gentamicina, doxiciclina e cefalexina) foi determinada utilizando-se o método de diluição em ágar Müeller-Hinton. Dentre os indivíduos estudados, 43 (93,5%) apresentaram Staphylococcus spp. na cavidade bucal. Destes isolamentos 26 (60,47%) eram coagulase-positivos e 17 (39,53%) coagulase-negativos. Três cepas foram resistentes à tetraciclina, 38 à amoxacilina, 21 à cefalexina e 6 à clindamicina. Todas as cepas estudadas foram resistentes à eritromicina e sensíveis à doxiciclina, ciprofloxacina e gentamicina.

A partir dos resultados obtidos, conclui-se que os testes de suscetibilidade aos antimicrobianos são de grande importância na seleção e seguimento da terapia periodontal, considerando-se a presença de microrganismos multi-resistentes que podem produzir superinfecção.

 Pa121

Efeito da combinação de flúor e xilitol/sorbitol no crescimento e produção de ácidos por Streptococcus mutans

GONÇALVES, N. C. V.*, ROSALEN, P. L., CURY, J. A.

Ciências Fisiológicas - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: nilzavalor@yahoo.com

O objetivo deste estudo foi estabelecer a proporção de xilitol:sorbitol (X:S) em solução fluoretada eficaz para inibir o crescimento e a produção de ácidos por estreptococos do grupo mutans. Soluções fluoretadas contendo 56 ppm F e diferentes proporções de X:S variando de 1:3 a 3:1 (concentração final 0,4 M) foram avaliadas em termos de efeito no crescimento e produção de ácidos por Streptococcus mutans IB1600. A inibição do crescimento bacteriano foi avaliada sob duas condições: (1) S. mutans foram inoculados em BHI contendo F e diferentes proporções de X:S; (2) S. mutans foram inoculados em BHI, e F/X:S adicionados 3 h após a inoculação (metade da fase log). O crescimento foi quantificado durante 24 h por densidade óptica a 650 nm. No teste de fermentação da sacarose, suspensões de células padronizadas foram utilizadas e a diferença do pH inicial (t = 0) e final (t = 60 min) foi calculada. Os dados mostraram que apenas os tratamentos que apresentavam xilitol na composição foram efetivos (p < 0,05 - teste Tukey) na inibição do crescimento bacteriano em comparação ao controle (56 ppm F). Os resultados do teste de fermentação não mostraram interação significativa dos fatores xilitol e sorbitol (p = 0,058).

Os resultados sugerem que uma solução fluoretada contendo polióis a 0,4 M promove inibição do crescimento bacteriano in vitro independente da proporção de xilitol/sorbitol. Entretanto, os dados não mostraram efeito dos polióis na inibição da fermentação de sacarose. (Apoio financeiro: FAPESP - 00/00750-0.)

 Pa122

Quantificação de anaeróbios e de BPB em canais com necrose pulpar e sua relação com o tamanho da lesão periapical

SOUZA-GUGELMIN, M. C. M.*, FRÖNER, I. C.

Análises Clínicas, Toxicológicas e Bromatológicas - Universidade de São Paulo. E-mail: gugelmin@fcfrp.usp.br.

Esta pesquisa teve como objetivo quantificar anaeróbios, e dentre eles, os bacilos pigmentados de negro (BPB), em amostras colhidas de canais radiculares de dentes permanentes com lesão periapical; e de determinar o tamanho das lesões periapicais destes dentes, a fim de verificar a existência ou não de correlação entre estas duas variáveis. A colheita era realizada, assepticamente, com cones de papel, introduzidos no canal radicular. As amostras eram transportadas em RTF, semeadas por diluição decimal seriada, em ágar-sangue complementado com vitamina K e hemina e incubadas em anaerobiose, a 37ºC por 10 dias, para a determinação do nº UFC de anaeróbios e de BPB. O tamanho da lesão periapical era determinado em radiografia periapical diagnóstica, que era projetada a partir de uma distância fixa, sobre um dispositivo marcado por pontos eqüidistantes, e, medida pelo nº de pontos contidos na lesão periapical. O tamanho das lesões periapicais variou de 3 a 63 pontos. Os anaeróbios foram isolados de 100% e os BPB de 50% dos canais analisados. O nº de UFC de anaeróbios e de BPB variou de 3,6 ´ 102 a 2,4 ´ 108 UFC/ml e de 0 a 3,4 ´ 105 UFC/ml, respectivamente. Não houve correlação entre as variáveis testadas.

Concluiu-se, portanto, que apesar de os microrganismos anaeróbios e, dentre eles, dos BPB, serem freqüentemente isolados de canais radiculares de dentes com lesão periapical, nenhuma correlação pôde ser observada, entre a quantidade de anaeróbios ou de BPB presentes nas amostras provenientes de canais radiculares necrosados e o tamanho de suas respectivas áreas radiolúcidas periapicais.

 Pa123

Morfotipagem de isolados bucais de Candida albicans e
C. dubliniensis

KOGA-ITO, C. Y.*, MARTINS, C. A. P., VIDOTTO, V., PONTÓN, J., QUINDÓS, G., JORGE, A. O. C.

Biociências e Diagnóstico Bucal - Universidade Estadual Paulista. E-mail: cristianeykito@directnet.com.br

A morfotipagem é um método eficiente, reprodutível e não oneroso para a caracterização de leveduras do gênero Candida. Além disso, é considerado um indicador de virulência já que foi observada correlação entre franjas descontínuas e maior grau de virulência. No presente estudo, foi realizada morfotipagem de 58 amostras de C. albicans isoladas da cavidade bucal de pacientes da Faculdade de Odontologia de São José dos Campos e 18 amostras de C. dubliniensis isoladas de pacientes HIV-positivos da Faculdade de Odontologia da Universidade del País Vasco. O objetivo deste trabalho foi comparar os morfotipos encontrados para as duas espécies. Para a morfotipagem, as amostras foram semeadas em ágar extrato malte e incubadas por 10 dias a 25ºC. Após este período, foram observadas as características das colônias e determinados os morfotipos. Foram observados 21 morfotipos diferentes para C. albicans sendo os mais freqüentes 0000, 7340, 5340 e 7540. Oito morfotipos diferentes foram observados entre as amostras de C. dubliniensis, dentre os quais 0000, 7540 e 1240 foram os mais freqüentes. Nove amostras de C. albicans (15,50%) e 3 (16,60%) de C. dubliniensis apresentaram franjas descontínuas.

A partir dos resultados obtidos, conclui-se que as amostras de C. albicans e C. dubliniensis estudadas apresentaram resultados muito semelhantes quanto à distribuição de morfotipos e também quanto à freqüência de amostras com franjas descontínuas, confirmando a grande semelhança fenotípica entre as duas espécies e sugerindo que possuam graus similares de virulência.

 Pa124

Avaliação da contaminação do ambiente após a irradiação com o laser de Er:YAG em canais radiculares infectados

MOURA, M. S.*, BRUGNERA, A., ESTRELA, C. R. A., ESTRELA, C., PÉCORA, J. D.

Odontologia Restauradora - Universidade de São Paulo. E-mail: marcelo_sampaio@yahoo.com

O objetivo desse estudo foi avaliar in vitro a contaminação do ambiente produzida pela irradiação com o laser de Er:YAG em canais radiculares infectados. Foram utilizados 20 dentes unirradiculares instrumentados, autoclavados e inoculados com uma suspensão dos seguintes microrganismos: S. aureus, E. faecalis, P. aeruginosa, B. subtilis e C. albicans. Após o período de inoculação, os dentes foram irrigados com água destilada ou hipoclorito de sódio a 1% e irradiados com o laser em 2 diferentes parâmetros. Dezoito placas de Petri contendo BHIA foram mantidas por 30 minutos à distância de 15 cm, 30 cm e 3 metros da fonte de irradiação do laser. Ao término do experimento, as placas foram incubadas por 48 horas a 37ºC, e procedeu-se a contagem das unidades formadoras de colônias. Os resultados demonstraram crescimento microbiano em todos os grupos experimentais expostos ao ambiente. A maior contaminação microbiana do ambiente foi observada no grupo do dente irradiado com 52 mJ “output” e a irrigação realizada com água destilada, posicionada a 15 cm da fonte de irradiação (> 30 UFC).

Com base nos dados avaliados, pode-se concluir que é necessária a adoção de medidas rigorosas de biossegurança durante a utilização do laser em canais radiculares infectados. (Apoio financeiro: FAPESP.)

 Pa125

Influência do agente dessensibilizante na produção de superóxido em macrófagos

MACEDO, D. R.*, TEIXEIRA, H. M., EMERENCIANO, M., DECASTRO, C. M. M. B.

Odontologia Restauradora - Universidade de Pernambuco. E-mail: darlymacrdo@yahoo.com

O objetivo deste trabalho foi avaliar a liberação do superóxido (O–2) em macrófagos tratados com o agente dessenssibilizante Gluma (Kulzer). Ratos machos foram estimulados i.p. com caseinato. Após quatro dias, os animais foram sacrificados e a cavidade peritoneal lavada com soro fisiológico, obtendo-se mais ou menos 7,4 ml de lavado, o qual foi centrifugado logo após. As células foram ressuspendidas em meio de cultura RPMI. Em seguida foram separados por adesão e tratadas com Gluma sem diluição (DP), diluído na proporção de 1:10 (D10) e 1:100 (D100) e estimulados com PMA. Após, as amostras da cultura foram coletadas às 0; 1 e 2 h para a espectrofotometria do grau de redução do ferro-citocromo c/nmol de O–2 formado. A produção de superóxido foi calculada e os resultados obtidos em (média ± EP), foram os seguintes: na 1ª hora: controle 6,3 (± 0,7); DP 5,3 (± 0,7); D10 7,4 (± 0,4); D100 4,5 (± 0,4). Na 2ª hora: controle 6,5 (± 0,8); DP 6,8 (± 0,7); D10 8,6 (± 0,6); D100 5,3 (± 0,3). A diluição D10 apresentou maior produção de superóxido na 2ª hora quando comparado ao controle (p < 0,05, teste t de Student). Enquanto que na diluição D100 houve menor produção de superóxido na 1ª hora em relação ao controle (p < 0,05, teste t de Student).

Conclui-se que o agente dessensibilizante altera a produção de superóxido por macrófagos peritoneais. Esse efeito parece estar relacionado à concentração do produto e ao tempo de exposição dos macrófagos ao mesmo.

 Pa126

Efeito da inalação do óxido de alumínio liberado pela abrasão a ar – estudo histológico

PERUCHI, C.*, SANTOS-PINTO, L., RAMALHO, L. T. O.

Clínica Infantil - Universidade Estadual Paulista. E-mail: cperuchi@hotmail.com

O interesse clínico pelo aparelho de abrasão a ar se deve a sua capacidade de remoção conservadora da estrutura dentária empregando um jato de óxido de alumínio impulsionado por ar comprimido. Visando analisar o efeito da inalação contínua do óxido de alumínio liberado pelo aparelho de abrasão a ar nos propusemos a verificar se esse abrasivo apresenta algum efeito prejudicial quando aspirado por camundongos. Os camundongos foram divididos em: Grupo 1- inalação do óxido de alumínio com a máscara descartável de proteção adaptada às narinas; Grupo 2- inalação do óxido de alumínio sem a máscara descartável de proteção; Grupo 3- controle. Os animais dos grupos 1 e 2 aspiraram óxido de alumínio numa gaiola especial por um período experimental de 9 minutos ao dia divididos em 3 sessões de 3 minutos diários durante 5 dias. Os animais foram sacrificados nos períodos de 5, 15, 30 e 60 dias após a realização do experimento. Observamos que a agressão causada pelo óxido de alumínio provoca uma reação de cronicidade no epitélio de revestimento das vias aéreas superiores com presença de infiltrado inflamatório no tecido conjuntivo da lâmina própria. Nas vias aéreas inferiores os bronquíolos apresentaram-se com epitélio rompido e inúmeros macrófagos ativos, além de uma alteração celular epitelial nos bronquíolos.

Concluímos que as partículas de óxido de alumínio inaladas durante o procedimento de abrasão a ar possuem capacidade de produzir resposta inflamatória nos tecidos das vias aéreas superiores e inferiores podendo ainda contribuir para uma alteração celular epitelial.

 Pa127

Influência do sexo e do ciclo estral sobre a sensibilidade à dor na ATM de ratos (teste da formalina na ATM)

ARSATI, F.*, JORGE, D. L., VEIGA, M. C. F. A.

Ciências Fisiológicas - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: francoarsati@yahoo.com.br

A diferença sexual na dor orofacial é ainda pouco compreendida. Diante disso, o objetivo deste trabalho foi investigar se há influência do sexo e do ciclo estral sobre a sensibilidade à dor na ATM de ratos. Foram submetidos ao teste da formalina na ATM, ratos Wistar de ambos os sexos: machos, fêmeas em estro e fêmeas em proestro. Os primeiros grupos experimentais receberam a injeção de 50 ml de formalina 1,5% ou NaCl 0,9% (controle) na região da ATM. Posteriormente, foram realizados grupos adicionais, que receberam sulfato de morfina (4 mg/kg) ou NaCl 0,9% (controle) (i.p.) 30 minutos antes da administração periarticular de formalina 1,5%. Foram avaliados os comportamentos nociceptivos de coçar a região orofacial, levantar rapidamente a cabeça e tombar a cabeça para o lado injetado durante 45 minutos. Os dados obtidos foram submetidos à análise de variância para delineamento inteiramente casualizado com arranjo fatorial de tratamento versus sexo/ciclo estral e as comparações múltiplas foram feitas pelo teste de Tukey. Os resultados deste trabalho mostraram que as fêmeas em estro são mais sensíveis ao teste da formalina na ATM do que os machos e as fêmeas em proestro (p < 0,05), o que foi confirmado pela administração de morfina. Não houve diferença entre os grupos de fêmeas em proestro e de machos.

Conclui-se que o sexo e o ciclo estral podem alterar a sensibilidade à dor no teste da formalina na ATM.

 Pa128

Uso do diazepam e de estratégias psicológicas para manejar o comportamento do paciente odontopediátrico não-colaborador

POSSOBON, R. F.*, TOMITA, L. M., CARRASCOZA, K. C., MORAES, A. B. A.

Odontologia Social - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: possobon@fop.unicamp.br

Este trabalho teve por objetivo avaliar a atuação do diazepam e de estratégias psicológicas sobre o comportamento de crianças altamente não-colaboradoras, durante o tratamento odontológico. Para isso, foram selecionados 6 participantes com idade entre 4 e 5 anos, que receberam tratamento odontológico durante 54 sessões (9 sessões para cada participante), nas quais empregou-se o placebo ou o diazepam, na dose de 0,3 mg/kg de peso, de maneira duplo-cega. Além disso, foram empregadas estratégias psicológicas, tais como distração, explicação, reforçamento positivo e estabelecimento de regras. As sessões foram filmadas em videotape, com marcas sonoras a cada 15 segundos, indicativas dos momentos em que os comportamentos emitidos pelos participantes (choro, movimentos de corpo e/ou cabeça, fuga e esquiva) e as estratégias de manejo do comportamento utilizadas pela dentista foram registrados. A análise estatística dos resultados mostrou não ter havido diferença significativa entre as sessões com placebo e com diazepam, pelo teste de Wilcoxon pareado (p > 0,05) para todas as variáveis. As estratégias psicológicas exerceram uma grande influência sobre os comportamentos das crianças, classificadas como ansiosas ou fora de controle na 1ª sessão e como relaxadas ou preocupadas nas últimas sessões (Escala de Cooperação e Ansiedade - VENHAM, 1977).

Concluiu-se que o diazepam, na dose utilizada, não foi eficaz, por si só, para controlar os comportamentos. Entretanto, quando combinado com as estratégias psicológicas observou-se uma melhora significativa na colaboração.

 Pa129

Avaliação da estabilidade química do formaldeído nas soluções de formocresol para uso odontológico

RUSCHEL, H. C.*, MORAIS, L. S. M., VANNI, G. G., ROCHO, R., KRAMER, P. F.

Odontopediatria - Universidade Luterana do Brasil e Universidade de São Paulo. E-mail: henrirus@zaz.com.br

O objetivo deste estudo foi avaliar a estabilidade química do formaldeído em soluções de formocresol de uso odontológico e correlacioná-la com o prazo de validade dos produtos. Testou-se quatro soluções de formocresol: A- Iodontec®; B- Inodon®; C- Macroquímica®; D- Farmácia de Manipulação - ULBRA (solução controle). Estas faziam parte de um mesmo lote, com prazo de validade de 2 anos (solução C - 3 anos de validade). Utilizou-se o método de titulometria de neutralização por excesso com o qual fez-se quatro aferições (6, 12, 18 e 24 meses após fabricação). Para cada aferição foi aberto um novo frasco de 10 ml (soluções A, B e C). A solução D foi acondicionada em um único frasco de 1.000 ml e nesta fez-se aferições mensais nos primeiros 5 meses, além dos períodos descritos acima. Com base na literatura, o limite de variação na concentração de formaldeído aceito foi de 17,1% até 20,9%. Comparando os valores iniciais com a concentração aferida aos 2 anos de fabricação, as seguintes concentrações de formaldeído foram obtidas, respectivamente: A- 19 e 17,00%; B- 19 e 16,81%; C- 19 e 16,85%; D- 18,98 e 16,75%. Na solução D obteve-se uma concentração de 17,09% já no quinto mês de avaliação.

Concluiu-se que as soluções testadas sofreram um decréscimo na concentração do formaldeído após dois anos de fabricação, mantendo-se levemente abaixo dos limites aceitáveis; assim, o tempo de uso dos produtos deve ser questionado considerando a manipulação destes na clínica, sugerindo-se que conste no rótulo diferentes prazos de validade em função da quebra ou não do lacre de vedamento nas soluções.

 Pa130

Conscientização dos estudantes brasileiros com elevados índices de biofilmes dentários a luz dos atuais paradigmas

SABA-CHUJFI, E.*, SABA, M. E. C., SABA, A. K., COSTA, M. S. D., SABA, C. E. C.,
MAGALHÃES, J. C. A., CAMARGO JR., S. F.

Odontologia Preventiva - Universidade Camilo Castelo Branco. E-mail: esaba@uol.com.br

O objetivo deste trabalho foi o de comparar através de uma análise estatística a eficácia de quatro métodos motivacionais em relação à higiene bucal, aplicados em estudantes brasileiros com 100% de biofilme dentário. A amostra abrangeu 60 crianças e 120 adolescentes variando de 7 a 16 anos de idade, de ambos os sexos. Os métodos testados foram: 1. orientação direta individual (modelos e na boca) (ODI); 2. orientação direta individual combinada a um folheto elucidativo (ODIF); 3. orientação direta individual asso­ciada a aula teórica com slides (ODIS); 4. orientação direta individual associada a aula teórica e vídeo (ODIV). Os resultados foram comparados com um grupo controle (GC), que não recebeu nenhuma orientação ou motivação. Foram neutralizadas as interferências de pais, parentes e colegas. As avaliações semanais sobre os níveis de biofilmes dentários foram obtidas pelo mesmo profissional. O índice de placa foi o de O’LEARY et al. (J Periodontol, 43:32, 1972. Plaque Control Record). Os dados semanais foram marcados e submetidos ao Mann-Whitney U-Wilcoxon Rank Sum W test (Z = 1,96) para as análises estatísticas, que demonstraram os seguintes resultados no final do experimento, que durou cinco semanas (T4): ODI Z = 1,39; ODIF Z = 1,63; ODIS Z = 3,32 e ODIV Z = 2,62  (p < 0,01).

Concluímos que todos os métodos de conscientização resultaram em uma significativa redução dos biofilmes pelo índice original de placa em estudantes comparados com o grupo controle que permaneceu inalterado.

 Pa131

Lesões de mucosa causadas por aparelhos ortodônticos: comparação entre terapia convencional e laser em baixa intensidade

RODRIGUES, M. T.*, RIBEIRO, M. S., GROTH, E. B., ZEZELL, D. M.

MPLO - Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo e IPEN/CNEN-SP. E-mail: jrodrigues@apcd.org.br

Este trabalho comparou a terapia convencional com a terapia laser de GaAlAs (l = 830 nm) em baixa intensidade em lesões provocadas pelo aparelho ortodôntico fixo na cavidade oral, por meio de análise dimensional das lesões e monitoração da sintomatologia dolorosa. Foram selecionados 20 pacientes com idade de 11 a 17 anos, apresentando lesões na mucosa oral provocadas pelos aparelhos ortodônticos fixos. No grupo 1, 10 pacientes foram tratados com o laser de diodo em baixa intensidade por três dias consecutivos. O diâmetro do feixe foi 3 mm e a potência usada foi de 30 mW, em irradiação pontual de 1,3 J/cm2 por um período de 3 s a 33 s, dependente da área da lesão. No grupo 2 (controle), os 10 pacientes receberam ­triancinolona na lesão e cera sobre os braquetes. Foi feita análise de variância multivariada para medidas repetidas, e este trabalho considerou resultados estatisticamente significantes quando o nível descritivo p < 0,05. Nas condições de irradiação deste trabalho o laser acelera a resposta biológica do processo de cicatrização em relação ao grupo controle. Há uma diferença estatisticamente significante na redução da área da lesão entre os dois grupos, 48 hs após a primeira irradiação. A sensibilidade à dor nos dois grupos foi estatisticamente diferente para todos os momentos de avaliação (24 hs, 48 hs e 7 dias) pelo teste exato de Fisher, sendo sempre menor para o grupo laser.

Podemos concluir também que para 24 hs após a primeira irradiação laser, os pacientes já apresentam 4,5 vezes mais chances de sentir menos dor do que quando tratados pelo método convencional.

 Pa132

Do fetichismo odontológico à utopia da saúde bucal

FIGUEIREDO, G. O.*, BRITO, D. T., BOTAZZO, C.

Núcleo de Tecnologia Educacional - Universidade Federal do Rio de Janeiro. E-mail: gusfigueiredo@ig.com.br

O estudo discute a proposta da Saúde Bucal Coletiva para a formação e prática profissional do cirurgião-dentista dentro de um novo modelo de atenção em saúde bucal. A Saúde Bucal Coletiva é um movimento contra-hegemônico que luta por sua legitimação como política pública de saúde e como fundamento político-filosófico dos cursos de formação em Odontologia. A partir de uma análise dos contextos sócio-cultural, político e econômico do Brasil de hoje e, com base numa reflexão sobre o ensino em Odontologia, a prática clínica do cirurgião-dentista e algumas categorias como fetiche, ideologia e utopia, o trabalho discute as limitações que o modelo atual de política pública de atenção em saúde apresenta para a promoção da qualidade de vida da sociedade brasileira.

Para isso foram reconstruídas, de forma crítica, a origem e a prática política do movimento, analisamos também algumas experiências de organização dos serviços públicos de saúde e, ainda, as mudanças, articulações políticas e compromissos ideológicos que fundamentam a Saúde Bucal Coletiva, propondo um projeto para a reconstrução do modelo de atenção em saúde bucal (prática e formação profissional) e da própria sociedade brasileira.

 Pa133

Análise das causas de dor e desconforto dos dentistas resultantes do trabalho

KOSMANN, C.*, GONTIJO, L. A.

Odontologia - Universidade do Vale do Itajaí. E-mail: cleuk@zaz.com.br

Devido ao avanço técnico e científico da Odontologia, diversas mudanças tem ocorrido nas condutas e condições de trabalho e influenciado na saúde dos dentistas. Sendo assim o objetivo desse estudo foi investigar os fatores relacionados com a dor e desconforto desses profissionais. As metodologias aplicadas foram AET (Análise Ergonômica do Trabalho) e análise estatística. A amostra da AET foi composta por dois dentistas de Florianópolis, cujo trabalho foi analisado por um ano. Os dados dessa etapa foram coletados através de entrevistas, observação não participativa e registro fotográfico. Nessa análise individualizada, foi definido o problema, identificadas as tarefas prescritas e observado o trabalho em tempo real. Ao final, fez-se o diagnóstico dos fatores que interferem negativamente no trabalho e foram elaboradas recomendações. Na análise estatística a amostra foi composta de 119 profissionais dos cursos de pós-graduação em Odontologia de Florianópolis e a coleta de dados foi feita através de questionários fechados. Os resultados mais relevantes desse estudo mostraram que 81,51% dos dentistas queixaram-se de algum tipo de dor e desconforto; 66,95% trabalhavam mais de 8 horas diárias; 45,77 escolheram o equipamento pela marca ou preço. Do total de profissionais, 53% não recebeu qualquer orientação sobre as posturas de trabalho.

Conclui-se que podem ser causas de dor e desconforto dos dentistas, as posturas de trabalho adotadas, os equipamentos, a sobrecarga de trabalho e a falta de conhecimento sobre condutas de trabalho mais ergonômicas.

 Pa134

Avaliação clínica, microbiológica e radiográfica de molares decíduos submetidos à remoção parcial de dentina cariada

PINTO, A. S.*, ARAUJO, F. B., FIGUEIREDO, M. C., MALTZ. M., HENZ, S., FONTANELLA, V.

Estomatologia - Universidade Federal de Santa Maria. E-mail: alicesp@zaz.com.br

Alterações clínicas, microbiológicas e radiográficas de lesões profundas de cárie foram avaliadas após a remoção parcial do tecido cariado e o selamento de cavidades em molares decíduos. Vinte (20) pacientes com idade entre quatro e sete anos participaram do estudo, totalizando uma amostra de 42 dentes. O término do preparo cavitário consistiu na manutenção da dentina cariada na superfície pulpar, avaliada quanto à sua coloração e consistência. Coletas deste tecido foram obtidas para a análise bacteriológica. A seguir, dividiram-se aleatoriamente os dentes em dois grupos, de acordo com o material forrador aplicado sobre o tecido cariado (cimento de hidróxido de cálcio ou guta-percha), sendo, posteriormente, restaurados com resina composta. Após a intervenção clínica, utilizaram-se dispositivos padronizados para a execução da radiografia inicial. Passado o período experimental (4-7 meses), 39 dentes foram radiografados e reabertos para avaliação clínica e execução de nova coleta microbiológica. Na análise radiográfica, obtida pela subtração digital de imagens, não foi observado ganho significativo de densidade na zona radiolúcida. Por outro lado, as demais avaliações ilustraram maior escurecimento/endurecimento tecidual, observado através de critérios visuais e táteis, e redução no total de unidades formadoras de colônia.

Estes dados sugerem a possibilidade de inativação do processo carioso, após o selamento de lesões dentinárias em molares decíduos com material adesivo, independente do uso do cimento de hidróxido de cálcio como material forrador.

 Pa135

Estudo in vitro da infiltração marginal em dentes decíduos utilizando-se quatro tipos de materiais restauradores

ARAÚJO, S. M.*, DOMÍNGUEZ REYES, A.

Centro de Ciências da Saúde - Universidade do Vale do Itajaí. E-mail: silmarchiori@bol.com.br

O objetivo deste estudo foi de avaliar in vitro a infiltração marginal em restaurações classe II em molares decíduos restaurados com: Filtek Z250 - 3M, Vitremer - 3M, Dyract AP - Dentsply e Dispersalloy - Dentsply. Em 20 dentes molares decíduos, clinicamente hígidos, foram realizados preparos cavitários nas mesiais e distais; cada material restaurador foi utilizado em 10 preparos. Após o procedimento restaurador, os dentes foram armazenados em água destilada por 24 horas. Depois foram termociclados (5ºC, 37ºC e 55ºC) e impermeabilizados com resina epóxica - Araldite ultra-rápida, na região radicular e esmalte cosmético em toda a superfície, ficando exposta apenas uma janela de 1 mm ao redor da margem gengival da restauração. A seguir foram imersos em corante azul de metileno a 0,5% por 4 horas. Finalmente os dentes foram seccionados e avaliados quanto a infiltração marginal. Foram aplicados escores de 0 a 3. Uma amostra representativa de cada material restaurador utilizado foi observada ao MEV, para avaliação do padrão da interface dente-restauração. Em seguida à obtenção dos dados, fez-se análise estatística (teste de Kruskal-Wallis).

Observou-se que o Dyract AP e Filtek Z250 apresentaram os melhores resultados, demonstrando uma menor infiltração sem diferença estatisticamente significante entre eles, porém diferem dos demais materiais. Nas amostras observadas por MEV, a interface esmalte-Dyract apresentou um selamento perfeito, no entanto a interface esmalte-Dispersalloy obteve o pior selamento, caracterizado pela presença de fendas em toda sua extensão.

 Pa136

Prevalência de traumatismos dentários em bebês inscritos no Programa Bebê Clínica/UNIVALE no período de 1996-2001

FRAUCHES, M. B.*, ROSA, J. B., PIMENTEL, M. C. M., SOUZA, M. A.

Odontopediatria - Universidade Vale do Rio Doce. E-mail: mboechat@goval.com.br

O objetivo deste estudo foi analisar dados de fichas clínicas de pacientes inscritos no Programa Bebê Clínica do Curso de Odontologia da UNIVALE no período de 1996 à 2001, levando em consideração a prevalência de traumatismos dentários que acometeram estes pacientes. A idade para inscrição no Programa é de 0 à 18 meses. Os dados coletados levaram em consideração o sexo, a idade em que ocorreu o traumatismo, os dentes mais afetados e o tipo de traumatismo dental. Os achados clínicos e radiográficos das fichas examinadas foram os seguintes: do total de 502 fichas, 6,6% dos pacientes apresentaram algum tipo de traumatismo dentário, sendo 4,6% do sexo masculino e 2,0% do sexo feminino. Em relação à idade de ocorrência do traumatismo, 9,0% na idade de 7 à 12 meses, 45,4% na idade de 13 à 18 meses e 45,4% acima de 18 meses. O tipo de traumatismo mais freqüente foi a intrusão (20%), seguido da fratura coronária envolvendo somente esmalte (27,3%), subluxação (15,1%) e fratura coronária, envolvendo esmalte e dentina (15,1%). Os dentes mais comprometidos pelo traumatismo dentário, foram os incisivos centrais superiores decíduos (87,5%), seguidos dos incisivos laterais superiores decíduos (12,5%).

Os resultados mostraram que o traumatismo dental foi mais freqüente no sexo masculino, a faixa etária mais encontrada compreende a idade acima de 13 meses; o traumatismo mais prevalente foi a intrusão e os dentes decíduos superiores anteriores os mais acometidos.

 Pa137

Avaliação de um programa de promoção de saúde bucal utilizando diferentes indicadores

VALLE, D. D.*, VIANNA, R. B. C., QUINTANILHA, L. E. P., NEVES, T. F.

Odontopediatria e Ortodontia - Universidade Federal do Rio de Janeiro. E-mail: dellavalle@openlink.com.br

O objetivo deste estudo foi avaliar a eficácia de um programa de promoção de saúde bucal através da utilização de três indicadores específicos. A amostra constituiu-se de 325 crianças saudáveis, de ambos os gêneros (182 meninas e 143 meninos, 56% e 44% respectivamente), na faixa etária entre 79 e 135 meses (± 9,21; média de idade 94,84), pertencentes à rede pública escolar. Foi utilizado o índice de Quigley-Hein modificado para verificar a quantidade de placa dental existente no início e ao final do experimento. O estado gengival e o número de Streptococcus mutans e Neisserias bucalis foram verificados nos dois momentos, utilizando respectivamente o índice de sangramento interdental de Eastman e um teste de saliva para contagem bacteriana (No Caries® Renylab). Os resultados indicaram um valor igual a 2,05 (± 0,39) e 1,72 (± 0,34) para o índice de placa médio inicial e final, 0,09 (± 0,11) e de 0,02 (± 0,05) para o índice de sangramento interdental médio, sendo ambos estatisticamente significantes a nível de p < 0,001. O teste salivar inicial revelou um número elevado de Streptococcus mutans (n = 252; 77,5%) e Neisserias bucalis (n = 252; 77,5%), observando-se uma diminuição após 6 meses de aplicação do programa (n = 177; 54,5% e n = 189; 58,3%, respectivamente), p < 0,001.

Houve uma correlação entre os três índices quando medidos no início e ao final do experimento, demonstrando uma melhora nas condições de higiene bucal dos pacientes. A queda nos índices de placa e sangramento interdental médios e da população bacteriana existente na saliva confirmou a eficácia do programa.

 Pa138

Tratamentos restauradores em dentes decíduos – o que ensinam as faculdades brasileiras?

MOTISUKI, C.*, SANTOS-PINTO, L. A. M., LIMA, L. M.

Clínica Infantil - Universidade Estadual Paulista. E-mail: dr.cris@zipmail.com.br

O amálgama vem sendo utilizado há muitos anos no tratamento restaurador em dentes posteriores, tendo como princípios a realização de preparos cavitários apresentando formas de retenção, resistência e conveniência. Com o surgimento dos sistemas adesivos tornou-se possível realizar preparos mais conservadores além de estética favorável. Diante de tantas mudanças, o objetivo desse estudo foi avaliar quais técnicas e materiais restauradores são ensinados atualmente para preparos classe I e II em dentes decíduos posteriores pelas disciplinas de Odontopediatria. Foram enviados questionários de múltipla escolha para 70 faculdades de Odontologia brasileiras. Os dados obtidos de 38 faculdades foram analisados por meio de estatística descritiva evidenciando que 84,2% continuam ensinando preparo convencional classe I e II para amálgama em dentes decíduos, porém 65,8% não apresentaram preferência para o uso deste material. Os materiais alternativos para o amálgama, como as resinas compostas, compômeros e ionômero de vidro são recomendados por todas as faculdades participantes, sendo que 73,7% indicam somente sob certas condições. Dentre as contra-indicações, os itens mais apontados foram a higiene oral deficiente, a impossibilidade de isolamento absoluto e a margem proximal subgengival. O preparo cavitário preconizado por 65,8% foi o com ângulos arredondado e sem sulcos ou caixas de retenção.

Desta forma, pudemos verificar que apesar dos materiais estéticos terem ganho preferência para restaurações em dentes decíduos posteriores, o amálgama ainda mantém certa popularidade.

 Pa139

Validade da mensuração de condutos radiculares de molares decíduos pelo método digital (sistema Digora)

SARI, G. T.*, MAAS, J. R. S., TOVO, M. F., KRAMER, P. F.

Faculdade de Odontologia - Universidade Luterana do Brasil. E-mail: gilbertosari@uol.com.br

A odontometria em molares decíduos apresenta muitas limitações, principalmente em função das imagens radiográficas nem sempre serem fiéis a real situação de reabsorção das raízes. A radiografia digital representa, atualmente, uma alternativa adicional de mensurar o comprimento destes condutos radiculares. O objetivo do presente trabalho foi comparar a odontometria executada por meio do sistema digital (software Digora) com a mensuração obtida em régua milimetrada após a introdução de limas endodônticas calibradas ao longo dos condutos de molares decíduos extraídos. Foram selecionados 30 dentes nos quais realizaram-se duas medições para cada sistema, considerando-se apenas uma das raízes. A análise estatística realizada pelo teste de correlação de Pearson demonstrou uma forte correlação para a reprodutibilidade dos métodos avaliados, sendo r = 0,954; p < 0,001 para a mensuração com lima endodôntica e r = 0,948; p < 0,001 para as imagens digitais. A comparação entre os métodos revelou haver uma correlação significativa e forte (r = 0,930; p < 0,001), entretanto, o teste t para amostras emparelhadas (p < 0,001) demonstrou que a média das medidas obtidas com as limas (8,017 mm) foram significativamente maiores que as médias do sistema digital (7,190 mm).

Conclui-se que, mesmo havendo uma forte correlação entre os métodos, foi encontrada diferença estatisticamente significante entre os métodos estudados, devido aos valores expressos pelo software Digora não alcançarem, em média, os obtidos com a mensuração de condutos por meio de limas endodônticas em raízes de molares decíduos extraídos.

 Pa140

Avaliação in vitro de duas técnicas de obturação utilizadas em canais radiculares de dentes decíduos

RIBEIRO, C. C. C.*, GUTERRES, G. H. R., RABELO, R. T. S.

Odontologia - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: cecilia_ribeiro@hotmail.com

O sucesso da terapia pulpar em dentes decíduos depende do adequado selamento apical obtido através da obturação dos condutos radiculares. A anatomia complexa daqueles dentes dificulta o preenchimento dos condutos, principalmente quando esses canais forem mais estreitos e curvos. O objetivo deste trabalho foi comparar in vitro duas técnicas de obturação através da qualidade radiográfica e da capacidade de selamento apical através do método da diafanização, em diferentes tipos de condutos. Foram selecionadas 21 raízes mesiais e 21 distais, num total de 42 raízes de molares decíduos inferiores extraídos recolhidos na Clínica de Odontopediatria da UFMA. Após o preparo químico-mecânico os condutos foram obturados com uma pasta a base de hidróxido de cálcio usando a técnica de obturação com lima ou com a lentulo. A avaliação radiográfica demonstrou que a menor necessidade de repetição da técnica ocorreu no grupo de raízes distais obturadas pela técnica da lima (30%) e a maior foi no grupo de raízes distais obturadas pela técnica da lentulo (70%). Com relação a capacidade de selamento apical não houve diferença significativa entre duas técnicas na obturação de raízes mesiais (p > 0,05). A infiltração apical das raízes distais obturadas pela técnica da lentulo foi maior quando comparada às distais obturadas pela técnica da lima, havendo diferença significativa (p = 0,01).

Pelos dados expostos podemos concluir que para canais mais amplos de dentes decíduos, como os distais dos molares no presente trabalho, a técnica da lima foi mais eficiente que a da lentulo.

 Pa141

Fatores envolvidos nos cuidados com a saúde bucal de bebês fissurados

SCHARDOSIM, L. R.*, BOSCO, V. L., ROCHA, R.

Odontopediatria - Universidade Federal de Santa Catarina. E-mail: lisandrears@hotmail.com

As fissuras labiopalatais são malformações congênitas que implicam numa reabilitação prolongada, onde a atuação precoce da Odontologia torna-se fundamental. Foi avaliado o grau de esclarecimento dos pais em relação à alimentação e à higiene bucal e o reflexo dessas informações nos cuidados com o filho fissurado, assim como outros fatores que afetaram a qualidade da higiene bucal. Após entrevistas com 60 pais de crianças fissuradas que procuraram o Hospital Infantil Joana de Gusmão (Florianópolis - SC), e de exame clínico intrabucal nas crianças, com idades entre zero e 36 meses de idade, verificou-se que 93,3% das mães ficou insatisfeita ou não recebeu informação sobre a fissura na maternidade, 78,3% desconhece os cuidados com a alimentação do bebê, 68,3% não realizava limpeza na fissura, 91,6% não havia sido ­orientada para fazê-la e 93,3% das crianças nunca havia sido avaliada por um CD.

Concluiu-se que há um desconhecimento dos pais sobre os cuidados com a alimentação e a higiene bucal da criança; o medo das mães em traumatizar a área da fenda e a falta de informação determinaram a ausência de higiene nessa região; a maioria dos pais deixou a maternidade despreparada e insatisfeita com as informações recebidas dos profissionais em relação à fissura e todas as crianças deste estudo revelaram-se altamente suscetíveis às doenças bucais.

 Pa142

Controle de infecção nos consultórios odontológicos do estado de São Paulo

ARANHA, A. M. F.*, PAWLOSKI, C. L. G., SANTOS-PINTO, L. A., PUTTAIAH, R., REDDY, A.

Clínica Infantil - Universidade Estadual Paulista. E-mail: amfaranha@hotmail.com

O cirurgião-dentista (CD) e as auxiliares odontológicas estão expostos a uma variedade de microorganismos durante a prática odontológica, os quais podem dar origem a diferentes doenças infecto-contagiosas. A proposta deste trabalho foi realizar um levantamento sobre controle de infecção nos consultórios odontológicos no estado de São Paulo. 195 questionários foram preenchidos, pelos próprios cirurgiões-­dentistas, sobre o conhecimento de certas doenças infecto-contagiosas e os produtos, métodos de desinfecção e esterilização utilizados em seus consultórios. Os resultados evidenciaram que os CD sabem dos riscos de infecção pela hepatite B, C ou D (98,5%) e pelo vírus da AIDS (75,9%). Os principais produtos utilizados para desinfecção são: hipoclorito de sódio (77,9%), glutaraldeído (91,8%) e gluconato de clorexidina (32,8%). O calor seco (77,9%), a esterilização química (63,1%) e a autoclave à vapor (56,9%) são os métodos mais comuns de esterilização. 68,7% dos CD afirmam que foram treinados para reconhecerem as manifestações bucais da AIDS e outras doenças infecciosas, entretanto, 99,5% acreditam na neces­sidade de atualização a respeito de controle de infecção e segurança no trabalho.

A maioria dos cirurgiões-dentistas conhece o risco de infecção de certas doenças infecciosas em seus consultórios, mas reconhece a necessidade de maiores informações a respeito de controle de infecção e segurança no trabalho.

 Pa143

Microbiota de dentes decíduos com lesão periapical e eficácia de curativos de demora à base de hidróxido de cálcio

PAZELLI, L. C.*, FREITAS, A. C., SOUZA-GUGELMIN, M. C. M., ASSED, S., ITO, I. Y.

Clínica Infantil - Universidade de São Paulo. E-mail: lupazelli@bol.com.br

O objetivo deste estudo foi avaliar, por meio de cultura bacteriológica, a prevalência de microrganismos em 31 canais radiculares de dentes decíduos de humanos com necrose pulpar e lesão periapical, assim como, comparar a ação antibacteriana das pastas Calen PMCC e Calen CHX-1,0% utilizadas como curativo de demora. A primeira colheita do material foi realizada antes do preparo biomecânico, para a determinação das unidades formadoras de colônias. Após o preparo biomecânico, efetuou-se a aplicação do curativo de demora mantido de 21 a 30 dias. Os canais radiculares permaneceram vazios por 48 a 72 horas, quando realizou-se a segunda colheita. Os resultados mostram que os microrganismos anaeróbios foram quantificados em 96,7% dos casos; os BPB em 35,5%; os aeróbios em 93,5%; os estreptococos em 96,7% e S. mutans em 48,4%. Não houve diferença estatisticamente significante entre os curativos avaliados. O número de microrganismos anaeróbios reduziram em 71,4 e 68,7%; BPB e S. mutans em 100,0% nos dois grupos; aeróbios em 57,2 e 46,7%; estreptococos em 64,3 e 56,2%, respectivamente para as pastas Calen PMCC e Calen CHX-1,0%. Em números quantificáveis, a pasta Calen PMCC apresentou eficácia em 53,3% dos casos e Calen CHX-1,0% em 37,5% dos casos.

Assim, pôde-se concluir que canais radiculares de dentes decíduos de humanos portadores de necrose pulpar e lesão periapical apresentam microrganismos em grande quantidade e que a aplicação do curativo de demora (Calen PMCC e Calen CHX-1,0%) apresentou atividade sobre a microbiota presente.

 Pa144

Avaliação do conhecimento e das práticas de saúde bucal em gestantes do município de Adamantina - SP

TIVERON, A. R. F.*, BENFATTI, S. V., BAUSELLS, J., MACUL, L. H. C., PELLI, P. G., MASSON, V., XAVIER, A. S. S., KISHIMOTO, E. A.

Clínica Odontológica - Universidade de Marília. E-mail: adelisa@terra.com.br

Por acreditarmos ser imprescindível que as futuras mães recebam informações sobre como prevenir-se das enfermidades que atacam sua boca e a de seus filhos, decidimos avaliar o conhecimento e as práticas em saúde bucal de um grupo de gestantes, com a pretensão de ser um ponto de partida para a introdução da educação em saúde bucal no pré-natal, onde não existe programa de orientação odontológica para gestante. Considerando que a população de Adamantina em 1996 era de 32.766 habitantes tomando como referência ROCHA (1993), onde o Mistério da Saúde diz ser a população genérica de gestantes de 4% do total de uma população, assumindo-se um erro de 3%, ficou estabelecida uma população estimada em torno de 170 gestantes, que foram entrevistadas e cujas idades variaram entre 13 e 41 anos, de nível sócio-econômico e cultural baixo. Foram abordadas questões, sobre cultura popular e gravidez, hábitos e práticas de autocuidado, busca de atenção odontológica, conhecimentos e práticas com relação à ­saúde bucal da criança. A análise dos resultados foram resumidas por meio de tabelas, porcentagens, média, desvio-padrão e gráficos. A tabulação e cálculo de médias e desvio-padrão dos achados foi através do programa computacional Epi Info 6.0.

Foi possível concluir que elas valorizam a saúde bucal, acreditando que os dentes permanentes duram a vida toda. A procura por atenção odontológica não é prioridade neste grupo, quase todas as gestantes não receberam orientação sobre saúde bucal durante o pré-natal. Por outro lado, o interesse e a preocupação demonstrados em 100% das gestantes, indica que a intervenção para a educação nesta fase encontrará uma reação positiva.

 Pa145

Microdureza da dentina subjacente à restaurações realizadas pelo TRA: projeto piloto

SANTIAGO, B. M.*, VENTIN, D. A., BARCELOS, R., PRIMO, L.

Odontopediatria e Ortodontia - Universidade Federal do Rio de Janeiro. E-mail: biasantiago@openlink.com.br

O presente trabalho objetivou avaliar a microdureza da dentina cariada subjacente à restaurações realizadas pelo Tratamento Restaurador Atraumático (TRA) com Fuji IX®. Foram selecionados 25 molares decíduos com lesões de cárie com 3 mm ou mais de abertura de crianças, cujos responsáveis forneceram o termo de consentimento livre e pós-esclarecido. A fim de realizar o teste de microdureza, os dentes foram radiografados, extraídos, respeitando-se o estágio 7 ou 8 de Nolla do sucessor permanente, e divididos conforme o tempo de permanência na cavidade bucal: Grupo 1 (“baseline”, extração imediata), Grupo 2 (30 dias), Grupo 3 (90 dias) e Grupo 4 (180 dias ou mais). Os 25 dentes foram incluídos em resina epoxídica, seccionados no sentido mésio-distal (MD) e preparados metalograficamente. A análise de microdureza Knoop (Micromet 2003; 10 g por 15 s) foi realizada, produzindo identações em três áreas de dentina: Zona 1 (logo abaixo da restauração), Zona 3 (o mais próximo possível a polpa) e Zona 2 (região intermediária entre 1 e 3). Os dados obtidos foram tratados estatisticamente por análise de variância (ANOVA) e pelo teste t pareado. Não foi observada diferença significativa entre as zonas, dentro dos grupos. As Zonas 1 e 2 apresentaram aumento significativo de microdureza (p < 0,05) em função do tempo, exceto para o Grupo 3 (p > 0,05).

Diante das amostras avaliadas, concluiu-se que a microdureza da dentina abaixo de restaurações realizadas através da técnica do TRA aumenta no decorrer do tempo. (Projeto aprovado pelo Comitê de Ética NESC/UFRJ sob parecer de nº 061/01.)

 Pa146

Avaliação in situ da remineralização, em esmalte bovino, usando dentifrício fluoretado associado ou não à profilaxia

MARTA, S. N.*, LIMA, J. E. O.

Odontopediatria e Ortodontia - Universidade de São Paulo. E-mail: martafilho@uol.com.br

O objetivo deste trabalho foi avaliar, in situ, o potencial de remineralização do dentifrício fluoretado (DF) associado ou não à profilaxia profissional com jato de bicarbonato de sódio (P/DF), em esmalte bovino com lesão superficial artificial de cárie. Utilizou-se 60 blocos de esmalte (4 x 4 x 2 mm), nos quais realizou-se medidas de microdureza superficial antes e após a desmineralização artificial e após o tratamento, com um penetrador Knoop carga de 50 g/7 s, para o cálculo do percentual de recuperação de dureza (% de remineralização). Após as tomadas das 2 medidas de microdureza iniciais, os blocos de esmalte foram incluídos em dispositivos intrabucais palatinos (2 blocos/aparelho). Dez jovens, com fluxo salivar normal, usaram este dispositivo durante 10 dias com intervalo de 7 dias entre cada fase do experimento (estudo cruzado), realizando higiene oral 4 X/dia, após refeições. Estabeleceu-se 3 grupos: G1 - controle - escovação com dentifrício sem flúor (Ds/F); G2 - escovação com DF (1.500 ppm MFP); G3 - antes da instalação do dispositivo realizou-se uma profilaxia com jato de bicarbonato de sódio e, escovação com DF. A análise de variância mostrou diferenças entre os grupos (Kruskal-Wallis, p = 2,03 ´ 10-7), que foi localizada entre G1/G2 e G1/G3 (Student-Newman-Keuls - p < 0,05), sendo que não houve diferença estatisticamente significativa entre os grupos 2 e 3.

O autores concluíram que a associação profilaxia/dentifrício fluoretado não foi mais eficaz para a remineralização do que o dentifrício fluoretado; a remineralização, embora em menor proporção, também ocorreu no grupo Ds/F.

 Pa147

Efetividade clínica do formocresol em pulpotomia de dentes decíduos: revisão sistemática e metanálise

COSTA, L. R. R. S.*, LEMOS, V. C. D.

Prevenção e Reabilitação Oral - Universidade Federal de Goiás. E-mail: plcosta@terra.com.br

O objetivo deste trabalho foi avaliar a efetividade clínica do formocresol em pulpotomias de dentes decíduos através de revisão sistemática e metanálise. Tendo como fonte dos dados as bases Medline, Lilacs, Biblioteca Cochrane e BBO, foram incluídos ensaios clínicos controlados, randomizados ou não, que tratavam de pulpotomia em molares decíduos humanos. Duas revisoras conduziram de forma independente a seleção dos trabalhos e decidiram sobre sua validade conforme os critérios estabelecidos por GUYATT et al., sendo que 46 estudos foram avaliados. Os 17 artigos considerados válidos mostraram que, comparado a outros materiais/técnicas, o uso do formocresol em pulpotomia de dentes decíduos apresentou odds ratio 0,31 (intervalo de confiança 95% - 0,17-0,57). Quanto à ocorrência de anomalias de esmalte nos dentes permanentes sucessores aos pulpotomizados com formocresol, a odds ratio foi 1,68 (intervalo de confiança 95% 1,15-2,45). As demais comparações (tempo de acompanhamento, concentração do formocresol, diagnóstico pulpar) não mostraram diferenças estatisticamente significantes.

A efetividade clínica do formocresol foi superior ao capeamento pulpar indireto e à pulpotomia com sulfato férrico. Pré-molares sucessores a molares decíduos pulpotomizados apresentaram maior ocorrência de hipomineralização ou hipoplasia de esmalte.

 Pa148

Qualidade de vida infantil: influência dos hábitos de higiene oral e do acesso aos serviços odontológicos

BARRÊTTO, E. P. R.*, PORDEUS, I. A., FERREIRA, E. F., PAIVA, S. M.

Odontopediatria e Ortodontia - Universidade Federal de Minas Gerais. E-mail: lilident@uai.com.br

Sob a ótica da promoção de saúde, a relação entre saúde bucal e qualidade de vida tem sido motivo de atenção dos profissionais da Odontologia, principalmente pela relevância da dor de dente e dos impactos físico e psicossocial que ela acarreta na vida das pessoas. O objetivo deste estudo foi avaliar indiretamente a influência do estilo de vida sobre a prevalência de dor de dente (PDD), analisando as variáveis hábitos de higiene oral (HO) e acesso aos serviços odontológicos. Participaram 62 crianças (1 a 6 anos) do Centro Educacional Caminhos para o Futuro, Belo Horizonte/MG (parecer COEP/UFMG180/01). Enviou-se um questionário aos responsáveis, com retorno de 81% (n = 50). Utilizaram-se os testes estatísticos para comparação de proporções e c2 (p < 0,05). A PDD encontrada na amostra (20%) apresentou associação com a realização de escovação e uso de dentifrício (p < 0,001). Já com um maior número de escovações/dia e uso de fio dental não houve associação (p > 0,05), apesar da freqüência relativa destes 2 itens ter sido superior entre as crianças que não tiveram dor. A PDD também foi menor entre as crianças que já haviam ido ao dentista alguma vez (p < 0,001), entre as que realizaram consulta odontológica no último ano (p < 0,025) e entre aquelas cujas mães receberam orientação profissional sobre HO (p < 0,001).

Ficou claro que os cuidados de higiene oral, bem como o acesso aos serviços odontológicos repercutiram em uma baixa prevalência de dor de dente nas crianças estudadas, demonstrando que o estilo de vida pode influenciar positivamente a qualidade de vida. (Apoio: CNPq.)

 Pa149

Traumatismos em dentes decíduos e suas possíveis seqüelas nos sucessores permanentes

SEBBA, S. P.*, TOLEDO, O. A., AMORIM, L. F. G.

Ciências da Saúde - Universidade de Brasília. E-mail: spsebba@uol.com.br

O objetivo do trabalho é oferecer informações sobre aspectos da traumatologia dental, apresentando um estudo em dentes decíduos sobre prevalência, tipos e a ocorrência de seqüelas ao próprio dente decíduo e ao permanente relacionando-as aos tipos de traumatismos e ao tratamento odontológico recebido. A amostra constou de 1.084 fichas clínicas de crianças e adolescentes que procuraram os serviços odontológicos de uma clínica particular na cidade de Goiânia. Foram encontradas injúrias em 228 pacientes, com 356 dentes traumatizados, correspondendo a 21% tendo sido considerados decíduos e permanentes. Em 57% dos casos foi registrado traumatismo em apenas um dente. Foi observado que 65% dos acidentes deram-se na faixa etária inferior a seis anos. Encontrou-se que 91,1% dos dentes decíduos afetados foram incisivos centrais superiores e a idade mais prevalente foi a de dois anos correspondendo a 35% das crianças. Considerando dentes decíduos, o tipo de traumatismo mais encontrado foi a subluxação, atingindo 44,9%. Foi encontrada uma porcentagem de 57,5% de dentes que necessitaram de tratamento imediato após sofrerem injúrias traumáticas e em 41% dos dentes traumatizados foi necessário algum tipo de tratamento tardio. Em 30,5% dos casos, não houve qualquer conseqüência com o próprio dente traumatizado. A necrose pulpar e a reabsorção radicular patológica responderam por 40,0% dos prejuízos que afetaram a primeira dentição traumatizada. Foram registradas seqüelas nos sucessores dos dentes decíduos traumatizados em 21% do total de dentes permanentes irrompidos, sendo a hipoplasia o distúrbio mais prevalente.

 Pa150

Perfil dos funcionários de uma instituição para portadores de deficiência quanto aos cuidados adotados com saúde bucal

OLIVEIRA, A. C. B.*, PAIVA, S. M., PORDEUS, I. A.

Odontopediatria e Ortodontia - Universidade Federal de Minas Gerais. E-mail: anacristina14@hotmail.com

Alunos de instituições especializadas em crianças com deficiência possuem grande convívio com toda a equipe multidisciplinar que trabalha no local. Deste modo, este trabalho objetivou analisar o conhecimento dos funcionários de uma instituição para alunos portadores de deficiência, sobre os cuidados com a saúde bucal de crianças com deficiências físicas e/ou mentais. Participaram da pesquisa 36 funcionários (idade média: 35 anos) da APAE (Associação de Pais e Amigos do Excepcional) da cidade de Belo Horizonte - MG. O grupo analisado foi composto por: assistentes sociais, professores, orientadores, médicos, fisioterapeutas, psicólogos, fonoaudiólogos e auxiliar de enfermagem. Os dados foram coletados através de um questionário estruturado relacionado ao tema proposto, acompanhado de um termo de consentimento. A análise estatística foi realizada através do programa Epi Info (versão 6.04). Do total de entrevistados, 83,3% afirmaram observar o estado de saúde bucal do aluno da APAE (p = 0,000). Todos relataram que um problema bucal pode interferir na saúde geral da pessoa. A maioria (62,5%) afirmou que o tipo de merenda servido na APAE pode influenciar a saúde bucal do aluno (p = 0,023). Entre todos os participantes, 97% relataram que gostariam de obter mais informações sobre a saúde bucal de crianças com deficiência.

Baseado neste estudo, os funcionários da APAE-BH demonstraram um conhecimento satisfatório sobre saúde bucal, sendo que a maioria mostrou interesse e preocupação com a saúde bucal do aluno portador de deficiência, além de desejar mais conhecimento sobre o tema.

 Pa151

Características sócio-econômico-culturais de crianças brasileiras e norte-americanas infectadas pelo HIV

GRANDO, L. J.*, YURGEL, L. S., MACHADO, D. C., NACHMAN, S., FERGUSON, F.,
BERENTSEN, B.

Patologia - Universidade Federal de Santa Catarina. E-mail: lgrando@hotmail.com

A AIDS causa anormalidades imunológicas, afetando a estrutura econômica e psico-emocional familiar. Níveis baixos de compreensão/instrução dos pais ou familiares, podem comprometer a adesão da criança ao tratamento, levando a piores condições de saúde. Objetivos: levantar as características sócio-econômico-culturais de crianças infectadas pelo HIV e suas famílias, relacionando-as com a presença ou não de manifestações estomatológicas da AIDS. Materiais e Método: o trabalho foi aprovado pelos Comitês de Ética e Pesquisa. A amostra de 184 crianças, ambos os sexos, zero a 13 anos, foi examinada nos Hospitais de Clínicas (HC) e São Lucas (HSL) - Porto Alegre, Brasil e no University Hospital (UH)/SUNY at Stony Brook - New York, EUA. Os dados foram analisados pelo qui-quadrado, t de Student e análise de variância. Resultados: dos 184 pacientes, 63,59% eram do HC, 22,28% do UH e 14,13% do HSL. Na amostra brasileira: 42,66% residiam com a mãe, 24,48% com familiares e 12,59% com pais adotivos; 53,85% das famílias ganhavam até 5 salário; 97,20% adquiriram o HIV por transmissão vertical. Na amostra norte-americana: 56,10% foram adotados; todas as famílias ganhavam até U$1.000,00/mês; 97,56% adquiriram o HIV por transmissão vertical. No Brasil a freqüência de crianças com manifestações estomatológicas (72,73%) foi maior que nos EUA (53,66%).

Conclusões: condições sócio-econômico-culturais, estrutura e renda familiar, acesso a informação sobre AIDS, acesso aos serviços de saúde e a boa aderência aos esquemas terapêuticos, influenciaram na saúde geral e bucal das crianças.

 Pa152

Estudo da resistência de união de três técnicas de retenção intracanal utilizadas em dentes decíduos anteriores

PITHAN, S. A.*, VIEIRA, R. S.

Ciências da Saúde - Universidade Federal de Santa Catarina. E-mail: silpithan@yahoo.com.br

O objetivo do trabalho foi avaliar, in vitro, a resistência à tração de três tipos de retentores intracanal usados em dentes decíduos anteriores. Utilizaram-se 48 dentes que foram divididos em 3 grupos, conforme o tipo de retenção que receberam. Removeu-se 4 mm da obturação do canal; confecionou-se um tampão de ionômero de vidro Vidrion C (SS White); e, prepararam-se as raízes para receber retenções intracanal com o auxílio de pontas diamantadas número 4137 (KG Sorensen), sendo de 3 mm a profundidade dos preparos. Todos os grupos receberam condicionamento com ácido fosfórico a 37% no interior e na entrada dos canais raiculares; aplicação do adesivo Single Bond (3M). O Grupo I recebeu retenção intracanal e núcleo de resina composta, Filtek Z250 (3M); o Grupo II, retenção intracanal de fio ortodôntico 0,6 mm (gama), fixada com resina composta Filtek Z250 (3M) e núcleo da mesma resina; e, o Grupo III, retenção intracanal de pino de fibra de vidro + resina composta Fibrekor Post (Jeneric/Pentron) de 1,25 mm de diâmetro, fixada com a mesma resina utilizada anteriormente. As raízes foram embutidas em blocos individuais de resina acrílica e amazenadas em soro fisiológico até a realização do teste. Os corpos-de-prova foram submetidos ao teste de resistência à tração numa máquina de ensaio universal (Instron). Aplicando-se a análise estatística (ANOVA) nos resultados constatou-se não haver diferença estatisticamente significante entre os grupos.

O tipo de retenção intracanal utilizada não interferiu na força de união sob tração; a falha adesiva predominou nas amostras (74%).

 Pa153

Efeitos do tipo de broca e da aplicação do “primer” de um cimento de ionômero de vidro sobre a dentina de dentes decíduos

SHINTOME, L. K.*, MYAKI, S. I., RAMOS, C. J., ARANA-CHAVEZ, V. E.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual Paulista. E-mail: lushintome@ig.com.br

O objetivo deste estudo in vitro foi avaliar a capacidade do “primer” do cimento de ionômero de vidro modificado por resina (Vitremer - 3M) de modificar a lama dentinária formada pelo uso de uma broca diamantada ou “carbide”. Foram selecionados 10 dentes decíduos anteriores, clinicamente hígidos, esfoliados naturalmente, armazenados em solução fisiológica à temperatura ambiente. A superfície dentinária da face vestibular dos dentes decíduos anteriores foi exposta pelo uso de uma broca “carbide” (nº FG 556 - Beavers) ou uma broca diamantada (nº 1090 - Metalúrgia Fava), em alta velocidade sob refrigeração com água. Uma metade de cada superfície recebeu a aplicação do “primer” por 30 s, seguido de lavagem por 20 s. A outra metade não foi condicionada. Todas as amostras foram desidratadas, montadas em bases metálicas e cobertas com ouro para avaliação ao microscópio eletrônico de varredura (Jeol, JSM- 6100). Os resultados demonstraram a formação da lama dentinária independente do tipo de broca. A utilização do “primer” modificou a lama dentinária com maior eficiência nas superfícies preparadas com brocas “carbide”.

Concluiu-se que o uso da broca “carbide” seguido da utilização do “primer” propiciou uma superfície dentinária mais regular além de uma remoção mais evidente da lama dentinária.

 Pa154

Avaliação do conhecimento dos médicos pediatras sobre a saúde bucal de seus pacientes

MARTINHON, C. C. R.*, BOSCO, V. L.

Ortodontia, Odontopediatria e Saúde Coletiva - Universidade de São Paulo. E-mail: pityccrm@terra.com.br

Após aprovação pelo Comitê de Ética da UFSC, foi enviado um questionário a 108 médicos pediatras de Florianópolis, contendo perguntas abertas e fechadas (34 questões) relacionadas à cárie bucal. Observou-se que 68,42% dos pediatras sabiam que a cárie é uma doença transmissível, mas somente 5,26% correlacionaram os fatores principais para o seu aparecimento; 7,89% consideraram importantes para o desenvolvimento da cárie a ausência de limpeza associada à amamentação noturna, a ausência de flúor na água de abastecimento e o alto consumo de carboidratos. Em 28,95% dos casos, a indicação para a primeira visita ao dentista aconteceu por volta do primeiro ano de vida da criança e cerca de 42,11% costuma fazer orientações sobre escovação dental, uso do fio dental, do flúor e sobre a dieta dos pacientes; 31,58% consideraram insuficiente os seus conhecimentos sobre saúde bucal.

Por ser o médico pediatra o 1º profissional a ter contato com a criança e seus pais, torna-se imprescindível a sua atenção precoce junto à divulgação e estímulo para a prevenção da cárie. Ainda existe uma lacuna a ser preenchida devendo ser maior a interação entre os profissionais da Saúde para o cuidado integral dos pacientes, visando à promoção de saúde.

 Pa155

Estudo transversal da evolução da dentição decídua

CASTRO, L. A.*, MODESTO, A., SOVIERO, V. L., VIANNA, R.

Odontopediatria e Ortodontia - Universidade Federal do Rio de Janeiro. E-mail: liana@centroin.com.br

O objetivo desse estudo foi avaliar as características da dentição decídua (forma dos arcos dentários, sobressaliência e sobremordida) de crianças de 6 a 39 meses de idade e associá-las com gênero, fases da dentição decídua e hábitos de sucção nutritivos e não nutritivos. Cento e oitenta e cinco crianças matriculadas em quatro creches do município do Rio de Janeiro - RJ foram avaliadas sob luz natural por um examinador. Após os exames, 127 pais/responsavéis foram entrevistados pelo examinador. Não houve associação entre gênero e as características estudadas. Houve associação entre fase da dentição com forma triangular do arco superior e com os graus de sobressaliência e de sobremordida (qui-quadrado, p < 0,001). O uso da chupeta foi o hábito mais prevalente (n = 78, 62,9%), enquanto a sucção de dedo ocorreu em 15 crianças (12,1%). As principais associações encontradas foram: aleitamento natural prolongado com arco arredondado (Mann-Whitney, p = 0,04) e com menor freqüência de MAA (teste exato de Fisher, p = 0,003); padrão acentuado de sucção de chupeta com arco superior triangular e com MAA (qui-quadrado, p = 0,01 e 0,0003); aleitamento artificial prolongado com arco superior triangular (Mann-Whitney, p = 0,02).

Verificou-se que o aleitamento natural contribuiu para uma oclusão adequada e que as maloclusões são mais prevalentes após a erupção e oclusão dos primeiros molares decíduos.

 Pa156

Estudo clínico comparativo dos efeitos de dois tipos de recuperadores de espaço removíveis inferiores

COSTA, C. C.*, ALMEIDA, I. C. S., LOCKS, A., COSTA FILHO, L. C.

Estomatologia - Universidade Federal de Santa Catarina. E-mail: caucosta@yahoo.com

O objetivo do presente estudo foi avaliar comparativamente os resultados obtidos pela utilização do sela fendida e do parafuso distalizador, dispositivos indicados para recuperação de espaço, em crianças na fase de dentadura mista, com perdas precoces de molares decíduos inferiores. Vinte pacientes, dos quais nove apresentavam perda dentária unilateral e 11, bilateral, totalizaram os 31 casos analisados. Os dispositivos foram distribuídos aleatoriamente, sendo 15 casos tratados com o sela fendida e 16, com o parafuso distalizador. Através de modelos de gesso, pôde-se verificar que não houve diferença estatística quanto ao espaço recuperado pelos dispositivos, porém, como o parafuso distalizador foi usado por um menor período de tempo, a sua velocidade de recuperação de espaço foi estatisticamente superior a da sela fendida. Com telerradiografias cefalométricas em norma lateral, evidenciou-se que ambos os dispositivos provocaram inclinação vestibular dos incisivos, e distal dos primeiros molares permanentes, indicando que a recuperação do espaço esteve relacionada, principalmente, à verticalização desses dentes. A ocorrência de lesão na mucosa bucal foi evidenciada apenas em crianças com perdas bilaterais e presença de grampo circunferencial no aparelho.

Foi possível concluir que ambos os dispositivos podem ser utilizados na recuperação de espaço no arco inferior, e que o parafuso distalizador deve ser priorizado nos casos em que o fator tempo se faz relevante, pois recuperou uma quantidade de espaço semelhante a da sela fendida num período cerca de vinte dias menor.

 Pa157

Influência de diferentes meios de armazenamento para dentes extraídos em testes de resistência à tração

WALKER, M. M. S.*, IMPARATO, J. C. P., NAUFEL, F. S., SCHIMITT, V. L., SOUZA, R. O., CHAVES, L. P.

Faculdade de Odontologia - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. E-mail: walker@certto.com.br

O objetivo deste estudo foi avaliar a influência de diferentes meios de armazenamento para dentes decíduos extraídos, em testes de resistência adesiva à tração. 64 molares decíduos, recém-extraídos e secos, livres de cárie e com reabsorção radicular compatível com a época de esfoliação, foram distribuídos em 8 grupos e armazenados nas seguintes condições: Grupo 1: em água, sob refrigeração, por 90 dias; Grupo 2: congelados em água, por 90 dias; Grupo 3: em solução salina fisiológica, sob refrigeração, por 90 dias; Grupo 4: congelados em solução salina fisiológica, por 90 dias; Grupo 5: em formol 10%, sob refrigeração, por 180 dias; Grupo 6: em solução de azida de sódio 0,4%, sob refrigeração, por 180 dias; Grupo 7: dentes secos; Grupo 8: dentes secos e reidratados em água, por 1 semana. Os materiais restauradores utilizados foram resina composta Tetric Ceram (Vivadent) e adesivo Excite (Vivadent), segundo as recomendações do fabricante. Após a inclusão dos dentes em resina acrílica, as superfícies vestibulares foram aplaina­das, com lixas d’água de granulação 180 à 600, até a obtenção de dentina superficial, e confeccionados os corpos-de-prova. As amostras foram armazenadas em água, à temperatura ambiente, por 24 horas e realizados ensaios de tração. Foi aplicada a análise estatística ANOVA e teste de Tukey.

Os resultados mostraram diferenças, estatisticamente significantes, entre os tratamentos dos 8 grupos, com valores médios de tração entre (11,880 MPa), para o Grupo 2, e (23,095 MPa), para o Grupo 5.

 Pa158

Influência de diferentes meios de armazenamento para dentes extraídos em testes de microinfiltração marginal

CHINCHILLA PIMENTA, R. A.*, IMPARATO, J. C. P.

Clínica Infantil - Universidade Paulista. E-mail: robertach@uol.com.br

A finalidade desta pesquisa foi avaliar os graus de microinfiltração marginal nas paredes cervical e incisal em restaurações feitas na face vestibular de caninos superiores decíduos humanos extraídos e conservados em diferentes soluções de armazenamento para dentes do bancos de dentes, utilizando um sistema adesivo e resina composta. Sete grupos foram formados, cada qual com oito corpos-de-prova classificados de acordo com o tipo de armazenamento: água de abastecimento sob refrigeração; água de abastecimento congelada; solução salina a 0,9% sob refrigeração; solução salina a 0,9% congelada; solução neutra de formol a 10%; dentes secos e dentes reidratados. Em cada corpo-de-prova foi realizado um preparo cavitário classe V na face vestibular, totalizando 56 restaurações. Foi realizada, então a ciclagem térmica. Em seguida, os dentes foram impermeabilizados e colocados em solução aquosa de nitrato de prata a 50% por 8 horas. Os corpos-de-prova foram expostos a uma lâmpada “photoflood” de 250 Watts por 5 minutos para revelar o nitrato de prata. O processo de avaliação foi realizado por meio de um método visual, utilizando-se fotografias 10 x 15 cm que foram observadas por 3 examinadores.

Os resultados permitiram concluir que, submetendo-se o grau médio de microinfiltração conferido por diferentes examinadores, ao teste de Kruskal-Wallis, a microinfiltração é significantemente maior na cervical do que na incisal de dentes extraídos, e que o teste estatístico não detectou diferenças no efeito das soluções sobre o grau de microinfiltração nas paredes incisal e cervical.

 Pa159

Análise funcional da oclusão decídua: avaliação dos ângulos de Bennett e da trajetória condilar

BONJARDIM, L. R.*, GAVIÃO, M. B. D., SILVA, F. A., CHELOTTI, A.

Ciências Fisiológicas - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: lbonjardim@yahoo.com.br

O objetivo deste estudo foi analisar funcionalmente a oclusão decídua, determinando os ângulos de ­Bennett e da trajetória condilar, através do registro dos movimentos mandibulares no plano horizontal obtidos pelo arco gótico de Gysy, utilizando-se articulador semi-ajustável. A amostra consistiu de 20 crianças de 3,5 a 5,5 anos de idade com oclusão morfofuncional normal, distribuídas em dois grupos: Grupo I constituído de 10 crianças com arcos espaçados e Grupo II de 10 crianças com arcos não-espaçados. Os resultados foram submetidos à análise estatística descritiva e as médias entre os lados direito e esquerdo e entre os grupos foram comparadas através do teste t de Student. Os resultados mostraram que para o Grupo I as médias e os erros padrões das médias do ângulo de Bennett foram de 13,08º ± 0,98 para o lado direito e 14,41º ± 1,15 para o esquerdo (média geral 13,75º ± 0,75) e para o Grupo II foram, respectivamente, de 11,75º ± 1,79 para o lado direito e 13,25º ± 0,93 para o esquerdo (média geral 12,50º ± 1,00), sem diferença estatisticamente significativa (p > 0,05). Os valores para a angulação da trajetória condilar foram para o Grupo I de 1,83º ± 0,57 para o lado direito e 1,91º ± 0,56 para o esquerdo (média geral 1,87º ± 0,39); para o Grupo II foram de 4,41º ± 1,83 para o lado direito e 4,41º ± 1,82 para o esquerdo (média geral 4,41º ± 1,26), sem diferença estatisticamente significativa (p > 0,05).

Concluiu-se que não houve diferença entre os ângulos de Bennett e da trajetória condilar dos lados ­direito e esquerdo, nem entre arcos espaçados e não-espaçados na amostra avaliada. (Apoio: CAPES/­ FAPESP.)

 Pa160

Estudo da prevalência de traumatismo na dentição decídua em pré-escolares do município de Canoas - RS

ZEMBRUSKI, C.*, KRAMER, P. F., FERREIRA, S. H., MEIRA, R.

Odontopediatria - Universidade Luterana do Brasil. E-mail: czembruski@ig.com.br

O presente estudo propôs-se a verificar, através do exame clínico visual, a prevalência e a distribuição das injúrias traumáticas na dentição decídua de crianças de zero a seis anos de idade matriculadas nas Escolas de Educação Infantil do Município de Canoas/RS. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa. Foram examinadas 1.545 crianças, de ambos os sexos, e a prevalência de traumatismos observada foi de 35,5%, sendo que a faixa etária de três a quatro anos apresentou maiores evidências clínicas de injúrias traumáticas, sem diferença significativa entre o sexo masculino e feminino. O incisivo central superior (80,5%) foi o dente mais atingido, sem diferença significativa entre o lado esquerdo e direito, sendo mais freqüente o envolvimento de apenas um dente (70%) por paciente. As injúrias traumáticas mais freqüentes foram: fratura de esmalte (75,5%), alteração de cor (10%), fratura de esmalte e dentina (7,2%), avulsão (3%), luxação intrusiva (1,5%), subluxação (1,2%), luxação lateral (0,8%), luxação extrusiva (0,5%) e fratura de esmalte e dentina com exposição pulpar (0,3%), sendo que não foi observada diferença significativa entre o sexo masculino e feminino ou entre as diferentes faixas etárias.

A partir dos dados coletados é possível identificar grupos de risco, estabelecer a demanda de necessidades curativas e planejar formas de prevenção e tratamento em nível coletivo e individual.

 Pa161

Desenvolvimento transversal dos arcos nas dentições decídua, mista e permanente

DI NICOLÓ, R.*, BARBOSA, C. S., MENEZES, A. C. S. C.

Odontologia Social e Clínica Infantil - Universidade Estadual Paulista. E-mail: nicolo@fosjc.br

O objetivo deste estudo foi o de acompanhar o desenvolvimento transversal dos arcos durante os períodos das dentições decídua, mista e permanente através de um estudo longitudinal envolvendo 90 pacientes. Desta forma, 180 modelos de estudo superiores e inferiores foram selecionados do acervo da The University of Michigan Elementary and Secondary School Growth Study (UMGS), totalizando 540 modelos. Nenhum dos pacientes foi submetido a qualquer tipo de tratamento restaurador ou ortodôntico. A mensuração da largura dos arcos superior e inferior (distância intermolar) foi executada na dentição decídua, mista e permanente com auxílio de um sistema de mensuração computadorizado ((Bioscan OPTIMAS Imaging System, Seattle, Washington). Para a maxila os valores encontrados, em média, para a largura dos arcos foram 27,91 mm na dentadura decídua, 33,31 mm para a dentadura mista e 33,60 mm para a dentadura permanente. Para a mandíbula os valores encontrados, em média, para a largura dos arcos foram 26,19 mm na dentadura decídua, 31,76 mm para a dentadura mista e 31,74 mm para a dentadura permanente.

Houve um aumento transversal dos arcos superior e inferior em aproximadamente 5,5 mm desde o período da dentição decídua até atingir a dentição permanente.

 Pa162

Avaliação da dureza e dos compostos presentes após aplicação de fluoreto de diamino prata a 30% – estudo in vitro

CARDOSO, L.*, ALMEIDA, I. C. S., QUEIROZ, R. U.

Odontologia - Universidade Luterana da Brasil. E-mail: cardosoluciana@hotmail.com

Este estudo in vitro avaliou a dureza superficial e os compostos presentes em blocos de esmalte de molares decíduos desmineralizados artificialmente após a aplicação da solução de fluoreto de diamino prata a 30%. A amostra foi constituída por 96 blocos de esmalte que foram submetidos ao teste de dureza Vickers, com uma carga preestabelecida de 50 gramas aplicada por 15 segundos, divididos em três grupos e avaliados: imediatamente após a aplicação da solução (A), 14 (B) e 30 dias (C) da aplicação, imersão e armazenamento dos blocos em saliva artificial. Além desse teste, oito blocos de cada grupo foram avaliados pelo método da difração de raios X para determinação dos compostos presentes na superfície após a aplicação da solução. Os resultados mostraram que houve um aumento percentual estatisticamente significante (p < 0,01) na dureza em todos grupos após a aplicação da solução e todos os grupos apresentaram equivalência estatística entre si, entretanto, o grupo C, mostrou um nível de dureza maior do que os blocos dos grupos A e B, contudo, sem diferença estatisticamente significante (p = 0,31). Em relação aos compostos presentes, observou-se a formação de apatita modificada, em que parte dos íons cálcio desta estrutura foram, provavelmente, substituídos por átomos de prata, além de haver a formação de estruturas de proteína ligada à prata e de fluoreto de cálcio.

Após a aplicação da solução, observou-se aumento da dureza superficial em todos os grupos e formação de estruturas de proteína ligada à prata de de fluoreto de cálcio.

 Pa163

Comparação entre a cronologia de erupção dos dentes decíduos de crianças fissuradas e não-fissuradas

DUQUE, C.*, DALBEN, G. S., ARANHA, A., CARRARA, C. F. C., COSTA, B., GOMIDE, M. R.

Odontopediatria - Universidade de São Paulo. E-mail: cristianeduque@yahoo.com.br

A proposta desse estudo transversal foi determinar a cronologia de erupção dos dentes decíduos de ­crianças portadoras de fissura completa de lábio e palato unilateral e comparar os resultados obtidos com aqueles observados em crianças brasileiras não-fissuradas. Através de exame clínico da cavidade bucal, foram avaliadas 435 crianças brasileiras, leucodermas, de ambos os sexos, na faixa etária de 0 a 48 meses, regularmente matriculadas no HRAC-USP. Para a determinação das idades médias de erupção, os dados foram tabulados separadamente para cada sexo e maxilares, divididos em lado fissurado e não-fissurado. Pela aplicação do método de Kärber, foramcalculados a média, o desvio-padrão, o erro-padrão e o intervalo de confiança a 95% da média de erupção de cada dente, para cada sexo e de acordo com a divisão dos maxilares. As idades médias de erupção da maioria dos dentes decíduos das crianças portadoras de fissura foram maiores em relação àquelas obtidas para crianças não-fissuradas, para ambos os sexos e hemiarcos.

Os resultados sugerem a possível interferência da fissura lábio-palatal na cronologia de erupção dos dentes decíduos.

 Pa164

Influência do tempo de condicionamento ácido e de 2 sistemas de união na espessura da camada híbrida, de dentes decíduos

CALDO-TEIXEIRA, A. S.*, PUPPIN-RONTANI, R. M., SINHORETI, M. A. C.,
CORRER-SOBRINHO, L.

Odontologia Infantil - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: angelascarparo@hotmail.com

Este estudo teve por objetivo avaliar a influência do tempo de condicionamento ácido e de dois sistemas de união na espessura da camada híbrida formada em dentes decíduos. Foram empregados 15 molares decíduos, divididos de acordo com o tempo de condicionamento ácido (7, 15 e 20 s) e subdivididos de acordo com o sistema de união (Scotchbond Multi-Purpose e Prime & Bond 2.1). Os dentes foram lixados, na superfície oclusal até a obtenção de uma superfície plana em dentina. Após realizado o processo adesivo, de acordo com as instruções do fabricante (exceto pelos tempos de condicionamento), a superfície foi restaurada com resina composta Z100. Terminado o procedimento restaurador, a amostra foi seccionada longitudinalmente, pelo centro da restauração, e em seguida processada para avaliação em microscopia eletrônica de varredura (MEV). A avaliação em MEV foi feita a partir da obtenção de 3 medidas em micrometros (mm) da camada híbrida, para cada amostra, resultando em 15 mensurações por grupo. Os dados foram submetidos ANOVA e teste de Tukey (p < 0,05). De acordo com os resultados obtidos, pôde-se observar que: 1 - não houve diferença estatisticamente significativa entre os tempos de 15 e 20 s (3,86 mm e 4,37 mm, respectivamente), enquanto o valor encontrado para o tempo de 7 s foi de 3,07 mm; 2  -  não houve diferença estatisticamente significativa entre os materiais utilizados.

Desta forma, pôde-se concluir que quanto maior o tempo de condicionamento ácido mais espessa é a camada híbrida, independente do sistema de união utilizado neste estudo. (Apoio financeiro: FAPESP - 99/07551-3.)

 Pa165

Análise observacional dos bicos de mamadeira utilizados por crianças de 0 à 71 meses, Florianópolis - SC

CZERNAY, A. P. C.*, BOSCO, V. L.

Odontologia - Universidade Federal de Santa Catarina. E-mail: apczernay@hotmail.com

Considerando a importância da utilização de bicos adequados quando do uso de mamadeiras, este estudo objetivou analisar através de observação direta, 215 bicos utilizados por crianças de zero a 71 meses, quanto a forma (anatômico ou não); presença de apoio adequado para os lábios; comprimento; e quanto a localização (porção superior ou extremidade) e tamanho (alterado ou não) do orifício. Observou-se ainda, o estado de conservação dos bicos em relação a textura da borracha, se rasgados ou perfurados. Através do envio de correspondências aos pais, foi solicitado que enviassem um bico de mamadeira utilizado pela ­criança, a ser avaliado e posteriormente devolvido. Os dados obtidos foram registrados em ficha apropriada, sendo que o comprimento dos bicos foi medido com paquímetro digital, da extremidade ao limite do apoio (porção intrabucal), e a textura da borracha, avaliada por pressão digital, sendo considerada inadequada se aderente quando pressionada. Verificou-se que 86,05% dos bicos não eram anatômicos; 73,02% não apresentaram apoio adequado para os lábios; 96,28% eram demasiadamente longos (mais de 15 mm); 69,30% apresentaram orifício alterado e localizado na extremidade em 86,05% dos bicos. Quanto a conservação, 15,81% apresentaram textura alterada, 19,07% encontraram-se rasgados e 4,65% perfurados.

A maioria dos bicos foram considerados inadequados em quase todos os aspectos analisados e apesar de melhores resultados terem sido verificados em relação a conservação, alguns apresentaram-se totalmente impróprios para uso.

 Pa166

Susceptibilidade ao hidróxido de cálcio de microrganismos isolados em dentes com polpa necrótica

GOLDMANN, M. C. V.*, GAETTI-JARDIM JR., E., RUSSO, M. C., BENFATTI, S. V., BAUSSELLS, J.

Microbiologia - Univeridade Estadual Paulista e Universidade de Marília. E-mail: mcvg@terra.com.br

O presente estudo teve como objetivo avaliar in vitro a atividade antimicrobiana do hidróxido de cálcio, frente a microrganismos isolados do sistema de canais radiculares de dentes com polpa necrótica; a atividade inibitória de contato desse álcali sobre diferentes grupos microbianos e, também, a influência da reação do hidróxido de cálcio com o dióxido de carbono sobre o crescimento bacteriano. A determinação da concentração inibitória mínima foi realizada de acordo com o método de diluição em ágar, enquanto a atividade inibitória de contato foi avaliada pelo método de BARNARD et al. (1996) e a reação ao hidróxido de cálcio com o dióxido de carbono foi avaliada segundo KONTAKIOTIS et al. (1995). Os microorga­nismos testados foram Fusobacterium nucleatum, Streptococcus, Enterococcus faecalis, Pseudomonas ­aeruginosa, Lactobacillus, Prevotella intermedia, Eubacterium, Actinomyces, Bacteroides fragilis e Sta­phy­lococcus aureus. Foi observado que os gram-negativos mostraram-se mais sensíveis ao álcali, do que os microrganismos gram-positivos. A maior resistência foi verificada entre isolados de Enterococcus ­faecallis, Staphylococcus aureus e Pseudomonas aeruginosa. O contato direto com o álcali por até 30 minutos resultou na perda da viabilidade de todos os microrganismos testados. Verificou-se também que a reação do hidróxido de cálcio com o dióxido de carbono não interferiu no crescimento bacteriano.

Conclui-se assim, que o alto potencial antimicrobiano do hidróxido de cálcio colabora para a sua ação como curativo de demora.

 Pa167

Utilização de cremes dentais contendo juá na inativação de manchas brancas

COUTO, G. B. L.*, OLIVEIRA, A. C. A. P., VASCONCELOS, M. M. V. B.

Clínica e Odontologia Preventiva - Universidade Federal de Pernambuco. E-mail: gbosco@npd.ufpe.br

Considerando-se que a lesão de mancha branca ativa, primeira evidência clínica da cárie dentária, possui caráter reversível, o objetivo do presente trabalho foi avaliar e comparar, a ação de três cremes dentais, um contendo juá a 20%, outro juá, flúor e cálcio e um placebo, sobre manchas brancas ativas, em elementos dentários de crianças, de ambos os sexos e na faixa etária de 6 a 12 anos, relacionando a hábitos de higiene bucal e analisando o efeito da inclusão dessas manchas nos índices CPO-D e ceo-d iniciais e finais. As crian­ças assistiram a palestras educativas-preventivas e foram distribuídas em três grupos, A, B e C, receberam, o creme dental com juá, com juá associado a flúor e cálcio e o placebo, em periodicidade mensal. Os resultados demonstram que houve um incremento das manchas brancas inativas nas crianças dos grupos A e B, enquanto, no grupo C, observou-se uma estabilização do comportamento das manchas brancas, que se mantiveram em atividade. Nos três grupos, a comparação das médias de escovações não mostrou alterações marcantes no tempo.

Concluiu-se, portanto, que os cremes dentais com juá e com juá, flúor e cálcio, ao contrário do placebo, foram efetivos na regressão de manchas brancas ativas, sem diferenças estatisticamente significantes entre eles; ao serem incluídas as manchas brancas ativas no componente “C”, os índices CPO-D e ceo-d funcionaram como indicadores da reversão da atividade de cárie, pela utilização dos cremes dentais contendo juá e com juá, flúor e cálcio.

 Pa168

Avaliação da efetividade do DIAGNOdent no monitoramento da remineralização in vitro de lesões de mancha branca de cárie

MENDES, F. M.*, NICOLAU, J.

Ortodontia e Odontopediatria - Universidade de São Paulo. E-mail: medeirosmendes@uol.com.br

O objetivo do presente trabalho foi avaliar a capacidade do aparelho DIAGNOdent em monitorar a remineralização in vitro de lesões de mancha branca naturais em dentes decíduos. Lesões naturais de cárie foram submetidas à remineralização em uma solução remineralizadora formulada com os componentes minerais presentes na saliva (SILVA-BRITO et al., 1992). Inicialmente estas lesões foram medidas com o aparelho e após diferentes períodos de remineralização. As lesões foram divididas em grupo experimental e controle, onde o grupo controle era submetido aos mesmos procedimentos do grupo experimental, exceto pela utilização de água destilada em vez da solução remineralizadora. Imagens dos cortes das lesões foram obtidas através de microscopia de luz polarizada e mensuradas com auxílio de analisador de imagens quanto a área e profundidade média. O teste estatístico utilizado foi o teste t de Student emparelhado. Com os resultados, verificamos redução estatisticamente significante na área e profundidade média, nas lesões do grupo experimental comparadas aos seus pares do grupo controle (p  <  0,01), indicando que houve remineralização efetiva. Apesar disso, medições das amostras com o DIAGNOdent após 7, 14 e 28 dias de exposição às soluções não mostraram diferenças estatisticamente significantes com relação às medições iniciais, tanto no grupo experimental como no controle.

Com base nos resultados obtidos, podemos concluir que o aparelho de laser diodo não foi capaz de monitorar a remineralização in vitro das lesões de mancha branca naturais em dentes decíduos.

 Pa169

Risco de cárie dental avaliado pelo Cariograma e por odontopediatras

ARDENGHI, T. M.*, RODRIGUES, C. R. M. D., ZARDETTO, C. G. D. C.

Ortodontia e Odontopediatria - Universidade de São Paulo. E-mail: thma@zaz.com.br

O objetivo deste trabalho foi comparar a avaliação do risco de cárie dental determinada pelo programa computadorizado Cariograma com aquela estipulada por odontopediatras. Fichas clínicas contendo informações a respeito da experiência passada de cárie, índice de biofilme bacteriano, dieta, estado de saúde sistêmica e programa de flúor de 25 crianças na faixa etária de 5 a 7 anos, foi entregue a 10 especialistas em Odontopediatria para classificação do grupo de risco (alto, médio ou baixo). As mesmas informações foram inseridas no Cariograma. A classificação determinada pelo programa foi comparada estatisticamente com a classificação profissional através do teste de correlação de Spearman. Dos 25 casos avaliados, o grupo de risco determinado pelos profissionais foi de 25,2% alto; 36,8% medio e 38% baixo. Para o Cariograma os resultados indicaram: 48% alto; 16% médio e 28% baixo. A análise estatística demonstrou haver correlação positiva (r = 0,74), significante ao nível de 1% entre as classificações profissional e computadorizada.

Conclui-se que ambas as avaliações apresentaram resultados proporcionais quanto à classificação do grupo de risco de cárie dental, havendo superestimação do risco com o uso do Cariograma.

 Pa170

Avaliação das características do aleitamento artificial em crianças de 0 à 71 meses, Florianópolis - SC

BOSCO, V. L.*, CZERNAY, A. P. C.

Estomatologia - Universidade Federal de Santa Catarina. E-mail: bosco@amja.org.br

Diante dos malefícios causados pelo uso de mamadeiras, especialmente quando mal orientado, este estudo objetivou avaliar as características desta prática, realizada por 215 crianças de 0 à 71 meses, através do envio de questionários aos pais. Verificou-se que o uso de mamadeiras se estendeu além dos 12 meses em 93,95% dos casos e quanto a freqüência de mamadas, após esta idade, muitas crianças ainda utilizavam mamadeiras mais de três vezes ao dia. O uso noturno, era realizado por 51,63% das crianças. Quanto ao conteúdo das mamadeiras, o leite foi o alimento mais comumente fornecido, adicionado de farinha em 31,16%, farinha e açúcar/mel em 20,93%, e achocolatado em 41,40% dos casos. Quanto a posição de mamada, 53,95% das crianças utilizavam a mamadeira deitadas. A alternância de lado da criança no colo durante a mamada até os seis meses, simulando a amamentação, não era realizada em 70,86% dos casos. O tempo de mamada foi curto, entre 5 e 10 minutos, para 82,79% das crianças. O aumento do orifício dos bicos e a falta de critério para substituição dos mesmos, correram em 65,58% e 68,83% dos casos respectivamente. Os melhores resultados foram em relação ao fornecimento das mamadeiras pela mãe até os seis meses, higiene e esterilização dos bicos.

Concluiu-se que o uso de mamadeiras foi inadequado em quase todos os aspectos avaliados, sugerindo-se maior envolvimento da equipe de saúde, primeiramente incentivando a amamentação e caso o uso de mamadeiras seja inevitável, fornecendo orientações para evitar que os prejuízos inerentes a esta técnica de aleitamento, sejam exacerbados.

 Pa171

Análise in vitro das zonas de perigo no preparo biomecânico de canais radiculares de dentes decíduos

RESENDE, G.*, ROCHA, M. J. C.

Estomatologia - Universidade Federal de Santa Catarina. E-mail: gimolresende@hotmail.com

O objetivo desta pesquisa foi a verificação radiográfica do desgaste promovido pelo preparo biomecânico de canais radiculares de 26 dentes anteriores (GI), 26 molares inferiores (GII), dividido em GIIA (M) e GIIB (D) e 15 molares superiores (GIII), dividido em GIIIA (MV), GIIIB (DV) e GIIIC (P). Verificou-se se o desgaste promovia zonas de perigo (ZP) e se coincidiam com as regiões de reabsorção fisiológica (RF). As 123 raízes possuíam no mínimo 2/3 de raiz e ausência de reabsorção perfurante, foram instrumentadas (técnica convencional) com K-flexo (#40 e 60 - GI e #40 - GII e GIII) e irrigadas com NaOCl 1%. As radiografias (diagnóstico e preparo biomecânico) foram transformadas em diapositivos e analisadas com escores em função do deslocamento do instrumento no canal e a espessura das paredes remanescentes. Com os testes de Wilcoxon e Mann-Whitney, verificou-se que a instrumentação do GI foi mais segura quando realizada até o #40 (p £ 0,05). Nos testes de Kruskal-Wallis e Mann-Whitney, GII mostrou uma instrumentação segura e GIIIA e GIIIB foram equivalentes, com maior risco à instrumentação do que GIIIC (p £ 0,05 e p £ 0,01). Na comparação entre GII e GIII, este último teve maior risco à instrumentação (Mann-Whitney). Nos testes de proporção e c2, o terço de maior incidência de ZP e RF, para GI, GII e GIIIA, foi o apical e não houve diferença para GIIIB e GIIIC. Para todos os grupos não houve relação entre ZP e RF.

Concluímos que os dentes decíduos podem ser preparados biomecânicamente (limas 1a série), por apresentarem estrutura radicular/anatomia compatível com tal procedimento.

 Pa172

Avaliação in vitro da microinfiltração de cinco cimentos de ionômero de vidro

RAGGIO, D. P.*, ROCHA, R. O., IMPARATO, J. C. P.

Ortodontia e Odontopediatria - Universidade de São Paulo. E-mail: danielaraggio@aol.com

O objetivo da presente pesquisa foi avaliar a microinfiltração de cinco cimentos de ionômero de vidro, utilizados no Tratamento Restaurador Atraumático (TRA), em dentes decíduos: Fuji IX (GC Corpora­tion); Vidrion N (SS White); Chem Flex (Dentsply); Ketac-Molar ART (ESPE) e Vidrion R (SS White). Foram utilizados 50 caninos decíduos, provenientes do Banco de Dentes Humanos da Disciplina de Odontopediatria da FOUSP, nos quais se realizaram cavidades classe V na face vestibular, com medidas de 3 mm de largura, 2 mm de altura e 1,5 mm de profundidade. Posteriormente, essas receberam as restaurações, seguindo-se as recomendações dos fabricantes, termociclagem (700 ciclos a temperaturas de 5ºC e 55ºC), seguida de impermeabilização e imersão em corante azul de metileno por 4 horas. Seccionaram-se as amostras e três examinadores atribuíram notas para o grau de microinfiltração, as quais foram submetidas à análise estatística (análise de variância e “least square difference”). Os materiais apresentaram ­comportamentos semelhantes quanto ao grau de microinfiltração, com exceção do Ketac-Molar ART na ­parede cervical, o qual apresentou o maior grau de microinfiltração, sendo estatisticamente diferente dos demais (p < 0,05). Os materiais estudados apresentaram comportamento semelhante em relação à mi­croinfiltração em dentes decíduos, com exceção ao Ketac-Molar ART na parede cervical.

Os materiais estudados apresentaram comportamento semelhante em relação à microinfiltração em dentes decíduos, com exceção ao Ketac-Molar ART na parede cervical.

 Pa173

Protocolo UFSC de proservação de dentes decíduos traumatizados

CARDOSO, M.*, ROCHA, M. J. C.

Odontologia - Universidade Federal de Santa Catariana. E-mail: marianecardoso@bol.com.br

O objetivo desta pesquisa foi verificar se o Protocolo da Rotina 1 de proservação de dentes decíduos ­traumatizados instituída na UFSC, foi capaz de diagnosticar precocemente seqüelas indicativas de intervenção endodôntica bem como a influência do tipo de trauma e a idade da criança na severidade das seqüelas. Foram utilizados 52 fichas de pacientes que já estavam sendo atendidos por no mínimo 6 meses, totalizando 70 dentes proservados. Os pacientes retornavam em consultas determinadas pelo protocolo (15 e 45 dias; 4, 8 e 12 meses) onde exames clínicos e radiográficos eram realizados verificando o aparecimento de seqüelas que justificassem a intervenção endodôntica ou não. A mobilidade (51,2%) e a alteração de cor da coroa (25,6%) foram às seqüelas mais comuns encontradas no primeiro atendimento dos pacientes. Já nas consultas de proservação, a reabsorção patológica por substituição (22,5%) foi a segunda seqüela mais encontrada, indicando a intervenção endodôntica. Quando associações entre o diagnóstico de seqüelas graves com o tipo de trauma e com a idade da criança foram realizadas estas não mostraram-se significantes (c2 = 0,3, p = 0,8613). Nos intervalos de retorno das consultas de proservação observou-se que entre 46 dias e 8 meses foi diagnosticado maior número de seqüelas (p < 0,05).

Concluímos que o diagnóstico de seqüelas como reabsorção radicular patológica inflamatória e por substituição que levam a perda precoce do dente decíduo são freqüentes e que o intervalo entre as consultas de proservação deve ser modificado, sugerindo a implantação da Rotina 2 para o protocolo.

 Pa174

Prevalência da fluorose dentária em escolares de 6-12 anos do estado do Rio de Janeiro

BASTOS, L. F.*, JORGE, R. R., REIS, R., HARARI, S. G., MEDEIROS, U. V.

Odontologia - Universidade do Grande Rio e Universidade Federal do Rio de Janeiro. E-mail: lfbreis@hotmail.com

A fluorose é uma doença resultante de um distúrbio ocorrido durante a formação do dente, causada pela ingestão excessiva e crônica de fluoreto. Neste contexto, o objetivo deste trabalho foi determinar a prevalência da fluorose dentária em escolares de 6 a 12 anos, nas diversas regiões geográficas do estado do Rio de Janeiro. As cidades pesquisadas foram representativas de cada região do estado totalizando cinco cidades: Rio de Janeiro representativa da região Metropolitana; Petrópolis na região Serrana; Bom Jesus do Itabapoana na região Noroeste; Angra dos Reis na região do Litoral Sul e Rio das Ostras na região dos Lagos. A amostra constou de 2.916 crianças de escolas públicas e particulares. Os índices utilizados nesta pesquisa basearam-se na orientação estabelecida pela OMS (Organização Mundial de Saúde), que preconiza o índice de Dean. Os resultados percentualmente distribuídos revelaram que: 72,4% dos escolares do Rio de Janeiro não apresentam a fluorose, 9,1% são afetados pelos escores 2 e 3 do índice de Dean; não observa-se diferença no envolvimento da doença (escore 2 e 3) em escolares das escolas públicas (25%) ou particulares (25,1%).

Foi possível concluir que o percentual geral encontrado no estado do Rio de Janeiro foi relativamente ­baixo (26,6%) e mesmo com resultados considerados baixos, a classe odontológica deve estar alerta com o controle dos diversos meios de utilização e associação do fluoreto.

 Pa175

Efetividade in vivo e in vitro da inspeção visual associada ao exame radiográfico interproximal para o diagnóstico de cárie

WIENANDTS, P.*, ARAUJO, F. B., TOVO, M. F., CEZAR, G. M.

Cirurgia e Ortopedia - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. E-mail: patiwi@terra.com.br

O presente estudo comparou os diagnósticos de lesões de cárie oclusal de molares decíduos obtidos in vivo e in vitro, a partir da inspeção visual associada à radiografia interproximal e avaliou a efetividade destes exames para a detecção de lesões de cárie na superfície oclusal de molares decíduos. A amostra foi constituída de 52 molares decíduos. Os pacientes foram radiografados com posicionadores que possuíam os registros das mordidas em acrílico, moldagens dos hemiarcos foram obtidas com silicona de adição e o exame visual associado ao radiográfico da superfície oclusal dos molares decíduos foi realizado. Os dentes foram extraídos e posicionados nas moldagens para obtenção de modelos de gesso simulando as condições in vivo. Os posicionadores com as mordidas em acrílico foram novamente utilizados para as radiografias in vitro. O exame clínico associado ao radiográfico foi repetido in vitro pelo mesmo examinador, depois de em média 120 dias. Os dentes foram avaliados no estereomicroscópio para a obtenção dos diagnósticos definitivos. Através do teste de Wilcoxon, não foram observadas diferenças estatisticamente significantes entre os exames in vivo e in vitro (p = 0,356). Nas análises de todas as lesões, a sensibilidade foi de 0,95 in vivo e in vitro e a especificidade foi de 0,75 in vivo e 1 in vitro. Quando apenas as lesões em dentina foram validadas, a sensibilidade foi de 0,80 in vivo e in vitro e a especificidade foi de 0,77 in vivo e 0,83 in vitro.

Os exames associados foram considerados efetivos na detecção de lesões de cárie in vivo e in vitro.

 Pa176

Estudo comparativo entre os tipos de lamelas presentes no esmalte de dentes decíduos e permanentes

PISSULIN, C. N. A.*, OLIVEIRA, D. L., MEIRA-DOLFINI, M. I. M., BAZAN, E., NEVES, C. D. T. T., BOSCO, N. B.

Anatomia - Universidade do Oeste Paulista. E-mail: fisiodan@spdnet.com.br

As lamelas são estruturas encontradas no esmalte dental, cuja importância clínica é ainda bastante discutida. Sabe-se no entanto, que as lamelas atingem profundidade variável na estrutura do esmalte (lamelas I - apenas a metade da espessura do esmalte; lamelas II - atingem a junção amelodentinária; lamelas III - adentram a estrutura dentinária). Este trabalho objetivou analisar e comparar a incidência dos diferentes tipos, tanto em esmalte decíduo quanto em permanente. Foram utilizados 20 dentes, sendo 10 permanentes e 10 decíduos. Realizados cortes transversais e longitudinais com caneta de baixa rotação e disco carborudum. O desgaste foi realizado com lixa d’água, placa de vidro e pedra-pomes até a obtenção de lamelas, que foram fixadas à lâmina e lamínula com colódio. Demarcados 2 mm de esmalte, efetuou-se a contagem das estruturas citadas em microscopia de luz. Após a contagem, foram realizadas imagens fotográficas com o fotomicroscópio Nikkon - Alphamager 2000 utilizando-se do sistema de captura de imagens Chemilmager 400. Os diferentes tipos de lamelas foram encontradas na seguinte ordem decrescente: lamelas II, lamelas I e lamelas III, tanto em esmalte decíduo quanto em permanente.

As lamelas do tipo II são as mais freqüentemente encontradas, enquanto que as lamelas do tipo III raramente são encontradas, seguindo o mesmo padrão de aparecimento tanto em esmalte decíduo quanto em permanente. Todos os tipos de lamelas, embora com o mesmo padrão, foram encontradas em maior número no esmalte decíduo.

 Pa177

Influência da temperatura e da manipulação do cimento de ionômero de vidro na microinfiltração, em molares decíduos

FERREIRA, F. M.*, SANTOS, M. H., JANSEN, W. C., VALE, M. P. P.

Odontopediatria e Ortodontia - Universidade Federal de Minas Gerais. E-mail: femorais@lycos.com

Com o objetivo de avaliar a influência da temperatura e do tipo de manipulação de um cimento de ionômero de vidro convencional na microinfiltração de restaurações de classe II, selecionou-se 12 molares decíduos clinicamente hígidos. Foram confeccionados preparos cavitários do tipo caixa vertical nas faces mesial e distal, com dimensões padronizadas, que foram restaurados com o Vidrion R e o Vidrion R caps (SS White), segundo instruções do fabricante, da seguinte forma: grupo 1- Vidrion R (manipulação ma­nual), sem controle de temperatura; grupo 2- Vidrion R caps (cápsulas pré-dosadas manipuladas em um triturador mecânico Capimix), sem controle de temperatura; grupo 3- Vidrion R a 23ºC; grupo 4- Vidrion R caps a 23ºC. Os dentes foram, então, impermeabilizados deixando exposta apenas a interface io­nômero/esmalte, na parede gengival. A seguir, foram imersos em solução de azul de metileno a 0,5%, pH 7,2, a 37ºC, por quatro horas. Após o seccionamento mésio-distal dos dentes, a microinfiltração foi avaliada por três examinadores, em microscópio óptico com aumento de 30 vezes, pelo critério de escores (0 a 3). Todas as restaurações do grupo 1 apresentaram microinfiltração (80% grau 1 e 20% grau 2). Tanto no grupo 2 quanto no grupo 3, 60% das restaurações não apresentaram microinfiltração e 40% apresentaram microinfiltração grau 1. O grupo 4 apresentou os melhores resultados: 80% das restaurações sem microinfiltração e apenas 20% com microinfiltração grau 1.

Neste trabalho, o controle da temperatura e a manipulação mecânica do ionômero diminuíram os valores de microinfiltração.

 Pa178

Prevalência de aleitamento materno exclusivo e hábitos bucais em crianças indígenas Kaiowá-Guarani de Mato Grosso do Sul

PARIZOTTO, S. P. C. O. L.*, STEPHANINI, I., TAVARES, M., RODRIGUES, C. R. M. D.

Ortodontia e Odontopediatria - Universidade de São Paulo e Universidade Católica Dom Bosco. E-mail: symonne@terra.com.br

Nos dias atuais, atenção tem sido dada à melhoria de qualidade de vida de populações indígenas no Brasil. Entretanto, poucos estudos têm sido desenvolvidos com tais objetivos. Quando se estuda os costumes de uma população, a observação de seus hábitos alimentares, dentre estes, o tipo de aleitamento, é fundamental para a compreensão de seu modo de vida, bem como o estudo da correlação deste hábito com as conseqüências dele decorrentes na cavidade bucal. Este trabalho tem por propósito avaliar a prevalência e tempo de aleitamento materno exclusivo (AME) e aquisição de hábitos orais deletérios (chupeta, sucção digital e onicofagia) em crianças indígenas Kaiowá-Guarani pertencentes à aldeia de Caarapó - MS. Para tal, após aprovação pelo Comitê de Ética, foram aplicados questioná­rios para os responsáveis de 83 crianças de 3 a 5 anos para verificação do tipo e tempo de aleitamento (natural, misto e artificial) e desenvolvimento destes hábitos orais. Do total de 83 crianças, 92,8% (73), apresentaram AME com tempo mínimo 6 meses/máximo 5 anos. Destas, 79,2% (61), tiveram AME por mais de 1 ano. Das crianças que tiveram AME, apenas 12,9% (10) fizeram o uso de chupeta, 22,1% (17) realizaram sucção digital e somente 9,1% (7) desenvolveram o habito de onicofagia.

A baixa incidência destes hábitos orais deletérios observadas nesta população poderia ser justificada pela alta prevalência de aleitamento materno exclusivo, que é pratica comum e incorporada na forma de vida da população indígena avaliada e difere de outros levantamentos realizados em população não indígenas.

 Pa179

Análise comparativa do diário alimentar de crianças e suas mães

BADAUI, V. P. H., ZARDETTO, C. G. D. C., RODRIGUES, C. R. M. D., WANDERLEY, M. T.*

Ortodontia e Odontopediatria - Universidade de São Paulo. E-mail: marciatw@usp.br

Analisou-se hábitos alimentares de 50 pares mãe/filho, crianças de 2-4 anos, de escolas particulares (meio período) que permaneciam com as mães no restante do dia. Avaliou-se o diário alimentar (2 dias da semana e 2 de final de semana) segundo o número de refeições principais e lanches, ingestões de sacarose e calculou-se um índice de consumo de sacarose. Os dados foram submetidos à análise de variância, Kruskal-Wallis e correlação de Pearson. A maioria das mães/filhos realizou 3 refeições principais nos dias de semana e final de semana. As crianças faziam um número de lanches (6,0) quase duas vezes maior que as mães (3,24), p < 0,0001. Assim como, as crianças faziam um número de lanches contendo sacarose (4,97) pelo menos duas vezes maior que suas mães (2,15), p < 0,0001. Não houve diferença estatisticamente significante entre os dias de semana e final de semana, tanto para os lanches como para as refeições principais contendo sacarose. A freqüência de ingestão de sacarose praticada pela mãe foi maior durante as refeições principais do que nos lanches (p < 0,001), enquanto para a criança houve maior ingestão nos lanches (p < 0,05). Houve diferença entre o consumo de sacarose do filho (15,69) e da mãe (9,21), p < 0,0001. A maioria das mães (58%) teve um consumo médio de sacarose baixo (menor ou igual 10), em oposição ao dos filhos que foi considerado alto (maior 10) para 80% da amostra, havendo correlação moderada entre eles (r = 0,51).

Concluiu-se que existe correlação no consumo de sacarose entre mãe e filho, sendo este maior para a ­criança principalmente nos lanches.

 Pa180

Avaliação in vitro da correlação entre exame clínico e radiográfico de lesões cariosas proximais em molares decíduos

FELDENS, E. G.*, FELDENS, C. A., FINKLER, M., TOVO, M. F., KRAMER, P. F.

Ciências da Saúde - Universidade Luterana do Brasil. E-mail: feldens@cpovo.net

O presente estudo teve como objetivo avaliar a correlação entre o exame clínico e radiográfico de lesões de superfície proximal em molares decíduos. Foram selecionados 125 molares decíduos pertencentes a um banco de dentes. Os critérios de avaliação clínica das superfícies proximais foram: 0 (superfície hígida), 1 (com mancha branca ou marrom), e 2 (com cavidade). Para o exame radiográfico os critérios foram: 0 (hígida), 1 (radiolucidez na metade externa do esmalte), 2 (radiolucidez na metade interna do esmalte), 3 (radiolucidez no terço externo da dentina) e 4 (radiolucidez nos dois terços internos da dentina). Para análise estatística foram utilizados os programas Epi Info versão 6.0, programa ROC 50 e SPSS para Windows e os testes qui-quadrado e de correlação de Spearman. Os resultados demonstraram que das superfícies registradas como hígidas no exame radiográfico, 1,6% apresentavam cavidade. Quando havia radiolucidez na metade externa e interna do esmalte, 10,5% e 25% das superfícies, respectivamente, apresentavam cavidade. Das superfícies com radiolucidez no terço externo e dois terços internos da dentina, respectivamente, 92,3% e 100% apresentavam-se cavitadas.

A análise dos resultados permitiu concluir que existe uma forte correlação entre a extensão da radiolucidez no exame radiográfico e a presença de cavidade em superfícies proximais de molares decíduos. Além disso, o exame radiográfico interproximal apresentou uma alta sensibilidade para diagnosticar lesões cavitadas, cuja imagem característica na amostra utilizada foi presença de radiolucidez em dentina.

 Pa181

Estudo do ceo-s e freqüência de cárie severa da infância em crianças pré-escolares

AZEVEDO, T. D. P. L.*, TOLEDO, O. A.

Faculdade de Odontologia - Universidade de Brasília. E-mail: tdplazevedo@hotmail.com

Este estudo objetivou avaliar o ceo-s e a freqüência de cárie severa da infância, analisando os valores médios de superfícies com lesões cariosas não cavitadas (c1), cavitadas (c2), restauradas (r), perdidas por cárie (p), ceo-s 1 (conforme preconiza a OMS) e ceo-s 2 (com a inclusão da mancha branca), em crianças pré-escolares. Após o projeto ter sido aprovado pelo Comitê de Ética e o Consentimento Livre e Esclarecido assinado pelos pais, uma amostra de 369 crianças entre 36 e 71 meses, foi aleatoriamente selecionada de 3 centros de saúde de regiões do Distrito Federal (Taguatinga e Ceilândia). Todas as superfícies dentárias foram sistematicamente abordadas, anotando-se aquelas com presença de lesões cariosas não cavitadas, cavitadas, restauradas ou perdidas por cárie e, posteriormente, computados os índices ceo-s 1 e ceo-s 2. A freqüência de crianças portadoras de cárie severa da infância foi calculada conforme a definição fornecida pelo NIDCR (National Institute of Dental and Cranio-Facial Research). A média do ceo-s 1 da amostra como um todo foi de 6,28 (± 8,56) e o valor médio do ceo-s 2 foi de 7,33 (± 9,23). A cárie severa da infância teve alta prevalência na população estudada (36,04%), representando 76,38% do ceos-s quando consideradas apenas as lesões cavitadas, e 73,69% quando consideradas também as lesões não cavitadas.

O desenvolvimento rápido e o grande número de superfícies dentárias envolvidas, caracteriza esta doença como um problema de sáude pública, exigindo urgentes ações de políticas preventivas.

 Pa182

Prevalência de cárie dentária em pré-escolares do município de Canoas - RS: um estudo epidemiológico

FERREIRA, S. H.*, BÉRIA, J. H., KRAMER, P. F., ZEMBRUSKI, C.

Odontopediatria - Universidade Luterana do Brasil. E-mail: siferreira@hotmail.com

O presente estudo propôs-se a avaliar, através de exame clínico visual, a prevalência de cárie dentária na dentição decídua de crianças de zero a seis anos de idade matriculadas nas Escolas de Educação Infantil do município de Canoas - RS. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa e os examinadores foram treinados e calibrados. Foram examinadas 1.546 crianças, de ambos os sexos, e a prevalência de cárie encontrada foi de 40,4% e 30,3%, respectivamente, com e sem a inclusão de mancha branca. Houve associação significativa entre prevalência de cárie e a idade e não houve diferença significativa entre os sexos. O índice ceo-d encontrado foi de 1,06 e 1,58, respectivamente, com e sem a inclusão de mancha branca e o índice ceo-s foi de 2,07 e 2,70, respectivamente, com e sem mancha branca. Observou-se também que quanto maior o grau de instrução dos pais, menor foi o número de lesões tanto por dente quanto por superfície, sendo que a correlação mais forte foi com a mãe. A ocupação dos pais também foi avaliada e verificou-se não haver associação significativa com a prevalência de cárie.

A partir dos resultados encontrados é possível identificar grupos de risco, estabelecer a demanda de necessidades curativas e planejar formas de prevenção e tratamento em nível coletivo e individual.

 Pa183

Prevalência de fluorose em escolares de três colégios do município de São José dos Campos - SP

CARA-ARAÚJO, F. B.*, MENEZES, M. M., BENETTI, A. R., GONÇALVES, S. E. P., DI NICOLÓ, R.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual Paulista. E-mail: ballet@brfree.com.br

A fluorose é uma alteração na mineralização do esmalte devido à toxicidade provocada pelo flúor nos ameloblastos. O objetivo desta pesquisa foi avaliar a prevalência de fluorose em crianças de três escolas municipais da cidade de São José dos Campos, SP. Foi realizado um levantamento de fluorose em escolares de 7 a 14 anos, utilizando o índice de Dean e Arnold modificado, que classifica a condição em: normal, questionável, branda, moderada e severa. Foram avaliadas 655 crianças através de exame visual, com auxílio de espátulas de madeira e sob iluminação natural. Os escolares também foram questionados quanto ao tipo de água consumida (mineral ou de abastecimento), à utilização de dentifrícios fluoretados, bem como ao possível hábito de sua ingestão, além do uso de flúor na forma de bochechos ou aplicação tópica. A análise estatística empregada foi o teste comparativo qui-quadrado. Verificou-se a prevalência de 23,21% de fluorose, que se manifestava mais freqüentemente na forma questionável ou branda, enfatizando assim a necessidade da indicação e utilização de agentes fluoretados de maneira racional.

Conclui-se que, embora o flúor tenha proporcionado uma redução significativa nos índices de cárie em saúde pública, a prevalência de fluorose ainda pode ser observada.

 Pa184

Influência da fotoativação na profundidade de polimerização e resistência à tração diametral de duas resinas compostas

FREITAS, A. P.*, COELHO SANTOS, M. J. M., MONDELLI, R. F. L., FRANCISCONE, P. A. S.

Dentística - Universidade de São Paulo. E-mail: andersonpfreitas@ig.com.br

O objetivo deste estudo foi avaliar a influência dos sistemas e métodos de fotoativação na profundidade de polimerização - PP e na resistência à tração diametral - RTD de duas resinas compostas: Z100 (3M Dental) e Definite (Degussa). Foram utilizados 80 espécimes confeccionados a partir de matrizes metálicas, sendo 40 espécimes para a análise da PP (5 mm x 10 mm) e 40 para a análise da RTD (2 mm x 4 mm). Os espécimes foram divididos em oito grupos de cinco, de acordo com a resina composta e a forma de fotoativação: Grupo I - Elipar TriLight (fonte halógena/fotoativação em rampa); Grupo II - XL3000 - 3M (fonte halógena/fotoativação constante); Grupo III - VIP (fonte halógena/fotoativação por pulso); Grupo IV - Apollo 95E (fonte arco de plasma de xenônio/fotoativação constante) - Z100. Grupos V, VI, VII e VIII - Definite. Após 24 horas de imersão em água, os espécimes foram submetidos à RTD (kg) e mensuração da PP (mm). Após análise estatística dos resultados (ANOVA a dois critérios) e teste de Tukey, constatou-se que os grupos IV e VIII (Apollo 95E) foram estatisticamente inferiores aos demais quanto à PP; as resinas Z100 e Definite não apresentaram diferença estatística entre si, exceto entre os grupos II e VI (convencional). Com relação à RTD a resina Z100 apresentou resultados estatisticamente superiores aos da Definite, exceto entre os grupos IV e VIII (Apollo 95E).

Os resultados indicaram que os sistemas e métodos de fotoativação interferiram na profundidade de polimerização e na resistência à tração diametral das resinas compostas testadas.

 Pa185

Influência do método de fotoativação sobre a resistência da união metal-compósitos

SINHORETI, M. A. C.*, CONSANI, S., GOES, M. F., CORRER SOBRINHO, L.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: sinhoret@fop.unicamp.br

O objetivo deste estudo foi verificar a influência do método de fotoativação dos compósitos Z100, P60 e A110 sobre resistência da união metal-compósito, em função da contração de polimerização. Foram confeccionadas 120 matrizes metálicas de 3 mm de espessura contendo uma cavidade vazada tronco-cônica de 6 mm de diâmetro inferior e 9 mm de diâmetro superior. As matrizes foram jateadas internamente e divididas em 3 grupos de 40 matrizes, de acordo com o compósito utilizado. Cada grupo foi subdividido em quatro (n = 10), de acordo com o método de fotoativação usado, ou seja: luz contínua (LC); dupla intensidade de luz (DI); luz pulsátil (LP); e, luz de plasma de xenônio (PX). Após, a superfície jateada do metal foi tratada com o sistema adesivo SBMP Plus, e os compósitos aplicados e fotoativados de acordo com cada método. Os corpos-de-prova foram armazenados a 37ºC por 24 hs e levados a uma máquina de ensaio Instron para o ensaio de resistência da união (“push out test”). Os dados obtidos foram submetidos à análise de variância e as médias comparadas pelo teste de Tukey (5%). As médias foram as seguintes: Z100 (LC- 2,9 MPa; DI- 5,3 MPa; LP- 6,1 MPa; PX- 6,7 MPa), P60 (LC- 3,7 MPa; DI- 7,5 MPa; LP- 8,2 MPa; PX- 8,7 MPa) e A110 (LC- 3,4 MPa; DI- 6,2 MPa; LP- 6,9 MPa; PX- 17,1 MPa).

Para todos os compósitos, o método de fotoativação por luz contínua mostrou as menores médias de resistência da união, diferindo dos demais métodos, os quais não diferiram entre si, exceção para o compósito A110, onde o método por luz de plasma de xenônio mostrou maior média de resistência de união.

 Pa186

Estudo das propriedades de estabilidade dimensional e solubilidade e desintegração dos cimentos MTA e tipo Portland

SILVA, R. F.*, EMÍLIO DE SOUZA, R., GALHARDO, R., CRUZ-FILHO, A. M., SOUSA-NETO, M. D.

Endodontia - Universidade de Ribeirão Preto. E-mail: betofernandes@uol.com.br

O cimento de mineral trióxido agregado (MTA) tem sido empregado como material retroobturador, tornando-se importante o estudo de suas propriedades físico-químicas. O objetivo deste trabalho foi avaliar o comportamento do cimento MTA Pro Root (Dentsply) em relação ao cimento Portland (Votoran), quanto à estabilidade dimensional e solubilidade/desintegração, com base na Especificação nº 57 da ADA. Para estabilidade dimensional, confeccionaram-se corpos-de-prova cilíndricos, com dimensões de 12 mm de altura por 6 mm de diâmetro. Após mensuração de seus comprimentos com um paquímetro digital, esses foram imersos em 30 ml de água destilada. Após 30 dias, o corpo-de-prova era removido, seco e medido novamente. Com os valores do comprimento inicial e final, determinou-se a variação percentual que ocorre nos corpos-de-prova. Para solubilidade/desintegração, confeccionaram-se corpos-de-prova com 1,5 mm de espessura e 20 mm de diâmetro. Os corpos-de-prova tiveram sua massa pesada e foram imersos em 50 ml de água destilada. Decorrido sete dias, o corpo-de-prova foi removido, seco e pesado novamente. A solubilidade e desintegração foi considerada como a perda de massa de cada amostra, expressas como porcentagem da massa original. Os resultados foram para estabilidade dimensional: MTA (+0,12); Portland (+0,95); para solubilidade/desintegração: MTA (–7,19); Portland (–7,76).

Concluiu-se que, em relação à estabilidade dimensional todos os cimentos encontram-se dentro das normas da ADA; quanto a solubilidade/desintegração, os dois cimentos apresentaram valores acima do determinado pela ADA.

 Pa187

Sorção e solubilidade em água de resinas acrílicas processadas por técnicas de microondas, convencional, pressão e calor

SALOMÃO, U. E.*, ALMEIDA, H. C., MOTA, J. M. L. F., JANSEN, W. C., GIOVANINI, J. F. B. G.

Odontologia Restauradora - Universidade Federal de Minas Gerais. E-mail: ulissessalomao@hotmail.com

Estudou-se as vantagens e desvantagens de três técnicas de polimerização de resinas para base de PTR: energia de microondas (M), banho de água convencional (TC) e banho de água e pressão (TP), analisando as propriedades físicas de sorção e solubilidade em água. Foram confeccionados 30 corpos-de-prova de 66,0 ± 0,1 mm de diâmetro externo, 50,0 ± 0,1 mm de diâmetro interno e 5,0 ± 0,5 mm de espessura, assim divididos: 10 TC, 10 TP e 10 M. Para a avaliação da sorção de água, os corpos-de-prova foram colocados em um suporte dentro de um dessecador com sílica gel e introduzidos em estufa a 37ºC ± 1ºC e pesados regularmente até se conseguir uma massa constante. Os corpos-de-prova foram medidos com um paquímetro digital em três vezes o diâmetro externo e interno e cinco vezes a espessura, e armazenados em água deionisada a 37ºC por 7 dias ± 2 hs. Após este tempo, foram pesados e medidos, concluindo o teste de sorção. Para o teste de solubilidade, os corpos-de-prova foram colocados no dessecador com sílica gel, introduzidos na estufa e recondicionados a massa constante. As resinas utilizadas foram: Clássico® (TC e TP) e Ondacryl® (específica para microondas - M), produzidas pela Clássico Artigos Odontológicos.

Pela análise estatística dos resultados, podemos concluir que os corpos-de-prova, independente das técnicas de polimerização, apresentaram níveis de sorção e solubilidade em água compatíveis com um bom desempenho clínico e de acordo com a especificação nº 1.567 da ISO, e que a técnica de microondas possui a vantagem da redução de tempo no ciclo de polimerização das resinas.

 Pa188

Análise in vitro da atividade antibacteriana de 12 sistemas adesivos monocomponentes sobre Streptococcus mutans

SANDER, H. H.*, PIMENTA, F. J. G. S., NEVES, A. D., DISCACCIATI, J. A. C.,
SOUZA, M. C. F. M. C., SANTOS, V. R.

Odontologia Restauradora - Universidade Federal de Minas Gerais. E-mail: hhsander@ig.com.br

O objetivo deste estudo foi avaliar a atividade antibacteriana de 12 marcas comerciais de sistemas adesivos monocomponentes (Bond 1®, DenTASTIC UNO®, Excite®, Gluma One Bond®, One Coat Bond®, One Step®, PQ1®, Prime & Bond 2.1®, Stae®, Single Bond®, Suprafill® e Unibond®) contra S. mutans, in vitro. Em ambiente asséptico, foram preparadas 48 placas de Petri, contendo ágar Mueller-Hinton, previamente inoculadas com S. mutans. Cada placa recebeu 4 discos de papel estéreis, sendo 3 embebidos com uma alíquota de 25,0 ml de um dos materiais testados e outro com água destilada estéril (controle negativo). Cada placa recebeu ainda 1 “sensibiodisc” de vancomicina 30 mcg (controle positivo). As placas foram incubadas em ambiente de microaerofilia, por 48 horas. O diâmetro das zonas de inibição foi então medido, e a média de 12 discos foi calculada. Os resultados, avaliados pelo teste não-paramétrico de Kruskal-Wallis, demonstraram a seguinte ordem decrescente de atividade antibacteriana (p < 0,05): vancomicina > Single Bond > DenTASTIC UNO e One Coat Bond > Bond1, Prime & Bond 2.1, One Step, Stae e PQ1 > Excite, Gluma, Suprafill, Unibond e água destilada.

Concluiu-se que algumas marcas comerciais de adesivos monocomponentes podem inibir o crescimento de S. mutans, in vitro.

 Pa189

Estudo comparativo da dureza Knoop de compósitos odontológicos à base de ormocer em diferentes profundidades

ALONSO, R. C. B.*, CUNHA, L. G., SANTOS, P. H., SINHORETI, M. A. C., CORRER SOBRINHO, L.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: robalonso@yahoo.com

O objetivo do estudo foi avaliar a dureza Knoop em diferentes profundidades de compósitos contendo ormocer e compará-los àqueles convencionais a base de Bis-GMA ou derivados. Foram usados dois compósitos contendo ormocer (Admira e Definite), um híbrido (Z250) e um microparticulado (A110). Amostras cilíndricas com 3 mm de diâmetro e 5 mm de altura foram feitas. As medidas de dureza Knoop foram obtidas em aparelho Micro Hardness Tester HMV (Shimadzu) com carga de 50 g por 15 s. Foram confeccionadas 5 amostras para cada grupo, nas quais 3 identações foram efetuadas nas regiões de superfície, 1 mm, 2 mm, 3 mm e 4 mm da amostra. Os dados foram submetidos a ANOVA e médias comparadas pelo teste de Tukey (5%). As médias para cada material e região estão abaixo.

Conclui-se que o compósito Z250 mostrou dureza superior em relação aos demais até 3 mm. Definite, Admira e A110 não diferiram estatisticamente entre si até a profundidade de 2 mm, após a qual A110 mostrou redução de valores. Todos os materiais mostraram diminuição da dureza com o aumento da profundidade, sendo esta significativa a partir de 2 mm para Z250 e A110 e 3 mm para Definite e Admira.

 Pa190

Efeito dos tipos de cimento e de tratamentos de superfície na resistência à tração da cerâmica IPS Empress 2

CORRER SOBRINHO, L.*, SPHOR, A. M., CONSANI, S., SINHORETI, M. A. C., BORGES, G. A.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: sobrinho@fop.unicamp.br

O propósito deste estudo foi avaliar a resistência à tração entre cerâmica IPS Empress 2 e materiais de fixação, sob dois tratamentos de superfície. Oitenta discos com 5,5 mm de diâmetro por 2,5 mm de espessura foram confeccionados, embutidos em resina e divididos em 4 grupos: Grupos 1 e 2- condicionamento com ácido fluorídrico 10%, por 20 segundos e aplicação do silano; Grupos 3 e 4- jateamento com óxido de alumínio 100 mm, por 5 segundos e aplicação do silano. Os discos dos Grupos 1 e 3 foram unidos ao pares com o cimento resinoso Rely X e os discos dos Grupos 2 e 4, com o cimento de ionômero de vidro ProTec Cem. As amostras foram armazenadas em água destilada a 37ºC por 24 horas. Após submetidas ao ensaio de tração numa Instron a velocidade de 1 mm/min. Os dados submetidos a ANOVA e ao teste de Tukey (5%) mostraram que: 1 - ácido fluorídrico 10%: Grupo 1, fixado com Rely X (25,36 MPa) mostrou valores de resistência significantemente superior ao Grupo 2 fixado com ProTec Cem (11,19 MPa); 2 - óxido de alumínio 100 mm: Grupo 3, fixado com Rely X (8,35 MPa) foi significantemente superior ao Grupo 4 fixado com o ProTec Cem (3,61 MPa); 3 - tratamento de superfície: condicionamento com ácido fluorídrico 10% (14,56 MPa) mostrou valores estatisticamente superiores ao jateamento com óxido de alumínio 100 mm (4,07 MPa), independente do material de fixação.

O cimento Rely X apresentou valores de resistência à tração superiores ao ProTec Cem e o tratamento da cerâmica com ácido fluorídrico 10% apresentou valores de resistência superiores ao jateamento com óxido de alumínio 100 mm.

 Pa191

Influência da variação da intensidade luminosa sobre a microinfiltração marginal em restaurações classe II em compósito

CAMARGO, D. A. A.*, SINHORETI, M. A. C., COELHO, C. S., CONSANI, S.,
CORRER SOBRINHO, L.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: arliane@nutecnet.com.br

A proposta deste estudo foi avaliar, in vitro, a infiltração marginal em restaurações classe II de compósitos fotoativados com diferentes intensidades luminosas. Foram utilizados 80 dentes terceiros molares, com preparos cavitários ocluso-proximais com término cervical em dentina. Estes dentes foram divididos em dois grupos os quais foram restaurados com os compósitos Z250 e P60 (3M). Cada grupo foi dividido em quatro subgrupos os quais receberam intensidade luminosa diferenciada durante o procedimento restaurador. Nos subgrupos 1A e 1B foi empregada a intensidade de ± 550 mW/cm2 nos três incrementos; nos subgrupos 2A e 2B a intensidade foi exponencial de 0 a 600 mW/cm2 em cada incremento; nos subgrupos 3A e 3B, no primeiro incremento a intensidade foi de 300 mW/cm2 e 550 mW/cm2 nos outro dois incrementos, e nos subgrupos 4A e 4B a intensidade foi de 100 mW/cm2 por 10 segundos, seguido de 550 mW/cm2 por 30 segundos para cada incremento. Para fotopolimerização foi usado o aparelho Elipar Trilight (ESPE). Em seguida, as amostras foram preparadas para então serem imersas em solução corante de azul de metileno a 2% tamponado por duas horas. Após o seccionamento as amostras foram analisadas em lupa estereoscópica Zeiss com 20 X de aumento onde foi mensurada a extensão da penetração do corante e transformada em escores. Os dados foram submetidos à análise estatística empregando-se teste Kruskal-Wallis.

Concluiu-se que não houve diferença estatisticamente significante (p > 0,05) entre os materiais restauradores utilizados bem como para a intensidade luminosa.

 Pa192

Avaliação da biocompatibilidade de quatro agentes para cimentação através do estudo das reações teciduais em conjuntivo

NOGUEIRA JR., L.*, TEIXEIRA, S. C., ARAUJO, J. E. J.

Materiais Odontológicos e Prótese - Universidade Estadual Paulista. E-mail: lf_odonto@directnet.com.br

A biocompatibilidade de quatro agentes para cimentação de peças protéticas foi avaliada por meio de implantes em tecido conjuntivo subcutâneo de ratos. Neste trabalho foram avaliados um cimento de fosfato de zinco (Lee Smith - Vigodent), um cimento de ionômero de vidro (Ketac-Cem - ESPE) e dois cimentos resinosos (Panavia Ex 21 - Kuraray Co.; Enforce - Dentsply). Após a manipulação dos cimentos, os implantes foram realizados, utilizando-se tubos de polietileno preenchidos com os agentes cimentantes e inseridos em lojas cirúrgicas preparadas no dorso dos animais, os quais foram sacrificados nos períodos de observação de 14, 30, 60 e 84 dias. Os tecidos circunjacentes aos implantes foram removidos, incluídos em parafina e corados com hematoxilina-eosina para análise em microscopia óptica. Os resultados mostraram que todos os agentes de cimentação causaram uma resposta tecidual nos períodos avaliados.

O cimento de fosfato de zinco apresentou um menor grau de reação tecidual nos períodos de 14 e 30 dias; o cimento de ionômero de vidro apresentou as piores características de biocompatibilidade quando em contato com o tecido conjuntivo de ratos.

 Pa193

Estereologia, imuno-histoquímica e MEV da reação tecidual a implantes em ratos

MUSSEL, R. L. O.*, COSTA, A. M. A., MANDARIM-DE-LACERDA, C. A.

Dentística - Universidade do Estado do Rio de Janeiro. E-mail: mussel@npoint.com.br

Este trabalho procurou avaliar a biocompatibilidade de materiais usados como protetores pulpar, no tecido subcutâneo de ratos. Implantes de hidróxido de cálcio (HC), cimento de ionômero de vidro (CIV) e adesivo dentinário fotoativado (ADF) foram colocados cirurgicamente no dorso de ratos Wistar e deixados por 15 e 30 dias (grupos de 5 animais) com o respectivo grupo Sham (S). Os animais foram sacrificados e o material estudado ao microscópio de luz com estereologia e imuno-histoquímica para a-actina de músculo liso. As cápsulas fibrosas foram analisadas, em microscopia eletrônica de varredura (MEV). Houve diferenças na fibrose e no número de mastócitos na região periimplante dependente do tipo de implante. Não foram detectados miofibroblastos expressando ACML. O menor valor de densidade volumétrica de fibrose (Vv[f]) ocorreu no grupo HC, e o maior no grupo ADF (diferença significativa em relação ao grupo S, p < 0,05). Aos 30 dias, houve acréscimo de 30% de Vv[f] do grupo ADF, determinando, neste período, diferença significativa em relação ao grupo HC. A densidade numérica de mastócitos por área (NA[mastócito]) foi menor no grupo HC sem diferença para o grupo S, mas com diferença para o grupo ADF. O grupo CIV apresentou, para Vv[f] e NA[mastócito], resultados intermediários aos grupos HC e ADF. Ao MEV viu-se interação, no grupo HC, entre o material e sua cápsula fibrótica.

Os materiais induziram formação de fibrose e migração de mastócitos de modo diferenciado. Os resultados sugerem o HC como o material mais compatível biologicamente dentre os testados. (Apoio: FAPERJ e CNPq.)

 Pa194

Microinfiltração em dentes decíduos após o uso de selante de superfície com ou sem carga

LEMOS, S.*, MYAKI, S. I., MARTINS, C. M. L., HAYASHI, P. M., GANZERLA, E., BALDUCCI, I.

Odontologia - Universidade do Vale do Paraíba. E-mail: marcosrego@uol.com.br

O objetivo deste estudo in vitro foi de avaliar a microinfiltração em dentes decíduos restaurados com ­resina composta, após aplicação de dois diferentes selantes de superfície, com ou sem carga inorgânica. Foram utilizados trinta dentes decíduos anteriores, onde foram preparadas cavidades classe V na face vestibular, com margens em esmalte. As amostras foram divididas em três grupos: Grupo 1 (n = 10): controle, sistema adesivo Single Bond (3M) + resina composta Z100 (3M); Grupo 2 (n = 10): igual ao grupo 1 +­ recondicionamento ácido + selante de superfície sem carga Protect-it!® (Jeneric®/Pentron®); Grupo 3 (n = 10): igual ao grupo 1 + recondicionamento ácido + selante de superfície com carga Fortify Plus™ (Bisco). Após o polimento, os espécimes foram submetidos a ciclagem térmica (500 ciclos - 5ºC e 55ºC - 30 segundos em cada banho), impermeabilizados e imersos em azul de metileno a 0,5%, por 4 horas. Em seguida, os dentes foram seccionados longitudinalmente e avaliados quanto ao grau de microin­filtração. Os resultados obtidos demonstraram que a aplicação de ambos os selantes de superfície propi­ciaram redução na microinfiltração na margem incisal e a análise estatística (teste de Kruskal-Wallis, p = 0,0002) indicou haver diferença significante. Na margem cervical os valores de microinfiltração foram semelhantes e a análise estatística (teste de Kruskal-Wallis, p = 0,32) indicou não haver diferença significante.

Concluiu-se que a aplicação de ambos os selantes de superfície reduziu a microinfiltração apenas na margem incisal.

 Pa195

Estabilidade de cor de resinas para confecção de próteses temporárias

CASTRO FILHO, A. A.*, LEITE, F. P. P., MIYASHITA, E., NEISSER, M. P., FIGUEIREDO, A. R., OLIVIERI, K., ARAÚJO, M. A. J.

Materiais Odontológicos e Prótese - Universidade Estadual Paulista. E-mail: castrofilho@directnet.com.br

O objetivo do trabalho foi avaliar a estabilidade de cor de resinas utilizadas para confecção de restaurações provisórias, utilizando-se dois meios de armazenamento. Os três materiais utilizados foram: resina acrílica convencional (Duralay/Reliance Dental Mgf. Co.), resina acrílica fotopolimerizável (Unifast/GC America) e resina composta bisacrílica (Instatemp/Sterngold Implamed). Foram confeccionados 20 corpos-de-prova de cada material, com 2 mm de espessura e 10 mm de diâmetro. Após a polimerização, metade dos espécimes foi armazenada em água destilada e a outra metade foi imersa em solução de café, no interior de recipientes metálicos vedados. Posteriormente foi realizada a ciclagem térmica entre 5 e 55ºC perfazendo um total de 500 ciclos. As leituras foram realizadas antes do armazenamento e após ciclagem térmica. As médias de estabilidade de cor (DE) obtidas para cada grupo foram: G1 (Duralay/água) - 4,11; G2 (Duralay/café) - 4,03; G3 (Unifast/água) - 4,17; G4 (Unifast/café) - 4,35; G5 (Instatemp/água) - 3,94; G6 (Instatemp/café) - 5,52.

A análise estatística realizada pelo método ANOVA com 5% de significância permitiu concluir que os materiais utilizados e o meio de armazenamento influenciaram na estabilidade de cor, enquanto o teste de Tukey demonstrou que o G6 apresentou maior instabilidade ao nível de significância de 5%.

 Pa196

Avaliação do desajuste cervical de coroas fundidas obtidas a partir de diferentes elastômeros

PEREIRA, J. R.*, VALLE, A. L., GAVAZZONI, A., PINTO, J. H. N., LOPES, J. F. S.

Prótese - Universidade de São Paulo. E-mail: jeffripe@rocketmail.com

O modelo de trabalho é o elo de ligação entre o protesista e o técnico. Nele estão as informações necessárias para realização dos procedimentos laboratoriais. Para se obter um bom modelo é necessário que o material e a técnica de moldagem sejam apropriadas. O objetivo deste trabalho foi avaliar o desajuste cervical de coroas metálicas fundidas utilizando-se 4 tipos de materiais elastoméricos e duas técnicas de impressão. Um troquel metálico com características de 1º molar superior preparado foi utilizado como modelo padrão. Foram realizadas 40 moldagens, 10 para cada material (polissulfeto (A), poliéter (B), silicona de polimerização por condensação (C) e silicona de polimerização por adição (D)). Os moldes dos grupos A e B foram obtidos com casquetes individuais. Para os grupos C e D foram utilizadas moldeiras individuais. Nos modelos de gesso tipo IV foram confeccionadas coroas metálicas (Ni-Cr), cujas desadaptações cervicais foram avaliadas no troquel padrão em 4 pontos. Para a análise dos resultados foram utilizados os testes ANOVA e Tukey com nível de significância de 5%. Os resultados deste trabalho foram : grupo D (MF: 31,97 mm, dp: 2,23), grupo B (MF: 49,57 mm, dp: 0,84), grupo A (MF: 51,12 mm, dp: 0,81) e grupo C (MF: 61,12 mm, dp: 1,39) .

A análise dos resultados mostrou que houve diferença estatisticamente significante entre todos os grupos, exceto entre grupos A e B. O grupo que utilizou silicona de adição obteve menor desajuste enquanto o grupo da silicona de condensação apresentou o maior desajuste.

 Pa197

Efeito da postergação do polimento na redução de fendas marginais em restaurações de resina composta compactável

FERREIRA, R. C.*, NOGUEIRA MOREIRA, A., MAGALHÃES, C. S., BARREIROS, I. D.,
BUONO, V. T. L.

Odontologia Restauradora - Universidade Federal de Minas Gerais. E-mail: raquelcf@dedalus.lcc.ufmg.br

O objetivo deste estudo in vitro foi avaliar o efeito da postergação do polimento no vedamento marginal de restaurações de resina composta compactável. Foram utilizadas 207 coroas de incisivos bovinos planificadas em uma das superfícies proximais até atingir dentina. Cavidades cilíndricas padronizadas (Ø = 3,0 mm, p = 1,5 mm) foram preparadas e divididas aleatoriamente em grupos segundo o sistema restaurador utilizado: G1- controle - Unibond/Fill Magic micro-híbrida; G2- Unibond/Fill Magic condensável e G3- Etch & Primer 3.0/Definite Ormocer. Após 10 min (T1), 7 dias (T2) e 30 dias (T3) de imersão em água a 37ºC foi realizado o polimento e a medida das fendas na interface dente/restauração. A relação entre a maior fenda e o diâmetro foi calculada. Os dados foram submetidos a ANOVA e ao teste t de Student (p < 0,05, n = 23). A comparação entre os grupos foi realizada. Médias seguidas por letras iguais não são estatisticamente diferentes: G1 (T1: 0,66 ± 0,11a, T2: 0,61 ± 0,12ab, T3: 0,56 ± 0,12b), G2 (T1: 0,69 ± 0,13a, T2: 0,61 ± 0,13b, T3: 0,58 ± 0,10b), G3 (T1: 0,85 ± 0,12a, T2: 0,78 ± 0,12b, T3: 0,66 ± 0,08c); T1 (G1: 0,66 ± 0,11a, G2: 0,69 ± 0,13a, G3: 0,85 ± 0,12b), T2 (G1: 0,61 ± 0,12a, G2: 0,61 ± 0,13a, G3: 0,78 ± 0,12b), T3 (G1: 0,56 ± 0,12a, G2: 0,58 ± 0,10a, G3: 0,66 ± 0,08b).

A postergação do polimento por 30 dias promoveu uma redução das fendas marginais para todos os sistemas ava­liados. O adiamento por 7 dias reduziu as fendas marginais para os G2 e G3. O G3 apresentou as maiores fendas independente do tempo de espera. A postergação do polimento por 10 min, 7 d ou 30 d não promoveu total fechamento das fendas para nenhum dos sistemas avaliados.

 Pa198

Resina composta condensada manual e mecanicamente – caracterização por espectroscopia no infravermelho

REIS, A. C.*, PANZERI, H., AGNELLI, J. A. M., REIS, F. J. C., CATIRSE, A. B. B. E.

Materiais Dentários e Prótese - Universidade de São Paulo. E-mail: andreare@forp.usp.br

O objetivo desse trabalho foi avaliar a ocorrência de alterações microestruturais em uma resina composta submetida à condensação manual e mecânica. Foram confeccionados dois grupos de corpos-de-prova em matrizes de acrílico, um condensado manual e outro mecanicamente, fotopolimerizados por 40 segundos em incrementos de 2 mm de altura e estudados através de ensaios de compressão e dureza superficial, análise em microscopia eletrônica de varredura e espectroscopia no infravermelho. A análise dos resultados (teste t de Student/p < 0,05) não mostrou diferença estatisticamente significante entre o grupo manual e mecânico nos ensaio de compressão (p = 0,1295), mas mostrou que o grupo manipulado mecanicamente apresentou maior dureza superficial (p = 0,0466). A análise gráfica da espectroscopia no infravermelho mostrou que a resina não apresentou alterações com relação à constituição química nas amostras obtidas a partir dos diferentes métodos de condensação, mas as partículas de sílica apresentavam-se mais homogeneamente distribuídas quando as amostras são submetidas à condensação mecânica, mostra também que a fotopolimerização ocorreu de maneira completa em ambos os métodos de preparação da amostra.

O resultado da análise por espectroscopia no infravermelho sugere que a organização entre as partículas de carga da resina se dá de maneira diferente quando esta é condensada por diferentes métodos, o que pode justificar a maior dureza superficial no grupo da condensação mecânica, embora nenhuma modificação fosse encontrada na observação através de microscopia eletrônica de varredura.

 Pa199

Infiltração marginal de coroas totais cerâmicas com alumina: efeito de diferentes tratamentos superficiais de adesão

OSÓRIO, A. B.*, CAMACHO, G. B., SAVARIZ, A.

Odontologia Restauradora - Universidade Federal de Pelotas. E-mail: abosorio@uol.com.br

O objetivo do estudo foi avaliar a infiltração marginal de coroas dos sistemas In-Ceram (Vita Zanhfabrik), e Procera AllCeram (Nobel Biocare) que receberam diferentes tratamentos superficiais para a adesão. Foram preparados para coroa total, 48 dentes pré-molares humanos, com terminação vestibular em esmalte e palatina em cemento. Nas superficies dentárias, foi executada a técnica do condicionamento ácido total. As 24 coroas In-Ceram, e as 24 coroas Procera foram divididas em quatro grupos de acordo com o tratamento executado: Grupo I jateamento com óxido de alumínio 50 mm e silanização com Ceramic Primer (3M), grupo II jateamento sem silano, grupo III (controle) condicionamento com ácido fluorídrico 10% (Dentsply) por 4 minutos e silano, e grupo IV condicionamento sem silano. As coroas foram cimentadas com o cimento resinoso Rely X ARC (3M) seguindo as instruções dos fabricantes. E a seguir foram submetidos à ciclagem térmica e, imersos em azul de metileno 2% por 12 horas. Após a lavagem foram seccionados e fotografados para a análise do grau de infiltração onde usou-se um método de leitura quantitativo através da contagem de pontos percentuais.

Os resultados foram analisados pelo teste ANOVA. Não houve diferença estatística entre os sistemas cerâmicos e o uso ou não do silano. Houve diferença estatística significante a nível de 5% (p < 0,05) entre os tratamentos, onde o jateamento teve melhor desempenho. Quanto ao local, a infiltração foi menor a nível de 1% (p < 0,01) no esmalte.

 Pa200

Estudo comparativo de bases de resinas para prótese total removível (PTR) – caracterização de dureza

ALMEIDA, H. C.*, MOTA, J. M. L. F., SALOMÃO, U. E., JANSEN, W. C., GIOVANNINI, J. F. B. G.

Odontologia Restauradora - Universidade Federal de Minas Gerais. E-mail: humbertodeal@uol.com.br

O objetivo deste trabalho foi avaliar vantagens e desvantagens de três técnicas de polimerização de resinas para base de PTR, a saber, banho de água convencional (TC), banho de água e pressão (TP) e energia de microondas (M), analisando propriedade de dureza. Foram confeccionados sessenta corpos-de-prova de 64 mm por 10 ± 0,2 mm e 3,3 ± 0,2 mm, assim divididos: vinte TC (dez com muralha de gesso (Herodent) e dez com muralha de silicona (Zetalabor Titanium)), vinte TP (dez com muralha de gesso e dez com muralha de silicona) e vinte M (dez com muralha de gesso e dez com muralha de silicona). Para avaliação de dureza, os corpos-de-prova, após o embutimento e polimento, foram avaliados através de microdurômetro (Future-Tech-Microhardness Tester FM). Foram feitas cinco leituras em cada corpo-de-prova, em pontos equidistantes demarcados previamente na mesma região para todos os corpos, mantendo dessa forma a uniformidade da leitura. As resinas utilizadas para o teste foram resina Clássico (Artigos Odontológicos) e resina Clássico (Ondacryl) para polimerização em microondas.

Pelos resultados obtidos não existiu diferença estatisticamente significativa entre as três técnicas de polimerização. Pode-se concluir que os corpos-de-prova, independentemente da técnica de polimerização (TC, TP ou M), apresentam níveis de dureza compatíveis com o bom desempenho clínico, e que a técnica de microondas, embora não seja comumente usada nos laboratórios, possui a vantagem de redução de tempo e facilidade na confecção da PTR.

 Pa201

Efeitos da remoção do colágeno dentinário na durabilidade da adesão

TORRES, C. R. G.*, ARAÚJO, M. A. M., TORRES, A. C. M.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual Paulista. E-mail: carlos.rgt@ig.com.br

O objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos da remoção do colágeno dentinário e utilização de uma resina composta fluida na durabilidade da adesão. Para tal, 180 incisivos bovinos receberam preparos classe V na junção amelo-cementária. Eles foram divididos em três grupos de acordo com a técnica adesiva aplicada: A) Single Bond segundo as instruções do fabricante e restauração com Z250; B) após o condicionamento ácido foi aplicada uma solução aquosa de NaOCl a 10% por 1 min, e então aplicado o Single Bond e a Z250; C) semelhante ao grupo B, exceto que após o adesivo, uma fina camada da resina fluida Natural Flow foi aplicada antes da inserção da Z250. Cada grupo foi dividido em três subgrupos (0, 6 e 12), os ­quais permaneceram imersos em água destilada por 24 h, 6 ou 12 meses, e receberam 500, 1.500 ou 2.500 ciclos térmicos, respectivamente. A microinfiltração foi avaliada pelo método do nitrato de prata seguido pela diafanização e observação em estereomicroscópio, aplicando-se escores de 0 a 4. Os dados foram analisados estatisticamente pelos testes de Kruskal-Wallis e comparações múltiplas. Após 12 meses, todos os grupos mostraram aumentos significantes de microinfiltração. Em todos os períodos, os grupos B e C não mostraram diferenças significantes entre si, mas exibiram estatisticamente menos microinfiltração que o grupo A.

Concluímos que a remoção do colágeno reduziu a microinfiltração em relação à técnica convencional. A utilização da resina fluida não produziu efeitos significantes. A técnica da remoção do colágeno dentinário com NaOCl melhorou a durabilidade da adesão.

 Pa202

Reprodução de detalhes de materiais a base de alginato submetidos a tratamento superficial com soluções fixadoras

FERNANDES, D. R.*, PANZERI, F. C., PANZERI, H., CASEMIRO, L. A., ZANIQUELLI, O.

Faculdade de Odontologia de Piracicaba - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: danoca@zipmail.com.br

O objetivo desse trabalho foi avaliar o comportamento de novos materiais a base de alginato tratados com soluções fixadoras de sulfato de zinco a 2%, cloreto de alumínio a 1% e fluoreto de alumínio a 1,5%. Foram selecionados 4 materiais (Jeltrate - Dentsply, Jeltrate Plus - Dentsply, Hydrogun - Zhermack, Kromopan - Lascod). As moldagens foram obtidas a partir de uma matriz de vinil, com rugosidade regular e depois da moldagem os moldes foram submersos isoladamente nas soluções testadas. A obtenção do modelo foi feita com gesso tipo IV (Durone - Dentsply) imediatamente após a imersão e, quando utilizados os alginatos que permitem tempo de espera para vazamento, eles foram submersos antes e depois do tempo de espera preconizado por cada fabricante e então os modelos foram obtidos. Em seguida, os modelos de gesso foram submetidos à rugosimetria (Rug-03 - Prazis) e os resultados foram submetidos ao teste de Tukey (p = 0,05) e indicaram que quando os modelos foram obtidos imediatamente após a imersão, não houve diferença estatisticamente significante entre a amostra controle (sem solução) e as diferentes soluções. Quando os modelos foram obtidos após tempo de espera houve diferença significativa somente quando utilizado o material Hydrogun imerso em sulfato de zinco.

A análise dos resultados nos permite concluir que a qualidade dos modelos não foi influenciada pelas soluções fixadoras.

 Pa203

Avaliação da profundidade de polimerização e dureza Knoop de compósito restaurador fotoativado com diferentes métodos

OBICI, A. C.*, CORRER SOBRINHO, L., CONSANI, S.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: andresaobici@yahoo.com

O objetivo do trabalho foi avaliar a profundidade de polimerização e a dureza Knoop do compósito P60 fotoativado com diferentes métodos. Uma matriz bipartida (3 mm de diâmetro x 11 mm de profundidade) foi preenchida com o compósito e a fotoativação foi feita por luz contínua (800 mW/cm2 - 40 s), luz exponencial (0-800 mW/cm2 - 40 s), luz intermitente (2 s - 600 mW/cm2; 2 s sem luz - 80 s), LED (100 mW/cm2 - 40 s) ou plasma de xenônio (1.320 mW/cm2 - 3 s). Com a matriz aberta, o material amolecido foi removido e o polimerizado medido com paquímetro. Após, os espécimes foram incluídos e desgastados longitudinalmente. A dureza foi medida na superfície, 1 mm, 2 mm e 3 mm, e os dados submetidos à analise de variância e ao teste de Tukey (5%). Os resultados mostraram maiores valores de profundidade para a luz intermitente (6,70 mm), seguida pela luz contínua (6,08 mm) e exponencial (5,88 mm) sem diferença entre si. O plasma de xenônio (4,67 mm) e o LED (4,23 mm) tiveram os menores valores e diferiram entre si. Até 2 mm todos os métodos mostraram valores de dureza que não diferiram entre si. A 3 mm, o LED (78,9) obteve o menor valor, diferindo do plasma de xenônio (91,83), da luz exponencial (93,85) e da intermitente (101,43). A luz contínua teve valor intermediário (91,80) e não diferiu dos demais métodos.

Concluiu-se que o método intermitente mostrou maior profundidade de polimerização, seguido pelos métodos contínuo, exponencial, plasma de xenônio e LED. Até 2 mm, todos os métodos tiveram dureza semelhante. A 3 mm, o LED teve a menor dureza, a luz contínua alcançou valor intermediário em relação aos demais métodos.

 Pa204

Análise da contração de polimerização de resinas compostas fotopolimerizadas por luz halógena e luz de emissão de diodo

PANZERI, F. C.*, VINHA, D., FERNANDES, D. R., CASEMIRO, L. A., RAZABONI, A. M.

Materiais Dentários e Prótese - Universidade de São Paulo. E-mail: panzeri@netsite.com.br

O objetivo desse trabalho foi verificar a influência da fonte luminosa na contração de polimerização das resinas compostas. Para isso, foram selecionados 50 dentes, sendo 25 molares e 25 pré-molares que ­receberam preparos MOD que foram separados aleatoriamente em 10 grupos de cinco dentes que foram ­res­taurados com resinas compostas (P60 - 3M; Z100 - 3M; Charisma - Heraeus Kulzer; Alert - Jeneric/­Pentron e Durafill - Heraeus Kulzer). A polimerização foi feita utilizando dois equipamentos para a polimerização da resina: um fotopolimerizador de luz visível de lâmpada halógena (Ultralux - Dabi Atlante) por 40 segundos e outro com lâmpada de emissão de diodo (Ultraled - Dabi Atlante) por 50 segundos. Após a polimerização, as restaurações foram polidas com discos de polimento de granulação decrescente (Sof-Lex - 3M) e colocados em recipientes com água destilada e mantidos por 24 horas a 37ºC. Em seguida, os dentes foram isolados em toda a sua porção radicular até 2 mm aquém do preparo cavitário com esmalte para unha e foram imersos em solução corante de Rodamina B a 0,2%. Os dentes foram embutidos em resina de poliéster e cortados em sentido longitudinal na direção mésio-distal, em máquina de corte Minitom (Struers - Alemanha), em seu eixo central com velocidade de 400 rpm e analisados em microscópio comparador (Nikon - Japão - 15 X) para análise de penetração de corante. Os resultados indicam que quando as resinas compostas foram polimerizadas com a lâmpada LED, houve menor infiltração de corante.

Houve menor contração de polimerização quando o LED foi utilizado.

 Pa205

Avaliação de uma resina polimerizada sob pressão no microondas, usando um sistema de injeção

MELLO, J. A. N.*, GANZAROLLI, S. M., DEL BEL CURY, A. A.

Odontologia Social - Universidade do Amazonas. E-mail: nunesdemello@yahoo.com

O sistema de injeção é um método preciso para se produzir próteses e a polimerização no microondas é um método rápido e eficaz. Este estudo avaliou os efeitos do sistema de injeção junto com a polimerização sob pressão no microondas, analisando a liberação de monômero residual (MR), resistência à flexão (RF), e dureza Knoop (DK). Amostras com a resina Onda-Cryl (Clássico Artigos Odontológicos) para mi­croondas foram produzidas: 12 espécimes em cada grupo (20 x 10 x 3 mm) para MR, 10 espécimes (65 x 10 x 2,5) para RF, e 10 discos (30 mm diâmetro x 4 mm espessura) para DK. As amostras foram divididas em 3 grupos: grupo controle, foi usado a técnica da compressão (G1, 3 min 360 W + 4 min 0 W + 3 min 810 W). Os outros grupos usaram o sistema de injeção (G2, 3 min 360 W + 4 min 0 W + 3 min 810 W), e sistema de injeção mais polimerização sob pressão (G3, 6 min 180 W + 4 min 0 W + 3 min 810 W/0,1 MPa). Os resultados foram, MR (mg/cm2): G1 = 52,18 (17,18)a, G2 = 27,77 (8,62)b, G3 = 29,54 (10,54)b; RF (MPa): G1 = 95,11 (5,38)a, G2 = 86,98 (10,60)b, G3 = 88,56 (6,64)b; DK: G1 = 20,01 (1,34)a, G2 = 20,07 (1,17)a, G3 = 19,74 (0,63)a. Os resultados da análise de variância e a comparação de médias usando o teste Tukey, mostraram diferença entre os grupos. As médias seguidas por letras diferentes mostram diferença significativa (a = 5%).

O sistema de injeção reduz o MR e a RF, e não afeta a DK da resina. O sistema de injeção mostrou ser prático e produz próteses com baixo monômero residual.

 Pa206

Estudo da interface adesiva em restaurações que combinam resinas com diferentes módulos de elasticidade

KENSHIMA, S.*, BALLESTER, R. Y., SINGER, J. M., GRANDE, R. H. M.

Materiais Dentários - Universidade de São Paulo. E-mail: silvia.k@uol.com.br

O objetivo deste estudo foi o de avaliar uma técnica teste para inserção de resinas compostas combinadas e duas técnicas convencionais, quanto à qualidade da interface adesiva, em restaurações classe V realizadas em dentes bovinos. Foram utilizadas as resinas compostas (Z250 e Durafill VS) com o sistema adesivo (Single Bond) em 30 preparos confeccionados nas superfícies vestibulares dos dentes (fator C = 3). Portanto, foram analisadas seis técnicas restauradoras com 5 repetições: incremental vertical (Z-v e D-v), incremental oblíqua (Z-o e D-o), e teste [Z-t e D-t (forramento das paredes cavitárias com uma resina e preenchimento com a outra)]. Os espécimes foram armazenados por 24 h em água a 37ºC e secionados no sentido V-L, originando 4 superfícies para obtenção de dados por espécime, as quais foram condicionadas (ácido fosfórico a 37%, por 3 s) e coradas (azul de metileno a 0,5%, por 2 s). Para mensurar o comprimento (c) e a largura (l) dos gaps, a interface adesiva foi examinada por microscopia óptica (400 X). A largura média (µm) dos gaps foi calculada através da equação lm = S (cn x ln)/Scn (somatório das áreas dividido pelo comprimento total dos “gaps”). Os resultados obtidos pelo tratamento estatístico dos dados (ANOVA para medidas repetidas) mostraram que somente a técnica e a superfície de leitura foram significativas (p < 0,05).

Concluiu-se com base nestes resultados que a técnica teste apresentou qualidade de interface inferior, ou seja, “gaps” mais largos e que, a largura média dos “gaps” relativa à seção central foi maior que a das superfícies externas medidas.

 Pa207

Influência de cargas imediatas na resistência de união entre porcelana e dentina

WITZEL, M. F.*, BRAGA, R. R., SINGER, J. M., AZEVEDO, C. L. N.

Materiais Dentários - Universidade de São Paulo. E-mail: pwitzel@usp.br

O objetivo deste estudo foi verificar a influência de cargas cíclicas prematuras e forma de ativação do cimento resinoso na resistência da união porcelana/dentina. Os sistemas adesivos avaliados foram Choice/One-Step e Rely X ARC/Single Bond. Peças tronco-cônicas de porcelana foram cimentadas em cavidades preparadas em seções de dentina radicular bovina. Cada sistema adesivo foi testado com o cimento resinoso nos modos “dual-cure” (com fotoativação) e “self-cure” (sem fotoativação). Em cada um dos quatro grupos (n = 30), metade dos corpos-de-prova (CPs) foi submetida a 20 cargas cíclicas de 60 N, 15 min após a colagem; o restante não recebeu cargas. Quando os cimentos foram utilizados no modo “self-cure”, observou-se rompimento total da união durante a ciclagem mecânica em 47% (n = 7) dos CPs construídos com o sistema RelyX/Single Bond e 13% (n = 2) dos CPs construídos com o sistema Choice/One-Step. O teste de cisalhamento por extrusão foi realizado após 24 h de armazenamento em água destilada a 37ºC.

Os dados foram tratados por análise de variância de três fatores, permitindo concluir que os CPs utilizando o cimento no modo dual-cure (13,4 ± 3,6 MPa) apresentaram melhor desempenho do que no modo self-cure (5,7 ± 2,6 MPa). O sistema adesivo e a aplicação de cargas cíclicas não interferiram nos valores de resistência dos CPs que sobreviveram à ciclagem mecânica.

 Pa208

Efeito da contração de polimerização sobre as condições de adesão e técnica de inserção de restaurações de resina

LOGUERCIO, A. D.*, REIS, A., SCHROEDER, M. A., BALLESTER, R. Y.

Materiais Dentários - Universidade de São Paulo. E-mail: aloguercio@hotmail.com

Foram avaliadas: 1) a contração de polimerização linear (CPL); 2) a largura média das frestas interfaciais (LF); 3) a resistência coesiva (RC) e 4) adesiva (RA) de uma resina (R, Z250) variando as condições de adesão (CA) e a técnica de inserção (TI). O sistema adesivo Single Bond foi aplicado em cavidades de 4 x 4 x 2 mm em dentes bovinos. Os dentes foram divididos em três grupos. No grupo T todas as paredes foram condicionadas, no grupo E apenas o esmalte (E) e no S não foi feito o condicionamento ácido. Após a R foi inserida em uma (B) ou três porções (I) e polimerizada com 600 mW/cm2 por 80 s. A CLP (%) foi medida na direção superfície-fundo. As frestas foram medidas (400 x) nas fatias obtidas após o 1º corte das restaurações. RA e RC foram obtidas por microtração dos palitos (2º corte das restaurações) em uma máquina Kratos (0,5 mm/min). A tabela apresenta os resultados (média ± desvio-padrão) após a análise de variância e teste de Tukey (5%).

Conclui-se que: 1) a CPL foi influenciada pela TI e LC; 2) LF e RA foram in­fluenciados apenas pelo LC. (Apoio: FAPESP - 99/05124-0.)

 Pa209

Relação entre microestrutura e módulo de ruptura em materiais cerâmicos empregados em Odontologia

GIRARD, A.*, FENANDES, C., NÓBREGA, M.

Centro de Saúde e Pesquisa - Universidade Veiga de Almeida. E-mail: antoniogirard@uol.com.br

Os materiais cerâmicos empregados em prótese devem apresentar módulo de ruptura (MOR) suficiente para suportar as cargas geradas durante a mastigação. A microestrutura destes materiais tem grande influência no MOR, pois o tipo de reforço utilizado pode melhorar as propriedades mecânicas do material. Este trabalho tem como objetivo determinar o MOR do material In-Ceram zircônia, recém-lançado no mercado odontológico, e compará-lo com o MOR de outros materiais já presentes no mercado. Através desta comparação, procurou-se estabelecer um protocolo de emprego clínico de próteses construídas a partir deste material. As superfícies de fratura das amostras serão analisadas para que se verifique a efi­cácia do reforço com zircônia estabilizada com ceria. Quatro materiais cerâmicos, In-Ceram Espinélio (Gr. I), Alumina (Gr. II), Zircônia (Gr. III) e Procera (Gr. IV) foram submetidos ao teste mecânico, utilizando amostras discoidais apoiadas por três bilhas segundo recomendação da ISO 6872 para determinação do MOR. As superfícies de fratura foram estudadas em MEV para determinação do tipo de fratura. A composição química dos materiais foi determinada através de análise por EDS. O MOR observado, em ordem decrescente, foi Grupos III, IV, II e I.

Não há diferenças significativas entre os Grupos III e IV, embora estes sejam estatisticamente diferentes dos demais. Os grãos de zircônia estabilizada com céria no material In-Ceram Zircônia desviam a propagação da trinca. Existe a indicação laboratorial de construção de próteses com três elementos posteriores a partir do In-Ceram Zircônia.

 Pa210

Efeito do tempo de espera para a realização do acabamento e polimento na adaptação de restaurações de resina composta

GALLITO, M. A.*, VAZ, E.

Dentística - Universidade do Estado do Rio de Janeiro. E-mail: gallitodentistica@bol.com.br

Este estudo verificou o efeito do tempo de espera para realização do acabamento e polimento de restaurações de resinas compostas, mensurando, com auxílio da MEV, a largura das fendas marginais formadas na interface dentina-resina. Foram utilizados 40 molares humanos recém-extraídos, com cavidades circulares na dentina superficial de cada face proximal, divididos aleatoriamente em 4 grupos de 10 espécimes cada. Para a execução das restaurações foram utilizadas as resinas compostas Concept e Fill Magic condensável (Vigodent). Ao término do procedimento restaurador, os dentes foram mantidos em água desionizada a 37ºC por períodos de 10 minutos, 24 horas, 7 dias e 15 dias, respectivamente, até a realização do acabamento e polimento. Ao término desta etapa, foram confeccionados moldes com polivinilsiloxana das faces proximais restauradas e réplicas em resina epóxica para utilização no estudo de microscopia eletrônica de varredura.

Por meio do tratamento estatístico dos resultados com ANOVA e com o teste de Tukey concluiu-se que, em relação à largura das fendas marginais: as duas resinas testadas apresentaram comportamentos semelhantes nos diferentes tempos de espera; que as menores larguras de fendas foram observadas no tempo de 15 dias, sendo, portanto, o tempo de 7 dias considerado o mais apropriado; embora fornecendo valores de fendas ligeiramente maiores, não se mostraram estatisticamente significantes quando comparado ao grupo anterior.

 Pa211

Sistema titânio-porcelana: avaliação por ensaio de flexão e microscopia eletrônica de varredura

GARBELINI, W. J.*, HENRIQUES, G. E. P.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual de Londrina. E-mail: wgarbelini@uol.com.br

Avaliou-se a influência de dois substratos metálicos (titânio comercialmente puro ou Ti-2 e a liga Ti-6Al-4V ou Ti-5) combinados a 3 sistemas cerâmicos de baixa fusão (PBF), sobre a resistência de união, por ensaio de flexão de três pontos e natureza da fratura metal-porcelana, por microscopia eletrônica de varredura (MEV) e comparou os resultados com a combinação da liga paládio-prata (Pd-Ag) e porcelana convencional VMK 68 Duceram. Foram confeccionadas 60 tiras de metal medindo 25 x 3 x 5 mm, sendo 30 de Ti-2 e 30 de Ti-5, cujos centros, aplicou-se as porcelanas Vita Titankeramik, Triceram e Duceratin (10 amostras em cada grupo) nas dimensões de 8 x 3 x 1 mm. O grupo controle consistiu de 10 amostras da liga Pd-Ag com porcelana Duceram VMK 68. A análise estatística foi realizada pelo método da análise de variância e teste de Tukey, ao nível de 5% de probabilidade. O resultado mostrou que a resistência de união apresentada pelo grupo controle, foi significantemente superior aos substratos Ti-2 e das ligas Ti-5. Já, nos substratos Ti-2 e Ti-5, combinados com a porcelana Duceratin, comparados à combinação Ti-2 com porcelana Vita Titankeramik, os valores foram significativamente menores. A análise por MEV, mostrou fraturas predominantemente adesivas para os substratos Ti-2 e Ti-5 e coesivas para o grupo controle Pd-Ag.

O grupo controle apresentou melhor comportamento quanto à resistência de união comparado aos grupos das PBF. Entre as PBF, o de menor desempenho ficou com as combinações Ti-2 e Ti-5 cobertos com a porcelana Duceratin. A MEV confirmou os resultados do teste de flexão.

 Pa212

Resistência à tração e dureza Vickers de titânio submetido a tratamentos térmicos

ROCHA, S. S.*, ADABO, G. L., FONSECA, R. G., VAZ, G. L., CRUZ, C. A. S., OLIVEIRA, P. C. G.

Materiais Odontológicos e Prótese - Universidade Estadual Paulista. E-mail: sicknan@hotmail.com

O propósito deste estudo foi avaliar o efeito de tratamentos térmicos na resistência à tração e dureza ­Vickers de Ti cp e liga Ti-6Al-4V usinados. Os corpos-de-prova em forma de halteres com área útil de 3,00 mm de diâmetro foram divididos em três grupos: (A) controle, sem tratamento térmico; (B) aquecimento a 750ºC por 2 h + resfriamento até a temperatura ambiente; (C) aquecimento a 960ºC por 1 h + resfriamento por imersão em água + envelhecimento a 550ºC por 4 h + resfriamento até a temperatura am­biente. O ensaio de tração foi realizado na máquina de testes mecânicos MTS modelo 810. O ensaio de dureza foi realizado no microdurômetro Micromet 2100, obtendo-se 8 medidas para cada corpo-de-prova. Os dados de resistência à tração e dureza de 8 réplicas para cada condição experimental de Ti cp e liga Ti-6Al-4V foram submetidos à análise de variância e teste de Tukey. Com relação à resistência à tração, não houve diferença estatística entre os grupos, tanto para o Ti cp (A- 622,37 MPa; B- 599,75 MPa e C- 634,25 MPa) como para a liga Ti-6Al-4V (A- 1.070,12 MPa; B- 995,50 MPa e C- 1.087,25 MPa). Quan­to à dureza, no Ti cp, houve diferença estatística entre os grupos (C- 267,08 VHN; A- 203,45 VHN; B- 184,30 VHN), enquanto na liga Ti-6Al-4V, o grupo C (427,18 VHN) foi estatisticamente superior aos demais (A- 322,28 VHN e B-291,93 VHN), que foram semelhantes entre si.

Os tratamentos térmicos não influenciaram a resistência à tração, porém atuaram de maneira significativa nos valores de dureza Vickers.

 Pa213

Influência do agente clareador peróxido de carbamida a 10% na resistência mecânica da colagem de “brackets” ortodônticos

CALASANS MAIA, J. A.*, MATTA, E. N. R., CHEVITARESE, O.

Odontopediatria e Ortodontia - Universidade Federal do Rio de Janeiro. E-mail: calasans@iis.com.br

O propósito deste estudo in vitro foi determinar a influência do agente clareador peróxido de carbamida a 10% na resistência mecânica da colagem de “brackets” ortodônticos. Foram estudados três grupos denominados G1 (não submetido ao clareamento), G2 (com clareamento e colagem realizada 1 semana após) e G3 (com clareamento e colagem realizada 24 h após). O teste de cisalhamento foi conduzido na máquina de ensaios mecânicos EMIC, com velocidade de deformação de 0,5 mm/min. A resistência ao cisalhamento em relação à área de colagem foi calculada para cada dente e expressa em MPa. Os resultados mostraram aumento estatisticamente significativo (p < 0,001) da resistência mecânica após clareamento.

O agente clareador aumenta significativamente a resistência mecânica da colagem de “brackets” ortodônticos e o tempo decorrido do final do tratamento clareador até a colagem do “bracket” ortodôntico não interferiu na resistência mecânica da colagem quando a mesma foi realizada 24 horas ou 1 semana após o clareamento.

 Pa214

Efeito das temperaturas de cocção de uma porcelana de baixa fusão na dureza Vickers do titânio

OLIVEIRA, P. C. G.*, ADABO, G. L., ROCHA, S. S., BATISTA, J. G., VAZ, L. G., BELOTTI, A. M.

Materiais Odontológicos e Prótese - Universidade Estadual Paulista. E-mail: pcdeoliviera@uol.com.br

O propósito deste estudo foi avaliar a influência das temperaturas utilizadas na aplicação de uma porcelana de baixa fusão, específica para o titânio (Ti22 - Noritake), na dureza Vickers do Ti cp. Os corpos-de-prova (30), na forma de cilindro de 5 mm de comprimento e 8 mm de diâmetro, foram divididos em 6 grupos: (I) controle; (II) queima do agente de união (800ºC); (III) queima da camada de opaco (780ºC); (IV) queima da 1ª camada de dentina; (V) queima da 2ª camada de dentina; (VI) glazeamento (740ºC). O tratamento de cada grupo foi realizado acumulando o tratamento do(s) grupo(s) anterior(es), no forno FV100 B - EDG. O ensaio de dureza foi realizado no microdurômetro Micromet 2100, obtendo-se 8 medidas para cada espécime. Os valores médios de dureza obtidos de 5 réplicas para cada condição do experimento foram submetidos à análise de variância e teste Tukey. O grupo controle I (204,06 VHN) mostrou-se estatisticamente superior aos demais, tratados com diferentes temperaturas. O grupo VI-740ºC (190,15 VHN) foi estatisticamente igual ao grupo III-780ºC (184,29), que foi semelhante aos grupos IV-770ºC (179,82 VHN) e II-800ºC (179,53 VHN), sendo estes dois últimos iguais ao grupo V-770ºC (174,46 VHN).

A dureza Vickers do Ti cp foi significativamente influenciada pelas temperaturas de queima da porcelana de baixa fusão Ti22; estes resultados podem sugerir alguma deterioração das propriedades mecânicas do Ti cp após a aplicação da porcelana.

 Pa215

Penetração do titânio em esmalte humano após aplicação de TiF4

CHEVITARESE, A. B.*, CHEVITARESE, O., CHEVITARESE, L. M., DUTRA, P. B., SADER, M.

Odontopediatria - Universidade Federal do Rio do Janeiro. E-mail: biachevitarese@ig.com.br

O objetivo deste estudo foi verificar a penetração do titânio no esmalte humano hígido e cariado após a aplicação de TiF4. Quinze terceiros molares inclusos foram cortados mésio-distalmente, limpos com pedra-pomes, lavados, secos e divididos em dois grupos (G1- 15 metades hígidas e G2- 15 metades com cárie artificial). Foi então aplicada, em ambos grupos, uma solução aquosa de TiF4 a 4% por 60 segundos, seguida de lavagem pelo mesmo tempo e secagem. Após isto, cada metade recebeu guias de fratura para facilitar a clivagem no sentido ocluso-cervical, de modo que a porção interna do esmalte fosse observada ao MEV. Através do EDS pôde-se verificar a penetração do titânio no interior do esmalte. Utilizou-se o escore 0 (penetração 0 até 2 mm) e escore 1 (penetração > 2 mm). Os resultados foram analisados através do teste exato de Fisher e do qui-quadrado (p < 0,05). No grupo G1, 10 obtiveram escore 1 (p = 0, 06) e no G2, 13 obtiveram escore 1 (p = 0,00006).

Houve maior penetração do titânio no esmalte hígido após a aplicação de TiF4.

 Pa216

Influência do armazenamento de sistemas adesivos de frasco único na resistência adesiva

SADEK, F. T.*, CARDOSO, P. E. C.

Materiais Dentários - Universidade de São Paulo. E-mail: fesadek@usp.br

O objetivo desse estudo foi investigar o efeito do armazenamento de 3 sistemas adesivos de frasco único por 12 meses sobre a resistência ao cisalhamento. Num primeiro momento, 15 molares humanos tiveram o terço oclusal removido expondo superfície dentinária plana e foram cortados ao meio. Essas 30 metades foram embutidas em tubos de PVC com resina acrílica. Uma camada de “smear” foi criada após abrasão em lixas d’água de granulações 220/320/400/600. Os sistemas adesivos: Single Bond [SB] (3M ESPE), Optibond SoloPlus [OS] (SDS-Kerr), e Prime & Bond NT [PB] (Dentsply/Caulk), foram usados de acordo com as recomendações dos respectivos fabricantes. Um cilindro (3 x 3 mm) de resina composta (Tetric Ceram - Ivoclar-Vivadent) foi construído no centro da superfície dentinária. Após ciclagem térmica, o teste de cisalhamento foi realizado numa máquina de ensaios Kratos com velocidade de 0,5 mm/min. Os adesivos foram armazenados num forno à 33ºC por 12 meses, sendo essa escolhida por ser uma temperatura usual em países tropicais. Durante esse período, todos os frascos foram abertos uma vez ao dia e apertados até que uma gota surgisse no orifício do frasco. Após esse período, outros 30 corpos-de-prova foram feitos para o teste de cisalhamento, seguindo a mesma metodologia. Os valores médios em MPa (imediato/12 meses) foram: [SB] 12,08a/10,01a; [OS] 13,54a/4,83c; [PB] 8,59b/8,59b.

Os resultados imediatos mostraram valores de resistência inferiores para o adesivo Prime & Bond NT, que sofreu influência significativa do tempo de armazenamento, o mesmo acontecendo com o adesivo Optibond SoloPlus.

 Pa217

Microtração de cerâmica aluminizada e cimento resinoso: efeito do tratamento da superfície cerâmica

SOARES, L. F.*, NEISSER, M. P., MALLMANN, A., OYAFUSO, D. K., CARVALHO, M. C. A., COSTA, E. M. V., NISHIOKA, R. S.

Odontologia Restauradora - Universidade Federal de Santa Maria. E-mail: protese@zaz.com.br

Este estudo avaliou a resistência à microtração de um cimento resinoso a um substrato cerâmico em três condições de tratamento de superfície. Foram confeccionados 6 blocos da cerâmica In-Ceram Alumina (Vita) e 6 blocos de resina composta (Clearfil APX, Kuraray) com dimensões de 6 mm x 6 mm x 5 mm. A superfície da cerâmica foi abrasionada com lixas d’água nº 800, 1000 e 1200 sob refrigeração, e os blocos foram divididos em três grupos conforme o tratamento superficial: Grupo 1 - microjateamento com óxido de alumínio 110 mm (Micro-Etcher, Danville); Grupo 2 - sistema Rocatec (ESPE): jateamento com óxido de alumínio 110 mm (Rocatec Pre-powder) e com sílica (Rocatec-Plus powder) + Rocatec-Sil; Grupo 3 - sistema CoJet (ESPE-3M): jateamento com partículas de sílica 30 µm + ESPE-Sil. Os blocos cerâmicos foram cimentados aos de resina composta com o cimento Panavia F (Kuraray Co.) conforme as instruções do fabricante, sob carga de 750 g por 10 min. As amostras foram armazenadas (água destilada/37ºC/7 dias) e seccionadas em dois eixos, x e y, com disco diamantado sob refrigeração (Labcut 1010) a fim de obter corpos-de-prova (CP) com ± 0,8 mm2 de área adesiva (n = 20). Os CP foram fixados em dispositivo adaptado para o teste de microtração e tracionados (velocidade: 1 mm/min) na máquina de ensaio universal EMIC. Os resultados (tabela) foram submetidos a análise de variância e Teste de Tukey (p < 0,05).

Os Grupos 2 (Rocatec) e 3 (CoJet) apresentaram ­maior resistência adesiva que o Grupo 1. Não houve diferença entre os Grupos 2 e 3.

 Pa218

Resistência da união metalocerâmica de ligas de Ni-Cr e Pd-Ag e cerâmicas odontológicas

CROSARA, S.*, BEZZON, O. L., LOPES, A. L. R.

Materiais Dentários e Prótese - Universidade de São Paulo. E-mail: stellacrosara@aol.com

O objetivo deste estudo foi avaliar a resistência da união metalocerâmica (RUMC) de duas ligas de Ni-Cr (Verabond e Verabond II) e uma liga de Pd-Ag (Pors-on 4) com duas cerâmicas odontológicas (IPS e Duceram) e avaliar os resultados em relação ao ensaio dilatométrico dos materiais envolvidos. Para o ensaio de RUMC foram construídos anéis cerâmicos em torno de hastes metálicas das ligas que posteriormente foram embutidos em gesso para o ensaio em uma máquina de ensaios universais (EMIC MEM 2000). Para o ensaio dilatométrico foram obtidos corpos-de-prova cilíndricos de 12,0 x 2,0 mm e utilizado o Dilatômetro Adamel Lhomargy DT 1000. A liga Pors-on 4 apresentou os maiores valores de RUMC com diferença estatisticamente significante (a = 0,01) em relacão às ligas de Ni-Cr que não apresentaram diferença estatisticamente significante. Em relação às cerâmicas os maiores valores de RUMC foram obtidos com a cerâmica IPS com diferença estatisticamente significante (a = 0,01). Para a interação cerâmica/liga foi observada diferença estatisticamente significante para o par metalocerâmico Pors-on 4/IPS. O ensaio dilatométrico mostrou que as maiores diferenças entre os coeficientes de dilatação térmico-linear dos pares metalocerâmicos avaliados foram observadas com a liga Pors-on 4 em relação às duas cerâmicas avaliadas.

Concluímos que as maiores diferenças de coeficiente dilatométrico foram responsáveis pelos maiores valores de RUMC. (Apoio: FAPESP - processo 2000/002471-0.)

 Pa219

Desinfecção das moldagens nas clínicas da faculdade de Odontologia de Campos

LINHARES, S. M.*, ROZÁRIO, H. H., MACIEL, R. M. V., GALLITO, M. A.

Materiais Dentários - Faculdade de Campos. E-mail: smslinhares@ig.com.br

O objetivo desse trabalho foi identificar contaminação em moldes, assim como, estabelecer a eficácia da solução desinfetante para utilização nas clínicas da FOC. Foram usadas 176 moldagens obtidas de pacientes da FOC, nas quais foi realizada a coleta do material utilizando dois “swabs” úmidos em solução salina. Logo em seguida à remoção do molde da boca e ser lavado com água corrente, foi feita a primeira coleta com o “swab” que foi passado na superfície do molde e em seguida introduzido na salina. A seguir, foi realizada a desinfecção do molde com hipoclorito de Na a 1%, sob a forma de aerossol e colocado em plástico auto-adesivo por 10 min. Terminado o tempo e após a lavagem do molde, nova coleta foi feita. Ambos os “swabs” foram introduzidos em tubos de ensaio com o meio tioglicolato, e incubados por 72 horas à 37ºC. Após este período, foi observada a turvação pela inspeção visual considerando os scores (0 = ausência de turvação; + = turvação discreta; ++ = turvação moderada; +++ = turvação intensa). Os dados foram submetidos a uma análise estatística descritiva para a obtenção dos seguintes resultados: na primeira coleta, 73,86% dos moldes apresentaram leve contaminação; 15,91% moderada, 7,95% intensa e 2,27% não apresentaram contaminação. Após a desinfecção, na segunda coleta, 95,45% dos moldes não apresentaram contaminação; 3,98% discreta contaminação e 0,57% moderada.

Pode-se concluir que houve contaminação em todas as moldagens obtidas; a desinfecção foi eficaz na maioria das moldagens e o procedimento deve ser adotado como rotina nas clínicas da FOC.

 Pa220

Avaliação da dureza superficial de resinas compostas de laboratório submetidas a diferentes métodos de polimerização

GONÇALVES, A. R.*, BOTTINO, M. A., SILVA NETO, D. R., NEISSER, M. P., OLIVIERI, K. A. N., HILGERT, E., FIGUEIREDO, A. R.

Materiais Odontológicos e Prótese - Universidade Estadual Paulista. E-mail: argoncalves@yahoo.com

O objetivo deste trabalho foi determinar a microdureza superficial Knoop de duas resinas compostas indiretas (Solidex/Shofu e Vita Zeta LC/Vita) e uma resina composta híbrida direta (W3D Master), submetidas à polimerização em uma unidade polimerizadora (Solidilite/Shofu) ou com a utilização de dois aparelhos portáteis (Degulux/Degussa; Optilight Plus/Gnatus), para avaliar a possibilidade de confecção de reparos em próteses fixas. Foram confeccionados 90 corpos-de-prova, 10 para cada interação resina/método de polimerização. Os ensaios de dureza foram realizados após a armazenagem das amostras em água destilada a 37ºC por 7 dias. Os dados obtidos foram submetidos a análise de variância estatística (ANOVA), seguida pelo teste de Tukey em nível de 5,0% de significância. A resina W3D Master apresentou maiores valores de dureza. Os diferentes métodos de polimerização não alteraram estatisticamente a dureza superficial das resinas Solidex e W3D Master. Para a resina Vita Zeta LC, o aparelho Degulux promoveu resultados estatisticamente maiores em relação ao Optilight Plus e o Solidilite apresentou valores de dureza estatisticamente iguais aos demais aparelhos utilizados.

Dentro das limitações deste estudo, sugerimos que os fotopolimerizadores portáteis podem ser usados para a realização de reparos em próteses confeccionadas com as resinas indiretas estudadas.

 Pa221

Avaliação de alginatos irradiados com radiação gama através de espectroscopia no infravermelho e infravermelho próximo

CASEMIRO, L. A.*, PANZERI, F. C., VINHA, D., RAZABONI, A. M., PANZERI, H.

Materiais Dentários e Prótese - Universidade de São Paulo. E-mail: lac@forp.usp.br

O objetivo deste trabalho foi verificar o efeito da irradiação em quatro marcas comerciais de alginato (Jeltrate® - Dentsply, Greengel® - Herpo, Hydrogum® - Zermack e Kromopan® - Lascod) com cinco doses diferentes de radiação gama, através de espectroscoscopia no infravermelho e no infravermelho próximo. Os alginatos foram irradiados nas próprias embalagens comerciais, simulando uma situação possível de ser aplicada pelos fabricantes em busca de uma melhor qualidade microbiológica desses materiais. Cada marca comercial foi irradiada com as seguintes doses de radiação gama: 5, 10, 15, 20 e 25 KGy; entretanto, para atuar como controle, uma embalagem de cada marca não foi irradiada. Os espectros dos materiais foram obtidos em espectrômetro de infravermelho da marca Nicolet, mod 104, com transformada de Fourier, no modo de reflectância, usando como padrão KBr de grau espectroscópico. A inspeção dos espectros permite afirmar que, dentro de cada marca comercial, não houve alteração estrutural nos mate­riais irradiados em nenhum dos grupos, comparados aos respectivos controles.

Pode-se concluir que a irradiação das marcas comerciais de alginato selecionadas para o trabalho nas doses de radiação estabelecidas não alterou estruturalmente esses materiais, o que sugere que as pro­priedades dos alginatos também permaneçam preservadas com o processo de irradiação com radiação gama.

 Pa222

Influência do tempo de demora para demuflagem nos deslocamentos dentais em prótese total

CONSANI, S.*, CONSANI, R. L. X., SINHORETI, M. A. C., MESQUITA, M. F.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: consani@fop.unicamp.br

O propósito deste estudo foi verificar a influência do tempo de demora para demuflagem da prótese total nos deslocamentos dentais. Foram confeccionadas 10 próteses totais superiores, com inclusão da resina acrílica termopolimerizável Clássico em muflas metálicas pelo método convencional e polimerização em ciclo de água aquecida à temperatura de 74ºC por 9 horas. Pontos referenciais metálicos foram fixados nos incisivos centrais (I), pré-molares (PM) e molares (M). Depois do esfriamento da água de polimerização, as muflas permaneceram em bancada por mais 3 horas antes da abertura. Após esse período as próteses foram removidas das muflas, acabadas e armazenadas em água a 37ºC. As alterações do posicionamento dental sob influência do tempo de demora foram verificadas após 1 dia, 1 semana, 1 mês e 3 meses num microscópio Olympus (Japão) com precisão de 0,001 mm. Os resultados dos deslocamentos dentais obtidos nas distâncias transversais I-I (1 d = 7,02 mm, 1 s = 7,05 mm, 1 m = 7,01 mm, 3 m = 7,17 mm), PM-PM (1 dia = 39,70 mm, 1 s = 39,70 mm, 1 m = 39,64 mm, 3 m = 39,72 mm), M-M (1 d = 52,85 mm, 1 s = 52,85 mm, 1 m = 52,80 mm, 3 m = 52,85 mm) e ântero-posteriores ID-MD (1 d = 37,69 mm, 1 s = 37,77 mm, 1 m = 38,06 mm, 3 m = 38,19 mm) e IE-ME (1 d = 34,57 mm, 1s = 34,32 mm, 1 m = 34,00 mm, 3 m = 34,02 mm) foram submetidos à análise de variância e ao teste de Tukey em nível de 5% de significância.

Os autores concluíram que o tempo de demora em bancada por 3 horas, após o esfriamento das muflas em água de polimerização, não exerceu influência nos valores dos deslocamentos dentais ocorridos nos sentidos transversal e ântero-posterior.

 Pa223

Influência de sistemas adesivos na microinfiltração de restaurações de resina composta

FONSECA, M. C. P.*, JORGE, A. O. C.

Odontologia - Universidade de Taubaté. E-mail: miriam_fonseca@uol.com.br

O objetivo deste trabalho foi avaliar, in vitro, a microinfiltração quando na utilização dos sistemas adesivos, Prime & Bond NT e Etch & Prime 3.0. Foram utilizados trinta dentes pré-molares humanos extraídos. Em cada dente foi preparada cavidade classe V vestibular com término da parede oclusal em esmalte e gengival em cemento. Os dentes foram divididos em três grupos. No Grupo 1 foi aplicado o sistema adesivo Prime & Bond NT com condicionamento ácido, no Grupo 2 foi aplicado o sistema Etch & Prime 3.0 com condicionamento ácido, e no Grupo 3 foi aplicado o sistema adesivo Etch & Prime 3.0, (autocondi­cionante). Todos os dentes foram restaurados com resina composta Z100 (3M). A seguir foram armazenados a 37ºC por 24 horas, as restaurações foram polidas, e submetidas à ciclagem térmica e imersos em fucsina básica a 2% por 24 horas. Os dentes foram lavados e seccionados para avaliação do grau de penetração do corante em lupa estereoscópica. A análise estatística usada foi não-paramétrica (teste de Kruskal-Wallis e Wilcoxon).

Concluímos que: 1) os sistemas adesivos Prime & Bond NT e Etch & Prime 3.0, apresentaram graus de microinfiltração semelhantes, tanto no esmalte como no cemento, quando o tecido foi previamente condicionado com ácido fosfórico a 37%; 2) no sistema adesivo autocondicionante Etch & Prime 3.0 a mi­croinfiltração foi maior no esmalte, com diferença estatisticamente significante em relação as restaurações que receberam prévio condicionamento ácido; e obtendo resultado superior ao mesmo material, quando utilizado sem condicionamento ácido.

 Pa224

Análise morfológica da superfície e interface esmalte/adesivo após tratamento com laser Er:YAG em diferentes energias

CORONA, S. A. M.*, PALMA DIBB, R. G., BORSATTO, M. C., SASSI, J. F., CHINELATTI, M. A., PECORA, J. D.

Odontologia Restauradora - Universidade de São Paulo. E-mail: nelsoncorona@uol.com.br

O objetivo do presente trabalho foi analisar morfologicamente, por meio de MEV, a superfície e a interface adesiva, após tratamento do esmalte com laser Er:YAG empregado em diferentes energias. Empregaram-se 10 terceiros molares hígidos, dos quais foram obtidos discos de aproximadamente 1 mm de espessura. A superfície de esmalte foi padronizada utilizando-se lixas d’água (280, 320, 400 e 600). Os discos foram divididos aleatoriamente em 5 grupos: ácido fosfórico a 37%, laser Er:YAG (80 mJ, 100 mJ, 120 mJ, 140 mJ com 2 Hz), associados ao tratamento ácido. Os discos foram seccionados e numa metade foi aplicado o sistema Single Bond/Filtek Z250 (3M) e na outra foi analisada a superfície. Os hemidiscos com Z250 foram incluídos em resina acrílica, seccionados perpendicularmente à superfície e preparados para análise ao microscópio eletrônico de varredura. Observou-se que a aplicação do laser (80 mJ e 100 mJ/2 Hz) + ácido, promoveu um aspecto irregular, com desmineralização generalizada, e presença de porosidades. Com 120 mJ observou-se a ocorrência de microfissuras e que aumentaram de tamanho com o aumento da energia. Na análise da interface observou-se uma superfície semelhante à proporcionada pelo condicionamento ácido quando do emprego do laser com 80 mJ e presença da camada híbrida. Com o aumento da energia não foi possível observar formação de camada híbrida, mas a interface apresentou-se com uma boa penetração do sistema adesivo no esmalte.

Pode-se concluir que o uso do laser Er:YAG afetou a morfologia da interface adesiva e alterou superficialmente o esmalte.

 Pa225

Resistência à fratura de raízes bovinas reconstruídas com pino de fibra de vidro e núcleos de preenchimento estéticos

DIAS DE SOUZA, G. M.*, DIAS, C. T. S., PAULILLO, L. A. M. S.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: gracemendonca@yahoo.com

Os pinos de fibra de vidro são uma alternativa estética para dentes anteriores tratados endodonticamente e extensamente destruídos. A porção coronária desses pinos é reconstruída utilizando os mesmos mate­riais para núcleo de preenchimento indicados para os pinos metálicos, entretanto, o sistema de retenção é diferente do sistema empregado para os pinos metálicos, ou seja, a união não se dá por retenção mecânica, mas por sistema adesivo e silanização. O objetivo deste trabalho foi avaliar a resistência à fratura de 40 raízes bovinas que receberam tratamento endodôntico e foram reconstruídas com pino de fibra de vidro associado a quatro diferentes materiais para núcleo de preenchimento: resina composta (RC), resina modificada por poliácido (RM), ionômero de vidro convencional (IV) e ionômero modificado por resina (IM). Sobre os núcleos foram cimentadas coroas em resina composta indireta e as amostras foram submetidas ao carregamento tangencial de compressão na velocidade de 0,5 mm/min em máquina universal de ensaios Instron. Os resultados foram submetidos à análise de variância e ao teste de Tukey (p < 0,05): RC - 71,97 kgf (16,07)a; IM - 64,19 kgf (10,72)ab; IV - 52,00 kgf (13,92)b; RM - 50,21 kgf (13,45)b.

Baseando-se nos resultados encontrados, pode-se concluir que a construção de núcleo de preenchimento em resina composta associada a pino de fibra de vidro promoveu os melhores resultados de resistência à fratura, sem apresentar diferença estatística do núcleo de preenchimento em ionômero de vidro modificado por resina.

 Pa226

Resistência à fratura por meio de ensaio de compressão axial em dentes com restaurações “inlays” e “overlays” de porcelana

MORIMOTO, S.*, SESMA, N., VIEIRA, G. F.

Dentística - Universidade de São Paulo. E-mail: sesma@sti.com.br

O objetivo deste estudo foi comparar o comportamento de dentes com preparos “inlays” e “overlays”, restaurados com porcelana cimentada adesivamente. Foram empregados 30 pré-molares superiores íntegros distribuídos aleatoriamente em 3 grupos: 1) íntegros; 2) “inlays” e 3) “overlays”. Os preparos “inlays” eram do tipo MOD com 1/2 da distância intercuspídica e os preparos “overlays” eram tipo MOD com recobrimento das cúspides vestibular e palatina. Os corpos-de-prova foram submetidos ao ensaio de compressão axial oclusal. Os valores médios de fratura foram de 120,0 kgf; 120,3 kgf e 117,3 kgf respectivamente para os grupos 1, 2 e 3. Análises estatísticas indicaram que não houve diferença entre os grupos (p > 0,05). As “inlays” obtiveram valores de fratura semelhantes aos das           “overlays”, porém os preparos com recobrimento de cúspides resultam em perda de estrutura sadia, podendo interferir também na estética e oclusão. Os padrões de fratura para os dentes íntegros foram 70% do tipo moderada (Padrão II) e 30% do tipo simples (Padrão I); para as “overlays” foram 70% do tipo simples (Padrão I), 10% do tipo moderada (Padrão II) e 20% do tipo severa (Padrão III), enquanto que para as “inlays”, 70% foram do tipo simples e 30% do tipo moderada.

As “inlays” e “overlays” conseguiram recuperar a rigidez das cúspides de forma semelhante aos valores encontrados para os dentes íntegros. A indicação clássica que afirma que a partir de 1/3 da distância intercuspídica as cúspides devem ser recobertas, deve ser questionada quando do uso de restaurações cerâmicas cimentadas adesivamente.

 Pa227

Resistência à fratura de dentes restaurados com resina composta direta e “inlays” de cerâmica

RODRIGUES, S. J.*, MOTA, C. S., BOCANGEL, J. S., DEMARCO, F. F.

Odontologia Restauradora - Universidade Federal de Pelotas. E-mail: ffdemarco@hotmail.com

O objetivo deste estudo foi avaliar comparativamente a resistência à fratura de dentes restaurados com resina e “inlays” de cerâmica. Vinte e seis terceiros molares humanos hígidos foram selecionados e armazenados em solução salina. Os dentes foram aleatoriamente divididos em 4 grupos: G1: grupo controle (n = 5) - sem preparo cavitário; G2: (n = 5) - preparos cavitários MOD padronizados foram realizados, mas não restaurados; G3: resina (n = 8) - os preparos cavitários foram restaurados usando adesivo dentinário (Single Bond - 3M) e resina composta (P60 - 3M), e G4: cerâmica (n = 8) - os preparos foram restaurados utilizando adesivo dentinário (Single Bond - 3M), cimento resinoso (Rely X ARC - 3M) e “inlays” de cerâmica (IPS - Ivoclar). As cavidades MOD foram confeccionadas com 1/3 da distância intercuspídea. Os materiais foram utilizados de acordo com as instruções do fabricante e polimerizados com um fotopolimerizador XL3000 (3M). Após o polimento os espécimes foram submetidos a uma carga compressiva em uma máquina de ensaio universal (Kratos), com velocidade de 0,5 cm/min. As médias foram calculadas em MPa, de acordo com a área de superfície: G1= 48,46 (± 21,42), G2 = 20,37 (± 4,09), G3 = 40,21 (± 11,91), e G4 = 26,86 (± 5,63). Os dados foram submetidos à análise estatística (ANOVA e Tukey). G2 e G4 foram similares com valores inferiores ao G1 (p < 0,05). G3 exibiu resultados similares ao G1, apresentando resistência superior ao G2 (p < 0,05).

O preparo cavitário reduziu a resistência dentária à fratura e as restaurações de resina aumentaram essa resistência próximo ao grupo controle.

 Pa228

Contração de polimerização de resinas compactáveis variando-se a distância da fonte de luz, medida por picnômetro a gás

AMORE, R.*, PAGANI, C., YOUSSEF, M. N., ANAUATE NETTO, C., LEWGOY, H. R.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual Paulista. E-mail: ricardoamore@uol.com.br

A utilização de restaurações estéticas diretas com resinas compostas tem aumentado nos últimos anos e estes materiais, associados aos sistemas adesivos, têm alcançado grande evolução tecnológica. A evolução das resinas compostas tem sido constatada na melhoria do seu comportamento estético, no aumento da sua resistência à compressão e à abrasão. Apesar dos avanços mencionados, a contração de polimerização inerente a este material, continua sendo uma grande deficiência e, por enquanto, impossível de ser evitada. Nesta pesquisa estudou-se a contração de polimerização de três resinas compactáveis, Filtek P60 (3M), Prodigy condensável (Kerr) e SureFil (Dentsply), variando-se a distância da fonte de luz em 2 mm e 10 mm, avaliada por picnômetro a gás que mede o deslocamento do gás hélio antes e após a polimerização. Os valores médios de contração de polimerização das resinas Filtek P60, Prodigy condensável e SureFil foram 1,84%, 1,69% e 1,98%, com 2 mm de distância da fonte de luz. Para a distância de 10 mm, os valores médios foram 1,62%, 1,14% e 1,45%, respectivamente. Os resultados mostraram que não houve diferenças com significado estatístico entre as três resinas. Independente do tipo de resina composta, também não houve diferenças significantes para as distâncias de polimerização de 2 mm e 10 mm.

O método da picnometria a gás mostrou-se promissor para as análises volumétricas de materiais dentá­rios resinosos por permitir alta fidelidade na medição, reprodutibilidade, ausência de interferência de temperatura e umidade, além de fornecer os resultados de forma digital e automatizada.

 Pa229

Avaliação da contaminação microbiana de alguns materiais utilizados em Dentística Restauradora

MANIGLIA, A. B.*, RAZABONI, A. M., BATAGLION, C., MARTINS, C. H. G., ITO, I. Y.,
MANIGLIA, C. A. G.

Faculdade de Odontologia - Universidade de Franca. E-mail: cmaniglia@uol.com.br

O objetivo deste estudo foi avaliar a contaminação microbiana de frascos novos recém-abertos e em uso (pela metade e quase no fim do conteúdo) de diferentes materiais utilizados em Dentística Restauradora. Os materiais avaliados foram o Vitrebond (3M), Z100 (3M), Single Bond (3M) e Permite C (SDI). Para a verificação da contaminação microbiana, amostras dos materiais foram retiradas das embalagens e colocadas em Erlenmeyer contendo 100 ml de meio de cultura Letheen Broth (DIFCO) e incubadas a 32-35ºC por 20 dias. Quando verificada a turvação, a suspensão era semeada em duas placas, uma contendo meio Mueller-Hinton Agar (MERCK) e outra Letheen Agar (DIFCO) e incubadas por 48 horas a 32-35ºC. Foi feita a coloração de Gram para identificação dos morfotipos. Os cocos gram-positivos (Staphylococcus) foram semeados em kit Api Staph (bioMérieux) e os bacilos gram-positivos em séries de Hiss convencional (em tubos). Os cocos forma identificados como: S. epidermidis, S. cohnii, S. capitis e S. hominis; os bacilos gram-positivos aeróbios esporulados como: B. sphaericus, B. coagulans, B. circulans e B. magate­rium e a única cepa de levedura como Candida glabrata.

Baseado nos resultados verificou-se que não houve diferença estatisticamente significante quanto a contaminação dos materiais quando recém-abertos e durante o uso, concluindo haver pouca possibilidade de contaminação cruzada através do uso dos materiais avaliados.

 Pa230

Influência da freqüência do laser de Er:YAG na resistência da união do esmalte dental

GONÇALVES, M.*, CORONA, S. A. M., PÉCORA, J. D., PALMA DIBB, R. G.

Materiais Dentários e Prótese - Universidade de São Paulo. E-mail: ane.gon@netsite.com.br

O presente estudo teve por objetivo avaliar a influência de diferentes freqüências do laser de Er:YAG sobre a resistência adesiva do esmalte e um sistema restaurador. Não existem relatos na literatura sobre estudos avaliando a influência de variações da freqüência de pulso do laser de Er:YAG na resistência adesiva da interface esmalte/resina. Cinqüenta superfícies de esmalte de terceiros molares humanos foram planificadas e divididas em cinco grupos. O tratamento da superfície de esmalte foi realizado com laser de Er:YAG a 80 mJ e às freqüências de pulso de 1, 2, 3 e 4 Hz, seguido pelo condicionamento ácido. O grupo controle sofreu somente o condicionamento com ácido fosfórico a 37% por 15 segundos. O sistema res­taurador Single Bond/Filtek Z250 foi selecionado para a confecção dos espécimes, os quais foram estocados em umidade relativa de 100% por 24 horas a 37ºC. Os espécimes foram submetidos ao teste de tração em uma máquina universal, regulada a 50 kgf e 0,5 mm/min. Os valores médios obtidos em MPa foram: 1 Hz: 25,58 (± 6,16); 2 Hz: 25,58 (± 3,79); 3 Hz: 21,34 (± 3,78); 4 Hz: 21,17 (± 3,13) e ácido fosfórico apenas: 22,44 (± 7,0). Os dados foram submetidos à análise estatística pelo teste ANOVA, não demonstrando diferença significativa entre os grupos estudados.

Os resultados sugeriram que o laser de Er:YAG, a 80 mJ e às freqüências de pulso de 1, 2, 3 e 4 Hz, associado ao condicionamento ácido não apresenta melhora significante na resistência à tração do esmalte, comparado ao condicionamento ácido apenas.

 Pa231

Efeito do preparo cavitário e da técnica de polimerização na resistência à fratura de pré-molares

MAIA, D. S.*, WORSCHECH, C. C., MARTINS, L. R. M.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: denisesamaia@zipmail.com.br

O objetivo desse trabalho foi avaliar a resistência à fratura de pré-molares com preparos cavitários extensos do tipo “inlay” e “onlay”, restaurados com resina híbrida de forma direta e indireta. Foram utilizados 84 pré-molares divididos em 7 grupos com 12 amostras cada. As amostras foram divididas de acordo com os seguintes grupos experimentais: G1 = dentes íntegros; G2 = “inlay”/Z250 direta; G3 = “inlay”/Z250 fotopolimerizada indiretamente; G4 = “inlay”/Solidex indireta; G5 = “onlay”/Z250 direta; G6 = “onlay”/Z250 fotopolimerizada indiretamente; G7 = “onlay”/Solidex indireta. As restaurações de resina Z250 indireta receberam apenas fotoativação através da utilização do forno EDG-lux. As outras restaurações foram confeccionadas de acordo com as instruções do fabricante. Todas as amostras foram submetidas ao carregamento axial de compressão em máquina de ensaio com 0,5 mm/min. Após os testes obteve-se as seguintes médias de valores de resistência à fratura (kgf): G1 = 124,00 (B); G2 = 113,52 (B); G3 = 117,08 (B); G4 = 119,80 (B); G5 = 160,33 (AB); G6 = 197,81 (A); G7 = 131,22 (B). De acordo com ANOVA (p < 0,05) houve diferença entre os grupos que foram identificados pelo teste de Tukey.

De acordo com os resultados, concluímos que dentes preparados e restaurados com “onlay” de resina Z250 apresentaram médias de valores de resistência à fratura estatisticamente superiores aos dentes restaurados com “onlay” de resina Solidex e aos dentes do controle positivo. Não houve diferença estatística nos valores de resistência à fratura entre os dentes com preparos do tipo “inlay” restaurados com Z250 ou Solidex e dentes íntegros.

 Pa232

Influência de dessensibilizantes na resistência à adesão aplicados anteriormente à realização de restaurações

ARANHA, A. C. C.*, CAVALCANTE, L. M. A., SIQUEIRA JR., C. A. S., PIMENTA, L. A. F., ­
MARCHI, G. M.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: anaccaranha@hotmail.com

Com o aumento do número de casos de hipersensibilidade dentinária associada a lesões cervicais, dessensibilizantes são a primeira opção. Entretanto, muitos são os casos onde a sua aplicação não atenua a dor. Assim sendo, a restauração é uma segunda alternativa. O objetivo do estudo foi avaliar a influência de dessensibilizantes sobre a adesão entre substrato dentinário e restauração, sendo os dessensibilizantes aplicados anteriormente. Foram utilizados 50 incisivos bovinos, divididos em 5 grupos: G1: controle; G2: Gluma Desensitizer/Heraeus Kulzer; G3: Oxa-Gel/Art-Dent; G4: Laser de Baixa Intensidade/MMOptics e G5:Flúor/Dentsply. A seguir, os dentes receberam condicionamento ácido 35%/FGM e sistema adesivo Single Bond/3M e restaurados com resina composta Z250/3M, em um bloco de 7 x 7 mm e 4 de altura. Os espécimes foram adaptados à máquina de corte seriados sendo obtidos 3 cortes com espessuras de 1,0 mm2 e, a seguir, confeccionados espécimes no formato de “hourglass”. Para a realização do teste de microtração, cada corpo-de-prova foi imobilizado em máquina de ensaio, velocidade de 0,5 mm/min até o momento de ruptura. Os dados em MPa foram submetidos aos testes estatísticos (“two-way” ANOVA e Duncan) sendo o Flúor (G5) não incluído na análise pela perda de amostras durante a fase de “hourglass”. As diferenças foram representadas por letras diferentes (p < 0,05). Os valores em MPa (DP) foram: G1 = 13,4 (6,2)a; G2 = 13,2 (4,8)a; G3 = 7,15 (4,3)b; G4 = 7,21 (4,6)b.

Conclui-se que entre os agentes dessensibilizantes, somente o Gluma Desensitizer não interferiu na resistência à adesão.

 Pa233

Avaliação da infiltração marginal e microdureza de resinas compostas polimerizadas com luz halógena e diferentes LEDs

PIMENTA, L. A. F.*, AMARAL, C. M., PERIS, A. R., CAVALCANTE, L. M. A., MITSUI, F. H. O., AMBROSANO, G. M. B.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: lpimenta@fop.unicamp.br

O objetivo deste estudo foi avaliar a microinfiltração em restaurações tipo “slot” vertical e a dureza de resinas compostas (RC), quando polimerizadas com luz azul (LED) e halógena. Preparou-se 168 cavidades em incisivos bovinos, divididas em 8 grupos (n = 21). Utilizou-se o adesivo Single Bond/3M e as RCs Z250/3M (R1) e Compactável Surefil/Dentsply (R2), inseridas em incrementos horizontais e polimerizadas com os seguintes aparelhos: Elipar FreeLight/3M ESPE (A1); UltrablueII/DMC-bateria (A2); LEC-470 I/MMOptics (A3); Demetron 501/Kerr (A4). Após termociclagem, imergiu-se as amostras em solução corante e a microinfiltração foi avaliada. Os testes de Kruskal-Wallis e comparação múltipla (p < 0,05) demonstraram (mediana): R1 + A1 = 1d; R2 + A1 = 4a; R1 + A2 = 1cd; R2 + A2 = 4a; R1 + A3 = 2bc; R2 + A3 = 4a; R1 + A4 = 1cd; R2 + A4 = 4ab. Para microdureza foram feitos 100 espécimes, com matriz cilíndrica de 2 mm de altura, divididos em 10 grupos (n = 10). Foram usadas as resinas Z250/3M (R1) e Durafil/Heraeus Kulzer (R3), inseridas em incremento único e polimerizadas com os mesmos aparelhos, além de outro UltrablueI DMC-com fio (A5). A análise de variância trifatorial em esquema de parcelas subdivididas e o teste Tukey (p < 0,05) mostraram que para R3, não houve diferença entre os aparelhos e para R1, na base (KHN): A1 = 53,10ab; A2 = 46,98c; A3 = 40,47d; A4 = 57,74a; A5 = 48,45bc; no topo: A1 = 57,17ab; A2 = 51,29bc; A3 = 49,74c; A4 = 60,15a; A5 = 53,21bc.

Conclui-se que, tanto para microinfiltração quanto para dureza, a polimerização com LEDs foi adequada, porém nem todos os aparelhos se mostraram tão efetivos quanto a luz halógena.

 Pa234

Avaliação de uma resina “flow” no controle da infiltração marginal em cavidades classe V

ZOUAIN-FERREIRA, S.*, MOLINARO, A. J., RABELLO, T. B., PESSOA, W., CORREA, G.

Dentística Restauradora - Universidade Severino Sombra.

E-mail: szouain@uol.com.br e zouain@vento.com.br

O objetivo deste trabalho foi determinar se a utilização de uma resina intermediária de baixa viscosidade (Wave/SDI) reduziria a infiltração marginal inicial em restaurações de resina composta (Glacier/SDI). Foram preparadas cavidades classe V nas faces vestibular e lingual, em 20 dentes molares humanos, com margem cervical em dentina/cemento e a margem oclusal em esmalte. Todos os materiais foram utilizados de acordo com as instruções do fabricante. Os dentes foram divididos em dois grupos: Gr. 1, no qual o sistema adesivo Stae (SDI) foi aplicado sobre os preparos; e Gr. 2, onde foi aplicado o sistema adesivo Stae (SDI) seguido de uma camada de resina de baixa viscosidade Wave (SDI). Todas as cavidades foram restauradas com a resina composta Glacier (SDI). Os espécimes foram então armazenados em água a 37ºC por 24 h, impregnados com nitrato de prata a 50%, incluídos em resina epóxica, seccionados e avaliados pela penetração do corante segundo um escore. Numa avaliação regional, os postos médios obtidos foram: Gr. 1 em esmalte = 18,50 e dentina = 54,95; e Gr. 2 em esmalte = 20,08 e dentina = 56,73. Os dados obtidos foram analisados estatisticamente por ANOVA e testes não-paramétricos de Kruskal-Wallis e Mann-Whitney (p < 0,05).

Os autores concluíram: a) não houve diferença estatisticamente significante entre as duas técnicas estudadas; b) a infiltração marginal na parede cervical foi maior que na parede oclusal para as duas técnicas; e c) a associação resina “flow”/resina composta foi capaz de impedir a infiltração marginal na parede oclusal. (Apoio financeiro: USS/CAPES.)

 Pa235

Resistência à fratura de pré-molares restaurados com cinco diferentes técnicas

CAMACHO, G. B.*, OSÓRIO, A. B., NONAKA, T., GONÇALVES, M.

Odontologia Restauradora - Universidade Federal de Pelotas. E-mail: charrua@ufpel.tche.br

O objetivo deste estudo foi avaliar a resistência à compressão axial de restaurações do tipo MOD com diversos materiais restauradores. Sobre a oclusal de pré-molares, foram realizados dois padrões de ensaios de compressão axial com esferas de 3 mm de diâmetro em um grupo e 9 mm em outro. Com este propósito, executou-se as seguintes técnicas restauradoras, empregando-se 10 espécimes por grupo: I. restaurações MOD de resina composta direta Z250 (3M), II. resina composta indireta Z250 (3M), III. “inlays” de cerâmica Vitadur Alpha (Vita Zahnfabrik); IV. restaurações convencionais de amálgama Amalgam (SDI); V. restaurações de amálgama adesivado Amalgam (SDI), os quais foram comparados à dentes humanos pré-molares hígidos jovens (grupo VI - controle). Nas restaurações indiretas e técnica do amálgama adesivado, utilizou-se o cimento resinoso Enforce (Dentsply) que foi manipulado segundo as recomendações do fabricante e nos dentes foi executada a técnica do condicionamento ácido total. Os resultados da análise de variância apontaram para uma diferença significante entre os grupos (p < 0,001) e local (p < 0,1).

Concluiu-se que as restaurações de cerâmica apresentaram os maiores valores de resistência e foram semelhantes ao controle. As restaurações de resina foram semelhantes entre si, embora inferiores ao controle. As restaurações de amálgama tiveram o pior desempenho e não diferiram entre si. Todos os pré-molares tiveram uma menor resistência às cargas incididas sobre o sulco central – esfera de 3 mm – do que as cargas incididas sobre as cúspides – esfera de 9 mm. (Apoio: FAPERGS.)

 Pa236

Efeito de um agente clareador contendo peróxido de carbamida a 10% na rugosidade de resinas de alta viscosidade

CAMPOS, I.*, FERNANDEZ Y FERNANDEZ, C., BASTING, R. T., AMBROSANO, G.

Odontologia Restauradora - Universidade Estácio de Sá. E-mail: inger@plugue.com.br

O objetivo deste trabalho in vitro foi avaliar quantitativamente o efeito de um agente clareador contendo peróxido de carbamida a 10% na rugosidade superficial de resinas de alta viscosidade. Foram confeccionados 24 corpos-de-prova de cada material restaurador empregado, distribuídos entre grupos experimentais (e) e controle (c) (n = 12). Matrizes cilíndricas de acrílico foram preenchidas com um único incremento de cada resina, procedendo-se à fotopolimerização por 40 segundos com um aparelho apresentando intensidade de luz de 620 mW/cm2 (Optilux - Demetron). Os corpos-de-prova experimentais receberam 0,2 cc de um gel clareador contendo peróxido de carbamida a 10% (Review - SSWhite) por seis horas diárias, pelo período de três semanas. Os corpos-de-prova controle permaneceram durante todo o período imersos em saliva artificial, sendo esta trocada diariamente. Após o período de 3 semanas, as amostras foram lavadas e permaneceram imersas em saliva artificial. Ensaios de rugosidade superficial foram feitos em um rugosímetro Surf-Corder (Kozaka Lab. Ltd.), realizando-se 3 leituras seqüenciais em cada corpo-de-prova para que a média dessas leituras fosse considerada na análise de variância. O teste de Tukey mostrou os resultados apresentados na tabela.

Verificou-se que o peróxido de carbamida a 10% aumentou a rugosidade superficial das resinas de alta viscosidade.

 Pa237

Influência do método de polimerização sobre a resistência de união à microtração em cavidades classe I

PAULILLO, L. A. M. S.*, DIAS DE SOUZA, G. M., SIGEMORI, R. M., DIAS, C. T. S.,
PEREIRA, G. D. S., GIANINNI, M.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: paulillo@fop.unicamp.br

A contração de polimerização é uma característica intrínseca dos compósitos odontológicos que pode levar a formação de fendas, sendo a técnica de fotoativação um dos fatores determinantes. Assim, o objetivo desse trabalho foi avaliar a influência da técnica de fotoativação na resistência à microtração na interface parede pulpar/sistema restaurador em cavidades classe I. Em 36 terceiros molares foram preparadas cavidades classe I restauradas com sistemas Stae/Glacier - SG (SDI) e Single Bond/Z250 - SZ (3M), fotoativados através de três técnicas: Convencional - Co (ponta do aparelho próxima ao preparo), Soft-Start - Ss e Experimental - Ex (ponta do aparelho afastada 10 mm do preparo por 10 s e mais 10 s próxima ao preparo). Foram obtidas fatias paralelas ao longo eixo do dente com uma constrição na interface dente/restauração que foram submetidas ao ensaio de microtração. Durante a confecção da constrição nas fatias do sistema Stae/Glacier houve o rompimento da adesão impossibilitando a realização do ensaio. Os dados obtidos para o sistema Single Bond/Z250 foram submetidos a análise de variância e ao teste de Tukey que mostrou como resultado (MPa): SZ/Ss - 46,59 (21,91)a; SZ/Ex - 29,27 (13,49)ab; SZ/Co 27,42 (10,30)b.

Baseados nos resultados encontrados, pode-se concluir que as maiores médias de resistência à microtração foram obtidas quando a fotoativação foi modulada, isto é, baixa intensidade de luz nos primeiros segundos de polimerização.

 Pa238

Influência da degradação hidrolítica na resistência à tração do sistema Prime & Bond 2.1 após 18 meses de armazenamento

PEREIRA, G. D. S.*, DIAS DE SOUZA, G. M., GIANNINI, M., DIAS, C. T. S., PAULILLO, L. A. M. S.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: giseledamiana@yahoo.com

O objetivo deste estudo foi avaliar a influência da degradação hidrolítica na resistência a microtração do sistema Prime & Bond 2.1. Dezesseis discos dentinários obtidos de terceiros molares, com espessura da “smear layer” padronizada (SiC 600), foram aleatoriamente divididos em 4 grupos (n = 4). O sistema Prime & Bond 2.1 foi aplicado nas superfícies dentinárias e avaliado após 7 (A), 60 (B), 180 (C) e 545 (D) dias respectivamente. A adesão foi obtida sob o efeito da pressão pulpar simulada de 25 mm Hg e as superfícies dentinárias foram restauradas com coroas de compósito com 8 mm de altura. Após os diferentes períodos de tempo, os dentes foram seccionados paralelamente ao seu longo eixo para a obtenção de espécimes com 1 mm de diâmetro, da região central - dentina superficial (DC) e da região acima dos cornos pulpares - dentina profunda (DP), para o teste de microtração. Os dados obtidos foram submetidos a ANOVA cujo o resultado mostrou um efeito significativo para os fatores profundidade da dentina e tempo de armazenamento e para a interação destes dois fatores. O teste estatístico de Tukey ajustado para comparações múltiplas apontou os resultados, em MPa: DCA- 38,8 (a); DCB- 38,4 (a); DCC- 36,8 (a); DCD- 31,5 (b); DPA- 30,0 (b); DPB- 29,0 (b); DPC- 21,6 (c); DPD- 19,6 (c).

Desta forma conclui-se que a profundidade dentinária e o tempo de armazenamento em água influenciaram significativamente o comportamento do sistema Prime & Bond 2.1, cujos valores de adesão foram maiores em dentina central e decresceram significativamente após o período de 545 dias de armazenamento.

 Pa239

Efeito do número de ciclos térmicos na infiltração marginal de restaurações de resina composta

CAMPOS, B. B.*, PAZINATTO, F. B., COSTA, L. C., BASTOS, M. T. A. A.

Dentística, Endodontia e Materiais Dentários - Universidade de São Paulo.

E-mail: brunobcampos@hotmail.com

A ciclagem térmica tem por objetivo simular in vitro as mudanças térmicas intra-orais que ocorrem clinicamente. Sendo o seu efeito bastante discutido, o presente trabalho tem como objetivo avaliar a relação da ciclagem térmica e também do número de ciclos, na infiltração marginal. Foram confeccionadas cavidades classe V em dentes bovinos com dimensões de 3 mm de altura, 3 mm de largura e 1,5 mm de profundidade. Os dentes foram restaurados com o sistema Single Bond/Z250 (3M) e, então, divididos em 5 grupos de 10 dentes cada: grupo 1 (controle) sem ciclagem, grupos 2, 3, 4 e 5 com 500, 1.000, 2.500 e 5.000 ciclos respectivamente (5 ± 2ºC e 55 ± 2ºC, 15 s por banho). A seguir, os dentes foram seccionados e analisados em microscópio de 40 X de aumento para escolha da fatia mais infiltrada, que foi escaneada e quantificada pelo programa Image Tool. Os dados submetidos à análise de variância ANOVA não apresentaram diferença significante (p < 0,05%), resultando em valores médios de infiltração em milímetros: grupo 1 (3,926), grupo 2 (3,131), grupo 3 (4,484), grupo 4 (4,337) e grupo 5 (3,421).

A análise dos dados permitiu concluir que não há relação entre o aumento do número de ciclos e o aumento da infiltração marginal.

 Pa240

Avaliação in vitro da microinfiltração cervical em compósitos classe II – uma nova técnica de inserção

MENDES, L. M.*, ANDRADE FILHO, H. A.

Dentística - Universidade do Estado do Rio de Janeiro. E-mail: lzmmendes@ig.com.br

Objetivos: avaliar a microinfiltração na parerde cervical de restaurações de cavidades classe II em compósito, com término em dentina, utilizando uma nova técnica de inserção e comparando-a com a técnica dos Três Sítios de Lutz. Materiais e Método: 20 molares humanos foram divididos em 4 grupos de 5 dentes que receberam um preparo tipo “slot” nas faces mesial e distal (40 cavidades). Na mesial foi utilizada a técnica de Lutz e na distal a nova técni­ca experimental denominada técnica do Primeiro Incremento Prismático. Os materiais utilizados foram: adesivo ­Scotchbond Multi-Uso Plus (3M) e resinas compostas, Z250 e P60 (3M). Duas técnicas de fotoativação foram utilizadas: convencional e gradual. Grupo I-A Compósito P60 com fotoativação convencional; Grupo I-B Compósito P60 com fotoativação gradual; Grupo II-A compósito Z250 com fotoativação convencional e Grupo II-B compósito Z250 com fotoativação gradual. Os espécimes foram imersos em corante nitrato de prata e seccionados para avaliação bidimensional através de determinação de escores de microinfiltração. O tratamento estatístico dos resultados foi feito através dos testes de análise de variância, de Kruskal-Wallis e de Mann-Whitney.

Conclusões: as duas técnicas apresentaram comportamento similar, não impedindo a penetração do corante na margem cervical em dentina, porém o Grupo I-B apresentou os menores escores de microinfiltração, sinalizando um bom desempenho da técnica sugerida. A variação do tipo de fotoativação pareceu não influenciar na tensão gerada na interface dente/restauração representada pela infiltração do corante; o Grupo I-B como apresentou os menores escores também sinaliza uma tendência de melhor desempenho da fotoativação gradual.

 Pa241

Influência do pH de diferentes adesivos na polimerização química de uma resina composta

LOPES, L. G.*, DALPINO, P. H. P., FRANCO, E. B.

Dentística, Endodontia e Materiais Dentários - Universidade de São Paulo.

E-mail: lawgon@usp.br

Com o intuito de observar o efeito do pH de diferentes sistemas adesivos na polimerização de uma resina quimicamente ativada, Adaptic (AD) - Dentsply, foi desenvolvida a presente pesquisa. Os adesivos utilizados foram: ARM (pH = 6,4) - Dentsply; Prime & Bond 2.1 (pH = 2,1) - Dentsply (PB); Scotchbond Multi-Purpose (pH = 6,2) - 3M (SMP); e Single Bond (pH = 4,6) - 3M (SB). Cinco grupos com cinco espécimes cada foram realizados: G1- AD/ARM/AD; G2- AD/PB/AD; G3- AD/SMP/AD; G4- AD/SB/AD; G5- AD/AD (sem interposição de adesivo). Uma matriz de aço inoxidável com abertura central no formato de cone, apresentando um diâmetro de 6 mm e 1 mm de espessura, foi utilizada para obter dois discos de resina composta. A resina (AD) foi aplicada em uma primeira metade da matriz em incremento único. Após a polimerização química da mesma os adesivos foram aplicados na superfície de união, conforme orientações do fabricante. A segunda metade da matriz foi justaposta à primeira e preenchida com a resina (AD). Após dez minutos, o conjunto foi adaptado em uma máquina universal de testes (Kratos) para determinar a resistência à tração, em uma velocidade de 0,5 mm/min. As médias (kgf) e desvios-padrão obtidos em cada grupo foram: G1- 15,23 ± 4,1; G2- 00 ± 00; G3- 16,96 ± 2,4; G4- 10,08 ± 2,7; G5- 15,44 ± 0,9. Esses dados foram submetidos à analise de variância, seguido pelo teste de Tukey (p < 0,05). Assim, diferenças significativas foram observadas entre os grupos 2-1; 2-3; 2-4; 4-1; 4-3.

Baseado nos resultados pôde-se concluir que o pH dos sistemas adesivos influencia na polimerização da resina ativada quimicamente.

 Pa242

Avaliação da profundidade de polimerização de uma resina composta pela técnica transdental

RASTELLI, A. N. S.*, ALENCAR, E. A., ANDRADE, M. F., KURACHI, C., BAGNATO, V. S.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual Paulista. E-mail: alerastelli@hotmail.com

O objetivo desse trabalho foi avaliar a capacidade de polimerização, através da estrutura dental, de três diferentes fontes de luz (halógena, laser de argônio e LEDs), por meio do teste de microdureza. Foram confeccionados 140 corpos-de-prova, com a resina composta Charisma na cor A2, em uma matriz metálica circular, contendo um orifício central com 4 mm de diâmetro e 2 mm de espessura, assim distribuídos: Grupo I - fonte de luz halógena utilizada pelos tempos de 20 e 40 segundos, para as espesuras de 0 (controle); 1,2 mm; 1,5 mm e 2,0 mm de faceta de estrutura dental; Grupo II - fonte de luz de laser de argônio utilizada pelos tempos de 20 e 40 segundos, para as mesmas espessuras de estrutura dental e Grupo III - fonte de luz à base de LEDs utilizada pelos tempos de 20, 40 e 60 segundos, para as mesmas espessuras de estrutura dental. Interpondo-se os fatores analisados, foram investigadas 28 situações diferentes. Os corpos-de-prova foram armazenados em estufa a 37ºC durante 24 horas. Em seguida, realizou-se o teste de microdureza Vickers, realizando-se 12 impressões para a superfície de topo e 12 para a base. Os dados foram submetidos à análise estatística de variância (p < 0,05). Os valores do desvio padrão das medidas de microdureza foram menores do que 1% da média, indicando uma diferença estatisticamente significante entre quase todos os grupos.

A fonte de luz halógena promoveu os melhores resultados, para a técnica transdental, independente da espessura da faceta de estrutura dental, do tempo de exposição e da profundidade do material utilizado.

 Pa243

Avaliação da temperatura na câmara pulpar durante preparo classe V com laser de Er:YAG

PICININI, L. S.*, GOUW-SOARES, S., RIBEIRO, R. A., MIRAGE, A., EDUARDO, C. P.

Faculdade de Odontologia - Universidade Federal de Juiz de Fora. E-mail: picinini@powerline.com.br

Uma das grandes preocupações em relação à utilização da irradiação laser em Odontologia é o estudo do aumento da temperatura no tecido dental, em especial no tecido pulpar, sendo que uma elevação da temperatura acima de 5,5ºC, é considerado nocivo à sua vitalidade. Este estudo avaliou o aumento de temperatura na câmara pulpar durante preparo classe V com laser de Érbio:YAG em dentes bovinos com espessuras dentinárias de 2,0 mm; 1,0 mm e 0,5 mm. 36 incisivos bovinos extraídos foram utilizados. As amostras sofreram desgaste da face externa da parede vestibular para obtenção das espessuras dentinárias de 2,0 mm (grupo I), 1,0 mm (grupo II) e 0,5 mm (grupo III). O sensor do termopar foi fixado à face interna da parede vestibular com auxílio da pasta térmica através da abertura palatina das amostras. Cavidades classe V foram preparadas na face vestibular apenas em dentina com dimensões de 1 mm2. Os parâmetros de irradiação utilizados foram de 500 mJ/10 Hz, 850 mJ/10 Hz e 100 mJ/10 Hz para todos os grupos. Este estudo mostrou que o aumento da temperatura na cavidade pulpar ficou em torno de 3ºC para os grupos I (2 mm de espessura dentinária) e II (1,0 mm de espessura dentinária). No grupo III (0,5 mm de espessura dentinária) a temperatura ficou próxima dos 5,5ºC.

Conclusão: os parâmetros utilizados para preparo cavitário com laser de Er:YAG foram seguros em relação ao aumento de temperatura para espessuras dentinárias acima de 1 mm e que em espessuras dentinárias de 0,5 mm o aumento de temperatura chegou a 5,5ºC, necessitando de uma escolha mais apropriada dos parâmetros de irradiação.

 Pa244

Análise do desgaste e da rugosidade superficial de resinas compostas: influência da abrasividade de dentifrícios

REIS, E. F.*, RAZABONI, A. M., PALMA DIBB, R. G.

Odontologia Restauradora - Universidade de São Paulo. E-mail: ReiEl@aol.com

O objetivo do presente estudo foi avaliar a influência da abrasividade de dentifrícios no desgaste e rugosidade superficial de duas resinas compostas. Empregaram-se 60 corpos-de-prova (CP) confeccionados com as resinas P60 (3M) - fotopolimerizado em consultório e em laboratório e Vita Zeta (Wilcos) - resina de laboratório. Foram selecionados 2 tipos de dentifrícios de acordo com a sua abrasividade (Sorriso com bicarbonato e Sorriso Branqueador). Inicialmente os espécimes foram pesados para a obtenção do peso inicial (M1), foi feita à análise da rugosidade (Ra-inicial) e então se realizou o teste de desgaste em um aparelho simulador de escovação. Concluído o teste, as amostras foram novamente pesadas obtendo-se o peso final (M2), possibilitando medir o desgaste pela diferença entre as massas adquiridas antes e após o teste de escovação. A rugosidade foi novamente analisada após a escovação (Ra-final). Os dados foram analisados através de análise de variância e teste de Tukey (p < 0,05). Observou-se que a resina P60 apresentou melhor lisura superficial independente do tipo de polimerização. Em relação a abrasividade dos dentifrícios, o de bicarbonato proporcionou menores alterações da rugosidade superficial e da perda de massa, sendo indiferente em relação aos tipos de resina composta.

Concluiu-se que a abrasividade do dentifrício influencia diretamente na rugosidade e perda de massa dos materiais testados e que a resina P60 apresentou os melhores resultados.

 Pa245

Avaliação da microinfiltração de restaurações de resina composta compactável, com diferentes agentes intermediários

LOBO, M. M.*, CAVALCANTI, A. N., FONTES, C. M., MATHIAS, P.

Faculdade de Odontologia - Universidade Federal da Bahia. E-mail: maristelalobo@hotmail.com

O emprego de agentes forradores tem sido recomendado para minimizar possíveis falhas no selamento marginal de restaurações com resinas compostas de alta viscosidade. Este estudo in vitro avaliou a ocorrência de microinfiltração em restaurações com resina composta compactável, utilizando diferentes agentes intermediários. Cavidades proximais padronizadas foram confeccionadas nas faces mesial e distal de 60 incisivos bovinos, com margens em esmalte e dentina, respectivamente. Os dentes foram restaurados com a resina composta Prodigy Condensable (Kerr), e divididos, em três grupos, de acordo com o tratamento intermediário recebido: G(A) ou controle - ausência de material forrador; G(B) - forramento com a resina fluida Revolution (Kerr); G(C) - forramento com o ionômero de vidro modificado por resina Vitrebond (3M). Após a termociclagem, os dentes foram corados em solução tamponada de azul de metileno a 2%, e avaliados qualitativamente quanto à penetração de corante, em lupa estereoscópica (40 X), por três examinadores independentes. Os valores das medianas, dos postos médios e a comparação dos grupos testados (Kruskal-Wallis; p > 0,05), encontram-se descritos abaixo:

Assim, pode-se concluir que os agentes intermediários utilizados não exerceram influência estatisticamente significativa na microinfiltração das margens cervicais das restaurações de resina composta compactável, considerando- se esmalte ou dentina.

 Pa246

Avaliação in vitro da resistência à compressão e solubilidade de agentes cimentantes

WERNECK, D.*, REIS, R. S., DIAS, K.

Dentística - Universidade do Grande Rio e Universidade do Estado do Rio de Janeiro. E-mail: drc@brfree.com.br

Este trabalho comparou a resistência à compressão e solubilidade, in vitro, de agentes cimentantes, em três diferentes idades: 1, 30 e 180 dias. Foram selecionadas diferentes marcas comerciais de agentes cimentantes: Cimento de zinco (SS White), Lee Smith Zinc Cement (Vigodent), Hy Bond Zinc Phosphate Cement (Shofu), Vidrion C (SS White), Ketac-Cem (ESPE), Enforce (Dentsply) e Dual Cement (Vigodent). A metodologia de ensaio foi realizada, salvo algumas modificações, de acordo com a tradicional Especificação nº 8 da American Dental Association. Em resistência à compressão e solubilidade, com o intuito de verificar diferenças significativas entre os diferentes cimentos, foram utilizados a análise de variância e o procedimento de comparações múltiplas de Bonferroni, com 5% de significância. A mesma metodologia foi empregada para comparar as diferenças significativas de uma mesma marca comercial, nas três diferentes idades testadas.

Concluiu-se que marcas comerciais diferentes, de uma mesma categoria de cimento, podem apresentar discrepâncias estatísticas significativas no comportamento em solubilidade e resistência à compressão, muito embora, apresentem a mesma tendência de comportamento. Diferentes categorias de cimento apresentam diferenças estatísticas significativas em solubilidade e resistência à compressão. Cimentos resinosos apresentaram maior resistência à compressão e menor solubilidade, seguidos dos cimentos de ionômero de vidro e, por fim, pelos cimentos de fosfato de zinco.

 Pa247

Avaliação da microdureza da resina composta em relação à distância do centro de polimerização

SANTOS, L. A.*, TURBINO, M. L.

Dentística - Universidade de São Paulo. E-mail: luaily@hotmail.com

A evolução das resinas compostas tem proporcionado melhora nas suas características, bem como na qualidade e na duração das restaurações. Muitas pesquisas, técnicas e aparelhos novos surgem freqüentemente para que isto seja uma realidade. Esta trabalho comparou a eficácia de polimerização superficial de duas resinas compostas (uma híbrida e outra microparticulada) em relação à distância do centro de aplicação da luz (0 mm, 1 mm, 2 mm, 3 mm, 4 mm e 5 mm). Foi utilizada a polimerização com luz halógena por 40 segundos comparando ao laser de argônio em tempos diferentes de 10, 20 e 30 segundos. De posse dos resultados, estes foram submetidos à análise estatística.

Pôde-se concluir que todas as fontes foram diminuindo a dureza conforme aumentamos sua distância do centro (0 mm) e que os melhores graus de dureza na resina Z250 se encontraram com a fonte de luz halógena a 40 segundos de polimerização. Esta dureza foi maior que com a luz laser por 30 segundos, que por sua vez comportou-se melhor que a luz laser por 10 e 20 segundos (semelhantes entre si). Na resina microparticulada A110, houve equivalência na dureza com as fontes luz halógena a 40 segundos e luz laser a 30 segundos, as quais foram maiores que luz laser a 20 segundos. Com 10 segundos sua polimerização ficou insuficiente, sendo assim desprezados seus resultados.

 Pa248

Análise da interface de dentina e esmalte empregando diferentes tratamentos de superfície e sistemas restauradores

CHIMELLO, D. T.*, RAMOS, R. P., CHINELATTI, M. A., PALMA DIBB, R. G., PECORA, J. D., CORONA, S. A. M.

Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo. E-mail: dtchimello@ig.com.br

O objetivo desse estudo foi analisar pela MEV a interface de dentina e esmalte com sistemas restauradores após condicionamento com laser Er:YAG associado ou não ao ácido. Dezoito hemidiscos obtidos de molares hígidos foram distribuídos em três grupos: Single Bond/Z250 (3M), Bond 1/Flow-It! (Jeneric/Pentron) e Fuji II LC (GC), e subdivididos de acordo com o tratamento superficial: laser Er:YAG (80 mJ, 2 Hz), laser + ácido (fosfórico ou poliacrílico), e somente ácido (controle). Após tratamento, os sistemas restauradores foram aplicados e fotopolimerizados sobre as superfícies, e os espécimes armazenados, incluídos e seccionados perpendicularmente à interface. As superfícies foram polidas, desidratadas, fixadas em “stubs”, metalizadas, e a interface analisada quanto à presença ou não de camada híbrida, e tamanho e disposição dos “tags”. De um modo geral, pôde-se observar que o ácido fosfórico promoveu desmineralização de toda a superfície, sendo que na dentina ocorreu alargamento da entrada dos túbulos, com formação de camada híbrida uniforme e presença de “tags”, variando de acordo com o sistema restaurador. Após a irradiação com laser, observou-se irregularidades na superfície e ausência de camada híbrida, sendo que a aplicação subseqüente de ácido favoreceu a formação dessa camada. O Fuji II LC não apresentou interação mecânica com a superfície, independente do tratamento superficial.

Pode-se concluir que o laser influenciou a interação dos sistemas restauradores com o substrato, necessitando da associação com ácido para melhor interação dente/material. (Apoio financeiro: CAPES.)

 Pa249

Efeito da ciclagem mecânica na microinfiltração de sistemas adesivos autocondicionantes e de frasco único em dentina

MITSUI, F. H. O.*, BEDRAN DE CASTRO, A. K. B., RITTER, A. V., CARDOSO, P. E. C.,
PIMENTA, L. A. F.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: fabio_mitsui@yahoo.com.br

O objetivo deste trabalho foi avaliar a influência da ciclagem mecânica na adaptação cervical de restaurações do tipo “slot” vertical em dentina, utilizando sistemas adesivos autocondicionantes e de frasco único. Foram realizados 240 preparos tipo “slot” vertical nas superfícies mésio-oclusal e disto-oclusal de 120 dentes bovinos, que foram divididos em dois grupos de acordo com a aplicação ou não de carga oclusal. As cavidades foram redistribuídas em quatro subgrupos, de acordo com o sistema adesivo utilizado – autocondicionante experimental EXL 547 da 3M (G1), Clearfil SE Bond (G2), Single Bond (G3) e Opti Bond Solo Plus (G4) - e restauradas segundo as normas dos fabricantes. Os dentes foram submetidos ao ensaio de ciclagem mecânica com força perpendicular à superfície oclusal de 8 kgf, freqüência de 5 Hz, simultaneamente sobre ambas as restaurações, totalizando 50.000 ciclos para cada dente. Após o teste, todos os dentes foram imersos em solução corante, seccionados e avaliados com relação à extensão de penetração do corante. Os valores de infiltração foram analisados estatisticamente usando-se o teste de Kruskal-Wallis (p < 0,05): ciclados (posto médio) - G1 (285,1881a), G2 (319,9808abc), G3 (370,2692bc), G4 (342,7692abc); não-ciclados - G1 (288,5796a), G2 (399,4038c), G3 (403,8462c), G4 (296,9808ab).

Conclui-se que não houve influência estatisticamente significante da aplicação de carga oclusal na microinfiltração e que o adesivo autocondicionante experimental EXL 547 (G1) apresentou os melhores resultados no controle da infiltração marginal.

 Pa250

Avaliação da percolação em cavidades proximais preparadas com a técnica do mm em chanfro e condicionadas com laser

BISPO, L. B.*, EDUARDO, C. P., MATSON, E.

Dentística - Universidade de São Paulo. E-mail: p-bispo@usp.br

Verificar a penetração do azul de metileno a 0,5%, na parede cervical dos preparos classe II com e sem a realização do milímetro em chanfro nas margens em esmalte, ainda, o condicionamento com H3PO4 35% do com Er:YAG laser com densidade de energia = 25,68 J/cm2. Foram realizados preparos cavitários classe II, na junção esmalte-dentina. Dividiu-se 20 pré-molares humanos hígidos em 4 grupos de 10 cavidades cada: Grupo 1- classes II sem chanfro, condicionada com H3PO4 35% durante 30 seg. em esmalte e 15 s em dentina; Grupo 2- classes II com milímetro em chanfro realizado com ponta diamantada 1014 em todo cavo-superficial da caixa proximal com ácido; Grupo 3- milímetro em chanfro com KaVo KEY Laser II e, finalmente, Grupo 4- sem chanfro com laser. Todas as cavidades foram restauradas com Single Bond e técnica incremental com resina Z100 curada com modulação. Foi realizado acabamento e polimento. O ápice dos dentes foi selado com resina epóxica e os espécimes isolados, deixando-se 1 mm da margem da parede gengival exposta. Os espécimes foram termociclados com 700 ciclos (± 5 e 55ºC). Posteriormente imersos no corante por 24 horas. Após inclusão em resina quimicamente ativada, os dentes foram cortados longitudinalmente em fatias de 1 mm. O grau de infiltração foi atribuído empregando-se o critério de escores modificado de CRIM.

A análise de variância para as médias dos valores dos escores de infiltração nos diferentes condicionamentos/presença do chanfro e o teste t em nível de 95% de confiança revelaram com 95% de chance que existiram diferenças entre as médias obtidas nos resultados. A probabilidade obtida pelo teste de Tukey demonstrou que existiu diferença estatisticamente significante. O grupo com chanfro e com laser mostrou os melhores resultados (p < 0,01).

 Pa251

Influência da energia do laser Er:YAG no condicionamento dentinário: avaliação da resistência adesiva e análise em MEV

RAMOS, R. P.*, CHINELATTI, M. A., CHIMELLO, D. T., MENEZES, M., PÉCORA, J. D.,
CORONA, S. A. M., PALMA DIBB, R. G.

Odontologia Restauradora - Universidade de São Paulo. E-mail: virtualr@netsite.com.br

O objetivo desse estudo foi verificar a influência da energia do laser Er:YAG no tratamento da dentina, analisando a resistência à tração e a morfologia superficial (MEV). Tração - 60 secções (V/L) de molares foram incluídas e desgastadas até exposição da dentina. O sítio de adesão foi delimitado e tratado com o laser desfocado, nas energias 60 mJ (G1), 80 mJ (G2), 100 mJ (G3), 120 mJ (G4) e 140 mJ (G5), com 2 Hz, seguindo-se condicionamento ácido; grupo controle (G6)-ácido. Aplicou-se Single Bond e preparou-se um cone da resina Z250. Após 24 h em água destilada 37ºC, a resistência adesiva foi testada (0,5 mm/min). Médias (MPa): G1- 12,25 (± 3,58); G2- 14,21 (± 5,11); G3- 11,78 (± 3,26); G4- 11,41(± 2,23); G5- 10,02 (± 3,59); G6- 16,94 (± 2,57). Os dados foram submetidos a ANOVA e teste de Tukey. O laser promoveu médias menores que o ácido. Houve melhor adesão com 80 mJ; a partir daí, houve declínio significativo na resistência adesiva (p < 0,01). MEV - 24 hemidiscos de dentina (e = 1 mm) foram alocados em 6 grupos, seguindo os parâmetros descritos. A morfologia foi analisada com e sem associação do ácido. Os espécimes foram preparados para MEV e fotografados. A dentina irradiada apresentou-se livre de “smear layer”, com túbulos abertos, sem áreas de fusão; após tratamento ácido, a superfície tornou-se mais regular, com ligeira ampliação dos túbulos. O substrato tratado com 80 mJ promoveu o padrão de condicionamento mais homogêneo.

Pode-se concluir que o aspecto morfológico foi coerente com os resultados da tração e que, nos parâmetros testados, energias acima de 80 mJ levaram à diminuição da resistência adesiva. (Apoio: CAPES.)

 Pa252

Avaliação da rugosidade superficial da resina composta para dentes posteriores – efeito de agentes de cobertura

TAKEUCHI, C. Y. G.*, DINELLI, W., ORBEGOSO FLORES, V. H., PALMA DIBB, R. G.,
PANZERI, H., LARA, E. H. G.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual Paulista. E-mail: cris_takeuchi@zipmail.com.br

O objetivo do presente estudo foi avaliar a influência do uso de agentes de cobertura na rugosidade superfi­cial de uma resina composta para dentes posteriores, antes e após a escovação. Para tanto, 24 corpos-de-prova (13 mm x 1 mm) foram confeccionados com a resina composta Filtek P60 e divididos aleatoriamente em 3 grupos (n = 8), sendo um controle (sem selamento) e dois que receberam a aplicação de um dos agentes de cobertura testados (Protect-it! (PI) e Single Bond (SB)), após condicionamento ácido por 15 segundos. Após a aplicação dos agentes, os espécimes foram analisados quanto à rugosidade superficial inicial (Praziz RUG 03) e então submetidos a um equipamento que simula a escovação, com 35.600 escovações por 100 minutos. Ao final da escovação foi realizada a limpeza da amostra e uma nova medida de rugosidade foi realizada. As médias (µm) e os desvios-padrão foram: Controle - (A): 0,032 (± 0,005), (D): 0,054 (± 0,005); SB (A): 0,031(± 0,004), (D): 0,047 (± 0,007); PI (A): 0,034 (± 0,005), (D): 0,060 (± 0,034). Os dados foram submetidos à análise de variância. Não houve diferença estatisticamente significante quando o controle e os grupos experimentais foram comparados. Porém, foi observada diferença significante (p < 0,05) entre as medidas realizadas antes (A) e depois (D) da escovação.

Com base nos resultados apresentados, pode-se concluir que o emprego do agente de cobertura não influenciou a rugosidade superficial, e que a escovação promoveu uma alteração considerável na superfície da resina composta.

 Pa253

Avaliação da adaptação interna de restaurações de resina composta em função de três técnicas de fotopolimerização

D’ALPINO, P. H. P.*, LOPES, L. G., MONDELLI, R. F. L., PEREIRA, J. C.

Dentística, Endodontia e Materiais Dentários - Universidade de São Paulo.

E-mail: dalps@uol.com.br

Propôs-se avaliar a adaptação interna de restaurações de resina composta em cavidades classe V em função de três técnicas de polimerização. Cavidades padronizadas foram realizadas na vestibular e lingual de 30 terceiros molares humanos extraídos, com margens acima e abaixo da junção de cemento-esmalte. O material restaurador foi inserido em incremento único utilizando-se dois sistemas restauradores: Filtek A110/Single Bond (M) e Filtek Z250/Single Bond (H) no mesmo dente, aleatoriamente na vestibular e lingual. As restaurações foram fotopolimerizadas utilizando-se três técnicas: Grupo 1 - Convencional (60 segundos - 600 mW/cm2); Grupo 2 - Soft-Start (20 segundos - 200 mW/cm2, 40 segundos - 600 mW/cm2); Grupo 3 - Pulse Activation (3 segundos - 200 mW/cm2, intervalo de 3 min., 57 segundos - 600 mW/cm2). Foram realizadas secções vestíbulo-linguais dos espécimes e obtidas réplicas. Os espécimes foram metalizados e analisados em MEV com aumentos de até 1.000 X. A avaliação foi feita verificando-se a presença ou ausência de fendas (0 - sem fendas; 1 - fendas em uma parede; 2 - fendas em duas paredes; 3 - fendas em três paredes). Os escores médios foram: G1M- 3,0; G2M- 2,43; G3M- 1,71; G1H-  2,14; G2H- 2,00; G3H- 1,67. Realizou-se análise através de teste não-paramétrico Kruskal-Wallis e teste de Dunn. Não foram observadas diferenças significantes entre grupos.

Baseado nos resultados deste estudo, pode-se concluir que a técnica de polimerização e o tipo de resina composta utilizada não influenciaram na adaptação interna das restaurações, assim como não preveniram a formação de fendas.

 Pa254

Resistência adesiva à microtração de um sistema autocondicionante, aplicado após diferentes condicionadores dentinários

JACQUES, P.*, HEBLING, J.

Clínica Infantil - Universidade Estadual Paulista. E-mail: paulajacques@uol.com.br

O objetivo deste trabalho foi avaliar a resistência adesiva (RA) do sistema Clearfil SE Bond (CSE), quando aplicado à dentina tratada com diferentes condicionadores. Superfícies planas de dentina, obtidas de molares humanos, foram polidas com lixa de granulação 600 antes da aplicação do sistema CSE de acordo com as recomendações do fabricante, ou após o tratamento da dentina com ácido fosfórico ou EDTA. Ácido fosfórico a 37% foi aplicado por 15 segundos, e a solução de EDTA 0,5 M, pH 7,2 por 30 segundos, seguidos de lavagem e secagem com manutenção da superfície úmida. Sobre esta superfície coberta pelo sistema adesivo foi construída uma coroa de resina composta Z250. Os dentes foram mantidos em água a 37ºC por 24 h e posteriormente submetidos à termociclagem. Dez amostras em forma de palito com área de adesão de 1 mm2, foram obtidas de cada dente, fixadas em um dispositivo de microtração, o qual foi acoplado em máquina de ensaios mecânicos operada à velocidade de 0,5 mm/min. Os resultados mostraram que o maior valor médio (RA) foi obtido quando da associação do CSE e EDTA, 47,81 MPa. As demais associações apresentaram valores estatisticamente semelhantes entre si, 36,44 MPa e 31,93 MPa, respectivamente para o tratamento com ácido fosfórico e quando apenas o sistema CSE foi aplicado de acordo com as recomendações do fabricante. Não foi observada nenhuma correlação entre a espessura da dentina remanescente e a RA (r = 0,009).

O tipo de tratamento da dentina afetou a resistência adesiva do sistema Clearfil SE Bond, sendo os maiores valores obtidos quando associado ao EDTA.

 Pa255

Estudo in vitro da rugosidade superficial do amálgama através do método da Correlação Angular de “Speckle”

ALVES, C. M. C.*, MORI, M., MATSON, E., MURAMATSU, M., PAIVA JR, R. D.

Odontologia I - Universidade Federal do Maranhão. E-mail: cacaucoelho@bol.com.br

O objetivo deste trabalho foi avaliar in vitro a rugosidade superficial de três ligas para amálgama através da Correlação Angular de “Speckle” (CAS). Este método utiliza uma luz laser de He-Ne. Foram confec­cionados 81 corpos-de-prova em placas de acrílico com as ligas Permite C (P), Dipersalloy (D) e GS80 (G). Os corpos-de-prova receberam como tratamento de superfície, somente brunimento (B); brunimento e pedra-pomes (BP); e brunimento e Amalgloss (BA). Os resultados obtidos foram submetidos à análise de variância com nível de significância de 1%. Os resultados mostraram que a rugosidade superficial das ligas de amálgama foram P (3,61), D (3,90) e G (4,09), não havendo diferença estatisticamente significante entre elas. Já para os diferentes tratamentos, a rugosidade superficial foi B (5,22), BP (2,94) e BA (3,45), havendo diferença estatisticamente significante para os diferentes tratamentos de superfície utilizados nesta pesquisa.

Os autores concluíram que o tipo de liga não influencia na rugosidade das restaurações. Entretanto, o tipo de tratamento de superfície, realizado sobre as restaurações de amálgama, é capaz de alterar a sua rugosidade.

 Pa256

Correlação entre colorimetria e eletrodo específico na determinação da liberação de flúor de materiais restauradores

OLIVEIRA, M. T.*, MONTEIRO, S. J., ANDRADE, M. C.

Materiais Dentários - Universidade do Sul de Santa Catarina. E-mail: marcelodt@tro.matrix.com.br

O objetivo deste trabalho foi avaliar duas metodologias para a quantificação de fluoretos liberados por materiais restauradores estabelecendo uma correlação estatística entre elas. Foram utilizados dois compômeros Freedom (SDI) e Compomer LC (Sterngold Implamed), além de um ionômero de vidro resinoso, Vitremer (3M). Para cada material confeccionou-se 5 corpos-de-prova totalizando 15 amostras com 30 análises. As amostras permaneceram em estufa a 37 graus Celsius, imersas em 30 ml de água deionizada. As análises foram feitas após 24 hs e 15 dias. A solução era renovada a cada 24 hs. Os resultados obtidos em ambas as análises apresentaram diferença estatística significante ao nível de 5% (ANOVA) sendo o desempenho do material Freedom superior ao Compomer LC e inferior ao Vitremer em qualquer um dos intervalos de tempo avaliados. A partir destes resultados obteve-se a correlação estatística r = 0,971 sendo p < 0,001.

Tanto a análise por colorimetria quanto por eletrodo específico mostraram-se adequadas e estatisticamente correlacionadas (97%) no presente estudo.

 Pa257

Resistência à tração diametral de resinas compostas híbridas submetidas a diferentes técnicas de polimerização

CIA-WORSCHECH, C.*, MAIA, D. S., PAULILLO, L. A. M.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: caldri@terra.com.br

O objetivo desse trabalho foi avaliar a resistência à tração diametral de resinas compostas híbridas, diretas e indiretas, quando submetidas a diferentes métodos de polimerização. Assim, foram utilizadas quatro resinas híbridas, sendo duas resinas indiretas indicadas para dentes posteriores (Targis, Ivoclar e Solidex, Shofu), uma resina indireta para dentes anteriores (Charisma, Kulzer) e uma resina direta universal (Z250, 3M). Foram confeccionados 64 corpos-de-prova cilíndricos, que foram divididos em 8 grupos, onde 4 sofreram apenas o processo de polimerização convencional, e os outros grupos foram submetidos à polimerização adicional, além da convencional. A resistência à tração foi determinada para cada amostra, após uma semana de armazenamento em saliva artificial. Com base nos resultados obtidos, foi aplicado o teste ANOVA e, em seguida o teste de Duncan.

O teste de Duncan apontou como maior média a do grupo composto por espécimes de resina Z250, que receberam polimerização adicional com aparelho específico para Solidex, não tendo diferença estatisticamente significante do grupo de Z250 que recebeu polimerização adicional com aparelho Targis Power.

 Pa258

Efeito de diferentes meios de degradação do peróxido de carbamida a 10% na microdureza da dentina humana

FREITAS, P. M., BASTING, R. T.*, RODRIGUES JR., A. L., SERRA, M. C.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: rbasting@yahoo.com

Estudos in vitro que avaliam as alterações do conteúdo mineral de tecidos dentais submetidos ao clareamento utilizam-se de água destilada e deionizada ou saliva artificial como meios de degradação dos agentes clareadores. O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito de diferentes meios de degradação de um agente clareador de peróxido de carbamida (PC) a 10% na microdureza da dentina. Os meios avaliados foram: água destilada e deionizada, saliva artificial de laboratório e saliva Oral Balance (Biotene). Sessenta fragmentos de dentina foram distribuídos aleatoriamente entre três grupos para a aplicação de 0,02 ml de um agente clareador de PC a 10% (Opalescence - Ultradent) associado a 0,02 ml de cada um dos respectivos meios, por 8 horas diárias. No restante do período, os fragmentos foram mantidos hidratados com 0,02 ml de cada meio. Ensaios de microdureza foram realizados antes da aplicação do agente, durante o tratamento (8 horas, 7, 28 e 42 dias) e 14 dias após o término do clareamento. A análise de variância, considerando o modelo hierarquizado, mostrou não haver diferenças significativas entre os meios nos diferentes tempos. O método de regressão linear mostrou diminuição significativa da microdureza para os três meios nos diferentes tempos. No período pós-clareamento, não houve aumento da microdureza em função do tempo para os diferentes meios.

Os meios de degradação alteram a microdureza da dentina submetida aplicação de um agente clareador de PC a 10%. No período pós-clareamento, os meios não permitiram um aumento de microdureza que atingisse os valores iniciais.

 Pa259

Avaliação da resistência ao cisalhamento de diferentes sistemas adesivos em dentina

RABELLO, T. B.*, MIRANDA, M. S., DIAS, K., CAMANHO, D.

Dentística III - Universidade Federal do Rio de Janeiro. E-mail: tiagorabello@bol.com.br

O objetivo deste estudo in vitro foi avaliar e comparar a resistência ao cisalhamento de diferentes sistemas adesivos em dentina. Os sistemas adesivos foram testados em 40 superfícies de dentina vestibular de dentes humanos permanentes recém-extraídos. Cada substrato dentário experimental foi aleatoriamente dividido em 4 grupos com 10 espécimes cada um: Gr. 1 = ácido fosfórico a 37% (Dentsply) + Prime & Bond NT (PBNT - Dentsply); Gr. 2 = Non Rinse Conditioner (Dentsply) + PBNT; Gr. 3 = PBNT; Gr. 4 = Clearfil SE Bond (Kuraray). Sobre as superfícies tratadas, foram confeccionados cilindros da resina modificada por poliácidos Dyract AP (Dentsply) com auxílio de uma matriz de teflon. Após uma semana de armazenagem (37ºC e 100% de umidade), os espécimes foram submetidos ao teste de resistên­cia ao cisalhamento, utilizando-se uma máquina para ensaios mecânicos EMIC, à uma velocidade de 0,5 mm/min. Os valores médios obtidos, em MPa, foram: Gr. 1 = 17,02 ± 2,90; Gr. 2 = 16,00 ± 3,66; Gr. 3 = 14,95 ± 2,72; Gr. 4 = 16,63 ± 2,58. Os dados foram analisados estatisticamente por ANOVA e testes de Tukey e t de Student (p < 0,05). Os resultados obtidos não indicaram diferença estatística entre os grupos testados.

Os autores concluíram que a resistência ao cisalhamento em dentina não foi afetada pelos diferentes sistemas adesivos testados. (Apoio financeiro: FAPERJ.)

 Pa260

Estudo da microdureza do esmalte hígido submetido à técnica de clareamento dental tradicional e com laser de argônio

CESAR, I. C. R.*, LIPORONI, P., REDÍGOLO, M. L., MUNIN, E.

Faculdade de Odontologia - Universidade do Vale do Paraíba. E-mail: ilecris@univap.br

O objetivo deste estudo in vitro foi avaliar o efeito de 2 agentes clareadores, associados à aplicação ou não do laser de argônio. Foram utilizados 20 dentes terceiros molares humanos inclusos, armazenados em solução fisiológica, desde as extrações. Cada dente foi seccionado em 4 partes, obtendo-se um total de 75 fragmentos dentais. As amostras foram desgastadas com discos diamantados dupla-face até se obter as dimensões em esmalte de 4 x 4 mm. Os espécimes foram divididos aleatoriamente em 5 grupos experimentais e mantidos em umidade relativa a 37ºC durante todo o experimento. O grupo 1 foi separado como grupo controle, o qual não recebeu nenhum tratamento clareador. Nos grupos 2 e 4 foram utilizados peróxido de carbamida a 35% (Opalescence Quick), sendo curados respectivamente com laser de argônio e com um fotopolimerizador comercial. Nos grupos 3 e 5 foram utilizados peróxido de carbamida a 37% (Whiteness Super - FGM), e curados com laser de argônio e com fotopolimerizador comercial, respectivamente. Os tratamentos foram realizados em 3 sessões com um intervalo de 7 dias. O efeito dos agentes clareadores sobre o esmalte dental hígido foi analisado pelo teste de microdureza Vickers, comparando-se o clareamento convencional com o clareamento com laser de argônio e os dois produtos submetidos à técnica.

De acordo com os resultados da microdureza Vickers do esmalte hígido, através de um teste estatístico (desvio quadrático médio), não houve diferença significante entre os dois agentes clareadores independente da ativação por laser ou lâmpada halógena.

 Pa261

Avaliação da amplitude da fenda cervical em restaurações de cavidades classe V utilizando diferentes intensidades de luz

MAZUR, R. F.*, SAAD. J. R. C., VIEIRA, S., IGNÁCIO, S. A.

Dentística Restauradora - Universidade Estadual Paulista. E-mail: rui_mazur@uol.com.br

O objetivo do trabalho foi verificar in vitro a formação de fenda em cemento de restaurações de classe V submetidas a diferentes intensidades de luz na forma gradual. Foram confeccionadas 64 cavidades provenientes de 32 terceiros molares. As amostras foram restauradas com Single Bond e resina composta P60 (3M). Para a fotopolimerização foi utilizado o Optilight 600 GNATUS que apresenta 6 diferentes intensidades de luz. Os grupos foram divididos em: G1: 100 mW/cm2, 300 mW/cm2, 600 mW/cm2; G2: 200 mW/cm2, 300 mW/cm2, 600 mW/cm2; G3: 100 mW/cm2, 400 mW/cm2, 600 mW/cm2; G4: 200 mW/cm2, 400 mW/cm2, 600 mW/cm2; G5: 100 mW/cm2, 300 mW/cm2, 500 mW/cm2; G6: 200 mW/cm2, 300 mW/cm2, 500 mW/cm2; G7: 100 mW/cm2, 400 mW/cm2, 500 mW/cm2; G8: 200 mW/cm2, 400 mW/cm2, 500 mW/cm2. O tempo de polimerização foi de 20 segundos para cada intensidade de luz. Os dentes foram submetidos à ciclagem térmica a 5ºC e 55ºC, com 500 ciclos. Para a análise da microscopia eletrônica de varredura as amostras foram seccionadas e condicionadas com ácido fosfórico à 50% durante 30 segundos. Após o condicionamento ácido as amostras foram lavadas e secadas por 60 segundos. Para a obtenção da imagem em MEV foi utilizado o microscópio - JEOL 330 com aumento de 1.000 X. Cada imagem da fenda cervical foi submetida ao processo de digitalização e analisada pelo teste ANOVA e teste de Tukey (5%).

Os autores concluíram que houve diferença estatisticamente significante entre os grupos estudados com aparecimento de fendas cervicais em todos os grupos.

 Pa262

Análise da profundidade de polimerização de resinas compostas polimerizadas por luz halógena e luz de emissão de diodo

VINHA, D.*, PANZERI, F. C., CASEMIRO, L. A., RAZABONI, A. M.

Odontologia - Universidade de Franca. E-mail: vinha@unifran.br

O objetivo desse trabalho foi avaliar a profundidade de polimerização de cinco marcas comerciais de resinas compostas (P60 - 3M; Z100 - 3M; Charisma - Heraeus Kulzer; Alert - Jeneric/Pentron; Durafill - Heraus Kulzer) quando polimerizadas por lâmpada halógena e LED. Para isso, foram obtidos cinco corpos-de-prova de cada material a partir de matriz de policarbonato preto de alta resistência composta de duas partes, uma porção plana e outra contendo uma cavidade preparada com as seguintes dimensões: 7 mm de profundidade, 3 mm de altura e 4 mm de largura. As amostras foram polimerizadas por luz halógena (Ultralux - Dabi Atlante) por 40 segundos e luz de emissão de diodo (Ultraled - Dabi Atlante) por 25 e 50 segundos e submetidos à análise de microdureza superficial com carga de 5 N por um tempo de 20 segundos. Os resultados indicaram valores médios de microdureza superficial maiores para materiais fotopolimerizados com LED por 25 e 50 segundos quando comparados aos materiais polimerizados com lâmpada halógena por 40 segundos.

A análise dos resultados nos permite concluir que o equipamento com luz LED permite a fotopolimerização adequada das resinas compostas em um tempo menor que o tempo necessário para a fotopolimerização com lâmpada halógena.

 Pa263

Estudo in vitro da microinfiltração marginal em cavidades classe V restauradas com três sistemas adesivos

DINIZ, L. G., LAUAR, S.*, CARVALHO, R. A., ANDRADE, A. K. M.

Odontologia - Universidade Federal do Rio Grande do Norte. E-mail: suhemlauar@digi.com.br

O objetivo deste estudo in vitro foi avaliar a microinfiltração marginal, em esmalte e dentina/cemento, de três sistemas adesivos. Foram utilizados 40 pré-molares humanos divididos em grupos de 10 dentes cada da seguintes maneira: Grupo I - Scotchbond Multi-Purpose Plus® (3M), Grupo II - Prime & Bond NT® (Dentsply), Grupo III - Etch & Prime 3.0® (Degussa) e Grupo IV - Controle (condicionamento total + resina composta). Foram feitos preparos cavitários do tipo classe V, na face vestibular, parede oclusal situada em esmalte e parede cervical localizada em dentina/cemento nas quais aplicou-se os sistemas adesivos, seguindo as instruções dos fabricantes e restaurou-se com resina composta Durafill®. Os ápices radiculares foram vedados e todos os dentes foram completamente isolados com exceção da área da restauração. As amostras foram submetidas a ciclagem térmica e imersos na solução de azul de metileno a 0,5%. Foi removida a impermeabilização e os dentes foram seccionados no sentido longitudinal vestíbulo-lingual, no centro das restaurações. Os níveis de microinfiltração foram observados com auxílio de um microscópio estereoscópico com aumento de 10 vezes e avaliados através de escores numéricos de 0 a 3.

Os Grupos I, II e III apresentaram baixos níveis de microinfiltração marginal na parede oclusal. Na parede cervical, os Grupos I e II apresentaram maiores níveis de microinfiltração. O grupo controle apresentou alto nível de microinfiltração marginal tanto na parede oclusal como na parede cervical. Nenhum dos sistemas adesivos foi capaz de impedir a microinfiltração marginal.

 Pa264

Efeito dos solventes no relaxamento das tensões da matriz de dentina desmineralizada

GARCIA, F. C. P.*, CARVALHO, R. M., OTSUKI, M., PASHLEY, D. H.

Dentística, Endodontia e Materiais Dentários - Universidade de São Paulo. E-mail: garciafcp@uol.com.br

Objetivos: determinar o efeito de solventes anidros no relaxamento das tensões da matriz de dentina desmineralizada sob diferentes deformações. Materiais e Métodos: espécimes de dentina com aproximadamente 0,8 mm x 0,8 mm x 8 mm foram obtidos de terceiros molares humanos. Suas extremidades foram cobertas com resina e a região central (4 mm), foi desmineralizada em 0,5 M EDTA (pH 7,0) por 7 dias. Os espécimes foram imersos nos respectivos solventes (água = A, metanol = M; butanol = B; HEMA = H; etanol = E; propanol = P; acetona = AC) por 60 min antes de serem fixos à máquina de teste (Vitrodyne). Os espécimes foram tensionados a uma deformação de 3%, 5% ou 10% a uma velocidade de 0,6 mm/min e mantidos sob tensão por 10 min enquanto imersos nos solventes. Os dados (MPa) foram normalizados em % de relaxamento/tempo e analisados por “2-way” ANOVA e Tukey. Resultados: Valores em %/seg, (n = 10). 3% de tensão = A (0,02a); M (0,05ab); B (0,05ab); H (0,08ab); E (0,09bc); P (0,10bc); AC (0,12c). 5% de tensão = A (0,02d); M (0,10c); B (0,18ab); H (0,20ab); E (0,13bc); P (0,20ab); AC (0,22a). 10% de tensão = A (0,03a); M (0,14b); B (0,17b); H (0,15b); E (0,18b); P (0,18b); AC (0,16b).

Para os solventes anidros, a % de relaxamento aumentou com o aumento da deformação (3%-5%). Solventes anidros determinaram alterações no relaxamento das tensões quando comparados com o controle (água). O relaxamento das tensões varia com o tempo e depende do tipo de solvente e da deformação inicial aplicada. (Apoio financeiro: FAPESP - 01/06140-1, 01/07250-5; CNPq - 300481/95-0.)

 Pa265

Influência do laser Er:YAG na microinfiltração de restaurações com resina composta

CHINELATTI, M. A.*, RAMOS, R. P., CHIMELLO, D. T., BORSATTO, M. C., PECORA, J. D., PALMA DIBB, R. G.

Odontologia Restauradora - Universidade de São Paulo. E-mail: machinelatti@zipmail.com.br

O objetivo deste estudo foi avaliar quantitativamente in vitro a microinfiltração marginal em cavidades classe V preparadas com laser Er:YAG, variando o tratamento superficial. Cinqüenta cavidades classe V foram preparadas nas faces vestibular e lingual de molares humanos apresentando as margens oclusal em esmalte e cervical em dentina/cemento utilizando laser nos grupos experimentais e turbina de alta rotação no grupo controle. Para o tratamento superficial as cavidades foram divididas em 5 grupos: G1- laser; G2- ácido + Single Bond; G3- laser + ácido + Single Bond; G4- acabamento com baixa rotação + laser + ácido + Single Bond; G5- preparo convencional + ácido + Single Bond (controle). Os espécimes foram res­taurados com a resina composta Z250, termociclados, isolados com esmalte de unha, imersos em solução de nitrato de prata 50% por 8 horas, incluídos em resina acrílica e seccionados longitudinalmente. Os cortes foram analisados em um microscópio óptico acoplado a uma câmera de vídeo e um computador. A imagem foi digitalizada e a microinfiltração medida em mm nas margens oclusal e cervical. Os dados foram submetidos à análise de variância e teste de Tukey (p < 0,05). Observou-se que o G5 apresentou os menores valores de infiltração, sendo estatisticamente semelhante ao G1 e diferente dos demais grupos. As margens em esmalte apresentaram menor infiltração que em dentina/cemento (p < 0,05).

Concluiu-se que o uso do laser no preparo cavitário e no tratamento superficial pode influenciar no vedamento marginal de restaurações com resina composta. (Apoio financeiro: CAPES.)

 Pa266

Avaliação da resistência adesiva em esmalte bovino de diferentes sistemas adesivos autocondicionantes

SILVA, A. M. B.*, BATAGLION, C., SILVA, M. A. M. R., PALMA DIBB, R. G.

Odontologia Restauradora - Universidade de São Paulo. E-mail: marco@forp.usp.br

O objetivo deste estudo foi avaliar a resistência adesiva ao esmalte bovino de diferentes sistemas autocondicionantes. Para esta finalidade 40 incisivos bovinos foram seccionados, incluídos em resina acrílica e desgastados, com o auxílio de lixas d’água com granulação de 280 a 600, para a obtenção de uma superfície de esmalte plana. Os dentes foram aleatoriamente divididos em 4 grupos: Single Bond - 3M (SB), Clearfill SE Bond - Kuraray (SE), One-up Bond F - J. Morita (OU), Prime & Bond NT/NRC - Dentsply (PB). As superfícies foram delimitadas, tratadas de acordo com a instrução do fabricante, e então aplicado os sistemas adesivos. Com auxílio de uma matriz de teflon, confeccionou-se um cone de resina Z250 (3M). Os espécimes foram mantidos em água destilada por 24 h à 37ºC e em seguida a resistência adesiva foi testada em máquina universal de ensaios (0,5 mm/min). As médias e os desvios-padrões em (MPa) foram: SB: 20,84 (± 3,80); OU: 7,92 (± 1,56); SE: 18,59 (± 3,15); PB: 16,73 (± 3,54). Os dados foram submetidos a ANOVA e o teste de Tukey. Observou-se que o SB apresentou similaridade ao SE, e superior aos demais grupos (p < 0,05). OU apresentou a menor média (p < 0,05).

Com base nos resultados pode-se concluir que alguns sistemas autocondicionantes não proporcionam uma adesão adequada ao esmalte, porém outros apresentam resistência adesiva semelhante ao sistema “total-etch”.

 Pa267

Espessura da camada híbrida: influência do preparo cavitário com laser ou ponta diamantada

BARCELEIRO, M. O.*, MELLO, J. B., DIAS, K. R., GOMES JR., B., COSTA, F. F.

Clínica Odontológica - Fundação Educacional Serra dos Órgãos. E-mail: mbarce@gbl.com.br

Os métodos alternativos para preparo cavitário estão cada vez mais presentes na Odontologia, porém, pouco se sabe sobre a qualidade da adesão sobre superfícies preparadas com estes métodos. O objetivo deste estudo foi promover uma comparação entre as espessuras das camadas híbridas formadas entre o sistema adesivo Scotchbond Multi-Uso Plus e a superfície dentinária, preparada com dois métodos de preparo cavitário, a ponta diamantada em alta rotação (Grupo I - controle), e o laser de Er:YAG com os seguintes parâmetros: 400 mJ, 8 Hz, focado, por 10 s. (Grupo II). Para isto, foram realizados tratamentos superficiais com os dois métodos descritos em 10 fragmentos de dentina superficial aplainada, retirados de cinco dentes humanos recém-extraídos, seguido de preparo da dentina com o sistema adesivo descrito. Após a inserção de incrementos de compósito Fill Magic sobre a dentina preparada, os corpos-de-prova foram cortados, polidos e preparados para visualização em MEV, através do que foram realizadas dez medidas da espessura da camada híbrida formada em cada corpo-de-prova, totalizando um total de 50 medições por grupo. Os resultados obtidos foram tratados estatisticamente por análise de variância (p < 0,05), a qual evidenciou haver diferença estatisticamente significante entre os dois grupos. Observou-se as seguintes médias nos diferentes grupos: Grupo I - 3,43 ± 0,74 mm; Grupo II - 1,54 ± 0,35 µm.

Através dos resultados, os autores concluíram que o laser de Er:YAG, com os parâmetros utilizados, influencia negativamente a formação da camada híbrida.

 Pa268

Avaliação comparativa de dois métodos de mensuração linear de camada híbrida em microscopia eletrônica de varredura

SUSIN, A. H.*, OLIVEIRA JR., O. B., MENEZES, F. C. H., SAAD, J. R. C.

Odontologia Restauradora - Universidade Estadual Paulista. E-mail: ahsusin@bol.com.br

O presente trabalho teve como objetivo realizar avaliação comparativa entre dois métodos de mensuração linear de camada híbrida: o método manual, utilizando paquímetro digital sobre a fotografia e o método eletrônico, sobre a imagem digitalizada e utilização do programa de computador Image Tool 3.0 - UTHSCSA - (versão final). Foram selecionadas quinze fotografias obtidas em microscopia eletrônica de varredura de regiões de camada híbrida. Em cada uma das fotografias foram selecionados cinco pontos diferentes onde foram realizadas as medições com cada um dos métodos avaliados. Observamos que os dados obtidos com cada um dos métodos de mensuração geraram gráficos de linhas polinomiais que ressaltaram a sua equivalência em vista da reprodutibilidade dos resultados apresentados em cada fotografia.

Ficou demonstrando que ambos os métodos podem ser utilizados e proporcionam medições compatíveis entre si, porém, a recomendação pelo método eletrônico se dá pela facilidade de operação, ganho de tempo, simplificação das medições obtidas – não sendo necessárias transformações através de equações matemáticas – e ainda, ser passível de calibragem para trabalhar em qualquer unidade de medida. (Apoio financeiro: CAPES.)

 Pa269

Correlação entre o espaço de pronúncia do /s/ e os trespasses incisais em indivíduos dentados

SOUZA, R. F.*, COMPAGNONI, M. A., FREITAS, K. B., BARBOSA, D. B., LELES, C. R.

Materiais Odontológicos e Prótese - Universidade Estadual Paulista. E-mail: raphael_f_s@hotmail.com

Os sons sibilantes, como o /s/, têm sido usados como avaliação na determinação da dimensão vertical. O objetivo deste estudo foi avaliar o espaço de pronúncia da consoante /s/ em português, e correlacionar suas medidas com os trespasses incisais (vertical e horizontal). 34 indivíduos saudáveis com dentição natural foram selecionados, com idades variando de 20 a 27 anos. Para análise da movimentação mandibular foi utilizado o equipamento cinesiográfico K6 I Diagnostic System®, o qual fornece registros tridimensionais da movimentação mandibular. Cada indivíduo foi testado pela pronúncia da palavra ‘seis’ e as posições mandibulares para o som /s/, em relação à posição de máxima intercuspidação, foram registradas. Também foram mensurados os trepasses vertical e horizontal. O valor médio para a posição mandibular durante o som /s/ foi 2,23 mm. Correlação positiva foi achada entre a medida da posição do som /s/ e os trespasses vertical (r = 0,49) e horizontal (r = 0,53).

Foi concluído que a posição de pronúncia do som /s/ é correlacionada aos trespasses, mas os valores baixos de correlação podem ser explicados pela influência de outros fatores anatômicos e funcionais. (­Apoio: FAPESP/CNPq.)

 Pa270

Efeito da dexametasona e do meloxicam sobre o extravasamento plasmático induzido por carragenina na ATM de ratos

BOLETA, D. C. F.*, VEIGA, M. C. F. A.

Odontologia - Universidade Paranaense. E-mail: dcboleta@unipar.br

Nosso objetivo foi padronizar um modelo de estudo da inflamação aguda em ATM de ratos utilizando carragenina (CA) e testar a ação de antiinflamatórios. Para tanto, CA 100 mg/50 µl foi injetada na ATM em diferentes tempos, para averiguar em qual o extravasamento plasmático (EP) é melhor quantificável pela técnica do corante azul de Evans (AE), injetado e.v. 50 minutos antes do sacrifício. Diferentes concentrações (100, 300 e 450 mg/50 ml) de CA foram injetadas na ATM esquerda, o lado contralateral recebeu 50 ml de salina 0,9%. Após a padronização realizou-se a análise morfológica 180 minutos após injeção de CA 300 mg/50 ml, com e sem terapia antiinflamatória. Outros seis grupos analisaram o efeito dos antiinflamatórios meloxicam (MEL) e dexametasona (DEXA) em diferentes doses, administrados via i.p. 2 h antes da CA 300 mg/50 mL, sobre o EP induzido pela CA. Utilizou-se análise de variância (ANOVA), teste de Tukey e teste t. Os resultados mostraram que CA 100 mg/50 mL produz um EP quantificável em 60 minutos, mas a análise de comparações múltiplas indicou que apenas as concentrações de 300 e 450 mg diferiram significativamente do controle. O pré-tratamento com MEL (14 e 21 mg/kg) e com DEXA (4,6 e 6,9 mg/kg) inibiu o EP causado por CA 300 mg/50 ml. A análise morfológica demonstrou que o pré-tratamento com MEL (21 mg/Kg) reduz a destruição óssea provocada por CA.

Concluímos que: 1) o pico de EP induzido pela CA ocorre em 60 minutos; 2) o EP induzido pela CA pode ser inibido por DEXA e por MEL; 3) o pré-tratamento com MEL minimiza a destruição óssea causada por CA.

 Pa271

Desinfecção de bases protéticas, por meio de microondas e imersão em solução enzimática

SESMA, N.*, MORIMOTO, S., LAGANÁ, D. C.

Prótese Dental - Universidade de São Paulo. E-mail: sesma@sti.com.br

Este estudo se propôs a avaliar in vivo, a eficiência de dois métodos de desinfecção de bases protéticas (irradiação por microondas e imersão em solução enzimática), por meio de análises microbiológicas e imagens de microscópio eletrônico de varredura. Foram selecionados 10 pacientes totalmente edentados na maxila, portadores de prótese total superior. A pesquisa teve três fases com duração de uma semana cada. A primeira foi a fase controle e os pacientes utilizaram apenas escova e pasta para higienizar suas próteses. Na segunda fase, associaram com imersão em produto químico enzimático. Na terceira, os pa­cientes foram orientados à higienizar as próteses com escova e pasta após as refeições e colocá-las em forno de microondas por 5 minutos. A análise microbiológica revelou que a eficiência do tratamento químico em eliminar os microorganismos da prótese foi de 53% e a do microondas foi de 92%, em média. As observações em MEV mostraram que as microondas inviabilizaram os microorganismos, mas não removeram o biofilme formado principalmente por bactérias mortas (”debris” bacteriano) que permaneciam na prótese.

Pode-se concluir que a irradiação por microondas foi o método mais eficiente na redução de microorganismos mas não removeu o “debris” bacteriano da superfície interna da prótese.

 Pa272

Efeito da interação gesso de inclusão-tempo de pós-prensagem na adaptação das bases de prótese total superior

SOUSA, R. L. S.*, DOMITTI, S. S., CONSANI, S., CONSANI, R. L. X.

Periodontia e Prótese - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: drigosousa@hotmail.com

Este trabalho avaliou a adaptação das bases de prótese total superior sob efeitos da combinação de gessos de inclusão (tipo II versus tipos III e IV) e dos tempos pós-prensagem (imediato e 24 horas), confeccionadas com resina acrílica ativada termicamente Clássico, polimerizada em água aquecida a 74ºC por 9 horas. Foram confeccionados modelos de gesso-pedra tipo III, e sobre eles bases com duas lâminas de cera de 0,7 mm. Após o processamento das bases pela técnica de rotina, o conjunto modelo de gesso-base de resina foi fixado num dispositivo para seccionameno transversal, e foram feitos três cortes correspondentes às regiões de distal de caninos, mesial dos primeiros molares e região palatina posterior. O nível de adaptação foi mensurado com auxílio do microscópio comparador linear Olympus, com capacidade de medição de 0,001 mm. Os dados submetidos à análise de variância e ao teste de Tukey (5%) mostraram que a combinação gesso tipo II versus III e tempo pós-prensagem de 24 horas apresentou desajuste médio significantemente menor (0,184 mm) do que o desajuste médio do grupo II versus IV (0,228 mm). No tempo imediato, os resultados foram sem diferença estatística significativa para todas as interações (II versus III = 0,266 mm e II versus IV = 0,250 mm). A região que apresentou a maior e menor média de desajuste foi a palatina posterior (0,285 mm) e a anterior (0,179 mm), respectivamente.

Os autores concluíram que a interação gesso de inclusão-tempo pós-prensagem exerceu influência sobre a adaptação de base de prótese total, apenas no período de 24 horas para combinação gesso III versus IV.

 Pa273

Influência da sorpção de água nos deslocamentos dentais em próteses totais superiores

CONSANI, R. L. X.*, DOMITTI, S. S., MESQUITA, M. F., CONSANI, S.

Prótese e Periodontia - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: rconsani@merconet.com.br

O estudo avaliou a movimentação dental sob influência da sorpção de água ocorrida na armazenagem da prótese à temperatura de 37ºC. Foram feitas 10 próteses totais superiores com resina acrílica Clássico pelo método convencional de prensagem em muflas metálicas. Pontos referenciais metálicos foram colocados nos dentes incisivos centrais (I), pré-molares (PM) e molares (M). Doze horas após a prensagem final, a resina acrílica foi polimerizada em água aquecida a 74ºC por 9 horas. As muflas foram removidas da polimerizadora após esfriamento da água e as próteses desincluídas, acabadas e armazenadas em água à temperatura de 37ºC pelos períodos de 24 horas, 1 semana, 1 mês e 3 meses. A movimentação dos dentes foi verificada nas distâncias transversais I-I, PM-PM e M-M e ântero-posteriores IE-ME e ID-MD com microscópio comparador Olympus, com precisão de 0,001 mm, após cada período de armazenagem. Os resultados entre as distâncias transversais I-I (24 h = 7,20 mm, 1 s = 7,21 mm, 1 m = 7,26 mm, 3 m = 7,27 mm), PM-PM (24 h = 39,81 mm, 1 s = 39,67 mm, 1 m = 39,75 mm, 3 m = 39,81 mm) e M-M (24 h = 52,83 mm, 1 s = 52,65 mm, 1 m = 52,80 mm, 3 m = 52,71 mm) e ântero-posteriores ID-MD (24 h = 37,99 mm, 1 s = 38,12 mm, 1 m = 37,99 mm, 3 m = 38,05 mm) e IE-ME (24 h = 34,91 mm, 1 s = 33,85 mm, 1 m = 34,03 mm, 3 m = 34,08 mm) foram submetidos à ANOVA e ao teste de Tukey (5%).

Os autores concluíram que não houve diferença estatística significativa nos valores da movimentação dental nas distâncias ântero-posteriores. Houve diferença estatística significativa apenas na distância IE-ME entre o período de 24 horas e os de 1 semana, 1 mês e 3 meses, estes iguais entre si.

 Pa274

Efeito da armazenagem em água na movimentação dos dentes posteriores em prótese total superior

BOSCATO, N.*, CONSANI, R. L. X., DOMITTI, S. S., CONSANI, S.

Prótese e Periodontia - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: noeliboscato@bol.com.br

Este trabalho avaliou a influência da armazenagem em água na movimentação de dentes posteriores em prótese total superior. Dez próteses foram confeccionadas com resina acrílica termopolimerizável Clássico, manipulada de acordo com as instruções do fabricante. A prensagem da resina acrílica foi feita pelo método convencional em muflas metálicas. O ciclo de polimerização foi iniciado 12 horas após a prensagem final das muflas em termopolimerizadora com ciclo de água à temperatura de 74ºC por 9 horas. Após o esfriamento da água de polimerização, as próteses foram removidas das muflas. Depois dos procedimentos finais de acabamento, as próteses totais foram estocadas em água pelos períodos de 24 horas, 1 semana, 1 mês e 3 meses, em estufa à temperatura de 37ºC. Após cada período de armazenagem, a movimentação dos dentes posteriores foi verificada nas distâncias PMD-PME, MD-ME, PMD-MD, PME-ME com microscópio comparador Olympus (Japão), com precisão de 0,001 mm. Os resultados médios das distâncias mensuradas dentro do fator tempo foram para os pontos: PM-PM (24 h = 39,81 mm, 1 s = 39,67 mm, 1 m = 39,75 mm, 3 m = 39,81 mm), M-M (24 h = 52,83 mm, 1 s = 52,56 mm, 1 m = 52.80 mm, 3 m = 52,71 mm), PME-ME (24 h = 20,25 mm, 1 s = 19,90 mm, 1 m = 19,94 mm, 3 m = 20,01 mm), PMD-MD (24 h = 20,67 mm, 1 s =20,79 mm, 1 m = 20,77 mm, 3 m = 20,85 mm). Os resultados foram submetidos à análise de variância e ao teste de Tukey (5%).

Os autores concluíram que o esfriamento das muflas em água de polimerização e os períodos de armazemagem das próteses totais em água não produziram efeito significativo na movimentação dos dentes posteriores.

 Pa275

Avaliação da resistência ao cisalhamento da união de duas porcelanas ao titânio cp fundido em três temperaturas

BONDIOLI, I. R.*, BOTTINO, M. A., OYAFUSO, D. K., BALDUCCI, I., GIANNINI, V.,
PAVANELLI, C. A., CARVALHO, M. C. A.

Materiais Odontológicos e Prótese - Universidade Estadual Paulista. E-mail: daribe7@hotmail.com

Este trabalho avaliou, in vitro, a resistência de união de dois sistemas de porcelana (Triceram/Sprident e Vita Titankeramik/Vita), ao tiânio cp fundido em três temperaturas (430, 700 e 900ºC), pelo teste de cisalhamento. Obteve-se sessenta amostras a partir de barras de titânio, divididas em seis grupos (n = dez), com três combinações para porcelana x temperatura. As amostras foram usinadas com 4 mm diâmetro x 4 mm altura, com base de 5 mm diâmetro e 1 mm altura; jateadas com óxido de alumínio antes da aplicação do correspondente agente de união de cada sistema cerâmico. Trinta amostras receberam o material opaco, que foi queimado antes da camada de dentina, através de uma matriz de teflon especialmente concebida para este fim. O teste de cisalhamento foi efetuado numa máquina Instron, com célula de carga de 500 kg, velocidade constante de 0,5 mm/min até à fratura da amostra, e as interfaces registradas num microscópio eletrônico de varredura, com análise de EDS para determinar os elementos presentes nas camadas de energia. Após a obtenção dos dados relativos ao momento da ruptura (em MPa) os mesmos foram submetidos à análise de variância ANOVA (2-way) e teste de Tukey (5%). Os resultados não mostraram diferenças estatísticamente significantes para a interação metal/porcelana. O teste de Tukey, contudo, ressaltou diferença para a interação temperatura/porcelana.

A porcelana Triceram teve diminuição da resistência da união diretamente proporcional ao aumento de temperatura. A porcelana Vita, com melhores resultados, chegou a registrar o seu valor mais alto a 700ºC.

 Pa276

Avaliação in vitro da infiltração e adaptação nas coroas cerâmicas

ALENCAR, M. J. S.*, SAITO, T., MIRANDA JR., W. G.

Prótese - Universidade São Paulo. E-mail: alencarm@gbl.com.br

Oobjetivo deste trabalho foi avaliar a infiltração e a adaptação de coroas de cerâmica puras fabricadas a partir de três sistemas (IPS Empress 2, Noritake e In-Ceram). Os preparos foram feitos num torno mecânico com as dimensões: 6,5 mm de diâmetro oclusal, altura de 4 mm, inclinação das paredes de 12º e um chanfro de 0,5 mm. Trinta corpos-de-prova foram cimentados com o cimento Variolink na consistência “low” e trinta na consistência “high”. A adaptação marginal foi medida no microscópio óptico em 3 pontos. Os corpos-de-prova foram submetidos a ciclagem térmica (700 ciclos 5/55ºC) e imersos em solução de nitrato de prata por 8 horas. A seguir os corpos-de-prova foram seccionados no sentido mésio-distal numa máquina Labcut e expostos a lâmpada “photoflood” de 250 Watts por 5 minutos. As amostras foram examinadas por três avaliadores que verificaram a infiltração com uma lupa de 4 X de aumento segundo a escala: 0- nenhuma infiltração, 1- infiltração na borda do preparo, 2- infiltração até o terço cervical do preparo, 3- infiltração até o terço oclusal do preparo. A análise estatística dos resultados (ANOVA e Kruskal-Wallis) permitiu concluir que:

O IPS Empress 2 apresentou melhor adaptação (79 mm na consistência “low” e 87,7 mm “high”) seguido do Noritake (85,0 mm “low “e 94 mm “high”) e do In-Ceram que apresentou a pior adaptação (89,3 mm “low” e 101 mm “high”). Quanto a infiltração o IPS Empress apresentou a menor infiltração (1,0 “low” e 1,1 “high”) seguido do Noritake (1,1 “low” e 1,3 “high”) e do In-Ceram que apresentou os maiores índices de infiltração (1,8 “low” e 2,2 “high”).

 Pa277

Comportamento mecânico de ligas de prata utilizadas em análogos de raízes de incisivos centrais superiores

BRITO, L. M.*, LEVY NETO, F., ELIAS, A. C.

Odontologia - Universidade Católica de Brasília. E-mail: lumourabrito@uol.com.br

Em razão da lacuna existente a respeito da indicação e do uso adequados de ligas odontológicas utilizadas para a confecção de núcleos metálicos fundidos (NMF), o presente trabalho pretende avaliar in vitro o comportamento mecânico de dois tipos de ligas de prata, sob carga compressiva de incidência semelhante à ação da força mastigatória. Foram utilizados 20 análogos de resina acrílica incolor idênticos (EUA), que simulavam um incisivo central superior tratado endodôntica e proteticamente, subdivididos em dois grupos (I e II) com o mesmo número de componentes cada (10). O padrão de resina acrílica dos 20 NMF foi obtido por meio da técnica de moldagem direta do conduto radicular e do preparo da porção coronária. Em seguida, realizou-se a fundição com a liga de prata (Ag 80%; Sn 19%) para o grupo I e com a liga de prata-paládio (Ag 58,5%; Pd 27,4%) para o grupo II. Todos os NMF foram cimentados com fosfato de zinco e submetidos à força resultante de uma carga com incidência vertical, com efeitos combinados de compressão, cisalhamento e flexão, em uma máquina de testes universal Instron, à velocidade de 0,5 mm/min, com inclinação de 45º em relação ao longo eixo dos análogos.

Os resultados estatisticamente analisados (p < 0,01) permitem concluir que o limite de proporcionalidade (momento inicial de deflexão permanente) da liga de prata foi superior (5%) ao da liga de prata-paládio. Portanto, pode-se afirmar que ligas de prata podem ser perfeitamente indicadas nas fundições de NMF, tanto pelo seu comportamento mecânico sob carga compressiva, bem como pelo seu custo redu­zido.

 Pa278

Análise da adaptação marginal de “copings” eletroformados, variando o término cervical

BUSO, L.*, NEISSER, M. P., BOTTINO, M. A., BALDUCCI, I., HILGERT, E., OYAFUSO, D. K., GUIDINI, A. L.

Materiais Odontológicos e Prótese - Universidade Estadual Paulista. E-mail: leobuso05@hotmail.com

O objetivo deste trabalho foi avaliar a adaptação marginal de “copings” eletrodepositados variando o término cervical. Dois modelos em aço inoxidável foram usinados simulando preparo de coroa total, sendo um com término cervical em chanfro largo e o outro em ombro arredondado. As moldagens foram feitas com polivinilsiloxano pela técnica da dupla moldagem, obtendo-se dez moldes para cada preparo. Para padronizar a moldagem foi confeccionado um alívio com acetato de 1,4 mm de espessura. Um delineador foi preparado para manter constante o eixo de inserção e remoção do modelo padrão durante as moldagens. Os moldes foram vazados com gesso tipo IV e sobre eles aplicado espaçador de troquel 1 mm aquém da margem. Estes troquéis foram duplicados com silicona de laboratório para a obtenção de um segundo troquel em gesso especial, o qual recebeu uma ligação com fio de cobre e uma cobertura com laca de prata, permitindo a passagem de corrente galvânica e a deposição do ouro. Após limpeza e ajuste, os “copings” retornaram ao modelo padrão fixado numa base metálica octogonal, iniciando-se a leitura em microscópio óptico Olympus com mesa digital. Os dados obtidos foram submetidos ao teste t e Mann-Whitney com nível de significância de 5%. Os valores médios do chanfro largo e ombro arredondado foram, respectivamente, 29,77 mm e 26,77 mm, com p = 0,657 para o teste t e p = 1,00 para o teste Mann-Whitney.

Com os resultados obtidos, concluiu-se que não houve diferença estatisticamente significante, com ambas configurações marginais podendo ser usada durante o preparo dental.

 Pa279

Comparação e correlação dos níveis de cinza de pinos intra-radiculares de fibra de vidro por meio de imagens digitais

FONTANA, E. B.*, COSTA, N. P., SOUZA, P. H. C.

Ciências Biomédicas - Pontifícia Universidade Católica do Paraná. E-mail: elenara@rla01.pucpr.br

A pesquisa objetivou comparar e correlacionar os níveis de cinza dos pinos intra-radiculares de fibra de vidro Fibrekor Post® de 1,5 mm de Æ com a dentina radicular mesial e distal dos dentes ICS, através do programa Digora® e do sistema digital DentScan DentView®. Foram selecionados 22 ICS com indicação clínica para exodontia. A coroa foi secionada no limite cervical, os condutos obturados pela técnica convencional e para a remoção do material endodôntico utilizou-se as brocas Gates. O preparo do conduto foi realizado com as fresas de 1,5 mm de Æ do kit Fibrekor Post®. Foram realizadas 3 seqüências radiográficas com filme nº 2, Ultraspeed®, dos pinos no interior do conduto e das dentinas mesial e distal, com técnica padronizada. Os Raios X foram digitalizados e analisados no programa Digora® e no sistema digital DentScan DentView® por um único operador. Os valores dos níveis de cinza obtidos foram submetidos ao teste t de Student para uma probabilidade de erro menor que 1%. Verificou-se que os valores médios dos níveis de cinza dos pinos no interior dos condutos foram: 146,71 (Digora®) e 199,50 (DentScan DentView®) e que estes valores eram superiores aos da dentina radicular tanto no Digora® (133,14 - mesial e 135,41 - distal) quanto no DentScan DentView® (176,56 - mesial e 172,70 - distal). Os valores dos níveis de cinza obtidos no Digora® apresentaram um coeficiente de correlação positiva em relação ao DentScan DentView®.

Concluiu-se que os pinos de fibra de vidro Fibrekor Post® com 1,5 mm de Æ apresentam uma imagem radiopaca no interior dos condutos radiculares dos ICS.

 Pa280

Alongamento e resistência à tração de “soft liners”: efeito da termociclagem

KLEINE, A.*, MESQUITA, M. F., NÓBILO, M. A. A., PINTO, J. R. R., CONSANI, R. X.

Faculdade de Odontologia de Piracicaba - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: alekleine@yahoo.com

A relação entre envelhecimento e deterioração das propriedades dos materiais “soft liners” é um problema observado em próteses reembasadas. Neste estudo, foi determinado in vitro o efeito do envelhecimento por termociclagem sobre o alongamento até a ruptura, e a máxima resistência à tração de “soft liners”. Foram confeccionadas 80 amostras com os materiais resilientes Molloplast-B, Flexor, Eversoft e Pro Tech. Quarenta amostras foram termocicladas com 3.000 ciclos de 1 minuto em água à 5ºC (± 1ºC) e 1 minuto em água a 55ºC (± 1ºC). A outra metade foi armazenada em água a 37ºC durante 24 horas. A máxima resistência à tração e o alongamento foram obtidos em um extensômetro eletrônico diferencial conectado a uma máquina de ensaios universal, com velocidade de 200 mm/min. Os resultados foram submetidos à análise de variância ANOVA e ao teste de Tukey (p < 0,01). A termociclagem não apresentou efeito sobre a máxima resistência à tração, porém, quando comparamos os materiais, independente do tratamento recebido, os maiores valores foram para o material Flexor, e os menores, para o Eversoft. Para alongamento, a termociclagem apresentou efeito sobre os materiais à base de resina acrílica, promovendo a diminuição dos valores; independente do tratamento, os valores mais elevados foram apresentados pelo Flexor, e os menores, pelo Molloplast-B.

A termociclagem não afetou a máxima resistência à tração dos “soft liners”, mas em relação ao alongamento, provocou diminuição nos valores, apenas para o Eversoft e o Pro Tech. (Apoio: FAPESP - 99/04198-0.)

 Pa281

Estudo in vitro da resistência à remoção por tração de núcleos metálicos fundidos em Cu-Al com diferentes diâmetros

SOUZA-FILHO, C. B.*, PAULINO, S. M., ALFREDO, E., SOUSA-NETO, M. D., VANSAN, L. P.

Odontologia - Universidade de Ribeirão Preto. E-mail: souzafilhocb@dglnet.com.br

Este estudo teve por objetivo avaliar a resistência à remoção por tração de núcleos metálicos fundidos em liga de Cu-Al (Goldent-LA) cilíndricos, jateados, de comprimento constante igual a 9 mm, cimentados com cimento de fosfato de zinco e com três diferentes diâmetros: 0,9 mm, 1,3 mm e 1,7 mm. Trinta e seis caninos superiores hígidos tiveram suas coroas seccionadas sendo as raízes incluídas em blocos de resina acrílica e os canais tratados endodonticamente. Os dentes foram divididos em três grupos para serem preparados e padronizados com o auxílio de um paralelômetro com as seguintes brocas: Grupo 1- broca de Largo nº 2; Grupo 2- broca de Largo nº 4; Grupo 3- broca de Largo nº 6. Os núcleos foram moldados pela técnica direta, utilizando-se resina acrílica ativada quimicamente e, após a fundição, foram jateados e tiveram as suas dimensões conferidas com um paquímetro digital. Após a cimentação, os corpos-de-prova foram armazenados em água destilada durante 24 horas, em estufa a 37ºC, e posteriormente, submetidos à teste de tração em uma máquina universal de ensaios Instron 4444 a uma velocidade de 1 mm/min. Com a análise estatística dos resultados, pôde-se concluir que não houve diferença estatística significante entre os grupos testados.

Conclui-se que a variação do diâmetro não interfere na retenção de núcleos metálicos fundidos em Cu-Al cilíndricos, jateados e cimentados com cimento de fosfato de zinco.

 Pa282

Estudo da resistência à tração de cápsulas e troquéis metálicos cimentados variando alívio e sulcos para o cimento

PAVANELLI, C. A.*, ARAÚJO, J. E. J., SILVÉRIO, W., OLIVIERI, K. N., FIGUEIREDO, A. R., TAKAHASHI, F. E., BALDUCCI, I.

Materiais Odontológicos e Prótese - Universidade Estadual Paulista. E-mail: pavacap@terra.com.br

O objetivo desta pesquisa foi estudar resistência à tração de cápsulas e troquéis metálicos, cimentados com cimento fosfato de zinco, variando alívio interno nas cápsulas e sulcos horizontais nas cápsulas e nos troquéis. Foram torneados cento e quarenta e quatro troquéis e respectivas cápsulas, em aço inoxidável, semelhantes a preparos para coroas totais e respectivas coroas, em torno de controle numérico computadorizado (CNC). Três réplicas de quarenta e oito condições experimentais foram estabelecidas e cimentadas. O alívio das cápsulas foi de 2 µm (na condição considerada sem alívio), 30 µm e 60 µm (nas condições com alívio). A quantidade de sulcos variou entre zero e três, tanto nas cápsulas como nos troquéis. A profundidade dos sulcos foi de 200 µm. Os corpos-de-prova obtidos das cimentações foram submetidos a teste de tração em máquina universal de ensaios EMIC (Itaquaquecetuba - SP), no Departamento de Materiais e Tecnologia da Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá, UNESP. Os valores obtidos receberam tratamento estatístico pelos métodos de análise de variância e de Tukey. Os resultados mostraram diferença estatística significante em 5%, individualmente e na interação das variáveis alívio e quantidade de sulcos nas cápsulas. Não houve diferença estatística para a variável quantidade de sulcos nos troquéis.

A análise dos resultados permitiu-nos concluir que a resistência à tração: aumentou com o aumento do alívio e com a quantidade de sulcos nas cápsulas; permaneceu inalterada com os sulcos nos troquéis; parece ser limitada pelas variáveis estabelecidas para o troquél.

 Pa283

Efeito da desinfecção por microondas sobre a dureza Vickers de dentes artificiais de resina acrílica

CAMPANHA, N. H.*, PAVARINA, A. C., GIAMPAOLO, E. T., VERGANI, C. E., MACHADO, A. L.

Materiais Dentários e Prótese - Universidade Estadual Paulista. E-mail: narahel@ig.com.br

O objetivo deste estudo foi avaliar a influência da desinfecção por microondas sobre a dureza Vickers de três marcas comerciais de dentes artificiais (D1- Vipi Dent; D2- Dentron e D3- Postaris). Para a obtenção dos corpos-de-prova, cada dente artificial foi incluído em resina acrílica termopolimerizável dentro de tubos de PVC e foram lidos em microdurômetro no aparelho Micromet 2103. Após a polimerização da resina, a superfície oclusal dos dentes (n = 8) foi desgastada com lixas de carbeto de silício até a granulação 1500. Testes de dureza foram realizados após o polimento (grupo controle - grupo 1), e após os corpos-de-prova terem sido submetidos à desinfecção por microondas (650 W por 6 minutos, em 200 ml de água - grupo 2). No grupo 3, os corpos-de-prova foram testados após terem sido submetidos ao procedimento de desinfecção por duas vezes. Foram realizadas 8 leituras em cada corpo-de-prova e a média calculada. Os dados foram submetidos à análise de variância e ao teste de Tukey em nível de 95%. Os resultados demonstraram que os fatores material e tratamento foram significativos (p < 0,05). Os dentes artificiais avaliados apresentaram uma redução significativa (p < 0,05) na dureza após os dois ciclos desinfecção (grupo 1- 17,05 VHN; grupo 2- 16,08 VHN; e grupo 3- 16,07 VHN). O dente D3 apresentou valores médios de dureza superiores (16,95 VHN), seguido do D2 (16,42 VHN) e do D1 (15,82 VHN).

O procedimento de desinfecção utilizado promoveu uma redução nos valores de dureza dos dentes artificiais avaliados, porém, provavelmente esta alteração não tenha significância clínica.

 Pa284

Avaliação da resistência ao arrancamento por tração de próteses parciais fixas do tipo CBW

HAMAOKA, N.*

Prótese Dental - Universidade de São Paulo. E-mail: nei@uol.com.br

Avaliamos in vitro a resistência à tração por arrancamento de próteses do tipo CBW (“Crownless Bridge Works”). Foram realizados 52 corpos-de-prova divididos em 4 grupos, onde cada um continha dois dentes molares posicionados de tal forma a deixar um espaço protético, entre eles, equivalente à distância média de um molar. Microencaixes CBW de titânio de tamanhos diferentes foram cimentados com Panavia F nas proximais contíguas ao espaço protético. Foram confeccionadas estruturas metálicas em cobalto-cromo simulando uma prótese fixa, com extensões de retenção de tamanhos distintos que foram jateadas com óxido de alumínio e cimentadas também com Panavia F. Os grupos foram: (A) microencaixe tipo 1, planos-guias proximais dos dentes, extensão de retenção normal e cimentação com Panavia F; (B) microencaixe tipo 1, ausência de planos-guias proximal nos dentes, extensão de retenção normal e cimentação com Panavia F; (C) microencaixe tipo 2, planos-guias proximais dos dentes, extensão de retenção normal e cimentação com Panavia F; e (D) microencaixe tipo 1, planos-guias proximais dos dentes, extensão de retenção mais longa e cimentação com Panavia F. Os corpos-de-prova foram submetidos ao teste de arrancamento por tração no Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo.

A força média para o arrancamento de uma prótese CBW, foi de 37 kgf para o grupo A; 35,47 kgf para o grupo B; 36,23 kgf para o grupo C e 39,22 kgf para o grupo D. Estatisticamente não houve diferença significativa entre os grupos, embora os valores médios absolutos tenham sido maiores para o grupo D.

 Pa285

Ajuste de coroas esquemáticas fundidas em Ni-Cr com três revestimentos: ciclo convencional e rápido de aquecimento

ZAMUR, V.*, MELONCINI, M. A., MAGALHÃES FILHO, O.

Materiais Dentários - Universidade Paulista. E-mail: valzamur@hotmail.com

A investigação teve por objetivo avaliar os desajustes de blocos fundidos em liga de níquel-cromo, onde os corpos-de-prova eram representados por uma coroa esquemática. Foram avaliados 36 corpos-de-prova. Os fatores estudados foram: 1) três revestimentos fosfatados (Heat Shock, Flash, Micro-Fine 1700); 2) influência de cada revestimento com duas técnicas diferentes de aquecimento do molde para a fundição: ciclo convencional e rápido. As fundições foram realizadas pelo método clássico, isto é, centrífuga de fundição e maçarico a gás (GLP) + oxigênio, utilizando anel flexível reutilizável. Os corpos-de-prova fundidos foram posicionados no troquel mestre, para avaliação dos desajustes cervical, os quais foram medidos num perfilômetro (30 X).

A análise dos resultados permitiu concluir que: 1) o revestimento Heat Shock conduziu ao melhor ajuste de adaptação das coroas, tanto no ciclo convencional como no rápido; 2) coroas fundidas com os revestimentos Micro-Fine 1700 e Flash apresentaram maiores desajustes cervicais, insatisfatórios para os parâmetros de aceitação, independente do ciclo de aquecimento; 3) o ciclo rápido de aquecimento do molde permitiu melhores resultados, para os três revestimentos estudados.

 Pa286

Moldagem em prótese parcial fixa com afastamento gengival

SANTOS, L. B.*

Saúde - Universidade Estadual de Feira de Santana. E-mail: lydia@usp.br

O presente estudo submeteu três cães ao afastamento gengival comparando a técnica de afastamento e moldagem com anel de cobre e godiva de baixa fusão com a técnica de afastamento gengival com cordão de algodão associado a cristais de cloreto de alumínio, e moldagem única com silicona de condensação. O objetivo foi comparar a biocompatibilidade periodontal entre as duas técnicas. Foram obtidas amostras nos períodos de 0 (zero), 3, 7, 14 e 21 dias, as quais foram avaliadas histologicamente, utilizando-se a técnica de coloração hematoxilina-eosina. Como resultado, para todos os métodos testados, as conseqüências histológicas para o periodonto foram consideradas reversíveis.

Os resultados obtidos nas condições experimentais descritas permitiram as seguintes conclusões: 1. no grupo onde foi realizado o afastamento gengival com cordão impregnado de cristais de cloreto de alumínio foi observada a maior deformação do tecido gengival; 2. comparando os resultados entre os grupos com anéis de cobre com 1 e 2 mm de profundidade dentro do sulco gengival, a maior profundidade de penetração provoca pequena reação inflamatória, a menor profundidade não provoca reação inflamatória. Houve descamação da camada mais superficial do epitélio para ambos os grupos; 3. para todos os métodos testados as conseqüências histológicas para o periodonto são reversíveis.

 Pa287

Avaliação in vitro da precisão de três técnicas de transferência para próteses implantossuportadas de múltiplos pilares

NACONECY, M. M.*, TEIXEIRA, E. R., FRASCA, L. C. F.

Odontologia - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

E-mail: naconecy@via-rs.net

A necessidade de uma adaptação passiva em próteses implantossuportadas constitui-se em uma das principais características para o sucesso na terapia de implantes. Dentre as inúmeras distorções inerentes ao tratamento protético, a técnica de moldagem para a transferência da posição dos implantes para o modelo de trabalho é ainda responsável por grande preocupação e controvérsia. Este estudo in vitro objetivou avaliar a passividade de adaptação de uma estrutura metálica conectada a cinco análogos de pilares provenientes de três técnicas de transferência. Cinco modelos em gesso foram confeccionados para cada uma das técnicas testadas, por meio de moldes em um modelo mestre de resina epóxi. Poliéter foi o material de impressão de escolha para todos os procedimentos de transferência. As técnicas avaliadas foram as seguintes: Técnica Direta Esplintada (transferentes quadrados esplintados com pinos de aço e resina acrílica autopolimerizável, e moldeira individual aberta) - Grupo I; Técnica Direta Não Esplintada (transferentes quadrados não esplintados e moldeira individual aberta) - Grupo II; Técnica Indireta (transferentes cônicos e moldeira individual fechada) - Grupo III. Dezesseis extensômetros foram colados ao longo da estrutura metálica de secção retangular, sendo seu grau de deformação medido em cada modelo.

A análise da variância revelou que uma diferença significante existiu entre o grupo I comparado com os grupos II e III. Entretanto, o experimento apontou não haver diferenças estatísticas entre os grupos II e III.

 Pa288

Cisto odontogênico calcificante: achados clinicopatológicos e perfil imuno-histoquímico de 10 casos

PIRES, F. R.*, FREGNANI, E. R., RIVERA, D. Q., VARGAS, P. A., ALMEIDA, O. P.

Diagnóstico e Cirurgia - Universidade do Estado do Rio de Janeiro. E-mail: ramoafop@yahoo.com

Objetivo: descrever as características clínicas e histopatológicas e analisar o perfil imuno-histoquímico e a atividade proliferativa de 10 casos de cisto odontogênico calcificante (COC). Material e Métodos: dez casos de COC foram selecionados dos arquivos do Laboratório de Patologia Oral da Faculdade de Odontologia de Piracicaba/UNICAMP; dados clínicos foram obtidos a partir dos registros dos pacientes e os achados histológicos foram obtidos através da revisão das lâminas coradas em H. E.; reações imuno-histoquímicas contra citoqueratinas, Mel-CAM (CD146), bcl-2, PCNA e ki-67 foram realizadas nos 10 casos. Resultados: todos os 10 casos acometeram a maxila, sendo 8 intra-ósseos e 2 periféricos; cinco casos intra-ósseos eram císiticos e 3 eram císticos associados a odontomas, e os 2 casos periféricos mostraram padrão histológico sólido; a expressão imuno-histoquímica foi positiva para citoqueratinas 8, 14, 19, AE1/AE3 e 34bE12 e bcl-2 em todos os casos, e Mel-CAM em 6 casos; a atividade proliferativa foi maior no epitélio dos casos intra-ósseos císticos do que nos casos associados a odontoma e periféricos sólidos. Tratamento cirúrgico foi realizado em todos os casos e nenhum apresentou recidiva.

Conclusões: COCs mostraram perfil odontogênico de expressão de citoqueratinas, e a expressão de bcl-2 e Mel-CAM indica que estas proteínas podem estar envolvidas no seu desenvolvimento. Nenhum dos casos recidivou após o tratamento cirúrgico, independente de sua atividade proliferativa.

 Pa289

Prevalência de gengivite e periodontite em crianças na faixa etária de 3 a 5 anos na cidade de Aracaju (SE)

MORAES, E. S.*, VALENÇA, A. M. G.

Faculdade de Odontologia - Universidade Federal da Paraíba. E-mail: elidia@infonet.com.br

O presente estudo objetivou analisar, por meio de exame clínico e radiográfico, a prevalência de doenças periodontais em 518 crianças de 3 a 5 anos, na cidade de Aracaju - SE. Foram coletados dados quanto a: acúmulo de biofilme; sangramento gengival; profundidade do sulco gengival; perda óssea. A gengivite foi considerada presente diante de sangramento gengival à sondagem enquanto a periodontite foi detectada quando existia perda óssea diagnosticada radiograficamente. Os dados foram submetidos ao teste do qui-quadrado, p < 0,05. A média do IHO-S na amostra foi de 1,34, sendo 1,32 para o gênero masculino e 1,35 para o feminino. O IHO-S nas distintas idades foi: 3 anos - 1,31; 4 anos - 1,33; 5 anos - 1,36, correspondendo a uma higiene oral regular. A prevalência de gengivite na amostra foi de 75,5%, não sendo influenciada pelo gênero ou faixa etária. A gengivite suave acometia 68,5% das crianças, com preponderância nas superfícies livres (68,2%) em relação às proximais (31,8%), sendo esta patologia mais prevalente naquelas com maior acúmulo de biofilme (p < 0,01). A periodontite foi detectada em 3,7% das crianças, não estando relacionada ao gênero ou faixa etária, acometendo mais freqüentemente as superfícies proximais (60%) que as livres (40,0%), sendo que 35% das regiões com periodontite não apresentavam sangramento gengival à sondagem.

Conclui-se ser expressiva a prevalência de gengivite em crianças ainda na dentição decídua, particularmente naquelas com maior acúmulo de biofilme, fato que denota a importância do diagnóstico precoce na prevenção e controle da doença periodontal na infância.

 Pa290

Herpes labial – prevalência versus fatores contaminantes em acadêmicos de Odontologia/UNIFOA (RJ)

VALENTE, C.*, LANGLOIS, C. O., SAMPAIO, M. C. C.

Odontologia - Universidade Federal da Paraíba. E-mail: carolod@uol.com.br

Este trabalho objetivou identificar a prevalência de herpes bucal e riscos de contaminação em estudantes de odontologia do UNIFOA - Volta Redonda - RJ, durante o primeiro semestre de 2002. Foram analisados 152 questionários de alunos de ambos os gêneros, leucodermas e solteiros, entre 18 e 24 anos. Os dados foram submetidos a correlação de Spearman observando-se prevalência de herpes em aproximadamente 14% (n = 21). Prevalência maior nas idades de 18 e 19 anos (n = 11; 52,4%) e menor para maiores de 20 anos, foi observada. Não houve, no entanto, significância estatística entre prevalência de herpes e idade (p > 0,01), gênero (c2 = 0; gl = 1; p  > 0,01) ou existência de parceiro (c2 = 0,3; gl = 1; p >  0,01). Foi observado que 62% (n = 13) dos indivíduos afetados compartilham copos e/ou cigarros. Este grupo relatou recorrência da lesão em pelo menos 1 vez ao ano (n = 7; 54%).

Conclui-se que houve uma baixa prevalência do herpes bucal nos acadêmicos de Odontologia do UNIFOA - RJ, assim como não se estabeleceu relação da lesão com as formas de contaminação pelo vírus.

 Pa291

Estudo eletromiográfico das regiões superior, média e inferior do músculo masseter em indivíduos Classe III de Angle

GOMES, A. C. P.*, VITTI, M.

Odontologia - Universidade de Franca. E-mail: acpgomes@bol.com.br

A parte superficial do músculo masseter, subdividido em três regiões – superior, média e inferior – foi estudada por meio da eletromiografia de superfície em pacientes com maloclusão dental Classe III de Angle. Participaram deste estudo 14 pacientes (4 do sexo masculino, 10 do sexo feminino, com idade de 7 a 12 anos). Utilizou-se o “scan” nº 9 do eletromiógrafo modelo K6-I/EMG Eight Channel Surface Electromyograph (Myo-tronics Co., Seatle, WA, EUA). Empregou-se na análise estatística não-paramétrica o teste de Wilcoxon para a comparação entre os lados, e o teste de Friedman para a comparação entre as regiões; ambos utilizando nível de significância 0,05.

Concluiu-se que: (1) nos movimentos de abertura e fechamento, deglutição de saliva, oclusão cêntrica forçada e mordida molar bilateral com algodão, houve diferença estatística significante de atividade entre os lados, e o músculo masseter esquerdo apresentou maior atividade eletromiográfica que o músculo masseter direito; (2) a atividade da região inferior predominou nos movimentos de propulsão livre, deglutição de água, deglutição de saliva e desvio lateral esquerdo sem contato, com diferença estatística significante, seguida pelas atividades das regiões média e superior, respectivamente; (3) a atividade da região inferior também foi predominante nos movimentos de abaixamento livre, abertura e fechamento, abertura contra resistência e propulsão contra resistência, com diferença estatística significante.

 Pa292

Atividade de exoenzimas de C. albicans em pacientes HIV+ sob tratamento com inibidores de proteinase

SILVEIRA, F. R. X.*, LUSVARGHI, A. S., PIRES, M. F. C.

Estomatologia - Universidade de São Paulo. E-mail: frxsilve@uol.com.br

O tratamento de pacientes HIV+ com drogas inibidoras de proteinase (IP), trouxe mudanças qualitativas indiscutíveis em relação ao desenvolvimento da doença e qualidade de vida dos pacientes, notadamente com relação à ocorrência de candidoses bucais. A literatura mostra uma ação inibitória in vitro de proteinase de C. albicans pelas drogas IP, entretanto numa concentração muito superior à utilizada no tratamento desses pacientes (CASSONE et al., J Infet Dis, v. 180, n. 2, p. 448-53, 1999). Em decorrência, buscamos avaliar uma possível ação dessas drogas na produção de exoenzimas (proteinase e fosfolipase) de Candida albicans recém-isoladas da mucosa jugal de 49 pacientes HIV+ sob tratamento com IP. Como controle foram utilizadas 31 cepas recém-isoladas de pacientes HIV+ sob tratamento com drogas não inibidoras de proteinase (NIP) e 12 cepas recém-isoladas de pacientes HIV+ sem tratamento específico para o HIV. A produção de proteinase foi pesquisada segundo RÜCHEL et al., (Sabouraudia,v. 20, n. 3, p. 233-244, 1982) e a atividade de fosfolipase, segundo PRICE et al., (Sabouraudia, v. 20, n. 1, p. 7-14, 1982), sendo os resultados submetidos à análise de variância (ANOVA). Para a produção de proteinase não houve diferenças estatisticamente significativas para os grupos de medicação (p = 0,52), o mesmo ocorrendo quanto à atividade de fosfolipase (p = 0,67).

Em vista dos resultados, concluímos que não houve alteração na capacidade de produção de proteinase e fosfolipase pelas cepas estudadas, frente à medicação inibidora de proteinase. (Apoio: FAPESP - 00/1234-5.)

 Pa293

Ação de inibidores de proteinase frente ao isolamento de C. albicans e ocorrência de candidose bucal em pacientes HIV+

LUSVARGHI, A. S.*, SILVEIRA, F. R. X., PIRES, M. F. C.

Estomatologia - Universidade de São Paulo. E-mail: gandrea@usp.br

A diminuição da ocorrência de candidose bucal frente ao uso de drogas inibidoras de proteinase (IP) em pacientes portadores do HIV é controversa: se a IP teria uma ação inibitória na levedura ou se a restauração do sistema imune, pela normalização do número de células CD4 seria mais relevante. Buscamos avaliar a influência dos IP e da contagem de CD4 em relação ao isolamento de C. albicans e ocorrência de candidose bucal em 111 pacientes HIV+ sob tratamento com IP. Como controle utilizamos dois outros grupos de paciente HIV+, um sob tratamento (Não IP - 56 pacientes) e outro sem tratamento (ST - 26 pacientes). A contagem de CD4 foi obtida após coleta de sangue realizada no mesmo dia do exame clínico, sendo o material para isolamento das leveduras coletado da mucosa jugal. As cepas de C. albicans foram identificadas pelos testes de formação de tubos germinativos e clamidoconídios, bem como, auxanograma e ­zimograma. Os resultados foram submetidos à análise de variância (ANOVA) e quando esta foi estatisticamente significativa utilizou-se o teste HSD-Tukey. Com relação a IP não houve diferenças estatisticamente significativas com as variáveis: freqüência de isolamento de C. albicans (p = 0,133) e candidose bucal (p = 0,158). Houve maior freqüência de isolamento de C. albicans (p = 0,046) e maior prevalência de candidose bucal (p = 0,036) para os indivíduos que apresentavam contagem menor de células CD4.

Frente aos resultados pudemos concluir que a resposta imune do paciente (contagem de células CD4) foi mais relevante do que uma possível ação direta do IP sobre a levedura.

 Pa294

Terapia fotodinâmica no tratamento de lesões orais

KURACHI, C.*, CESTARI FILHO, G., BAGNATO, V. S.

Grupo de Óptica - Universidade de São Paulo. E-mail: cristina@if.sc.usp.br

A Terapia Fotodinâmica (PDT - “Photodynamic Therapy”) é uma técnica que vem sendo aplicada para o tratamento de lesões tumorais. A terapia envolve a utilização de um fotossensibilizador, que depois de excitado por uma luz de cor específica, promove reações citotóxicas e, conseqüentemente a eliminação das células tumorais. A PDT pode ser indicada para pacientes com lesões orais superficiais e em casos contra-indicados ou sem resposta às terapias convencionais. Neste trabalho serão apresentados alguns exemplos em pacientes com diversas lesões orais, mostrando as vantagens e desvantagens da PDT. Os pacientes foram sensibilizados com um derivado de hematoporfirina e, após 24/36 horas da administração endovenosa, realizou-se a irradiação da lesão com um laser em 630 nm. O principal efeito colateral da terapia é a fotossensibilidade dérmica que permanece por um período ao redor de 4 semanas. A reação fotodinâmica é atérmica, o principal tipo de reação ocorre quando a droga excitada reage com o oxigênio presente nos tecidos ocasionando a formação de uma espécie reativa, altamente citotóxica. O procedimento pode ser repetido inúmeras vezes. A terapia pode ser realizada associada a outros tratamentos para a obtenção de melhores resultados.

A eliminação completa do tumor é obtida nas lesões superficiais, em outros casos, a redução é parcial. Em alguns pacientes a PDT foi indicada apenas como um tratamento paliativo, na tentativa de redução e controle tumoral. A PDT é mais uma opção para o tratamento de lesões tumorais. (Apoio financeiro: CePOF (FAPESP), PRONEX, Fundação Amaral Carvalho.)

 Pa295

Prevalência de leucoplasia pilosa em crianças soropositivas para o HIV

ISRAEL, M. S.*, SILVA JR., A., PIMENTEL, R., MACIEL, V.

Patologia Buco-Dental - Universidade Federal Fluminense. E-mail: monica_israel@ig.com.br

A leucoplasia pilosa (LP), descrita pela primeira vez em 1984, é uma infecção causada pelo vírus Epstein-Barr (EBV), tipicamente encontrada em pacientes infectados pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV). Clinicamente, caracteriza-se pelo seu aspecto branco, corrugado, não destacável, situada preferencialmente em borda lateral da língua. Um padrão morfológico característico da infecção subclínica já foi descrito. Apesar de assintomática, a LP possui importante valor diagnóstico e prognóstico na AIDS. O diag­nóstico pode ser feito através da identificação do EBV ou do reconhecimento na histo/citopatologia das alterações nucleares representativas do efeito citopático. Diferentemente dos adultos, a LP em pacientes pediátricos tem baixa prevalência (0-3%), segundo relatos da literatura. O objetivo deste trabalho foi investigar a prevalência da LP em pacientes pediátricos soropositivos para o HIV, através da citopatologia. A amostra constituiu-se de 40 pacientes, submetidos a oroscopia e a coleta de material de ambas as bordas da língua, através de raspado com escova. Os esfregaços obtidos foram processados utilizando-se a coloração de Papanicolaou. O critério diagnóstico foi a identificação das alterações nucleares (inclusão Cowdry A e núcleos em “vidro fosco” e “em colar”). A leucoplasia pilosa não foi identificada, clinicamente, em nenhum dos pacientes examinados. Já a citopatologia revelou quatro (10%) casos de leucoplasia pilosa subclínica.

Nossos resultados indicam que a prevalência da leucoplasia pilosa oral, somando-se as apresentações clínica e subclínica, é maior que a relatada na literatura.

 Pa296

Prevalência de raízes supranumerárias em pré-molares inferiores

DANTAS, J. A.*, FARIAS, D. A., REBELLO, I. M. C., CAMPOS, P. S. F., MONTEBELLO FILHO, A.

Diagnóstico Oral - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: janadantas@yahoo.com.br

As raízes supranumerárias são uma alteração de desenvolvimento que pode envolver qualquer dente, e sua ocorrência é importante para a realização de tratamento cirúrgico ou endodôntico da unidade afetada. Diante dessa realidade, procuramos determinar a prevalência de raízes supranumerárias em pré-molares inferiores. O estudo foi realizado com 200 exames radiográficos periapicais de boca toda, do arquivo de pacientes da Faculdade de Odontologia da UFBa, perfazendo um total de 800 dentes. Optamos por essa metodologia devido à possibilidade de analisar radiografias de caninos, pré-molares e molares inferiores, tendo-se uma variação na angulação horizontal que permitiu a identificação de raízes sobrepostas na incidência ortorradial. As radiografias foram submetidas à avaliação de um radiologista experimentado e os dados levantados foram submetidos a tratamento estatístico através de gráfico de setores. Os resultados encontrados demonstram que 14% (112) dos dentes avaliados apresentaram raízes supranumerárias, nos quais 56,25% ocorreram no sexo masculino e 43,75% no feminino. Quanto ao nível de emergência, 60,71% foram no 1/3 médio, 38,39% no apical e 0,89% no 1/3 cervical da raiz. O dente mais envolvido foi o primeiro pré-molar, num total de 69,64% dos casos, contra 30,35% de segundos pré-molares. Em relação ao tipo de ocorrência, 67% foram unilaterais e 33% bilaterais, sendo que, desses últimos, 82% ocorreram em primeiro pré-molares e 18% nos segundos pré-molares inferiores.

Portanto, na amostra avaliada, observou-se uma prevalência significante de raízes supranumerárias em pré-molares inferiores.

 Pa297

Efeitos combinados da diabetes e da irradiação sobre o colágeno

FERREIRA, R. I.*, ALMEIDA, S. M., BÓSCOLO, F. N., VIZIOLI, M. R.

Diagnóstico Oral - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: riveaines@yahoo.com

A diabetes melito exacerba os efeitos deletérios das radiações ionizantes sobre a cicatrização. Neste processo, as fibras colágenas provêem integridade e resistência ao tecido. Esta pesquisa experimental visou a estudar os efeitos combinados da diabetes e da irradiação local sobre o conteúdo de colágeno e a organização macromolecular do tecido de granulação. Para tanto, 48 ratos Wistar foram divididos em 4 grupos: controle; irradiado; diabético e diabético irradiado. A diabetes foi induzida, nos dois últimos grupos, por meio de uma injeção de estreptozotocina. Quinze dias após a indução, todos os animais sofreram uma cirurgia para a produção de uma ferida excisional, na região dorsal anterior. Ao terceiro dia pós-operatório, aplicou-se uma dose de 1 Gy, de feixes de elétrons com 6 MeV de energia, em uma área externa às margens das feridas. Amostras teciduais dos 4 grupos foram examinadas por microscopia de luz polarizada aos 4, 7, 13 e 21 dias pós-operatórios. Empregou-se a técnica de coloração por picrosirius, com a finalidade de identificar e avaliar a maturação do colágeno. Para a detecção do dicroísmo linear, que relaciona-se à organização macromolecular do tecido, uma parte das amostras foi submetida à reação histoquímica com o azul de toluidina a 0,025%.

As observações microscópicas sugerem que: 1. a diabetes e a irradiação determinaram uma redução no conteúdo de colágeno, que foi mais pronunciada nos animais diabéticos irradiados; 2. a organização macromolecular do tecido de granulação foi retardada nos animais irradiados, diabéticos e diabéticos irradiados, em comparação com o grupo controle. (Apoio financeiro: CAPES.)

 Pa298

Análise dos níveis de cinza do corpo mandibular obtidos de radiografias periapicais digitalizadas: estudo in vitro

REIS, L. F. G.*, COSTA, N. P.

Odontologia - Universidade Tuiuti do Paraná. E-mail: lfgreis@uol.com.br

O trabalho analisou os níveis de cinza medidos em pixels, da região de corpo mandibular, estabeleceu um simulador de tecidos moles, avaliou a diferença dos níveis de cinza das imagens geradas pelos filmes radiográficos, Ultraspeed e Insight, através de dois programas de imagens digitalizadas, Digora 1.51 e Image Tool 2.00, com e sem a presença de simuladores de tecidos moles. O teste preliminar teve verificou a influência dos tecidos moles sobre a leitura dos níveis de cinza das imagens radiográficas. Nesta etapa, foi confeccionado um recipiente de 1,0 cm de espessura contendo tecido muscular e adiposo animal e corpos-de-prova: acrílico e cera utilidade (1,0; 1,5 e 2,0 cm). Na etapa seguinte, escolhida a cera utilidade a 1,0 cm para simular os tecidos moles, foram radiografadas dez regiões de corpo de mandíbulas secas, utilizando os filmes Ultraspeed e Insight, sendo o tempo de exposição de 0,40 e 0,24 segundos, respectivamente. As radiografias foram tecnicamente padronizadas e realizadas com e sem a presença do simulador justaposto à região e as imagens obtidas foram digitalizadas nos dois programas, totalizando 320 imagens.

Os resultados mostraram que a presença do simulador de tecidos moles interferiu na determinação dos valores médios dos níveis de cinza, que entre os programas de imagens não houve diferença estatística significativa e que existiu diferença estatística significativa entre os dois filmes radiográficos periapicais quando comparados pelos programas de imagens digitalizadas.

 Pa299

Biossegurança em aparelho de raios X: filtros de alumínio ou de estanho?

PARDINI, L. C.*, WATANABE, P. C. A.

Morfologia, Estomatologia e Fisiologia - Universidade de São Paulo. E-mail: pardini@forp.usp.br

A finalidade desta pesquisa é avaliar a dose de exposição (mR) e a qualidade radiográfica usando filtros de Alumínio (2,0 mm) ou de estanho (0,02 mm) associados aos filmes (Kodak) do Grupo D (10 filmes, T.E. = 0,8 s) ou Grupo E (10 filmes, T.E. = 0,4 s). Utilizou-se aparelho de 70 KVp,  8 mA (DFF 40 cm), solução processadora (Kodak), fotodensitômetro (M.R.A-BR) e detetor de radiação (Victoreen - 6000B - EUA). A metodologia compreende a exposição do penetrômetro de alumínio (10 x 32 mm com 8 degraus e espessuras incrementais de 2 mm) sobre o filme e a avaliação da dose de exposição. Após o processamento radiográfico os valores das densidades ópticas das imagens foram analisadas no fotodensitômetro e confeccionaram-se tabelas e gráficos (x = espessuras do penetrômetro e y = densidades ópticas). Para análise estatística utilizou dos valores originais das tabelas (n = 10) que foram submetidos aos testes de regressão linear para múltiplas curvas matemáticas, e a análise dos valores de “r” indicou a hipérbole. A seguir transformou-se a hipérbole em reta (y = b + ax). A análise estatística indicou distribuição não-normal para os valores “b” (contraste) e “a” (densidade) na equação da reta. Os resultados demonstraram existir diferenças significantes (n = 10, p < 0,001) quando comparados com as doses de exposições (redução de 34%) com filtro de estanho.

Conclui-se que a associação do filme E com o filtro de estanho expõe o paciente a menor quantidade de radiação e apresenta igual contraste e densidade radiográfica quando comparada com a associação do filme do grupo D e filtro de alumínio. (Apoio: CNPq - processo: 301042/94-2 (NV).)

 Pa300

Inspeção de porosidade em fundição de cobalto-cromo com aparelhos de raios X: 60 ou 70 kVp?

PAULINO, S. M.*, PARDINI, L. C., SOUZA FILHO, C. B., BEZZON, O. L.

Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto - Universidade de Ribeirão Preto. E-mail: sil@online.unaerp.br

Em fundições de estrutura metálica de prótese parcial removível, a porosidade é um dos defeitos mais freqüentes, tendo como conseqüência a fratura da prótese. No complexo dento-maxilo-facial, quanto maior o kVp do aparelho de raios X, maior é o poder de penetração nas estruturas calcificadas. O objetivo dessa pesquisa laboratorial é avaliar a influência do kVp do aparelho de raios X na constatação de porosidades nas estruturas metálicas fundidas em Co-Cr. Utilizou-se um corpo-de-prova fundido (Co-Cr/Vitallium), nas dimensões 15 x 4 x 1,5 mm, onde foram realizados 5 orifícios com brocas esféricas “carbide”, em escala crescente de 1/2, 1, 4, 5 e 6, para simularem porosidades. O corpo-de-prova foi radiografado em 2 aparelhos de raios X: 1º) 60 kVp/ 10 mA e 2º) 70 kVp, 8 mA; tendo DDF de 40 cm simulando a técnica radiográfica do paralelismo com filme periapical (EP-21). Os tempos de exposição foram de 0,2; 0,4; 0,8; e 1,0  s; após o processamento (tempo/temperatura) das 8 radiografias (1 filme para cada exposição), as imagens foram analisadas com lupa, em negatoscópio, por 3 observadores. Os resultados demonstraram a existência de diferença significativa (p < 0,001) em relação ao kVp, sendo que o aparelho de 70 kVp registrou mais contraste e densidade dos poros. Com 70 kVp, os 5 poros foram detectados independente do tempo de exposição; enquanto que o de 60 kVp, no tempo máximo de 1,0 s foram detectados apenas 3 poros.

Concluiu-se que o kVp influencia na detecção dos poros; portanto, o cirurgião-dentista pode detectar porosidade em prótese removível com aparelho de 70 kVp e 8 mA.

 Pa301

Estudo comparativo entre a idade cronológica e a maturação das vértebras cervicais

ARMOND, M. C.*, GENEROSO, R., TAVANO, O., RIBEIRO, A., PARREIRA, M. L. J.,
CASTILHO, J. C. M.

Diagnóstico e Cirurgia - Universidade Vale do Rio Verde de Três Corações. E-mail: mcarmond@zipmail.com.br

A determinação do estágio de crescimento e desenvolvimento ósseo é de suma importância para o correto diagnóstico e planejamento do tratamento ortodôntico/ortopédico funcional, principalmente em pacientes em fase de crescimento puberal. Apesar da radiografia carpal ser o parâmetro mais utilizado para estimar o crescimento e acompanhando uma tendência de minimizar a quantidade de radiação ionizante a que é submetido o paciente, outros métodos tem sido utilizados, como por exemplo, a observação das vértebras cervicais, visualizadas nas radiografias cefalométricas laterais, as quais são de rotina na prática ortodôntica. Esse estudo compara os diferentes índices de maturação das vértebras cervicais com a idade cronológica em 380 pacientes leucodermas, brasileiros, de ambos os sexos com idade variando dos 6 aos 16 anos. Os resultados mostraram uma relação direta entre o aumento da idade cronológica e o aumento dos índices de maturação das vértebras cervicais até a faixa etária de 12 anos para ambos os sexos e a partir dessa faixa etária, maior aceleração da maturação óssea nos pacientes do sexo feminino.

Concluímos que a utilização da idade cronológica como parâmetro para determinar a idade óssea através da observação das vértebras cervicais é medianamente confiável.

 Pa302

Avaliação da eficiência de um protocolo de controle de infecção em radiologia odontológica por análise microbiológica

SILVA, M. A. S.*, MEDICI FILHO, E., MORAES, L. C., CASTILHO, J. C. M., MARTINS, M. V., JORGE, A. O. C.

Cirurgia, Periodontia e Radiologia - Universidade Estadual Paulista. E-mail: denteok@bol.com.br

O objetivo deste estudo foi demonstrar a eficácia de um protocolo para controle de infecção cruzada em radiologia odontológica, durante as fases de técnica e processamento radiográfico, visto que a transmissão de doenças infecciosas deve ser uma preocupação de todo cirurgião-dentista. As áreas selecionadas para coleta de material foram: filme radiográfico, cabeçote de raios X, cadeira odontológica, avental de chumbo, botão disparador, parede do biombo de chumbo, bancada da câmara escura e as soluções processadoras (revelador, água e fixador). Em cada área, o material foi coletado antes e após a instituição do protocolo. Para cada local escolhido foram utilizadas 10 placas Rodac ou de Petri, perfazendo um total de 140 placas Rodac (70 antes e 70 após) e 60 placas de Petri (30 antes e 30 após), ambas contendo meio de cultura ágar-sangue. As soluções de processamento foram dispensadas nas placas de Petri, enquanto o material obtido, nas demais áreas foi coletado diretamente nas placas Rodac. Em seguida, as placas foram encubadas a 37ºC/48 horas, para posterior contagem do número de colônias existentes em suas superfícies. Os resultados obtidos, quando submetidos ao teste t de Student, revelaram diferença estatisticamente significante (p = 0,002) entre a contagem realizada antes e após a instituição do protocolo.

Concluímos que a adoção do protocolo reduziu a quantidade de microrganismos nas superfícies e soluções analisadas e que o controle de infecção cruzada na clínica radiológica é de suma importância tanto para o paciente como para o cirurgião-dentista.

 Pa303

Estudo comparativo entre metodologias de ensino para estruturas anatômicas em radiografias extrabucais

GAMBIER, V. C. R.*, FENYO-PEREIRA, M., RAITZ, R., MARTINS, M. D.

Diagnóstico Bucal - Universidade de São Paulo. E-mail: valeriagambier@aol.com

A anatomia do complexo maxilo-facial constitui a base do aprendizado do aluno de Odontologia. Em Radiologia Odontológica o ensino e aprendizado da anatomia radiográfica é fundamental, uma vez que a partir do conhecimento do anatômico é que se pode identificar as alterações da normalidade, bem como identificar os artefatos inerentes às próprias técnicas radiográficas. Com esse raciocínio é que nos propusemos a avaliar duas diferentes estratégias de ensino de anatomia radiográfica crânio-facial com o intuito de estabelecer o melhor método de assimilação pelo aluno. Foram comparados o desempenho de duas turmas de graduandos do 5º semestre do curso de Odontologia da Universidade Braz Cubas. A primeira turma delineou as estruturas anatômicas em papel vegetal fixado sobre radiografias extrabucais panorâmica, teleradiografia e póstero-anterior para seios da face (Waters). A segunda turma, previamente a este procedimento, coloriu desenhos referentes aos desenhos de cada tipo de radiografia a ser desenhada. Ambas as turmas foram submetidas à mesma avaliação mensal. Aplicando-se o teste de significância para igualdade entre duas médias, não houve diferença significante entre os dois métodos a nível de 1%.

Podemos concluir que há eficiência igual dos métodos comparados, como também pode haver diferença de capacidade de aprendizado entre as turmas avaliadas.

 Pa304

Estudo da prevalência de anomalias dentárias por meio de radiografias panorâmicas em população da região bragantina

FENYO-PEREIRA, M.*, GIRONDI, J. R., CAMPOS, P. S. F., PANELLA, J.

Estomatologia - Universidade de São Paulo. E-mail: mfenyo@usp.br

O objetivo nesse trabalho foi o estudo da prevalência de anomalias dentárias em amostra populacional da região de Bragança Paulista (SP). Foram levantadas 533 radiografias panorâmicas de pacientes com dentição completa e idades de 12 a 25 anos. Os dados foram submetidos ao método de Fleiss para calcular proporções e intervalos de confiança e encontramos os seguintes resultados: macrodontia - prevalência de 0,75% e o dente mais envolvido foi o terceiro molar superior esquerdo; microdontia - prevalência de 2,81% e o maior envolvimento foi do incisivo lateral superior direito; taurodontia - prevalência de 1,5% e o dente mais freqüentemente envolvido foi o segundo molar inferior; anodontia - prevalência 6,57% e o terceiro molar inferior foi o dente que mais apresentou a anomalia; dentes supranumerários - apresentou prevalência de 1,5% e a região com maior número de ocorrências foi a de molares superiores; dentes não irrompidos - prevalência de 31,52% e o dente mais envolvido foi o terceiro molar inferior; raízes fusionadas - prevalência de 9,9% e ocorrendo mais nos segundos molares superiores e transposição - prevalência de 0,38%, sendo que apenas dois casos apresentaram tal condição.

A maior prevalência foi para dentes não irrompidos com 31,52%. O dente mais envolvido em anomalias foi o terceiro molar inferior e quando não considerados os terceiros molares o dente mais envolvido torna-se o segundo molar superior.

 Pa305

Avaliação do ângulo nasolabial

SALGADO, J. A. P.*, MORAES, L. C., CASTILHO, J. C. M., MORAES, M. E. L.

Odontologia Social e Clínica Infantil - Universidade Estadual Paulista. E-mail: salgado-jap@ig.com.br

Foi analisado o ângulo nasolabial de 52 telerradiografias cefalométricas laterais de 26 pacientes, leucodermas, do sexo feminino, correspondendo ao início e final do tratamento ortodôntico, sendo que 13 pacien­tes foram tratados com extrações dos pré-molares. Os pacientes que se submeteram a extração, apresentaram no início do tratamento a média de idade de 148,85 meses e a média de 145,62 meses os pacientes que não tiveram extração dos pré-molares. Conforme os resultados o ângulo nasolabial no grupo com extração, apresentou no início do tratamento a média de 108,00º e no final do tratamento a média de 116,77º, com diferença estatisticamente significante a 5% e no grupo sem extração, no início do tratamento a média de 111,88º e no final do tratamento a média de 113,81º, sem diferença estatisticamente significante a 5%. Quando comparamos os resultados com extração e sem extração houve diferença estatisticamente significante a nível de 5%.

Conclui-se que os pacientes tratados ortodonticamente com extrações de pré-molares em relação aos tratados sem extração apresentaram um ângulo nasolabial maior, estatisticamente significante e em ambos os grupos houve aumento do ângulo nasolabial, produzindo alterações do lábio superior em resposta à retração dentária. Deve-se informar ao paciente o aumento do ângulo nasolabial no planejamento do tratamento ortodôntico quando indicar extração dentária.

 Pa306

Avaliação das doses de radiação X durante o exame radiográfico transcraniano da articulação temporomandibular

ANDRADE, H. O.*, GONÇALVES, M., GONÇALVES, A., GONÇALVES, N.

Diagnóstico - Universidade Camilo Castelo Branco. E-mail: haroldo@omninnetwork.com.br

O objetivo deste trabalho foi avaliar a exposição do paciente a radiação X, na obtenção de radiografias transcranianas da articulação temporomandibular (ATM), em dezessete pacientes adultos dentados. Foram estudadas as seguintes regiões: incidência e emergência do feixe central de raios X, cristalinos direito e esquerdo, tireóide e gônadas. Para mensuração das doses de radiação X, foram utilizados dosímetros termoluminescentes de fluoreto de lítio (LiF-700), distribuídos nas regiões de interesse. Cada paciente foi submetido a seis incidências radiográficas, sendo três para cada lado, correspondente as posições de boca aberta, boca em repouso e boca fechada. Considerada a dose incidente na pele como 100%, obtivemos 0,04% da dose média incidente na pele para a dose emergente, 0,044% para a região do cristalino para o mesmo lado da ATM radiografada, 0,064% para a região do cristalino do lado oposto a ATM radiografada, 0,0068% para a região de tireóide e 0,002% para a região de gônadas.

Concluiu-se que, por tomada radiográfica, foram obtidas doses médias de 25,0 mGy na região de incidência do feixe central de raios X, 0,0086 mGy sobre o cristalino do mesmo lado da ATM radiografada, 0,016 mGy sobre o cristalino do lado oposto a ATM radiografada, 0,0017 mGy sobre a tireóide, 0,0005 mGy sobre as gônadas e 0,010 mGy na região de emergência do feixe central de raios X.

 Pa307

Radiopacidade dos cimentos de hidróxido de cálcio

ORTEGA, A. I.*, DEVITO, K. L., HAITER NETO, F.

Diagnóstico Oral - Universidade Estadual de Campinas. E-mail: ortegaloza@ig.com.br

É importante que todos os materiais adicionados aos dentes apresentem uma determinada radiopacidade. Esta característica é fundamental para a detecção de cáries secundárias e excessos de materiais nas superfícies proximais. Usualmente, em cavidades extensas, são utilizados materiais de base, como o cimento de hidróxido de cálcio, com a função de proteger a polpa. Na tentativa de melhorar a eficiência para detecção radiográfica deste material, esta pesquisa foi realizada com o objetivo de determinar a radiopacidade de três marcas comerciais de cimentos de hidróxido de cálcio, bem como comparar a radiopacidade destes materiais com a da dentina e do esmalte. Para isto, radiografaram-se corpos-de-prova de 1 mm de espessura dos três cimentos de hidróxido de cálcio Hydro-C, Dycal e Life; uma escala de densidades de alumínio de 12 mm de espessura; uma lâmina de chumbo e um corte de 1 mm de espessura de um dente humano. Após o processamento radiográfico, foram realizadas as leituras densitométricas. As radiopacidades dos cimentos de hidróxido de cálcio foram expressas em espessura equivalente de alumínio, bem como as radiopacidades da dentina e do esmalte. Através de uma ANOVA, observou-se que apenas o Life mostrou uma diferença estatisticamente significante, apresentando a radiopacidade mais baixa em relação aos demais cimentos. No entanto, todos os cimentos, bem como o esmalte, possuem uma radiopacidade equivalente a 2 mm de alumínio, enquanto a da dentina é equivalente a 1 mm.

Pode-se concluir que todos os cimentos testados apresentam uma radiopacidade semelhante à do esmalte.

 Pa308

Fluorescência laser: avaliação da interferência de manchas presentes na estrutura dentária no diagnóstico de cárie

MENDONÇA, S. M. S.*, FERREIRA, E. F. F., PAIXÃO, H. H., MESQUITA, O. N., BATISTA, U. A.

Odontologia Restauradora - Universidade Federal de Minas Gerais. E-mail: santuza@bol.com.br

Com o objetivo de avaliar se a presença de manchas na estrutura dentária interfere na capacidade diagnóstica dos métodos que utilizam a fluorescência laser (MFL), realizou-se um estudo in vitro, empregando-se o laser diodo (DIAGNOdent 2095®) e o laser de Argônio (488 nm). Sessenta sítios com diagnóstico visual duvidoso quanto à presença de lesão cariosa foram examinados através dos MFL. Os exames com o DIAGNOdent foram feitos em dentes secos e umedecidos com saliva artificial, a fim de averiguar se a saliva interfere na capacidade diagnóstica deste método. Um único examinador executou todos os exames e os diagnósticos foram dados de acordo com a tabela proposta por LUSSI et al. (1999). Para análise dos dados, os sítios foram subdivididos em 5 grupos: 1- todos os sítios, 2- os pigmentados de marrom, 3- os com manchas brancas sugestivas de fluorose, 4- os pigmentados e com manchas brancas sugestivas de fluorose e 5- os sem alteração. Calcularam-se a sensibilidade, especificidade, acurácia, valores preditivos positivo e negativo dos métodos em cada grupo estudado. Os indicadores de validade não sofreram alterações significativas quando foram comparados os grupos 1, 2, 3 e 5, no entanto, houve um declínio acentuado destes valores quando o grupo 4 foi comparado aos demais.

Desta forma, somente a presença simultânea de pigmentação marrom e mancha branca sugestiva de fluorose parece prejudicar a capacidade diagnóstica dos MFL. A saliva parece não interferir na capacidade diagnóstica do DIAGNOdent e este se mostrou superior ao método que utiliza o laser de argônio. (Apoio: CNPq.)

 Pa309

Perfil do usuário idoso nas clínicas odontológicas da FACS/UNIVALE

ABREU, M. H. N. G.*, RODRIGUES, S. M., LAUAR, C., LIBÓRIO, P., VILARINO, W., LEÃO, L., ILVA, E. F.

Odontologia - Universidade Estadual de Montes Claros. E-mail: mauroh@teacher.com

O trabalho objetivou descrever algumas características sócio-demográficas, as condições de saúde e os procedimentos odontológicos realizados entre usuários com 60 anos ou mais de idade das Clínicas O­dontológicas da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade do Vale do Rio Doce - FACS/UNIVALE/MG, em 1998 e 1999. Todos os prontuários odontológicos de todas as clínicas foram avaliados. Para a coleta de dados, foram utilizados formulários e manual de instruções. As seguintes variáveis foram analisadas: gênero, idade, estado civil, ocupação, doenças sistêmicas, utilização de medicamentos, motivo da consulta odontológica e procedimentos odontológicos. A análise estatística descritiva foi realizada no programa Excel 97 for Windows®. Em relação às características sócio-demográficas, observa-se que 51,7% eram mulheres; a maioria (68,3%) dos indivíduos era casada; 69,5% dos participantes apresentavam até 69 anos de idade; e 35,8% eram donas-de-casa. As alterações cardiovasculares (18,9%) e gastrointestinais (17,1%) foram as mais relatadas. Mais da metade (67,3%) dos usuários utiliza algum medicamento, sendo os anti-hipertensivos (34,4%) e os analgésicos/antiinflamatórios (23,8%), os mais relatados. O principal motivo de consulta odontológica foi a dor (33,4%), seguido pela confecção de prótese (27,4%). Os principais procedimentos odontológicos realizados foram exodontia (22,0%), radiografia (13,9%) e prótese total removível (12,6%).

A maioria dos indivíduos apresenta alterações sistêmicas. A prática odontológica privilegia a realização de procedimentos cirúrgicos e reabilitadores.

 Pa310

Condições de saúde bucal entre idosos institucionalizados

GUERRA, C. M. F.*, GONÇALVES, S. L. M., UCHOA, W. M. F., MARROQUIM, R. P.

Prótese e Cirurgia Buco-Facial - Universidade Federal de Pernambuco. E-mail: catia.guerra@uol.com.br

O objetivo do presente estudo foi conhecer as condições de saúde bucal de idosos nos asilos: Lar Batista para Anciãos Pe. Antônio Dorta e Companhia de Caridade Instituto Pe. Venâncio localizados no bairro da Várzea - Recife, com o objetivo de criar nas instituições um programa de atendimento a esse idoso. Os dados foram obtidos através do uso de questionário e exame clínico. A amostra estudada foi composta por 75 idosos. Na análise estatística dos resultados, observou-se que 93,0% era do gênero feminino e 7,0% do gênero masculino, com média de idade de 79,1 anos; todos os idosos relataram uso diário de algum medicamento; 61,0% eram edêntulos totais bimaxilares, apenas 44% usavam prótese, sendo que a maioria (81,0%) era usuária unicamente da prótese superior e que 66,67% das próteses tinham sido confeccionadas por protéticos sem a atuação do cirurgião-dentista. A necessidade de uso de prótese foi de 75,0%. A média de dentes funcionais por indivíduo foi de 3,69 com índice de Perda de Inserção Periodontal (PIP) entre 2 e 3 ou seja de 6 mm a 11,5 mm. O nível de higiene bucal e dos aparelhos protéticos foi ruim, apesar de um grande percentual ter relatado já haver recebido algum tipo de orientação e realizar a higienização três vezes ou mais ao dia.

A condição de saúde bucal encontrada foi precária; há necessidade de se empreender um grande esforço no sentido de mudar o comportamento dos idosos para valorização da Odontologia e da saúde bucal como parte integrante da saúde geral, através de um programa de assistência odontológica sistemático nos asilos.

 Pa311

Cuidado odontológico provido a idosos residentes em instituições geriátricas de pequeno porte em Porto Alegre

MELLO, A. L. S. F.*, PADILHA, D. M. P.

Faculdade de Odontologia - Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Universidade Federal de Santa Catarina. E-mail: alfm@terra.com.br

Dados demográficos confirmam o envelhecimento da população brasileira. Porém, idosos que têm a ventura de desfrutar mais anos de vida, nem sempre conseguem fazê-lo com saúde. Isso é evidente, quando se analisa a condição de saúde bucal. Muitos idosos são institucionalizados para receberem a atenção de pessoal capacitado, mas o cuidado odontológico parece não estar sendo relevado. O objetivo deste trabalho foi identificar as características da provisão de cuidado odontológico aos idosos residentes em instituições de pequeno porte em Porto Alegre e estabelecer sua relação com as condições de higiene bucal. Buscou-se coletar informações com os residentes, cuidadores e supervisores das 12 instituições integrantes da amostra. A análise dos depoimentos dos supervisores e cuidadores demonstra que o cuidado odontológico não segue qualquer protocolo ou normatização, sendo realizado empiricamente pelos cuidadores. O índice de placa médio em dentes encontrado nos idosos foi 2,24 (Sillnes & Löe) e em próteses foi 7,14 (Ambjornsen). Embora os entrevistados considerem que o cuidado odontológico seja realizado regularmente, questiona-se a sua eficácia diante dos altos níveis de placa observados.

Os dados indicam que as características empíricas dos procedimentos de higiene bucal, desassociados de adequada orientação técnica, ante o descompromisso organizacional privado, institucional público, e até familiar, implicam um cuidado odontológico insatisfatório, sugerindo que os idosos institucionalizados estão sendo negligenciados permanentemente no âmbito odontológico.

 Pa312

Prevalência de idosos com desordens temporomandibulares no Centro de Controle da Dor Orofacial da FOP-UPE

GONÇALVES, S. L. M. B.*, GUERRA, C. M. F., SANTOS, C. H., FEITOSA, D. S.

Odontologia Restauradora - Universidade de Pernambuco. E-mail: sandramoraesbg@uol.com.br

As desordens temporomandibulares (DTMs) são condições multifatoriais que afetam a saúde bucal e sua prevalência tem sido extensivamente avaliada em diferentes populações de grupos etários. Devido a controvérsia com relação a prevalência de DTMs e a importância de se estudar, na população idosa, a questão, esta pesquisa teve por objetivo determinar a prevalência de indivíduos idosos (idade igual ou superior a 60 anos) com DTMs. Para tal foram avaliados os prontuários de 2903 pacientes atendidos no Centro de Controle da Dor Orofacial (CCDO) da FOP-UPE. Essa amostragem constituiu a totalidade de pa­cientes atendidos entre os anos de 1996 a 2001. Os dados coletados foram registrados em fichas específicas e submetidos a análise estatística observando-se que: a prevalência de idosos portadores de DTMs atendidos no CCDO foi de 10,6%; a queixa principal mais relatada por esses pacientes foi a associação de dor e disfunção (47,9%) e o hábito deletério mais freqüentemente observado foi a parafunção (87,4%), o trauma foi uma ocorrência bastante freqüente nos indivíduos idosos com DTMs (53,3%); em todas as queixas principais, dor, disfunção, ambas e outras, houve maior prevalência de idosos desdentados totais com, respectivamente, 76,1%, 75,0%, 69,4% e 100%.

A prevalência de idosos portadores de DTMs atendidos no CCDO foi considerada alta; entre os hábitos deletérios, houve predominância da ocorrência do hábito de parafunção; nos usuários de prótese total, a queixa principal mais relatada foi a associação de dor e disfunção.

 Pa313

Análise da relação entre índice anamnésico de disfunção craniomandibular e escala de ansiedade na terceira idade

RIOS, A. C. F. C.*, ROCHA, P. V. B., FRANCO, A. L. S.

Clínica Integrada - Universidade Estadual de Feira de Santana. E-mail: anacarlarios@aol.com

A teoria psicofisiológica de etiologia da disfunção craniomandibular (DCM) admite estresse como fator etiológico comum na DCM, exceto em situação de trauma externo e na doença artrítico-degenerativa. Assim sendo, definiu-se como objetivo desta pesquisa avaliar a relação entre DCM referida e a ansiedade, enquanto distúrbio emocional associado ao estresse. Para isto, foi analisado um grupo de 73 mulheres na faixa etária de 59 a 83 anos de idade participantes do Programa Universidade Aberta a Terceira Idade da Universidade Estadual de Feira de Santana, através de questionário de auto-avaliação. Um padrão de associação foi obtido utilizando-se o Inventário de Ansiedade Traço-Estado (IDATE) após aplicação de um índice anamnésico para DCM que classificou os indivíduos em: Grupo I (n = 26) - sem DCM; Grupo II (n = 22) - DCM leve; Grupo III (n = 25) - DCM moderada ou severa. Os dados foram firmados, apresentados em tabelas e analisados através do teste não-paramétrico de Mann-Whitney e do coeficiente de correlação de Spearman, com nível de significância de 5%. A avaliação estatística demonstrou: 1. correlação estatisticamente significante entre índice de DCM e o nível de ansiedade, nas escalas A-traço e A-estado; 2. diferença significativa entre as médias da escala A-traço e A-estado entre indivíduos do grupo I e do grupo III e entre indivíduos do grupo II e do grupo III.

A análise dos resultados proporcionou a seguinte conclusão: no grupo de estudo pesquisado houve correlação positiva entre disfunção craniomandibular referida e a tendência para reagir a pressão psicológica com ansiedade.

 Pa314

Avaliação histopatológica de dentes de cães, submetidos a pulpotomia e tratamento com substâncias à base de PMCC + Furacin

FLORIAM, L. J.*, OLIVEIRA, M. R. B., LIA, R. C. C.

Clínica Infantil - Universidade de Ribeirão Preto. E-mail: ljfloriam@yahoo.com.br

Apesar do grande avanço dos métodos preventivos, ainda hoje a pulpotomia é um tratamento bastante comum e rotineiro em Odontopediatria. O objetivo deste trabalho foi avaliar histopatologicamente a resposta pulpar de pré-molares de cães, submetidos a pulpotomia e tratamento do remanescente pulpar com misturas de PMCC 3,5:6,5 e 2,5:7,5, associados ao Furacin, com e sem curativo de demora por 5 minutos, distribuídos em 4 grupos: G I- PMCC 3,5:6,5-Furacin com curativo; G II- PMCC 2,5:7,5-Furacin com curativo; G III- PMCC 3,5:6,5-Furacin sem curativo e G IV- PMCC 2,5:7,5-Furacin sem curativo, em períodos de 7, 45 e 90 dias. Na análise histopatológica, encontrou-se que em todos os grupos e períodos, as soluções mostraram-se irritantes ao tecido conjuntivo pulpar, exibindo morte tecidual, com fenômeno de fixação, sendo maior nos grupos I e II quando comparados aos grupos III e IV.

Concluiu-se que: todas as misturas testadas mostraram-se como irritantes ao tecido conjuntivo pulpar, levando à morte tecidual, com fenômeno de fixação; o curativo de demora por cinco minutos de PMCC-Furacin determinou maior fixação tecidual pulpar e; os resultados histopatológicos nos possibilita indicar essa mistura como uma alternativa para pulpotomia em tratamento endodôntico de dentes decíduos. (Apoio financeiro: CAPES.)